Aaron Eckhart

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Aaron Eckhart
Aaron na San Diego Comic-Con, em julho de 2013
Nome completo Aaron Edward Eckhart
Nascimento 12 de março de 1968 (49 anos)
Cupertino, Califórnia
 Estados Unidos
Ocupação Ator
Atividade 1992-presente
IMDb: (inglês)

Aaron Edward Eckhart (Cupertino, 12 de março de 1968) é um ator norte-americano[1] de cinema e teatro. Nascido na Califórnia, mudou-se para a Inglaterra aos treze anos, acompanhando sua família. Anos mais tarde, deu início à sua carreira em peças escolares, antes de se mudar para Sydney, Austrália, para cursar o último ano do ensino médio; não chegou, no entanto, a se formar, e obteve seu diploma através de um curso de educação para adultos, formando-se em seguida na Universidade Brigham Young (BYUH) em 1994, com um diploma de Bachelor of Fine Arts em Cinema. Por boa parte da década de 1990 viveu em Nova York como um ator em busca de emprego.

Enquanto estudava na Brigham Young, Eckhart conheceu o diretor e roteirista Neil LaBute, que o escalou em diversas de suas peças teatrais. Cinco anos mais tarde, Eckhart estreou no cinema no papel de um conquistador sociopático numa comédia de humor negro de LaBute chamada In the Company of Men, de 1997. Sob a orientação de LaBute trabalhou em diversos outros filmes, como Your Friends & Neighbors (1998), Nurse Betty (2000) e Possession (2002). Desde então Eckhart escolheu papéis em filmes dos mais diferentes estilos, de ficções científicas como The Core (2003) e Paycheck (2003) a dramas românticos como Conversations with Other Women (2006) e No Reservations (2007).

Eckhart conquistou reconhecimento no papel de George no filme Erin Brockovich (2000), sucesso de crítica de Steven Soderbergh, e recebeu, em 2006, uma indicação para o Globo de Ouro de melhor ator por sua interpretação de Nick Naylor em Thank You for Smoking. Em 2008 estrelou em The Dark Knight, produção de grande orçamento na qual interpretou o promotor público Harvey Dent/Duas-Caras. Dois anos mais tarde protagonizou, ao lado da atriz Nicole Kidman, o filme Rabbit Hole.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Eckhart nasceu em Cupertino, Califórnia, filho de Mary Martha Eckhart (nascida Lawrence), uma poeta e autora de livros infantis, e James Conrad Eckhart, um executivo da área de informática.[2] É o mais novo de três irmãos.[3][4] Foi criado como membro da Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias (popularmente conhecida como Igreja Mórmon), e serviu como missionário da igreja na França e na Suíça.[5][6]

A família de Eckhart se mudou em 1981 para a Inglaterra,[2][7] devido à profissão de seu pai.[8] A família morou em Surrey, no sudeste do país, primeiro na cidade de Walton-on-Thames,[9] e posteriormente em Cobham.[8] Enquanto vivia na Inglaterra, Eckhart frequentou a American Community School, conhecida atualmente como ACS International Schools,[8] onde teve seu primeiro contato com a atuação, estrelando uma produção escolar no papel de Charlie Brown.[10][11] Em 1985 mudou-se para Sydney, Austrália, onde frequentou a American International School of Sydney em seu último ano no ensino médio; lá, desenvolveu ainda mais suas habilidades como ator em peças como Esperando Godot, embora admita que tenha sido uma produção "terrível".[12] Durante a primavera de sua temporada escolar,[3] no entanto, Eckhart abandonou os estudos para trabalhar no cinema de um shopping center local.[13][14] Acabou por obter seu diploma através de um curso de educação para adultos.[15] Isto deu a Eckhart tempo para aproveitar um ano esquiando e surfando no Havaí e na costa da França.[2][16] Em 1988, Eckhart retornou aos Estados Unidos e se inscreveu num curso de graduação em cinema na Universidade Brigham Young do Havaí,[17] porém posteriormente transferiu-se para a Universidade Brigham Young em Provo, Utah.[2] Formou-se em 1994 com um diploma de Bachelor of Fine Arts[13][18]

Vida profisional[editar | editar código-fonte]

Início de carreira[editar | editar código-fonte]

Ainda na Universidade Brigham Young,[19] Eckhart apareceu num filme de temática mórmon, papel que marcou sua estreia profissional. Na época, conheceu o diretor e roteirista Neil LaBute,[19] que viria a escalá-lo para diversos papéis em suas próprias peças originais.[20] Após se formar na UBY, mudou-se para Nova York, onde contratou um agente e trabalhou em diversas ocupações, em bares, como motorista de ônibus, e em construções.[11] Seus primeiros papéis na televisão foram em anúncios publicitários. Em 1994 apareceu como figurante na série dramática de televisão Beverly Hills, 90210 (conhecida no Brasil como Barrados no Baile, e em Portugal como Febre Em Beverly Hills).[11][21] Em seguida atuou em reencenações para documentários (Ancient Secrets of the Bible: Samson), filmes para a televisão, e em programas de televisão de curta duração, como Aliens in the Family.[22]

