Abu Yusuf Ya'qub al-Mansur

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Abu Yusuf Ya'qub al-Mansur (1160 - 23 de Janeiro de 1199), ou Iacube I, ou Almançor (em árabe: أبو يوسف يعقوب بن يوسف المنصور Abū Yūssuf Yaʿqūb bin Yūssuf al-Manṣūr) foi o terceiro califa do Califado Almóada de Marrocos.

Anteriormente feito emir pelo seu pai, subiu ao trono do império em 1184, aquando da morte deste após a derrota na batalha de Santarém, frente a Fernando II de Leão. O seu reinado coincidiu com o período de máximo esplendor do Califado Almóada na Península Ibérica.

Minarete incompleto da mesquita de Hasan

Propôs-se a reformar o império, lutando contra o luxo e os costumes menos ortodoxos, ao mesmo tempo que reforçava o seu poder militar, deixando o seu irmão Abu Yahya como governador de Al-Andalus. A sua primeira ação foi a derrota dos Banú Ganiyah de Maiorca, que estavam a prejudicar o comércio do império patrocinando a pirataria.

Em Portugal, a tomada do Castelo de Silves em 1189 por D. Sancho I suscitou uma contra-ofensiva muçulmana que resultou não só na perda de Silves como de grande parte da região do Alentejo, até à margem esquerda do rio Tejo, permanecendo apenas Évora em poder dos cristãos. Entre 1190 e 1191, Ya'qub al-Mansur tomou as cidades de Alcácer do Sal, Palmela, Almada, Torres Novas e Abrantes e tentou invadir Tomar, mas os cavaleiros templários de Gualdim Pais resistiram e travaram a sua invasão.

Castelo de Tomar, construído e defendido por D. Gualdim Pais contra a ofensiva almóada de 1190-1191

Em 1195, à frente de um poderoso exército, passou novamente o estreito de Gibraltar e derrotou as forças cristãs de Afonso VIII de Castela na batalha de Alarcos, a partir da qual tomou o cognome de al-Mansur, o Vitorioso. Depois da vitória, firmou a paz com os reis de Navarra, Leão e Portugal, ao mesmo tempo que atacava as posições castelhanas, desmantelando a suas posições na região de La Mancha e atacando as cidades de Toledo e Madrid. Também conseguiu derrotar o rebelde Ibn Ghaniya no deserto da Líbia.

Durante o seu reinado terminou-se de construir as mesquitas de Kutubia em Marraquexe, e de Sevilha, com a Giralda, projetada pelo seu pai. Também iniciou em Rabat a construção da mesquita de Hasan, que teria sido a maior do mundo, mas que ficou inacabada à data da sua morte e não foi continuada pelo seu sucessor. Para a posteridade ficou o minarete incompleto da mesquita.

Homem de grande cultura, escrevia em bom estilo árabe e protegia o filósofo Averróis que frequentava a corte como um favorito. A cidade termal de Moulay Yacoub, nos arredores de Fez, recebeu o seu nome em honra de Al-Mansur.

Ya'qub al-Mansur morreu em 1199, em Marraquexe, sendo sucedido pelo seu filho Maomé I.

Referências[editar | editar código-fonte]

  • Histoire de l'Afrique du Nord, des origines à 1830, Charles-André Julien, 1994.
Precedido por
Abu Ya'qub Yusuf
Icone-Islam.svg
Califa almóada

1184-1199
Sucedido por
Maomé I


Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.