Zíper

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita uma ou mais fontes fiáveis e independentes, mas ela(s) não cobre(m) todo o texto (desde julho de 2014).
Por favor, melhore este artigo providenciando mais fontes fiáveis e independentes e inserindo-as em notas de rodapé ou no corpo do texto, conforme o livro de estilo.
Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoYahoo!Bing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Fechos de plástico de espessuras distintas.

Um zíper (português brasileiro) ou braguilha (português europeu) [nota 1] é um fecho de correr utilizado em roupas e em artefatos de couro feito de dois cadarços com dentes metálicos, que se encaixam por ação de um cursor.

Funcionamento[editar | editar código-fonte]

O zíper é formado por dois trilhos de dentes plásticos ou metálicos pelo qual corre o cursor, que tem aberturas em forma de um «Y». Pela parte de cima passam os dois trilhos separados, lado a lado, e dentro do cursor os dentes dos trilhos se engancham para saírem por uma saída só, juntos, pelo lado oposto pelo qual entraram.[1]

Histórico[editar | editar código-fonte]

Criação e popularização[editar | editar código-fonte]

Demonstração de um Zíper se fechando.
Filial da Stocko-YKK em Wuppertal, Alemanha.

A história do zíper, ou fecho éclair, começou em 1893 na Exposição Mundial de Chicago, nos EUA, onde esse objeto deslizante para fechar e abrir roupas foi apresentado pela primeira vez. Tratava-se uma versão primitiva do dispositivo, com minúsculos ganchos e argolas, desenvolvida pelo engenheiro americano Whitcomb Judson. Este, cansado de abrir e fechar todos os dias os cordões de seus sapatos, teve a ideia de criar um artefato rudimentar, composto de ganchos e furos. Porém, esse tipo de zíper não era muito eficiente: não fechava com facilidade e abria em horas impróprias.

Embora Whitcomb Judson tenha sido o inventor e tenha montado uma fábrica para a criação dessa nova invenção, ele também era obrigado a fabricar botões. O zíper só começou a se popularizar quando começou a ser usado em outras peças de roupa, que não calçados, e quando foi inventada em 1912 pelo sueco-americano Gideon Sundback a versão do zíper que é conhecida hoje, com dentes que se engancham, o que tornou a o dispositivo mais prático ainda.

O zíper se difundiu por todo o mundo quando os aviadores americanos na Primeira Guerra Mundial usaram-nos para fechar seus uniformes, bem como quando foi introduzido na alta costura da moda mundial, quando a modista parisiense Elsa Schiaparelli começou a usá-los em suas criações nos salões franceses. O nome do zíper vem da palavra zipper, em inglês. Este nome popularizou-se somente em 1923, vindo de um funcionário da empresa americana B.F. Goodrich, em que o termo foi usado para denominar o fecho da nova linha de galochas de borracha da fábrica, chamada Zipper Boots.

Em Portugal adotou-se a expressão «fecho éclair», vinda do francês fermeture Éclair, que se refere ao nome da sociedade detentora do registo da marca — a Éclair Prestil SN. Essa expressão foi utilizada durante muitos anos, por fecho éclair ser uma marca mundialmente conhecida desde sua fundação em 1946.

Produção moderna[editar | editar código-fonte]

Atualmente, porém, o maior produtor de zíperes do mundo está bem longe dos EUA e da Europa, onde foi inventado e difundido. Localizado no Japão, o grupo YKK tornou-se o mais famoso do mundo na fabricação desses fechos.

A indústria, que foi fundada no ano de 1934 em Tóquio, possui 109 companhias pelo mundo todo, distribuídas em 71 países, dominando 45% do mercado mundial.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Notas e referências

Notas

  1. É também muito conhecido no Brasil — sobretudo pelas gerações mais antigas — como fecho ecler; em Portugal também se usa fecho éclair ou fecho de correr.[1]

Referências

  1. a b Editores do Aulete (2007). Verbete fecho. Dicionário Caldas Aulete. Página visitada em 2 de julho de 2014.
Ícone de esboço Este artigo sobre vestuário ou moda é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.