Em 1997 Eckhart recebeu o convite de LaBute para estrelar numa adaptação cinematográfica de uma de suas peças, In the Company of Men.[23] Nela, interpretou um trabalhador de colarinho branco que tenta conquistar uma colega de trabalho surda, conquista seu afeto, e subitamente a abandona.[24] O filme, primeira obra da qual participou a chegar aos cinemas, foi bem-recebida pela crítica,[25] com críticos como Desson Howe, do The Washington Post, escrevendo que Eckhart era a "presença mais maligna do filme" e que ele "estava arrepiantemente em comando, como uma espécie de príncipe satânico de mangas arregaçadas.[26] In the Company of Men foi um sucesso de crítica, conquistando o prêmio de melhor filme de estréia na 63ª edição do New York Film Critics Circle Award.[27][28] Sua performance lhe rendeu o Independent Spirit Award na categoria de melhor performance de estréia.[29] O filme foi incluído na lista de "25 filmes mais perigosos" compilada pela revista Premiere.[30]

No ano seguinte estrelou em outro longa-metragem de LaBute, Your Friends & Neighbors (1998),[18][19] como Barry, um marido sexualmente frustrado num casamento problemático; Eckhart teve que engordar especialmente para o papel.[31] Em 1999 atuou ao lado de Elisabeth Shue em Molly, uma comédia dramática romântica na qual interpretou o irmão egocêntrico de uma mulher autista que é curada por uma cirurgia.[32] Eckhart também interpretou um técnico de futebol americano, um coordenador ofensivo, no filme Any Given Sunday, de Oliver Stone.[33]

Sucesso de crítica[editar | editar código-fonte]

Eckhart conquistou grande exposição em 2000 no papel de George, um motociclista com rabo de cavalo e cavanhaque no drama Erin Brockovich, de Steven Soderbergh.[34] O filme obteve uma avaliação razoável pelos críticos,[35] porém foi um sucesso de bilheteria, arrecadando 256 milhões de dólares ao redor do mundo.[36] Sua performance foi bem-recebida pelso críticos: Owen Gleiberman, da Entertainment Weekly, escreveu que Eckhart "pode estar interpretando uma espécie de ideal [...] porém ele torna a bondade tão palpável quanto ele havia feito com o mal yuppie em 'In the Company of Men'."[37] Numa entrevista feita em agosto de 2004, Eckhart alegou que estava sem trabalhar por quase um ano antes de receber o papel no filme. "Senti como se estivesse me afastando do que eu queria fazer como ator. [...] Tirei uma folga de nove meses, porém não foram férias. Claro, eu não ganhei dinheiro algum por nove meses, porém todos os dias eu lia roteiros, produzia meu próprio material, fazia reuniões, trabalhava em meu ofício."[38]

Nick Nolte, Eckhart, Joshua Michael Stern e Alan Cumming promovendo Neverwas, na edição de 2005 do Festival Internacional de Cinema de Toronto.

Após o lançamento de Erin Brockovich, Eckhart co-estrelou com Renée Zellweger em Nurse Betty, de LaBute (2000).[18] Em seguida apareceu no filme de mistério The Pledge (2001), de Sean Penn, no qual interpretou um jovem detetive a quem é designado um parceiro mais experiente (Jack Nicholson).[39] O filme recebeu críticas favoráveis, no geral,[40] porém não foi um grande sucesso de bilheterias.[41] No ano seguinte, colaborou com LaBute numa adaptação para o cinema do romance Possession (2002), vencedor do Prêmio Man Booker.[42] Em 2003 Eckhart atuou com Hilary Swank em The Core, um filme sobre um geofísico que tenta detonar um artefato nuclear para salvar o mundo da destruição.[43] O filme foi um fracasso de crítica e público.[44][45] Também em 2003 apareceu em The Missing, filme no qual interpretou o amante de Cate Blanchett,[46] e o suspense de ação Paycheck, ao lado de Ben Affleck.[47] O filme, baseado num conto do autor de ficção científica Philip K. Dick, obteve uma recepção negativa.[48] O crítico cinematográfico Roger Ebert, do Chicago Sun-Times, deu ao filme duas estrelas (de quatro), afirmando tê-lo "apreciado" porém sentido que ele "explorava a ação e o potencial da trama [da história de Dick], sem no entanto jamais o desenvolver."[49]

