Associação Desportiva Ferroviária Vale do Rio Doce

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Desportiva Capixaba)
Ir para: navegação, pesquisa
Desportiva Ferroviária
Logo Desportiva ES.png
Nome Desportiva Ferroviária
Alcunhas Tiva
Locomotiva Grená
Time que sabe fazer amigos
Torcedor/Adepto Grená
Mascote Maquinista de Trem
Fundação 17 de junho de 1963 (51 anos)
Estádio Engenheiro Alencar Araripe
Capacidade 15 000[1]
Presidente Brasil Wilson de Jesus
Treinador Brasil Eleomar Pereira
Patrocinador Brasil BMG
Brasil CEDTEC
Brasil Unimed
Material esportivo Brasil Ícone Sports
Competição Brasil Copa do Brasil
Brasil Copa Verde
Espírito Santo (estado) Campeonato Capixaba
Brasão do Espírito Santo.svg Copa Espírito Santo
Brasil 2014
Brasil 2014
Espírito Santo (estado) 2014
Brasão do Espírito Santo.svg 2014
Em disputa
11°(Eliminado oitavas)
Em disputa
Em disputa
Brasil 2013
Espírito Santo (estado) 2013
Brasão do Espírito Santo.svg 2013
Primeira fase
Campeã
Semi-final
Ranking nacional 41º, 508 pontos
Website Website Oficial
Kit left arm whiteshoulders.png Kit body whiteshoulders.png Kit right arm whiteshoulders.png
Kit shorts.png
Kit socks.png
Uniforme
titular
Kit left arm redshoulders.png Kit body redshoulders.png Kit right arm redshoulders.png
Kit shorts.png
Kit socks.png
Uniforme
alternativo
Kit left arm white stripes.png Kit body whitestripes.png Kit right arm white stripes.png
Kit shorts.png
Kit socks.png
Uniforme
alternativo
Temporada atual
editar

A Associação Desportiva Ferroviária Vale do Rio Doce, conhecida nacionalmente como Desportiva é um clube de futebol brasileiro, do bairro de Jardim América, Cariacica, Região Metropolitana de Vitória, no Espírito Santo. Tem como seu maior patrimônio o Estádio Engenheiro Alencar Araripe.

Surgiu do resultado da da fusão de vários outros clubes controlados pela Companhia Vale do Rio Doce. Em 1999, por resultado da fusão com o grupo Villa-Forte, modificou seu nome para Desportiva Capixaba, até que em 2011 o clube volta a ser chamado de Desportiva Ferroviária.

O clube já disputou as Série A, B e C do Brasileiro por diversas vezes e tem por maior rival o Rio Branco Atlético Clube contra quem faz o maior clássico do Estado do Espírito Santo.

História[editar | editar código-fonte]

Fundação[editar | editar código-fonte]

Com a instalação da superintendência da Companhia Vale do Rio Doce instalada no Espírito Santo, surgiram algumas equipes ligadas à empresa, formadas em sua maioria por trabalhadores da mesma. Em 1943 foi fundada a de Associação Atlética Vale, clube formado por empregados dos escritórios da Companhia Vale do Rio Doce em seguida foram criados o Ferroviário Sport Club, clube formado por trabalhadores do setor de transporte da empresa, a Associação Atlética Cauê, clube formado por trabalhadores vindos da região de Itabira, o Esporte Clube Guarany e da Associação Esportiva Valeriodoce, clubes formados por trabalhadores da empresa em Itacibá e por fim teria sido fundada a equipe do Cruzeiro. Apesar dos auxílios financeiros da empresa, nenhum destes clubes apresentava resultados satisfatórios em termos estaduais. Foi a própria diretoria da empresa que tomou a iniciativa de fomentar a união, pois seus funcionários viviam à porta dos diretores pedindo ajuda para os clubes isoladamente. A rivalidade entre os clubes era evidente e acabou sendo um dos maiores empecilhos da fusão. Após várias reuniões foi aprovada a fusão das equipes, nascia no dia 17 de junho de 1963 a Associação Desportiva Ferroviária Vale do Rio Doce. Para incentivar a união, a companhia prometeu – e depois cumpriu – construir um estádio e doá-lo ao novo clube. Assim, surgiu o Estádio Engenheiro Alencar Araripe em 1966, em Jardim América, então com capacidade para 36 mil torcedores.

