Maria Pavlovna da Rússia (1786-1859)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Maria de Saxe-Weimar-Eisenach
Grã-Duquesa de Saxe-Weimar-Eisenach
Grã-Duquesa da Rússia
Grã-Duquesa de Saxe-Weimar-Eisenach
Período 14 de junho de 1828 - 8 de julho de 1853
Predecessor Luísa de Hesse-Darmstadt
Sucessor Sofia dos Países Baixos
Cônjuge Carlos Frederico de Saxe-Weimar-Eisenach
Descendência
Paulo Alexandre de Saxe-Weimar-Eisenach
Maria de Saxe-Weimar-Eisenach
Augusta de Saxe-Weimar
Carlos Alexandre de Saxe-Weimar-Eisenach
Pai Paulo I da Rússia
Mãe Sofia Doroteia de Württemberg
Nascimento 16 de Fevereiro de 1786
São Petersburgo, Rússia
Morte 23 de junho de 1859 (73 anos)
Weimar, Alemanha

Maria Pavlovna da Rússia (em russo:Мария Павловна), (16 de fevereiro de 1786 - 23 de junho de 1859) foi a terceira filha da czar Paulo I da Rússia e da czarina Maria Feodorovna, nascida princesa Sofia Doroteia de Württemberg.

Foi grã-duquesa de Saxe-Weimar-Eisenach por casamento com o grão-duque Carlos Frederico de Saxe-Weimar-Eisenach.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Primeiros anos[editar | editar código-fonte]

Maria Pavlovna ainda criança.

Nascida no dia 16 de Fevereiro de 1786 em São Petersburgo, Maria Pavlovna foi criada nos palácios sumptuosos do pai desde Pavlovsk até Gatchina, passando pelo Palácio de Inverno.

Quando criança, Maria não era considerada bonita: as suas feições estavam desfiguradas devido a uma aplicação pioneira de uma vacina contra a varíola. A sua avó, Catarina, a Grande, admirava o seu talento precoce como pianista, mas declarou que seria melhor que ela tivesse nascido rapaz. O seu professor de música era Ludwig-Wilhelm Tepper de Ferguson, um compositor. Em 1796, a sua avó morreu, o que fez com que o seu pai subisse ao trono como czar Paulo I da Rússia.

Casamento e descendência[editar | editar código-fonte]

No dia 3 de agosto de 1804, Maria casou-se com o grão-duque Carlos Frederico de Saxe-Weimar-Eisenach. O casal viveu em São Petersburgo nove meses antes de partir para Weimar. Aí Maria foi saudada com uma série de festividades, descritas por Christoph Martin Wieland: "A parte mais festiva de todos os magnificos bailes, fogos-de-artificio, desfiles, comédias e iluminações foi a alegria que varreu a cidade com a chegada da nossa nova princesa."

O casal teve quatro filhos:

  1. Paulo Alexandre de Saxe-Weimar-Eisenach (25 de sjetembro de 1805 - 10 de abril de 1806), morreu aos seis meses de idade.
  2. Maria de Saxe-Weimar-Eisenach (3 de fevereiro de 1808 - 18 de janeiro de 1877); casada com o príncipe Carlos da Prússia; com descendência.
  3. Augusta de Saxe-Weimar (30 de setembro de 18117 de janeiro de 1890); casada com o kaiser Guilherme I da Alemanha; com descendência.
  4. Carlos Alexandre de Saxe-Weimar (24 de junho de 1818 - 5 de janeiro de 1901), grão-duque de Saxe-Weimar-Eisenach; casado com a princesa Sofia dos Países Baixos; com descendência.

Após a morte do grão-duque Carlos Frederico em 1853, Maria retirou-se da vida pública.

A sua última viagem à Rússia foi para a coroação do seu sobrinho, Alexandre II da Rússia em 1855.

Padroeira das artes[editar | editar código-fonte]

Retrato de Maria Pavlovna.

Maria Pavlovna interessava-se muito pelas artes, bem como por ciência. Tornou-se na padroeira da arte, ciência e bem-estar social no pobre grão-ducado de Saxe-Weimar-Eisenach. Manteve-se em contacto com Vasily Zhukovsky, um famoso poeta russo, durante toda a vida e ele dedicou-lhe um dos seus últimos poemas. A grã-duquesa tirou dez cursos na Universidade de Jena, alguns ensinados por Alexander von Humboldt e foi essencial no estabelicimento do Instituto Falcão em Weimar.

Escolheu Frédéric Soret para tutor do seu filho Carlos Alexandre, que se tornou conhecido de Johann Wolfgang von Goethe. Nos seus últimos anos de vida, Maria Pavlovna convidou Franz Liszt para a sua corte, restabelecendo o antigo nível cultural conhecido em Weimar. Contudo a sua surdez crecente impediram-na de participar na estreia de Lohengrin em Weimar no dia 28 de Agosto de 1850.

Ainda mais famosas ficaram as "Noites de Literatura" onde os intelectuais da Universidade de Jena e outros fora do grão-ducado eram convidados a dar palestras sobre vários temas. Este círculo foi o centro de actividade da Weimar pós-clássica.

Maria morreu no dia 23 de Junho de 1859 em Weimar.

Os seus vestígios em Jena e Weimar[editar | editar código-fonte]

Maria tinha um pequeno chalé perto de Jena, que tinha pertencido anteriormente ao teólogo protestante Griesbach, onde costumava passar o verão com os seus filhos. O seu corpo encontra-se sepultado em Weimar, numa capela em estilo russo, ao lado do Mausoléu Goethe-Schiller.

Genealogia[editar | editar código-fonte]

Os antepassados de Maria Pavlovna da Rússia em três gerações[1]
Maria Pavlovna da Rússia Pai:
Paulo I da Rússia
Avô paterno:
Pedro III da Rússia
Bisavô paterno:
Carlos Frederico de Holstein-Gottorp
Bisavó paterna:
Ana Petrovna da Rússia
Avó paterna:
Catarina, a Grande
Bisavô paterno:
Cristiano Augusto de Anhalt-Zerbst
Bisavó paterna:
Joana Isabel de Holstein-Gottorp
Mãe:
Maria Feodorovna (Sofia Doroteia de Württemberg)
Avô materno:
Frederico II Eugénio de Württemberg
Bisavô materno:
Carlos Alexandre de Württemberg
Bisavó materna:
Maria Augusta de Thurn e Taxis
Avó materna:
Sofia Doroteia de Brandemburgo-Schwedt
Bisavô materno:
Frederico Guilherme de Brandemburgo-Schwedt
Bisavó materna:
Sofia Doroteia da Prússia

Referências

Commons
O Commons possui imagens e outras mídias sobre Maria Pavlovna da Rússia (1786-1859)