No ano seguinte, afastado dos cinemas, atuou como convidado em dois episódios da sitcom de comédia Frasier, na qual interpretou um namorado de Charlotte, mulher pela qual o Frasier Crane está interessado.[50][51] Seu próprio papel no cinema foi no suspense Suspect Zero, de E. Elias Merhige, longa-metragem sobre um agente do FBI que rastreia um matador de assassinos em série.[52][53] Ao ser lançado, o filme obteve críticas negativas;[54] a performance de Eckhart, no entanto, foi elogiada pelos críticos: o Newsday, por exemplo, escreveu que ele era um "protagonista de beleza clássica", e que o diretor teria exigido dele "complexidade e angústia".[55] Suspect Zero foi um fracasso de bilheterias, conquistando apenas 11 milhões de dólares ao redor do mundo.[56] Também em 2004, Eckhart atuou no teatro em Londres, ao lado de Julia Stiles, na peça Oleanna, de David Mamet, no Teatro Garrick. A peça foi encenada até meados de 2004,[57] e Eckhart recebeu críticas favoráveis.[38][58] Em 2005 retornou ao cinema, aparecendo em Neverwas no papel de um psicanalista que aceita um emprego num hospital psiquiátrico decadente onde seu pai (Nick Nolte) havia sido tratado. O longa-metragem, no entanto, nunca foi lançado nos cinemas, saindo diretamente em DVD em 2007.[59]

Reconhecimento mundial[editar | editar código-fonte]

Seu próximo projeto foi Thank You for Smoking, no qual interpretou Nick Naylor, um lobista da indústria do tabaco que pesquisa a ligação entre os cigarros e o câncer de pulmão. Eckhart afirmou que encarou o trabalho como um desafio: "você tem que dizer estas palavras loucas com um sorriso em seu rosto e fazer a audiência gostar de você. A uma determinada altura eu estou participando de um talk show com um garoto que está morrendo de câncer, passando por quimioterapia e tudo o mais, e eu distorço a coisa de tal maneira que os anti-tabagistas saem como os malvados e eu como o herói, e passo a ser o melhor amigo deste cara."[60] O filme foi exibido pela primeira vez numa apresentação especial na 30ª edição do Festival Internacional de Cinema de Toronto de 2005.[61][62]

O filme teve um lançamento limitado em março de 2006, e foi lançado mundialmente no mês seguinte.[63][64] Eckhart recebeu uma indicação ao Globo de Ouro de melhor ator em longa-metragem musical ou de comédia pela sua atuação.[65] Já o USA Today publicou que ele teria dado uma performance "destacada", citando que o personagem Nick Naylor era "agradável até mesmo em seu cinismo."[66] Na crítica do filme no Seattle Post-Intelligencer, "sob seu sorriso amigo porém sem compaixão" Eckhart irradiava charme e "as verdadeiras alegrias de Naylor: argumentos manipulativos, conduzir debates, manipular palavras."[67]

No mesmo ano, atuou com Helena Bonham Carter em Conversations with Other Women (2006).[68] Ao promover o filme, Eckhart revelou que não desejava ficar preso a um mesmo tipo de papel ou se repetir, afirmando não desejar mais interpretar vilões.[3] Apareceu no film noir The Black Dahlia, de 2006 — baseado num crime real de 1947 — no papel do sargento Leland "Lee" Blanchard, um detetive que investiga o assassinato de Elizabeth Short, conhecida posteriormente como a "Dália Negra" (Black Dahlia).[69][70] A estreia do filme ocorreu na 63ª edição do Festival Internacional de Cinema de Veneza.[71][72] A recepção do filme foi mesclada,[73] porém diversos críticos elogiaram a performance de Eckhart: a revista Time Out louvou as atuações de Eckhart e Swank, afirmando que "...ambos [são] ótimos em seus papéis secundários."[74]

Reconhecido internacionalmente como um símbolo sexual, foi incluído na lista das 100 pessoas mais bonitas de 2006 da revista People.[75][76] No ano seguinte, Eckhart foi convidado para fazer pare da Academia das Artes e Ciências Cinematográficas (Academy of Motion Picture Arts and Sciences).[77] Atuou em No Reservations (2007), uma refilmagem da comédia romântica alemã Mostly Martha, de 2001, interpretando um chef ao lado de Catherine Zeta-Jones.[78] O filme recebeu críticas ambíguas, e foi comparado de maneira desfavorável ao filme original.[79] Em 2008 estrelou a comédia Meet Bill, no qual interpreta o personagem epônimo, um executivo triste que trabalha no banco de seu sogro.[80][81] Eckhart engordou 13 quilos e vestiu um terno feito especialmente para o papel.[23][82]

Eckhart dando autógrafos para fãs durante a promoção de The Dark Knight, em 2008.