Títulos e Campanhas Nacionais[editar | editar código-fonte]

Pintura na sede do clube.

Durante muitos anos, a Desportiva foi o primo-rico do futebol capixaba, pois além do patrimônio doado, a Vale do Rio Doce ainda pagava todas as despesas do estádio e descontava na folha de pagamento de milhares de ferroviários as mensalidades para o clube. Como resultado, a Desportiva passou a ser um páreo duro para o antigo papa-títulos capixaba, o rival Rio Branco,rival este que foi o primeiro vice para a Desportiva após o título estadual de 1964 vitória grená por 3x2.a Desportiva conquistou a maioria dos campeonatos disputados nas últimas quatro décadas no Espírito Santo, ao contrário do seu maior rival, que foi definhando a cada ano.

Entre 1967 e 1968, a Desportiva marca sua história no Brasil, a maior série invicta da história do futebol brasileiro até então, 51 jogos, recorde quebrado em 1977 pelo Botafogo.[2] Até hoje a Desportiva possui a terceira maior série invicta do futebol nacional.

Soccer.Field Transparant.png

Brasil
Edalmo
Brasil
Cezar
Brasil
Alcione
Brasil
Mateus
Brasil
Brasil
Fraga
Brasil
Denison
Brasil
Wilson
Brasil
Maurélio
Brasil
Bezerra
Brasil
Silvinho
Esquema utilizado pelo treinador Paulo Emílio, durante a série invicta de 1967-68.

Em 1973, a Desportiva estreou no Campeonato Brasileiro e, para atrair o público, contratou o folclórico Fio Maravilha, já em final de carreira. Desde aquele ano, o clube nunca mais deixou de disputar a competição nacional. Teve sempre uma participação modesta, tendo como melhor melhor resultado, o décimo quinto lugar no Brasileirão de 80, sendo o jogador Botelho eleito o melhor atacante pela esquerda do campeonato, ganhando uma Bola de Ouro da Revista Placar, fato até hoje único no futebol capixaba. Quando o Brasileiro foi dividido em Séries A e B, o representante capixaba acabou no Campeonato Brasileiro Série B e duas vezes esteve perto de voltar à elite: em 1994, eliminado nas semifinais pelo Goiás, e em 1998, quando foi ao quadrangular, mas acabou superado por Gama e Botafogo-SP. Participou da Série A do Brasileiro desde a sua fundação até hoje, durante 15 anos, de modo aleatório, sua melhor colocação foi um 15º Lugar, com o campeonato de 80 times.

A Desportiva fora do Brasil[editar | editar código-fonte]

No ano de 1981, a Desportiva realizou uma excursão para o continente Asiático, realizando em seu total nove partidas internacionais, com vitória em cinco destas partidas. Os países visitados foram Coreia do Sul, Indonésia e Qatar.

Gol marcado Campanha Internacional de 1981 Gol marcado
País Partida Data
 Coreia do Sul Posco Player 3 x 1 Desportiva 14 de Maio de 1981
 Coreia do Sul Posco Player 0 x 1 Desportiva 16 de Maio de 1981
 Coreia do Sul Posco Player 1 x 1 Desportiva 19 de Maio de 1981
Indonésia Sumatra 1 x 4 Desportiva 23 de Maio de 1981
Indonésia Mercu Buana 2 x 3 Desportiva 25 de Maio de 1981
Indonésia Pssi Patrama 1 x 1 Desportiva 27 de Maio de 1981
Indonésia Bandoui 0 x 1 Desportiva 31 de Maio de 1981
 Catar Qatar 4 x 2 Desportiva 3 de Junho de 1981
 Catar Qatar 0 x 3 Desportiva 6 de Junho de 1981

Clube Empresa e decadência[editar | editar código-fonte]

Uniforme Desportiva 1.jpg
Uniforme Desportiva 2.jpg
Uniformes utilizados pela Desportiva Capixaba na temporada 2008.

