Ivan Capelli

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Este artigo não cita fontes fiáveis e independentes. (desde Março de 2014). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Ivan Capelli
Informações pessoais
Nacionalidade Itália italiano
Registros na Fórmula 1
Temporadas 19851993
Equipes 6 (Tyrrell, AGS, March, Leyton House, Ferrari e Jordan)
GPs disputados 98 (93 largadas)
Títulos 0 (7º em 1988)
Vitórias 0
Pódios 3
Pontos 31
Pole positions 0
Voltas mais rápidas 0
Primeiro GP União Europeia GP da Europa, Brands Hatch-Inglaterra, 1985
Último GP Brasil GP do Brasil, Interlagos, 1993

Ivan Franco Capelli (Milão, 24 de maio de 1963) é um ex-piloto de Fórmula 1 italiano. Iniciou no automobilismo em 1978. Conquistou o Campeonato Italiano de Fórmula 3, em 1984. Estreou na Fórmula 1 em 6 de outubro de 1985. Disputou 98 Grandes Prêmios, alcançou três pódios e marcou um total de 31 pontos no campeonato, tendo conseguido como melhor colocação o sétimo lugar na temporada de Fórmula 1 de 1988.

O início da carreira[editar | editar código-fonte]

Capelli iniciou sua carreira como piloto de kart quando tinha quinze anos de idade e depois de quatro anos foi para o campeonato de Fórmula 3 italiano.

Em 1983, ele se tornou campeão da Fórmula 3 italiana, após obter uma série de nove vitórias. Depois disso foi com a equipe Coloni para as séries da F-3 européia e foi mais uma vez campeão em 1984.

Em 1985 ele participou do campeonato de Fórmula 3000 européia com um Genoa Racing March-Cosworth e venceu uma corrida. No mesmo ano iniciou na Fórmula 1, pilotando uma Tyrrell e terminou com um quarto lugar na Austrália. Apesar deste excelente resultado, ele não se dedicou, em tempo integral, para a Fórmula 1 em 1986.

Ao invés disso, retornou para a Fórmula 3000, ainda com a Genoa Racing e pilotou também uma BMW no Campeonato europeu de carros de turismo. Correu ainda, por duas vezes na Fórmula 1, com a equipe AGS. Enquanto isso, Cesare Garibaldi, o chefe da Genoa, trabalhou juntamente com Robin Herd, da March, para criar uma nova equipe de F1 - fazendo planos de ter Capelli como seu piloto principal. Até então, Ivan e Garibaldi tinham um relacionamento de quase pai e filho.

Fórmula 1: March/Leyton House[editar | editar código-fonte]

Em 1987, Capelli dedicou mais tempo para a Fórmula 1 com a equipe March, comandada por Garibaldi e o novo chassis de corrida de Herd com um motor Cosworth V8 normalmente aspirado. Capelli continuou também com os carros de turismo da BMW pela equipe Schnitzer Motorsport, como o orçamento da March estava apertado (tão apertado de fato que eles correram no Grande Prêmio da Bélgica com um motor adaptado de 3,3 litros de carro esportivo em lugar de unidade de F1 de 3,5l). Capelli conseguiu o primeiro ponto para a equipe de Fórmula 1 com o sexto lugar no Grande Prêmio de Mônaco e a March retornando à Fórmula 1 foi vista como uma equipe competente, profissional e promissora para o futuro. Para 1988, Capelli tinha uma nova arma a sua disposição, um novo chassis da March projetado por Adrian Newey - que mais tarde se tornaria famoso como designer da Williams e McLaren - somado ao motor Judd V8 (derivado do motor Brabham-Honda CART e da unidade Judd/Honda F3000). A March esperava ser o parceiro favorito para desenvolver esse motor, mas eles acharam em dividi-lo com a Williams e Ligier. A Capelli também se juntou, como parceiro de equipe, o campeão de Fórmula 3 britânica, o brasileiro Maurício Gugelmin. Juntos, eles formavam uma equipe forte e a March foi a revelação do ano. Capelli foi excelente, pilotando brilhantemente em particular nos Grande Prêmios do Canadá, da Alemanha, da Bélgica, Itália e Portugal. No Estoril ele conquistou sua melhor posição no pódio com um segundo lugar atrás de Alain Prost da McLaren e em Suzuka fez parte da história ao ser o piloto de um carro apenas naturalmente aspirado a liderar um Grande Prêmio em uma temporada de domínio turbo. O futuro parecia brilhar para Capelli e a March.

Capelli na March em 1988.

Infelizmente, as esperanças não foram confirmadas. A March teve problemas financeiros e o patrocinador anterior, Leyton House, adquiriu o controle majoritário da equipe. Embora Gugelmin tenha terminado em terceiro lugar em sua corrida em casa no Autódromo de Jacarepaguá em 1989, isto foi conseguido com o carro de 1988. A Leyton House de 1989 foi uma decepção e não chegou a causar preocupação para as outras equipes da competição. Porém, o espírito de equipe permaneceu intacto apesar da morte de Garibaldi em um acidente de carro. O ano de 1990 começaria um pouco melhor. O novo carro de Newey (que recebeu as iniciais CG em homenagem a Garibaldi) tinha uma excelente aerodinâmica, mas era intolerante a solavancos. A coisa era tão ruim que na pista irregular do Autódromo Hermanos Rodriguez na Cidade do México nenhum piloto conseguiu fazer o carro trabalhar e ambos foram desqualificados. Entretanto, em uma das voltas mais surpreendentes da história da Fórmula 1, no circuito de Paul Ricard na França, Capelli seguido de Maurício Gugelmin em um Leyton House chegaram a liderar a corrida. Infelizmente, Gugelmin teve problemas com o motor e Capelli foi ultrapassado próximo ao final da corrida por Prost, mas um segundo lugar não foi nenhum milagre. Foram feitas revisões no carro para torná-lo mais competitivo. Embora ainda tendo alguns resultados expressivos em Spa-Francorchamps e Hockenheim, o rendimento daquele ano não foi satisfatório.