No mesmo ano, Eckhart interpretou o personagem Harvey Dent/Duas-Caras (Two-Face), no filme The Dark Knight, de Christopher Nolan, continuação de Batman Begins, de 2005.[83][84] A decisão de Nolan de chamar Eckhart para o papel teria tido base nos personagens corruptos interpretados por ele em filmes como In the Company of Men, The Black Dahlia e Thank You For Smoking.[85][86] Ao comentar sua interpretação do personagem, Eckhart afirmou que "[Dent] ainda é fiel a si mesmo. Ele é um combatente do crime, ele não está matando pessoas boas. Ele não é um cara mau, não inteiramente", admitindo: "tenho interesse pelos caras bons que dão errado."[85][86] The Dark Knight foi um grande sucesso de crítica e público, estabelecendo um novo recorde de bilheterias em fins de semana na América do Norte. Com uma receita de 1 bilhão de dólares ao redor do mundo,[87] tornou-se o quarto filme de maior bilheteria de todos os tempos,[88] e o mais rentável de toda a sua carreira. Roger Ebert escreveu que Eckhart teria feito um trabalho "especialmente bom" no longa-metragem,[89] e a revista Premiere também elogiou sua performance, afirmando que ele "faz você acreditar em sua malfadada ambição ... de transformar-se no maquinador Duas-Caras."[90]

Após o sucesso de The Dark Knight, Eckhart apareceu no filme Towelhead (2008), de Alan Ball, uma adaptação do romance homônimo de Alicia Erian, no qual ele interpretou um reservista do exército americano durante a Guerra do Golfo que abusa sexualmente de seu vizinho, uma árabe-americana de 13 anos.[91][92] O filme foi exibido com o título de Nothing is Private na edição de 2007 do Festival Internacional de Toronto.[93] Ao receber o convite para o papel, Eckhart revelou que não queria interpretar um "pedófilo";[92] Ao ser consultado sobre as cenas de sexo, afirmou: "foi um período difícil .... O que eu fiz foi confiar de verdade em Alan. Estava nas palavras. Eu confiei de verdade em Summer [Bishil], e tentei fazer com que ela confiasse em mim, construisse uma relação quando estivéssemos fazendo cenas físicas. Nós as ensaiávamos de maneira mecânica, e eu dizia: 'ok, agora vou colocar minha mão aqui, agora vou fazer isto.' ... creio que fui eu quem achou mais difícil."[94] Towelhead não teve sucesso nem financeiro nem entre os críticos.[95][96]

Em seguida atuou com Jennifer Aniston no drama romântico Love Happens, lançado em setembro de 2009, interpretando um orador motivacional tentando lidar com seu próprio luto.[97][98] O filme recebeu críticas ambivalentes:[99] para o crítico do Orlando Sentinel, Eckhart teria atuado de maneira "quebrada" durante todo o filme.[100] No ano seguinte co-estrelou com Nicole Kidman o filme Rabbit Hole (2010), uma adaptação do drama homônimo de 2005 de David Lindsay-Abaire.[101][102] O longa-metragem estreou na edição de 2010 do Festival de Toronto.[103] Em 2011 Eckhart estrelou o filme de ficção científica Battle: Los Angeles, de Jonathan Liebesman, no qual interpretou um sargento veterano dos fuzileiros navais americanos; o filme, que se passa em Los Angeles nos dias de hoje, segue um pelotão de Marines americanos durante uma invasão de alienígenas à Terra; este grupo de soldados, juntamente com um sargento das forças especiais da força aérea e alguns soldados de infantaria do exército, têm de combater o inimigo extraterrestre na cidade.[104] Também apareceu ao lado de Johnny Depp, Richard Jenkins e Amber Heard em The Rum Diary, dirigido por Bruce Robinson, adaptação para o cinema da obra homônima de Hunter S. Thompson.[105][106] No filme, Eckhart interpreta Sanderson, um rico proprietário de terras que acredita que tudo tem um preço, e que apresenta Paul Kemp (Depp) a um padrão diferente de vida.[105][106]

Recentemente Eckhart declarou desejar trabalhar no futuro com Jeff Bridges e Angelina Jolie.[107]

Vida pessoal[editar | editar código-fonte]

Eckhart já foi noivo da atriz Emily Cline, que conheceu durante as filmagens de In the Company of Men, porém ambos se separaram em 1998.[18][57] Sempre relutante em falar sobre suas relações amorosas em entrevistas,[3] o ator também namorou Kristy Osborn, compositora de música country e integrante do grupo SHeDAISY, de 2006 a 2007,[18][57] tendo aparecido no videoclipe da canção "I'm Taking the Wheel".[57]

Em diversas entrevistas Eckhart falou sobre suas crenças, seu modo de vida, e suas ambições futuras para a carreira. Durante entrevista ao Entertainment Weekly sobre sua fé mórmon, revelou: "tenho certeza que as pessoas acham que eu sou um mórmon, mas eu não sei se ainda sou um mórmon, sabe? Para ser honesto, para ser perfeitamente claro, eu seria um hipócrita se dissesse que ainda sou, porque eu não tenho vivido naquele estilo de vida por tantos anos."[108] Em outras entrevistas ele divulgou que, através da hipnose, teria deixado de beber e fumar,[3][109] e que em seu tempo livre gosta de fotografia.[110] Durante uma entrevista com a revista Parade, Eckhart revelou que antes de começar a atuar, queria ser um compositor.[10]

Carreira[editar | editar código-fonte]