A história do clube começou a mudar quando a Vale do Rio Doce foi privatizada em 1996 e resolveu não apenas retirar todo o apoio como cobrar pelo estádio. Foi uma longa disputa, que envolveu mobilização de lideranças políticas, até que a empresa resolveu doar definitivamente o Engenheiro Araripe para a Desportiva. Andando com as próprias pernas, o clube teve trajetória trôpega e nos últimos anos viu o título estadual ir para outros clubes e foi rebaixada para a terceira divisão no Brasileiro.

Nos seus 35 anos de história, a Desportiva sempre revelou bons jogadores nas suas divisões de base. As duas principais revelações do grená já vestiram a camisa da Seleção Brasileira: o meia Geovani e o ponta-esquerda Sávio. Ambos começaram nas escolinhas do clube de Jardim América. Geovani nasceu em Cariacica, pertinho da sede do Desportiva e foi lançado aos 16 anos no time profissional. É o maior ídolo da história do clube. Sávio deixou a Desportiva mais cedo, aos 14 anos, indo para o Flamengo, onde projetou-se a ponto de chegar à Seleção Brasileira.

Em maio de 1999 após longas negociações, a Desportiva Ferroviária anunciou o início de uma nova fase em sua história: a de clube-empresa, conforme a Lei Pelé, vendendo 51% de suas ações para o grupo Frannel, de derivados de petróleo, e passando a chamar-se Desportiva Capixaba S.A.

Desportiva Capixaba[editar | editar código-fonte]

A Desportiva Capixaba foi criada em maio de 1999 cercada de expectativas. Era o primeiro clube-empresa do Estado. O grupo majoritário (51%) era a Frannel Distribuidora de Combustível. A Desportiva Ferroviária ficou com 49%. Entre as promessas estava a de montar uma estrutura capaz de colocar o clube na elite do futebol brasileiro, mas o rendimento não foi o mesmo quando a Frannel saiu e o grupo Villa-Forte assumiu. O clube foi ainda campeão estadual em 2000, mas sofreu dois rebaixamentos na Série B do Brasileiro. Nos últimos anos da Desportiva Capixaba, a torcida teve momentos de alegrias e de muitas tristezas. Em 2007 uma vitória no Capixabão - Série B, que leva a equipe de volta para a elite do futebol estadual. Em 2008 uma vitória na Copa Espírito Santo contra o seu maior rival, o Rio Branco, título que revelou o atacante Kieza, que teve passagens por Fluminense e Cruzeiro. Em 2009 a Desportiva terminou na metade da tabela do Capixabão. No ano seguinte foi rebaixada para a segundona estadual.

A volta da Desportiva Ferroviária[editar | editar código-fonte]

No dia 8 de Abril de 2011, foi anunciado pela 2ª vara Cível de Cariacica que a equipe volta a ser a Desportiva Ferroviária, devido ao não pagamento de ações pelo grupo Villa-Forte.[3] A Desportiva Capixaba ficou com 10% das ações do clube, enquanto a Ferroviária terá 90%.