1991-1992: O declínio[editar | editar código-fonte]

Em 1991, a Leyton House não era só responsável pelo desenvolvimento do chassi como também patrocinar o ambicioso programa do motor Ilmor V10. Com tantos ingredientes novos, os resultados não eram os melhores, mas Capelli conseguia se classificar e correr bem. Quando o dono da Leyton House, Akira Akagi, foi preso pela ligação com a fraude do Banco Fuji, a equipe ficou em uma péssima situação. Para alívio de Ivan, ele havia assinado com a Scuderia Ferrari para a temporada de 1992.

Para 1992, os planos de Capelli eram de conseguir vitórias na equipe de ponta italiana, pilotando uma Ferrari. A escuderia tinha passado por situações difíceis em 1991, mas com um novo carro, o FA92 (apelidado de F-15 devido a sua semelhança com o caça a jato estado-unidense), as expectativas eram altas. Infelizmente, o novo carro foi um desastre e antes mesmo da temporada começar Capelli já mostrava seu descontentamento. Um piloto que vinha de uma estrutura familiar de equipe, não se adaptava a estrutura burocrática da Ferrari do início da década de 1990. Desmotivado, a equipe, por sua vez perdeu a confiança nele e seu parceiro Jean Alesi ganhou a preferência. Capelli teve um desempenho regular, a temporada foi um desastre em questão de pontuação com alguns embaraçosos acidentes. Capelli foi dispensado antes da temporada encerrar.

1993: Duas corridas pela Jordan e fim da carreira[editar | editar código-fonte]

Esta experiência negativa aparentemente tirou seu ânimo, mas aqueles que tinham trabalhado com ele na March ainda confiavam no seu talento, principalmente Ian Phillips, agora gerente da equipe Jordan. Levado então para a Jordan na temporada 1993, Capelli não redescobriu a determinação que há muito tempo o havia marcado como um campeão do futuro. Após ter sido desqualificado na segunda corrida no Brasil, ele deixou a equipe por comum acordo. Capelli esta distraído e a Jordan ficou também desapontada - eles sabiam que Capelli tinha habilidade, mas ele não demonstrava. Sua carreira como piloto de Fórmula 1 tinha terminado.

Todos os Resultados de Ivan Capelli na Fórmula 1[editar | editar código-fonte]

(legenda) (Corrida em negrito indica pole position, corridas em itálico indica volta mais rápida)

Ano Nome Oficial da Equipe Chassis Motor Pneus 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 Pts Pos
1993 Sasol Jordan Jordan 193 Hart V10 G AFS
Ret
BRA
NQ
0 NC
1992 Scuderia Ferrari SpA Ferrari F92A Ferrari V12 G AFS
Ret
MEX
Ret
BRA
ESP
10º
SMR
Ret
MON
Ret
CAN
Ret
FRA
Ret
GBR
ALE
Ret
HUN
BEL
Ret
3 13º
Ferrari F92AT ITA
Ret
POR
Ret
1991 Leyton House Racing Leyton House CG911 Ilmor V10 G EUA
Ret
BRA
Ret
SMR
Ret
MON
Ret
CAN
Ret
MEX
Ret
FRA
Ret
GBR
Ret
ALE
Ret
HUN
BEL
Ret
ITA
POR
17º
ESP
Ret
1 20º
1990 Leyton House Racing Leyton House CG901 Judd V8 G EUA
Ret
BRA
NQ
SMR
Ret
MON
Ret
CAN
10º
MEX
NQ
FRA
GBR
Ret
ALE
HUN
Ret
BEL
ITA
Ret
POR
Ret
ESP
Ret
JAP
Ret
AUS
Ret
6 10º
1989 Leyton House Racing Team March 881 Judd V8 G BRA
Ret
SMR
Ret
0 NC
March CG891 MON
11º
MEX
Ret
EUA
Ret
CAN
Ret
FRA
Ret
GBR
Ret
ALE
Ret
HUN
Ret
BEL
12º
ITA
Ret
POR
Ret
ESP
Ret
JAP
Ret
AUS
Ret
1988 Leyton House Racing Team March 881 Judd V8 G BRA
Ret
SMR
Ret
MON
10º
MEX
16º
CAN
EUA
DNS
FRA
GBR
Ret
ALE
HUN
Ret
BEL
ITA
POR
ESP
Ret
JAP
Ret
AUS
17
1987 Leyton House March Racing Team March 87P Ford Cosworth V8 G BRA
DNS
1 19º
March 871 SMR
Ret
BEL
Ret
MON
EUA
Ret
FRA
Ret
GBR
Ret
ALE
Ret
HUN
10º
AUT
11º
ITA
13º
POR
ESP
12º
MEX
Ret
JAP
Ret
AUS
Ret
1986 Jolly Club SpA AGS JH21C Motori Moderni V6 Turbo P ITA
Ret
POR
Ret
0 NC
1985 Tyrrell Racing Organisation Tyrrell 014 Renault V6 Turbo G EUR
Ret
AUS
3 19º

Comentarista esportivo[editar | editar código-fonte]

Deixando a Fórmula 1, ele ainda chegou a correr em corridas de carros de turismo pela Nissan e pela Maserati. Tornou-se também um comentarista de Fórmula 1 da rede de televisão italiana Rai Uno e continuou a ser uma personalidade popular no meio da F1. Superado a desapontamento com a Ferrari, ele recuperou o temperamento alegre que havia anteriormente feito dele uma figura popular.