Grande Prêmio da Alemanha de 1996 (Fórmula 1)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Grande Prêmio da Alemanha de Fórmula 1 de 1996
Hockenheimring prior to 2002.svg
Grande Prêmio da Alemanha de 1996 (Fórmula 1).
Detalhes da corrida
Categoria Fórmula 1
Data 28 de julho de 1996
Nome oficial Grosser Mobil 1 Preis von Deutschland
Local Hockenheimring
Percurso 6.823 km
Total 45 voltas / 307.035 km
Pole
Piloto
Reino Unido Damon Hill Williams-Renault
Tempo 1:43.912
Volta mais rápida
Piloto
Reino Unido Damon Hill Williams-Renault
Tempo 1:46.504 (na volta 26)
Pódio
Primeiro
Reino Unido Damon Hill Williams-Renault
Segundo
França Jean Alesi Benetton-Renault
Terceiro
Canadá Jacques Villeneuve Williams-Renault

O Grande Prêmio da Alemanha de 1996 foi a 11ª corrida da temporada de 1996 da Fórmula 1. A prova foi disputada em 28 de julho no circuito de Hockenheimring. O vencedor foi o britânico Damon Hill.[1]

Relatório da prova[editar | editar código-fonte]

Bastidores[editar | editar código-fonte]

Líder do campeonato mundial desde a primeira etapa e vencedor de sessenta por cento das provas realizadas até aqui, o britânico Damon Hill chega à Alemanha tendo que responder sobre o seu futuro, ou mais especificamente se permanecerá na equipe de Frank Williams ano que vem, sobretudo porque torna-se cada vez mais frequente o rumor de sua substituição por Heinz-Harald Frentzen. Questionada a respeito, a Williams informa que Jacques Villeneuve é o único piloto assegurado para 1997 e os mais céticos veem nisso a repetição da "síndrome de Nigel Mansell", dispensado pelo time após conquistar o título há quatro anos.[2] [3] Tanto antes como agora, o principal entrave é a questão financeira, pois em caso de sagrar-se campeão mundial, Hill teria pedido US$ 20 milhões anuais para ficar em Grove, soma equivalente ao dobro do que recebe atualmente.[4]

Treino oficial[editar | editar código-fonte]

Ciente ou não das críticas feitas à sua pessoa, Damon Hill assegurou a pole position dividindo a primeira fila com Gerhard Berger da Benetton enquanto Michael Schumacher foi o terceiro colocado após liderar parte da sessão com a sua Ferrari.[1] Pior sorte teve Jacques Villeneuve que ficou em sexto e não parece capaz de desafiar Hill pelo título numa pista que só foi capaz de localizar com a ajuda de um mapa.[3]

A redenção de Hill[editar | editar código-fonte]

Aproveitando a má largada de Hill, os carros da Benetton assumiram a dianteira com Berger adiante de Alesi enquanto Hill caiu para o terceiro lugar com Schumacher, Coulthard e Villeneuve completando a relação de pilotos na zona de pontuação numa marcha que durou dezesseis voltas quando o britânico da McLaren foi aos boxes iniciando a primeira "janela" de pit stops e ao fim desta os seis primeiros eram Hill, Berger, Alesi, Coulthard, Villeneuve e Schumacher, que foi superado pelo canadense da Williams na chicane Clark.

Com o equipamento em melhores condições, Hill mantém a dianteira com mais de dezesseis segundos em relação a Berger, mas cai para terceiro após um novo pit stop na volta trinta e cinco. Pilotando com furor, ele ascende ao segundo lugar ao passar Alesi e inicia uma caçada a Gerhard Berger. Mesmo com pneus desgastados o austríaco resiste ao avanço de Hill por uma diferença ínfima sem que o britânico abdicasse da perseguição constante, mas graças à experiência acumulada em doze anos de carreira, Berger resistia mesmo quando seu rival "dançava" atrás dele ameaçando mudar de traçado.[1] Nem toda a sua competência, porém, foi capaz de salvá-lo quando o motor de sua Benetton virou fumaça a menos de três voltas para o final.

Favorecido por uma pilotagem agressiva, uma estratégia ousada e pelo infortúnio de um rival, Damon Hill chega a 20 vitórias em sua carreira e empata com Michael Schumacher nesse quesito.[1] Jean Alesi foi o segundo colocado enquanto Jacques Villeneuve ficou em terceiro lugar com vinte e um pontos de desvantagem em relação aos números de Hill, cuja liderança no campeonato segue inabalável.[5] Como prêmio de consolação para os alemães, Schumacher resistiu ao ataque final de David Coulthard voltou a pontuar após três corridas de infortúnio enquanto Rubens Barrichello chegou em sexto lugar.

Classificação[editar | editar código-fonte]

Pos. Piloto Construtor Voltas Tempo/Diferença Grid Pontos
1 5 Reino Unido Damon Hill Williams-Renault 45 1:21'43.417 1 10
2 3 França Jean Alesi Benetton-Renault 45 + 11.452 5 6
3 6 Canadá Jacques Villeneuve Williams-Renault 45 + 33.926 6 4
4 1 Alemanha Michael Schumacher Ferrari 45 + 41.517 3 3
5 8 Reino Unido David Coulthard McLaren-Mercedes 45 + 42.196 7 2
6 11 Brasil Rubens Barrichello Jordan-Peugeot 45 + 1'42.099 9 1
7 9 França Olivier Panis Ligier-Mugen-Honda 45 + 1'43.912 12  
8 15 Alemanha Heinz-Harald Frentzen Sauber-Ford 44 + 1 volta 13  
9 19 Finlândia Mika Salo Tyrrell-Yamaha 44 + 1 volta 15  
10 12 Reino Unido Martin Brundle Jordan-Peugeot 44 + 1 volta 10  
11 16 Brasil Ricardo Rosset Footwork-Hart 44 + 1 volta 19  
12 20 Portugal Pedro Lamy Minardi-Ford 43 + 2 voltas 18  
13 4 Áustria Gerhard Berger Benetton-Renault 42 Motor 2  
Ret 2 Reino Unido Eddie Irvine Ferrari 34 Motor 8  
Ret 14 Reino Unido Johnny Herbert Sauber-Ford 25 Vibrações 14  
Ret 10 Brasil Pedro Diniz Ligier-Mugen-Honda 19 Motor 11  
Ret 18 Japão Ukyo Katayama Tyrrell-Yamaha 19 Spun off 16  
Ret 7 Finlândia Mika Häkkinen McLaren-Mercedes 13 Câmbio 4  
Ret 17 Países Baixos Jos Verstappen Footwork-Hart 0 Colisão 17  
DNQ 21 Itália Giovanni Lavaggi Minardi-Ford   DNQ 20  

Referências


Precedido por
Grande Prêmio da Grã-Bretanha de 1996
Mundial de Fórmula 1 da FIA
Temporada de 1996
Sucedido por
Grande Prêmio da Hungria de 1996
Precedido por
Grande Prêmio da Alemanha de 1995
Grande Prêmio da Alemanha
57ª edição
Sucedido por
Grande Prêmio da Alemanha de 1997