Em Agosto de 2011 teve inicio à Copa Espírito Santo e a Desportiva Ferroviária, com um time montado às pressas, consegue chegar a final da Copa, sendo derrotada pelo Real Noroeste. Mesmo assim os torcedores grenás, que lotaram uma ala inteira do Araripe, aplaudiram de pé aos jogadores pela campanha.[4]

O projeto de retorno ao futebol da Desportiva Ferroviária seguiu no ano de 2012, a equipe disputou a segunda divisão estadual. Passando dificuldades financeiras, a equipe se superou e chegou em sua segunda final em menos de um ano, lhe garantindo o retorno à primeira divisão estadual. A final era contra o Estrela do Norte, o primeiro jogo disputado no Engenheiro Araripe terminou com vitória grená por 2x1. A segunda final foi disputada no Estádio do Sumaré, em Cachoeiro de Itapemirim, a Desportiva entrou em campo podendo empatar para ser campeã. A Desportiva sofreu um gol logo aos 4 minutos do primeiro tempo, porém com um gol salvador de Hércules, aos 47 da segunda etapa, a Tiva se sagrou campeã, voltando à elite do futebol capixaba em grande estilo.[5] No mesmo ano, a Desportiva se sagrou bi-campeã da Copa Espírito Santo, derrotando na final o Rio Branco, seu maior rival, em uma partida histórica. Com Hércules novamente comandando o ataque grená, a Desportiva fez 2x0 no primeiro jogo no Engenheiro Araripe, e 2x1 no jogo de volta no Salvador Costa.[6]

Em 2013 a consagração do retorno da locomotiva grená veio com o título do Campeonato Capixaba, com uma final eletrizante contra o Aracruz no Estádio do Bambu. A primeira partida disputada no Engenheiro Araripe terminou em um empate por 1x1. A partida de volta, no litoral norte capixaba, teve vitória grená por 2x1, com um gol de fora da área de Wanderson Sorriso, que garantiu o fim do jejum estadual da Tiva que durava 13 anos. [7]

Estádio[editar | editar código-fonte]

Arquibancada do Estádio Engenheiro Araripe.

O Estádio Engenheiro Alencar de Araripe, ou simplesmente Engenheiro Araripe, como é mais conhecido, ou ainda, Estádio do Jardim, atualmente, é o principal estádio de futebol do estado do Espírito Santo, com a sua capacidade atual estimada em 9 mil pessoas.[8] Tendo sido fundado em 16 de Janeiro de 1966 na partida em que a então Desportiva Ferroviária foi derrotada pelo América-RJ por 3 a 0, sua capacidade então era de cerca de 36.000 pessoas.

Rivalidade[editar | editar código-fonte]

A Desportiva possui dois grandes rivais, são eles o Rio Branco, seu maior rival do qual faz o maior clássico do futebol do Espírito Santo (Derby Capixaba), e seu segundo rival é o Vitória. Os três formam o Trio de Ferro Capixaba, das equipes mais vencedoras do estado do Espírito Santo.

O Clássico Capixaba[editar | editar código-fonte]

O Clássico Capixaba é disputado pelas duas equipes da maior torcida do estado do Espírito Santo. São também os times que mais vezes foram campeões capixabas, contabilizando 53 títulos estaduais (36 para o Rio Branco e 17 para a Desportiva). O Rio Branco lidera o número de vitórias e de títulos, mas é a Desportiva quem fez mais gols e possui as maiores goleadas.

O primeiro jogo entre as duas equipes ocorreu em 1963 (data de fundação da Desportiva), até então, o maior rival do Rio Branco era o Vitória, com quem disputava o clássico chamado Vi-Rio desde 1913. O Rio Branco levou a melhor na primeira partida, 3 a 1 para o capa-preta.Já na primeira final entre as duas equipes a Desportiva venceu por 3x2 em 1964 sagrando-se campeão capixaba daquele ano

Desportiva x Vitória[editar | editar código-fonte]