Ano Filme Título em português Papel Obs.
1997 In the Company of Men br: Na Companhia de Homens Chad Independent Spirit Award de melhor performance de estréia
Satellite Award de novo talento de destaque
Slaughter of the Innocents Ken Reynolds
1998 Your Friends & Neighbors br: Seus Amigos, Seus Vizinhos
pt: Amigos e Vizinhos
Barry
Thursday br: Quinta-Feira Violenta Nick
1999 Molly br: Experimentando a Vida Buck McKay
Any Given Sunday br/pt: Um Domingo Qualquer Nick Crozier
2000 Erin Brockovich br: Erin Brockovich - Uma Mulher de Talento George
Nurse Betty br: Enfermeira Betty
pt: Betty
Del Sizemore
Tumble "Homem"
2001 The Pledge Stan Krolak
2002 Possession br/pt: Possessão Roland Michell
2003 The Core br: O Núcleo - Missão ao Centro da Terra
pt: Detonação
Dr. Josh Keyes
The Missing br/pt: Desaparecidas Brake Baldwin
Paycheck br: O Pagamento
pt: Pago Para Esquecer
James Rethrick
2004 Suspect Zero Thomas Mackelway
Vapor Nathaniel Powers
2005 Neverwas Zach Riley Co-produtor
2006 Conversations with Other Women Homem
Thank You for Smoking br: Obrigado por fumar Nick Naylor Globo de Ouro de melhor ator - longa-metragem musical ou de comédia
Independent Spirit Award de melhor ator
Prêmio da St. Louis Gateway Film Critics Association de melhor ator
The Wicker Man br: O Sacrifício
pt:
O Escolhido
Cliente da parada de caminhões
The Black Dahlia Sgt. Lee Blanchard
2007 No Reservations Sem Reservas Nick Palmer
Towelhead Sr. Vuoso
Operation Homecoming: Writing the Wartime Experience (voz)
2008 Meet Bill Bill Produtor executivo
The Dark Knight br: Batman: O Cavaleiro das Trevas
pt: O Cavaleiro das Trevas
Harvey Dent/Duas-Caras Prêmio da Central Ohio Film Critics Association de melhor elenco
People's Choice Award de elenco favorito
Prêmio da Broadcast Film Critics Association de melhor elenco
Saturn Award de melhor ator coadjuvante
Scream Award de melhor vilão
2009 Love Happens br: O Amor Acontece
pt:
Amor Por Acaso
Dr. Burke Ryan
2010 Rabbit Hole Howie Corbett Indicado – Independent Spirit Award de melhor ator
Indicado – Prêmio da San Diego Film Critics Society de melhor ator
2011 Battle: Los Angeles br: Invasão do Mundo: Batalha de Los Angeles
pt: Invasão Mundial: Batalha Los Angeles
Sgt. Michael Nantz
The Rum Diary br: O Diário de Um Jornalista Bêbado
pt: O Diário a Rum
Sanderson
2012 The Expatriate Ben Logan
2013 I, Frankenstein Adam Frankenstein [111]
Olympus Has Fallen br: Invasão à Casa Branca Presidente dos Estados Unidos, Benjamin Asher
The Drummer Dennis Wilson
2016 London Has Fallen br: Invasão à Londres Presidente dos Estados Unidos, Benjamin Asher
2016 Sully br: Milagre no Rio Hudson
pt: Sully - O Herói do Rio Hudson
Jeff Skiles
2017 Incarnate br: Dominação Dr. Seth Ember

