Pintura flamenga

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita fontes fiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo. Por favor, adicione mais referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
O Casal Arnolfini de Jan van Eyck.

A pintura flamenga floresceu no começo do século XV até o século XVII. A região de Flandres, no norte da Bélgica e nos Países Baixos, produziu os maiores pintores do norte da Europa e atraiu muitos outros de regiões vizinhas. [1]

A Pintura flamenga surgiu igualmente através do desenvolvimento de uma mentalidade burguesa (comércio e banca; mercado da arte) e está ligado a uma evolução ideológica para novas formas menos trancendentais para com a Natureza: cultura visual fundamentada em tradições que privilegiam a observação atenta do mundo natural e valorizam a superfície material da imagem.

À visão sintética e unitária da perspectiva linear, contrapõe-se na pintura flamenga, uma análise meticulosa da realidade integrada numa concepção mais empírica do espaço. O elemento unificador é a luz que envolve todas as partes da representação, valorizando os mínimos pormenores.

O resultado é uma descrição extremamente precisa da riqueza do universo visivel, onde o espaço atribuido ao homem não é central nem exclusivo, pois cada elemento, quer seja um objecto do quotidiano ou uma parte da paisagem, merece ser representado e adquire um significado simbólico.

Gótico tardio[editar | editar código-fonte]

Os chamados Pintores flamengos primitivos foram os primeiros a desenvolver e popularizar o uso da pintura a óleo. A origem da sua arte provém das iluminuras do final do período Gótico. Entre eles estavam: Jan van Eyck, Hans Memling, Hugo van der Goes e Rogier van der Weyden.

Renascimento[editar | editar código-fonte]

A partir do século XVI, a Pintura Italiana começou a influenciar os artistas flamengos. O resultado foi uma mistura interessante de estilos.

Barroco[editar | editar código-fonte]

Depois do Cerco a Antuérpia (1584-1585), as províncias ao sul da Holanda permaneceram sob dominação espanhola e se separaram da recém criada República da Holanda. Embora muitos artistas tenham fugido das guerras religiosas e se mudado para o sul da Holanda, o Barroco flamengo floresceu, especialmente com a Escola de Antuérpia, durante o século XVII e artistas como Rubens, Anthony van Dyck e Jacob Jordaens.

Declínio[editar | editar código-fonte]

Após a morte de grandes artistas como Rubens, em 1640, e o fim da Guerra dos Oito Anos, em 1648, a significância cultural de Flandres decaiu. Um renascimento da arte só aconteceu após a Revolução Belga de 1830. A partir desse período, os artistas são considerados belgas e não mais flamengos.

Referências

  1. Pitoresco. Os mestres da arte flamenga. Visitado em 14 de setembro de 2012.

Ver também[editar | editar código-fonte]