Desportiva e Vitória fazem um dos maiores clássicos do Espírito Santo. Juntas ao Rio Branco, são as equipes que mais venceram o Capixabão. As duas equipes já fizeram clássicos inesquecíveis para a torcida grená como nos estaduais de 1992 e 2013 onde a Desportiva goleou o rival por 5x0,em 1992 no estádio Engenheiro Alencar Araripe e em 2013 no Salvador Costa casa do rival,em ambos estaduais a Desportiva sagrou-se campeã capixaba.Em 1965 pelo estadual a Desportiva goleou por 4x1 em casa também sagrando-se campeã estadual de futebol. Em 1977 as equipes se enfrentaram pela série A do brasileiro em 6 de Novembro Vitória 2x1 Desportiva e em 11 de Dezembro Desportiva 2x1 Vitória

Elenco Atual[editar | editar código-fonte]

  • Atualizado 25 de Novembro de 2013. [9]
Goleiros
Brasil Felipe
Brasil Vitor
Brasil Rafael Vaz
Defensores
Z Brasil David (2º C)
Z Brasil Mayko Jhordan
Z Brasil Willian
Z Brasil Diego Martins
L/D Brasil Renatinho
L/E Brasil Tatá
L/E Brasil Ayrton
Meio-campistas
V Brasil Thiago
V Brasil Tabata
V Brasil Victor Hugo
M/A Brasil Léo Oliveria (1º C)
M/A Brasil Bruninho
M Brasil Gabriel Vargas
M Brasil Marcinho
Atacantes
Brasil Hércules
Brasil Badinho
Brasil Vitinho
Brasil Ramom
Técnico
Brasil Eleomar Pereira
Auxiliar-técnico
Brasil Thiago Nogueira
Treinador de goleiros
Brasil Maxwell Paradiso
Preparador físico
Brasil Wallace Pessanha
Massagista
Brasil Jair Rodrigues
Médico
Brasil Eduardo Oliveira
Roupeiro
Brasil Jorginho


Títulos[editar | editar código-fonte]

Estadual
Competição Títulos Temporadas
Espírito Santo (estado) Campeonato Capixaba 17 1964, 1965, 1967, 1972, 1974, 1977, 1979, 1980, 1981, 1984, 1986, 1989, 1992, 1994, 1996, 2000* e 2013
Espírito Santo (estado) Copa Espírito Santo 2 2008* e 2012
Espírito Santo (estado) Torneio Início do Espírito Santo 1 1967
Espírito Santo (estado) Copa dos Campeões 1 2014
Espírito Santo (estado) Campeonato Capixaba - Segunda Divisão 2 2007* e 2012

*Títulos conquistados como Desportiva Capixaba

Categorias de base[editar | editar código-fonte]

  • Taça Rio de Futebol Juvenil: 1 (1995)
  • Campeonato Capixaba de Juniores: 22  (1964, 1966, 1968, 1969, 1970, 1971, 1972, 1978, 1979, 1982, 1984, 1985, 1987, 1988, 1990, 1991, 1994, 1995,1996, 1997, 2001, 2002,e 2013)
  • Copa Internacional Águia Branca de Futebol Juvenil: 1 (2000)*
  • Copa Lázio: 1 (2000)*
  • Copa Jornal Correio Popular (infantil): 1 (2001)*
  • Campeonato Capixaba Juvenil: 1 (2002)*
  • Campeonato Capixaba Sub-15: 1(2010)*
  • Copa Espírito Santo Sub-17: 1(2012)
  • Campeonato Capixaba Sub- 17: 1' (2013)
  • Copa Espírito Santo Sub-20: 1(2013)
  • Copa Espírito Santo Sub-17: 1(2013)
  • Copa Espírito Santo Sub-15: 1(2013)
  • Taça Cidade de Cariacica (2011) 2  ;

*Títulos conquistados como Desportiva Capixaba

Símbolos[editar | editar código-fonte]

Hino[editar | editar código-fonte]

Pra frente Desportiva
Pra frente é o seu destino
Quem fica não conquista
Grandes marcas em sua vida.
O seu passado já mostrava suas glórias
De triunfos que ornamentam sua história.

