Millennium Falcon

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Wikitext.svg
Este artigo ou seção precisa ser wikificado (desde janeiro de 2014).
Por favor ajude a formatar este artigo de acordo com as diretrizes estabelecidas no livro de estilo.


Millennium Falcon
Lego Millennium Falcon @ Mos Eisley, Tatooine (2912447020).jpg
Lego Millennium Falcon, espaçoporto de Mos Eisley, planeta Tatooine
Primeira aparição Na cronologia real: Guerra nas Estrelas Episódio IV: Uma Nova Esperança
Na cronologia da história: Guerra nas Estrelas Episódio III: A Vingança dos Sith
Última aparição Guerra nas Estrelas Episódio VI: O Retorno de Jedi
Status Ativa
características
Classe Cargueiro corelliano
YT-1300
Registro Adulterado
Armamentos Duas torres de laser quádruplos acima e abaixo da fuselagem
Defesas Escudos de energia

Millennium Falcon é uma espaçonave fictícia da saga de filmes Guerra das Estrelas, pilotada por Han Solo e co-pilotada por Chewbacca. A Millennium Falcon foi elemento chave em algumas das maiores vitórias da Aliança Rebelde sobre o Império. Na superfície, a Falcon aparenta ser como qualquer outro cargueiro corelliano, com o casco primário em forma de disco e uma cabine cilíndrica montada ao lado da nave. Embaixo de sua fuselagem, entretanto, a Falcon guarda muitos poderosos segredos, introduzidos por seus donos anteriores. Eles fizeram “modificações especiais” no cargueiro, incrementando sua velocidade, seus escudos e sua performance para eventos decididamente ilegais. Sua artilharia foi aperfeiçoada para torres blindadas e rotatórias com lasers quádruplos de classe militar. Para cobrir fugas rápidas, a Falcon ostenta um sistema de escudos defletores de nível militar Imperial montado em seu “ventre”. O interior habitável da nave também tem algumas surpresas, como compartimentos ocultos de contrabando à prova de escâneres.

História nos filmes[editar | editar código-fonte]

A Falcon pagou um alto preço pelo aumento de sua performance. Ela foi extremamente teimosa e frequentemente imprevisível. Seu hiperpropulsor recondicionado geralmente falha. Seu atual capitão, Han Solo, já foi visto reparando uma falha de ignição com duros golpes no anteparo com seus punhos.

A Falcon também pertenceu a Lando Calrissian antes de Solo, que a ganhou numa partida de sabacc. Sob o comando de Solo, a Falcon se tornou famosa, completando a Corrida Kessel em menos de doze parsecs (parsec é unidade de distância, não de tempo. Algo que falhou no filme). Solo e seu imediato, Chewbacca, mantêm a Falcon constantemente modificando-a (e, por vezes, remendando-a), tirando dela o máximo que pode oferecer.

Sua velocidade se tornou muito útil quando Solo e Chewbacca se envolveram profundamente com a causa rebelde. Foi a Falcon que providenciou a cobertura a Luke Skywalker no ataque final à primeira Estrela da Morte, se tornou o transporte de fuga da Princesa Leia Organa durante a Batalha de Hoth e, durante a decisiva Batalha de Endor, a Falcon liderou a frota rebelde. Sob o comando de Lando Calrissian, ela mergulhou no coração da inacabada segunda Estrela da Morte e disparou um míssil que ajudou a selar o destino do Império.

No universo expandido[editar | editar código-fonte]

A Falcon iniciou sua vida como um cargueiro leve padrão da Corellian Engineering Corporation YT-1300 em uma data ainda desconhecida. Eventualmente foi ganha num jogo de sabacc por Lando Calrissian. Durante o primeiro ano como propriedade de Lando, ela teve muitas aventuras no Sistema Rafa, no Cinturão Oseon e na Caverna Espacial de ThonBoka. Foi idéia de Lando instalar seções de carga ocultas sob as placas do deque da Falcon. Nessa época, a Falcon tinha um par de pequenos canhões lasers localizados em suas extremidades dianteiras. Calrissian e seu droid Vuffi Raa também incrementaram os escudos da nave. A Falcon ganhou uma de suas mais significantes cicatrizes de batalha, uma grande "lágrima" próxima à rampa de entrada, quando entrou em conflito com uma nave de batalha da Confederação Renatasiana.

Solo continuou as modificações que Calrissian começou quando a Falcon se tornou sua propriedade. Sua fuselagem, armamento e velocidade foram aperfeiçoadas. Uma série de geradores de avançados escudos Kuat Drive Yards, Novaldex, e Nordoxicon roubados por Solo dos estaleiros Myomar muniram a Falcon com uma grade de escudos de uma nave de guerra. Houve o acréscimo de sensores de rastreamento de topo de linha para detectar distantes naves Imperiais antes ainda de detectarem a Falcon. Para suprir a carência de um tanque bacta, a Falcon é equipada com uma cápsula de hibernação criogênica para emergências médicas ou transporte de cargas vivas.

Solo modificou a Falcon, visando reduzir despesas e manter sua privacidade, de forma que a maior parte de seus sistemas vitais podem ser acessados diretamente do cockpit em uma estação no compartimento dianteiro. A grande quantidade de controles de funções da nave passam através do que era um computador Hanx-Wargel SuperFlow IV. Ele foi modificado com três cérebros droids, o que às vezes causa um certo comportamento esquizofrênico na Falcon.

Desenho[editar | editar código-fonte]

Millennium Falcon nem sempre possuiu a forma elíptica que estamos todos acostumados a ver. Seu design inicial era muito mais parecido com a forma de um foguete, um corpo cilíndrico com um cockpit em sua parte frontal. Entretanto, durante a produção de Star Wars, um design similar apareceu no show de TV "Space 1999". Com receio de aparentar ser uma imitação, George Lucas remodelou a famosa nave rebelde.

O design da nova Falcon foi baseado na comida preferida de Lucas: um hambúrguer com uma azeitona espetada do lado.

Fontes[editar | editar código-fonte]