Referências

  1. «Aaron Eckhart» (em inglês). Hollywood.com. Consultado em 28 de junho de 2012. Cópia arquivada em 26 de abril de 2013 
  2. a b c d «Smoke and mirrors». The Age. Melbourne. 10 de agosto de 2006. p. 3. Consultado em 30 de setembro de 2008 
  3. a b c d e Illey, Chrissy (19 de agosto de 2007). «Learning to smile». The Guardian. London. Consultado em 23 de setembro de 2008 
  4. http://tmsociety.org/thomas/joseph/aqwg199.htm#4175
  5. Caddell, Ian (19 de julho de 2007). «Edgy, smedgy–Eckhart just wants you to laugh». The Georgia Straight. Consultado em 7 de agosto de 2007 
  6. McArthur, Beth (26 de agosto de 2004). «Devout Eckhart Prays His New Film Is a Hit». The Georgia Straight. Consultado em 13 de maio de 2008 
  7. «Archives — Aaron Eckhart». The Tavis Smiley Show. Public Broadcasting Service. 6 de setembro de 2004. Consultado em 30 de setembro de 2008 
  8. a b c Bedell, Geraldine (4 de abril de 2004). «Mormon becomes electric». The Guardian. Londres. Consultado em 30 de setembro de 2008 
  9. Iley, Chrissy (24 de janeiro de 2011). «Aaron Eckhart interview». The Daily Telegraph. Londres. Consultado em 27 de janeiro de 2011. Cópia arquivada em 3 de fevereiro de 2011 
  10. a b Wolf, Jeanne (10 de setembro de 2008). «Aaron Eckhart: My Career Is Insane». Parade. Consultado em 3 de outubro de 2008. Cópia arquivada em 14 de setembro de 2008 
  11. a b c Lee, Luaine (27 de agosto de 2004). «Eckhart defined struggling actor — He's come a long way from partying in beer ads». Milwaukee Journal Sentinel: 10 
  12. Balogh, Stephanie (20 de agosto de 2007). «Laughs on the menu with Aaron Eckhart». Herald Sun. Consultado em 15 de janeiro de 2009 
  13. a b «Heart of darkness». The Times. Londres. 20 de outubro de 2002. p. 1. Consultado em July 23, 2008  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  14. «The Villain Of 'Paycheck'». The Early Show. CBS News. 29 de dezembro de 2003. Consultado em 30 de setembro de 2008 
  15. Adolphson, Sue (16 de agosto de 1998). «Change of Heart - 'Company' man Aaron Eckhart goes from cad to cuckold for 'Neighbors'». San Francisco Chronicle. p. 1. Consultado em 21 de junho de 2010 
  16. «Aaron Eckhart». Men's Health. Julho/agosto de 2008. Consultado em 21 de junho de 2010. Cópia arquivada em 22 de junho de 2010  Verifique data em: |data= (ajuda)
  17. Webster, Dan (2 de outubro de 1998). «Success Of Their First Movie Gave Collaborators Momentum». The Spokesman-Review: 6 
  18. a b c d e «Aaron Eckhart». Turner Classic Movies. Consultado em 21 de abril de 2009 
  19. a b c Jurgensen, John (12 de julho de 2008). «Just Asking.... Aaron Eckhart». The Wall Street Journal Online. Consultado em 22 de julho de 2008 
  20. Epstien, Daniel Robert. «Aaron Eckhart of Suspect Zero Interview». UGO Networks. Consultado em 27 de outubro de 2008 
  21. Brady, James (10 de agosto de 2008). «In Step With... Aaron Eckhart». Parade. Consultado em 26 de setembro de 2008. Cópia arquivada em 12 de setembro de 2008 
  22. Adolphson, Sue (16 de agosto de 1998). «Change of Heart - 'Company' man Aaron Eckhart goes from cad to cuckold for 'Neighbors'». San Francisco Chronicle. p. 2. Consultado em 21 de junho de 2010 
  23. a b Horowitz, Josh (21 de dezembro de 2006). «Oscar File: Will Ever-Smiling Aaron Eckhart Soon Be Saying, 'Thank You'?». MTV Movie News. Consultado em 12 de setembro de 2008 
  24. Schwarzbaum, Lisa (8 de agosto de 1997). «In the Company of Men». Entertainment Weekly. Consultado em 20 de julho de 2008 
  25. «In the Company of Men». Metacritic. 1 de agosto de 1997. Consultado em 13 de novembro de 2009 
  26. Howe, Desson (22 de agosto de 1997). «'Men' Behaving Very Badly». The Washington Post. Consultado em 8 de julho de 2009 
  27. «New York Film Critics Circle: 1997 Awards». Site oficial do New York Film Critics Circle Award. Consultado em 22 de setembro de 2008 
  28. Hartl, John (26 de fevereiro de 1998). «Oscar Nominees On Video: `In & Out,' `Full Monty'». The Seattle Times. Consultado em 23 de setembro de 2008 
  29. «Aaron Eckhart awards». The New York Times. Consultado em 23 de setembro de 2008 
  30. Kenny, Glenn; Weisel, Al; Salisbury, Mark; Fernandez, Jay A. (15 de março de 2007). «The 25 Most Dangerous Movies Ever Made». Premiere. Consultado em 19 de janeiro de 2009. Cópia arquivada em 21 de janeiro de 2009 
  31. Levy, Emanuel (10 de agosto de 1998). «Your Friends and Neighbors Review». Variety. Consultado em 25 de agosto de 2008 