Vencer, vencer, vencer!
É o grito da torcida que desperta.
O suor grená de suas lutas
Parece sangue que corre em nossas veias.
É o clube que sabe fazer amigos
Desportiva, Desportiva!

Mascote[editar | editar código-fonte]

O Maquinista de trem é o mascote da Desportiva.

O Maquinista é o mascote da Desportiva Ferroviária. O mascote foi adotado devido aos laços históricos que haviam entre o clube e a Vale do Rio Doce.

Desportiva Beach Soccer[editar | editar código-fonte]

Em 2011 a Desportiva iniciou seu trabalho com o Beach Soccer, em um amistoso contra o Flamengo, do Rio de Janeiro.[10] Sendo assim o quinto clube capixaba de futebol à se expandir para o futebol de areia.

Técnico
Brasil Adail Sampaio
Nº. Posição Jogador
Brasil GR Marquinhos
Brasil GR Cleiton
Brasil DF Ranieri
Brasil DF
Brasil DF Jonas Balão
Brasil DF Fabinho Capixaba
Brasil AV Ramon
Brasil AV Juninho
Brasil AV George
Brasil AV Diego

Estatísticas[editar | editar código-fonte]

Goleadas e competições estaduais[editar | editar código-fonte]

A maior goleada da Desportiva em solo capixaba ocorreu em 29 de junho de 1965: Desportiva 11x0 São Silvano de Colatina, os gols:

  • 1º tempo : Guará aos 7 min, Evandro aos 20 min, Deo aos 26 min, Arnaldo Foguete aos 34 min, Guará aos 37 min,
  • 2º tempo : Evandro (pênalti) aos 7 min, Elci aos 10 min, Arnaldo Foguete aos 18 min, Suingue aos 31 min, Guará aos 34 min e Elci aos 37 min.

Goleadas com placar acima de 3 gols de diferença:[editar | editar código-fonte]

Artilheiros[editar | editar código-fonte]

Em Campeonatos Brasileiros:

Gol marcado Goleadores Gol marcado
Pos. Atleta Jogos Gols Média
Zezinho 66 17 0,25
Orlando 65 12 0,18
Dario 56 10 0,17
Botelho 29 10 0,34
Corinto 24 7 0,29
Evandro 125 6 0,04
Zuza 29 6 0,20
Naldo 15 6 0,40
Célio 46 5 0,10
10º Paulistinha 31 5 0,16

Jogadores que Mais Atuaram[editar | editar código-fonte]

Em Campeonatos Brasileiros

Gol marcado Mais Atuaram Gol marcado
Pos. Atleta Jogos
Evandro 125
Edmar 104
Sérgio 80
Vicente Paixão 71
Samuel 66
Zezinho 66
Orlando 65
Dario 56
Elci 52
10º Suemar 50

Nacionais[editar | editar código-fonte]

Brasil Campeonato Brasileiro
Ano 1971 1972 1973 1974 1975 1976 1977 1978 1979
Pos. A 27º A 34º A 37º A 54º A 19º A 58º A 20º
Ano 1980 1981 1982 1983 1984 1985 1986 1987 1988 1989
Pos. A 15º A 44º A 35º B 16º B 11º A 32º B 16º B 33º C 15º B 80º
Ano 1990 1991 1992 1993 1994 1995 1996 1997 1998 1999
Pos. B 14º B 11º A 29º B 3º B 10º B 11º B 12º B 3º B 22º
Ano 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009
Pos. B 31º B 25º C 60º
Ano 2010
Pos.
Brasil Copa do Brasil
Ano 1990 1991 1992 1993 1994 1995 1996 1997 1998 1999
Pos. 23° 23° 27° 32°
Ano 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009
Pos. 57° 45°
Ano 2010 2011 2012 2013 2014
Pos. 76º 81º
Brasil Taça Brasil
Ano 1960 1961 1962 1963 1964 1965 1966 1967 1968 1969
Pos. 14º 16º 20º

