Vanguarda russa

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Arte abstrata . Vasily Kandinsky , a primeira aquarela abstrata de Kandinsky (Estudo para Composição VII, abstração Première), pintado em 1913[1]
Futurismo russo. Natalia Goncharova, ciclista, 1913
Rayonism. Mikhail Larionov, The Glass, 1912
Suprematismo. Kazimir Malevich, Black Square, 1915
Proletkult. El Lissitzky, Beat the Whites With the Red Wedge, 1919
Constructivismo. Vladimir Tatlin, Monumento à Terceira Internacional, 1919
Arte construtivista. Alexander Rodchenko, design de mesa de xadrez, 1925
Construtivismo. Ilya Golosov, Zuev Club, 1926

A vanguarda russa foi uma grande e influente onda de arte moderna de vanguarda que floresceu no Império Russo e na União Soviética, aproximadamente de 1890 a 1930 - embora alguns tenham colocado seu início em 1850 e seu fim em 1960. O termo abrange muitos movimentos artísticos separados, mas inextricavelmente relacionados, que floresceram na época; incluindo Suprematismo, Construtivismo, Futurismo Russo, Cubo-Futurismo, Zaum e Neo-primitivismo.[2][3][4][5] Muitos dos artistas que nasceram, cresceram ou foram ativos no que hoje é a Bielo-Rússia e a Ucrânia (incluindo Kazimir Malevich, Aleksandra Ekster, Vladimir Tatlin, Wassily Kandinsky, David Burliuk, Alexander Archipenko), também são classificados na vanguarda ucraniana.[6]

A vanguarda russa atingiu seu auge criativo e popular no período entre a Revolução Russa de 1917 e 1932, momento em que as ideias da vanguarda entraram em conflito com a direção do realismo socialista patrocinada pelo Estado.[7]

Artistas e designers[editar | editar código-fonte]

Figuras notáveis ​​desta época incluem:

Revistas[editar | editar código-fonte]

Cineastas[editar | editar código-fonte]

Escritores[editar | editar código-fonte]

Um dos poucos escritores, por exemplo, como o romancista, contista e ensaísta, Yevgeny Zamyatin (1884-1937), não dedicou totalmente sua carreira de escritor a experimentar a arte de vanguarda russa, mas, em vez disso, decidiu defender e elogiando o movimento de vanguarda, como uma resistência à censura das ideias literárias independentes em livros publicados e compráveis ​​na U.S.S.R.[8] Ele deu forma às suas ideias escrevendo livros e panfletos sobre os negativos da ideologia singular que era o estado patrocinou o "realismo social" e sua oposição a isso. Uma de suas citações, "Na arte, a maneira mais certa de destruir é canonizar uma dada forma e uma filosofia" (Ensaio - A Nova Prosa Russa.)[9] uma prova de sua postura antitotalitária que está presente em todo toda a sua carreira literária, mais popularmente em seu romance "Nós" e seus trabalhos de ensaio. Ele escreveu particularmente sobre como pode haver uma relação benéfica progressiva e de desenvolvimento entre as sociedades e a livre expressão da arte, "Mas a literatura prejudicial é mais útil do que a literatura útil, pois é anti-entrópica, é um meio de combater a calcificação, a esclerose, crosta, musgo, calma "(Ensaio - Literatura, Revolução, Entropia).[10] "Nós" de Yevgeny Zamyatine seu apoio ideológico para a liberdade para si e para o governo, influenciaria escritores na Europa Ocidental e nos EUA (por exemplo, George Orwell "1984", Kurt Vonnegut "Player Piano", etc.)[11]

Diretores de teatro[editar | editar código-fonte]

Arquitetos[editar | editar código-fonte]

Preservar a arquitetura de vanguarda russa tornou-se uma preocupação real para historiadores, políticos e arquitetos. Em 2007, o MoMA da cidade de Nova York dedicou uma exposição à arquitetura de vanguarda soviética no período pós-revolucionário, com fotos de Richard Pare.[12]

Compositores[editar | editar código-fonte]

Muitos compositores russos interessados ​​em música de vanguarda tornaram-se membros da Association for Contemporary Music, dirigida por Roslavets.

Veja também[editar | editar código-fonte]

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. Wassily Kandinsky, Untitled (study for Composition VII, Première abstraction), watercolor, 1913, MNAM, Centre Pompidou
  2. Hatherley, Owen (4 de novembro de 2011). «The constructivists and the Russian revolution in art and achitecture». The Guardian (em inglês). ISSN 0261-3077. Consultado em 13 de dezembro de 2019 
  3. «Cubo-Futurism | art movement». Encyclopædia Britannica (em inglês). Consultado em 13 de dezembro de 2019 
  4. Douglas, Charlotte (1975). «The New Russian Art and Italian Futurism». Art Journal. 34 (3): 229–239. ISSN 0004-3249. JSTOR 775994. doi:10.2307/775994 
  5. «A Revolutionary Impulse: The Rise of the Russian Avant-Garde». The Museum of Modern Art (em inglês). Consultado em 13 de dezembro de 2019 
  6. «Welcome to Ukrainian Avant-garde!». avantgarde.org.ua (em ucraniano). Consultado em 13 de dezembro de 2019 
  7. Groys, Boris (31 de dezembro de 2019), «3. The Birth of Socialist Realism from the Spirit of the Russian Avant-Garde», ISBN 978-1-61811-142-5, Academic Studies Press, The Russian Avant-Garde and Radical Modernism, pp. 250–276, doi:10.1515/9781618111425-010 
  8. Yevgeny Zamyatin's essay - Tomorrow (last paragraph - translated by Mirra Ginsburg.)
  9. Yevgeny Zamyatin's essay - "The New Russian Prose" (p. 124, third paragraph, line 26-27 - translated by Mirra Ginsburg.)
  10. Yevgeny Zamyatin's essay - "On Literature, Revolution, Entropy and Other Matters" (p. 109, paragraph 2, translated by Mirra Ginsburg and corrected to be closer to the original text by a Russian native speaker)
  11. Yevgeny Zamyatin - Wikipedia - Sub-chapter, Legacy
  12. «Lost Vanguard: Soviet Modernist Architecture, 1922–32». MoMA. 2007 
Leitura Adicional
  • Tedman, Gary. Soviet Avant Garde Aesthetics, chapter from Aesthetics & Alienation. pp 203–229. 2012. Zero Books. ISBN 978-1-78099-301-0

Links externos[editar | editar código-fonte]