  32. Tucker, Ken (5 de novembro de 1999). «Molly Review». Entertainment Weekly. Consultado em 20 de julho de 2008 
  33. «Aaron Eckhart Filmography». The New York Times. Consultado em 23 de julho de 2008 
  34. Kleinschrodt, Michael (18 de fevereiro de 2000). «Movies Bustin' Out All Over». The Times-Picayune: L22 
  35. «Erin Brockovich (2000): Reviews». Metacritic. 17 de março de 2000. Consultado em 14 de abril de 2009 
  36. «Erin Brockovich (2000)». Box Office Mojo. Consultado em 14 de abril de 2009. Cópia arquivada em 25 de abril de 2009 
  37. Gleiberman, Owen (17 de março de 2000). «Erin Brockovich Movie Review». Entertainment Weekly. Consultado em 12 de setembro de 2008 
  38. a b Johnson, G. Allen (24 de agosto de 2004). «His good looks landed him roles, but so what? Aaron Eckhart wanted more, and now he's got it». San Francisco Chronicle. Consultado em 23 de setembro de 2008 
  39. Pierce, Nev (8 de outubro de 2001). «BBC Films review — The Pledge». BBC Movies. Consultado em 20 de julho de 2008 
  40. «Pledge, The (2001): Reviews». Metacritic. 19 de janeiro de 2001. Consultado em 21 de junho de 2010 
  41. «The Pledge (2001)». Box Office Mojo. Consultado em 21 de junho de 2010 
  42. Gleiberman, Owen (14 de agosto de 2002). «Possession (Movie - 2002) review». Entertainment Weekly. Consultado em 20 de julho de 2008 
  43. «Destruction in the air this weekend». CNN: Showbiz/Movies. 27 de março de 2003. Consultado em 15 de setembro de 2010 
  44. «Core, The (2003): Reviews». Metacritic. 28 de março de 2003. Consultado em 15 de dezembro de 2008 
  45. «The Core (2003)». Box Office Mojo. Consultado em 13 de julho de 2010. Cópia arquivada em 1 de julho de 2010 
  46. Ebert, Roger (30 de julho de 2004). «The Missing Review». Chicago Sun-Times. Consultado em 20 de julho de 2008 
  47. Pierce, Nev (14 de janeiro de 2003). «BBC Films — Paycheck». BBC Movies. Consultado em 20 de julho de 2008 
  48. «Paycheck (2003): Reviews». Metacritic. 25 de dezembro de 2003. Consultado em 15 de dezembro de 2008 
  49. Roger Ebert (24 de dezembro de 2003). «Paycheck review». Chicago Sun-Times. Consultado em 23 de setembro de 2008  Texto "Ebert, Roger]]" ignorado (ajuda)
  50. Ken Levine, David Isaacs e Scott Ellis (6 de abril de 2004). "Miss Right Now". Frasier, episódio 19, 11ª temporada. 24 minutos. NBC.
  51. Sam Johnson e Scott Ellis (20 de abril de 2004). "And Frasier Makes Three". Frasier, episódio 20, 11ª temporada. 24 minutos. NBC.
  52. [[Roger Ebert|Ebert, Roger]] (27 de agosto de 2004). «Suspect Zero Review». Chicago Sun-Times. Consultado em July 20, 2008  Verifique |author-last1= valor (ajuda); Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  53. Gilchrist, Todd (26 de agosto de 2004). «IGN: Suspect Zero Review». IGN Movies. Consultado em 20 de julho de 2008 
  54. «Suspect Zero (2004): Reviews». Metacritic. 27 de agosto de 2004. Consultado em 15 de dezembro de 2008 
  55. Thomas, Kevin (27 de agosto de 2004). «'Suspect Zero'». Newsday. Consultado em 12 de setembro de 2008 
  56. «Suspect Zero (2004)». Box Office Mojo. Consultado em 14 de abril de 2009 
  57. a b c d Rubin, Courtney (22 de julho de 2008). «Aaron Eckhart Would Relocate for the Right Partner». People. Consultado em 12 de setembro de 2008. Cópia arquivada em 24 de setembro de 2008 
  58. Billington, Michael (23 de abril de 2004). «Oleanna». The Guardian. Londres. Consultado em 23 de setembro de 2008 
  59. Kloer, Phil; Murray, Steve e Germain, David (6 de julho de 2007). «DVD: On The Shelf». The Atlanta Journal-Constitution: H10 
  60. Carroll, Larry (22 de março de 2006). «'Thank You for Smoking' Is Funny, Serious Business». MTV Movie News. Consultado em 18 de setembro de 2008 
  61. Carroll, Larry (19 de setembro de 2005). «Is Toronto The New Sundance?». MTV Movie News. Consultado em 22 de setembro de 2008 
  62. Kirschling, Gregory; Valby, Karen e Drumming, Neil (16 de setembro de 2005). «The buzz from the Toronto film fest». Entertainment Weekly. Consultado em 22 de setembro de 2008. Cópia arquivada em 7 de setembro de 2008 
  63. Reitman, Jason; Buckley, Christopher (27 de fevereiro de 2006). «Film: "Thank You For Smoking"». The Washington Post. Consultado em 22 de setembro de 2008 
  64. «Ice Age, Benchwarmers & Banderas». The Early Show. Associated Press. 10 de abril de 2006. Consultado em 22 de setembro de 2008 