Confrontos na Copa do Brasil[editar | editar código-fonte]

Por ano[editar | editar código-fonte]

Ano J V E D GP GC SG AP
1 1990[11] 2 0 1 1 2 3 -1 16,7%
2 1993[12] 2 0 1 1 1 6 -5 16,7%
3 1995[13] 2 0 0 2 2 3 -1 0%
4 1997[14] 2 0 0 2 2 6 -4 0%
5 2001[15] 2 0 1 1 2 6 -4 16,7%
6 2009[16] 2 0 1 1 1 4 -3 16,7%
7 2013[17] 3 1 1 1 7 9 -2 75%
Total 15 1 5 9 17 37 -20 14,1%

Por times[editar | editar código-fonte]

Time J V E D GP GC SG AP
1 Rio de Janeiro Botafogo 2 0 1 1 2 3 -1 16,7%
2 Paraná Coritiba 2 0 0 2 2 6 -4 0%
3 Minas Gerais Cruzeiro 2 0 1 1 1 6 -5 16,7%
4 Ceará Fortaleza 2 0 1 1 1 4 -3 16,7%
5 Rio Grande do Sul Grêmio 2 0 0 2 2 3 -1 0%
6 São Paulo Santos 2 0 1 1 2 6 -4 16,7%
6 Acre Atlético Acreano 2 1 1 0 6 5 1 85,1%
6 Santa Catarina Figueirense 1 0 0 1 1 4 -3 0,0%
Total 15 1 5 9 17 37 -20 14,1%

Por Estado[editar | editar código-fonte]

Estado J V E D GP GC SG AP
1  Ceará 2 0 1 1 1 4 -3 16,7%
2  Minas Gerais 2 0 1 1 1 6 -5 16,7%
3  Paraná 2 0 0 2 2 6 -4 0%
4  Rio de Janeiro 2 0 1 1 2 3 -1 16,7%
5  Rio Grande do Sul 2 0 0 2 2 3 -1 0%
6  São Paulo 2 0 1 1 2 6 -4 16,7%
6  Acre 2 1 1 0 6 5 1 75,7%
6  Santa Catarina 1 0 0 1 1 4 -3 0%
Total 15 1 5 9 17 37 -20 16,1%

Livro[editar | editar código-fonte]

Brasil Ranking da CBF[editar | editar código-fonte]

  • Posição: 214º
  • Pontuação: 100 pontos

Ranking criado pela Confederação Brasileira de Futebol que pontua todos os times do Brasil.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Cadastro Nacional de Estádios de Futebol (CNEF) (PDF) (em português). Confederação Brasileira de Futebol (CBF) (15 de setembro de 2009). Página visitada em 6 de junho de 2010.
  2. [1]
  3. [2]
  4. [3]
  5. [4]
  6. [5]
  7. [6]
  8. [7]
  9. [8]
  10. [9]
  11. Copa do Brasil de 1990 (em português). Confederação Brasileira de Futebol (CBF). Página visitada em 12 de maio de 2010.
  12. Copa do Brasil de 1993 (em português). Confederação Brasileira de Futebol (CBF). Página visitada em 12 de maio de 2010.
  13. Copa do Brasil de 1995 (em português). Confederação Brasileira de Futebol (CBF). Página visitada em 12 de maio de 2010.
  14. Copa do Brasil de 1997 (em português). Confederação Brasileira de Futebol (CBF). Página visitada em 12 de maio de 2010.
  15. Copa do Brasil de 2001 (em português). Confederação Brasileira de Futebol (CBF). Página visitada em 12 de maio de 2010.
  16. Copa do Brasil de 2009 (em português). Confederação Brasileira de Futebol (CBF). Página visitada em 12 de maio de 2010.
  17. Copa do Brasil de 2013 (em português). Confederação Brasileira de Futebol (CBF). Página visitada em 12 de maio de 2010.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]