Ilha Baker

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita nenhuma fonte ou referência, o que compromete sua credibilidade (desde dezembro de 2013).
Por favor, melhore este artigo providenciando fontes fiáveis e independentes, inserindo-as no corpo do texto por meio de notas de rodapé. Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoScirusBing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Mapa da Ilha Baker

A Ilha Baker é um atol desabitado localizado logo ao norte do equador no Oceano Pacífico central, coordenadas 0°13' N e 176°31' O, a aproximadamente 3.100 km (1.675 milhas náuticas) a sudoeste de Honolulu. Está quase na metade do caminho entre o Havaí e a Austrália.

O Refúgio Nacional da Vida Selvagem da Ilha Baker consiste em uma ilha de 405 acres (1,64 km²) e em 30.504 acres (123,45 km²) de terras circunvizinhas submersas. A ilha é agora um Refúgio Nacional de Vida Selvagem, dirigido pela U.S. Fish and Wildlife Service como uma área insular, sob a coordenação da U.S. Department of the Interior. A ilha Baker é um território dependente e desorganizado dos Estados Unidos.

Sua defesa é responsabilidade dos Estados Unidos. Apesar de desabitada, é possível fazer visitas públicas à ilha, porém somente com autorização da U.S. Fish and Wildlife Service e geralmente restritas a cientistas e educadores. O atol é anualmente visitado pela U.S. Fish and Wildilife Service e pela Guarda Costeira Estadunidense.

História[editar | editar código-fonte]

Ruínas do antigo povoado de Meyerton

Os Estados Unidos tomaram posse da ilha em 1857, reivindicada pelo Ato das Ilhas Detentoras de Guano de 1856. Companhias estadunidenses e britânicas começaram a extrair guano durante a segunda metade do século XIX. Em 1935, foi iniciada uma tentativa de colonizar a ilha, com uma população de quatro pessoas no povoado de Meyerton - do mesmo modo como foi feito na Ilha Howland - mas foi interrompida pela Segunda Guerra Mundial e conseqüentemente abandonada. Em 1964, os felinos selvagens foram extintos da ilha.

Civis americanos esvaziaram a ilha em 1942 após ataques aéreo-navais japoneses durante a Segunda Guerra Mundial. Baker foi ocupada pelo Exército Estadunidense durante a mesma guerra, mas abandonada depois de seu fim. Resquícios de estruturas e um cemitério foi o que sobrou do último vilarejo da ilha, que jazia próximo ao meio da costa oeste.

Geografia[editar | editar código-fonte]

Vista aérea da Ilha Baker

Localizada no Oceano Pacífico Norte, 0°13'N e 176°31'O, a pequena ilha tem somente 1,64 km² (405 acres) de área e 4,8 km de litoral. O clima é equatorial, com baixos índices pluviométricos, ventos constantes e sol forte. O terreno, arenoso, é de baixa altitudes: uma ilha de corais circundada por uma estreita faixa de recifes com uma depressão na parte central. O ponto mais alto dista 8 metros do nível do mar.

Não há água natural na ilha, nem tampouco árvores. Sua escassa vegetação consiste em gramados, videiras e pequenos arbustos. O atol serve, principalmente, como ninho, poleiro e local de alimentação a aves marinhas e costeiras, e à vida marinha em geral.

Os EUA reclamam uma zona econômica exclusiva de 200 milhas náuticas (370 km) e um mar territorial de 12 milhas náuticas (22 km).

Fuso horário da ilha: UTC -12.a ilha é desabitada.

Transporte[editar | editar código-fonte]

Não há cais nem portos na ilha, somente ancoradouros próximos à costa. Há uma área de acostamento de barcos junto ao meio da costa oeste. Ainda há, em terra, uma pista de 1.665m, construída para uso durante a Segunda Guerra Mundial. Abandonada, está agora completamente coberta pela vegetação e totalmente inutilizável.

Perigos naturais: a estreita faixa de recifes que cerca a ilha pode tornar-se um risco, apesar de haver um farol diurno próximo ao meio da costa oeste.

Ver também[editar | editar código-fonte]