Nebulosa da Coruja

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Nebulosa da Coruja
M97
M97
Dados observacionais (J2000)
Constelação Ursa Major
Asc. reta 11h 14,8m
Declinação +55° 01′
Magnit. apar. +9,9
Distância 2 600 anos-luz
Dimensões 3,4 × 3,3 minutos de arco
Características físicas
Raio 1,5 anos-luz
Características notáveis "olhos" de coruja, visível através de telescópios grandes
Outras denominações
M97, NGC 3587
Nebulosa da Coruja
Ursa Major constellation map.png

A Nebulosa da Coruja (também conhecida como Messier 97 ou NGC 3587) é uma nebulosa planetária localizada na constelação de Ursa Major. Foi descoberta por Pierre Méchain em 1781.

É considerada uma das mais complexas nebulosas planetárias. A estrela central de magnitude 16 tem cerca de 0,7 massas solares e a nebulosa em si cerca de 0,15 massas solares. A nebulosa foi formada cerca de 6 000 anos atrás.

A Nebulosa da Coruja recebeu o seu nome devido aos seus "olhos" parecidos com o de uma coruja quando vista através de um telescópio (> 200 mm) grande sob um céu escuro com o auxílio de um "filtro de nebulosa". Os "olhos" são também facilmente visíveis através de fotografias tiradas da nebulosa.

Descoberta e visualização[editar | editar código-fonte]

Imagem de Messier 97 tirada com o Telescópio Faulkes Norte.

A nebulosa planetária foi descoberta pelo astrônomo fracês Pierre Méchain em 26 de fevereiro de 1781. Ao descrever o objeto, Charles Messier também mencionou outros dois objetos nebulosos que não foram adicionados a última versão de seu catálogo, de 1781, que viriam a ser os objetos Messier 108 e Messier 109. William Henry Smyth foi o primeiro a classificá-la como uma nebulosa planetária em 1944. William Huggins, por meio da espectroscopia, reconheceu a natureza gasosa do objeto.[1]

Características[editar | editar código-fonte]

É um dos objetos de menor brilho do catálogo Messier e também é um das quatro nebulosas planetárias do catálogo. É uma das mais complexas nebulosas planetárias conhecidas: estima-se que sua forma seja semelhante a um toro e que as regiões pobres em matéria, os "olhos da coruja" sejam o espaço vazio ao longo do eixo do toro. A nebulosa é envolvida por uma nebulosa mais fraca, com pouca ionização. Sua massa foi estimada em 0,15 massas solares, enquanto que sua estrela central de magnitude aparente 16 tenha uma massa equivalente a 0,7 massas solares. Sua idade foi estimada em 6 000 anos.[1]

Como quaquer outra nebulosa planetária, é mais brilhante visualmente, com uma magnitude aparente em 9,9, do que em astrofotografias, com magnitude em 12. Isto se explica devido à emissão quase exclusiva de radiação eletromagnética no comprimento de onda na faixa do verde (luz verde), a cor mais sensível aos olhos humanos, mas que não consegue impressionar na mesma magnitude chapas fotográficas ou câmeras CCD.[1]

Sua distância em relação à Terra é incerta: as estimativas variam entre 1 300 anos-luz, segundo o Sky Catalogue 2000.0, a 12 000 anos-luz.[1]

Galeria[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b c d Hartmut Frommert e Christine Kronberg (21 de agosto de 2007). Messier Object 97 (em inglês) SEDS. Página visitada em 29 de maio de 2012.
Science.jpg    NGC 3585  •  NGC 3586  •  NGC 3587  •  NGC 3588  •  NGC 3589   
Ícone de esboço Este artigo sobre nebulosas é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.

Coordenadas: Sky map 11h 14.8m 00s, +55° 01′ 00″