  65. «HFPA — Awards Search». Site oficial do Globo de Ouro. Consultado em July 22, 2008  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  66. Puig, Claudia (16 de março de 2006). «'Thank You for Smoking' is a breath of fresh air». USA Today. Consultado em 12 de setembro de 2008 
  67. Axmaker, Sean (31 de março de 2006). «Brazen 'Thank You for Smoking' is a breathtaking satire». Seattle Post-Intelligencer. Consultado em 14 de novembro de 2008 
  68. Scott, A.O. (11 de agosto de 2006). «Conversations With Other Women (2005) Review». The New York Times. Consultado em 22 de julho de 2008 
  69. McCarthy, Todd (30 de agosto de 2006). «The Black Dahlia Review». Variety. Consultado em July 22, 2008  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  70. Otto, Jeff (11 de agosto de 2006). «IGN: Interview: Aaron Eckhart». IGN Movies. Consultado em 18 de setembro de 2008 
  71. Morris, Roderick Conway (30 de agosto de 2006). «This Year in Venice, a Nod to Hollywood». The New York Times. Consultado em 14 de abril de 2009 
  72. Barry, Colleen (30 de agosto de 2006). «Venice Film Festival Opens With `Dahlia'». The Washington Post. Associated Press. Consultado em 14 de abril de 2009 
  73. «Black Dahlia, The (2006): Reviews». Metacritic. 15 de setembro de 2006. Consultado em 14 de abril de 2009 
  74. Jenkins, David (1 de setembro de 2006). «Venice diary - 'The Black Dahlia' review». Time Out. Consultado em 23 de setembro de 2008 
  75. «Aaron Eckhart — When They Were Young». People. 8 de maio de 2006. Consultado em 3 de novembro de 2008. Cópia arquivada em 22 de setembro de 2008 
  76. Hackett, Larry (8 de maio de 2006). «100 Most Beautiful». People. 65. 114 páginas. Consultado em 3 de novembro de 2008. Cópia arquivada em 22 de setembro de 2008 
  77. Chang, Justin (18 de junho de 2007). «Academy invites 115 more». Variety. Consultado em 9 de janeiro de 2009 
  78. Seitz, Matt Zoller (27 de julho de 2007). «If You Can't Stand the Analysis of Work and Parenthood, Get Out of the Kitchen». The New York Times. Consultado em 22 de junho de 2008. Cópia arquivada em 12 de julho de 2008 
  79. «No Reservations — Review». Rotten Tomatoes. Consultado em 23 de setembro de 2008 
  80. Catsoulis, Jeannette (9 de maio de 2008). «Meet Bill Review». The New York Times. Consultado em 8 de setembro de 2008. Cópia arquivada em 4 de setembro de 2008 
  81. Lankford, Loren (7 de maio de 2008). «Meet Bill (2008) Review». Entertainment Weekly. Consultado em 8 de setembro de 2008. Cópia arquivada em 15 de setembro de 2008 
  82. Covert, Colin (24 de abril de 2008). «Aaron Eckhart takes comedy seriously with 'Meet Bill'». PopMatters. Consultado em 24 de outubro de 2008 
  83. McNary, Dave (15 de fevereiro de 2007). «Eckhart set as Two-Face». Variety. Consultado em 23 de julho de 2008 
  84. Gilchrist, Todd (30 de junho de 2008). «IGN: The Dark Knight Review». IGN Movies. Consultado em 23 de julho de 2008. Cópia arquivada em 22 de julho de 2008 
  85. a b Boucher, Geoff (4 de maio de 2008). «Aaron Eckhart: Not just another pretty face in 'The Dark Knight'». Los Angeles Times. Consultado em 18 de setembro de 2008. Cópia arquivada em 18 de setembro de 2008 
  86. a b Purdin, Rickey (4 de março de 2008). «(Dark Knight Exclusive) Aaron Eckhart Q&A». Wizard 
  87. «The Dark Knight (2008)». Box Office Mojo. Consultado em 8 de julho de 2009. Cópia arquivada em 24 de junho de 2009 
  88. «All Time Worldwide Box Office Grosses». Box Office Mojo. Consultado em 8 de julho de 2009. Cópia arquivada em 24 de junho de 2009 
  89. Ebert, Roger (18 de julho de 2008). «Redefining the 'comic-book movie' - 'The Dark Knight' elevates the pulp genre». Chicago Sun-Times: B6 
  90. Kohn, Eric (18 de julho de 2008). «The Dark Knight». Premiere. Consultado em 14 de novembro de 2008 
  91. Friedman, Roger (11 de setembro de 2007). «Kiddie Porn Movie Rocks Toronto as 'Feel-Awful' Film of the Year». Fox News. Consultado em 23 de julho de 2008 
  92. a b Lumenick, Lou (16 de janeiro de 2008). «'Beauty' Scribe: I'm no Beast». New York Post. Consultado em 23 de setembro de 2008 
  93. Rechtshaffen, Michael (12 de setembro de 2007). «"Nothing Is Private" a searing suburban drama». The Hollywood Reporter. Reuters. Consultado em 30 de dezembro de 2009 
  94. Adler, Shawn (12 de setembro de 2008). «Aaron Eckhart On His Controversial 'Towelhead' Character». MTV Movie News. Consultado em 23 de setembro de 2008 
  95. «Towelhead (2008): Reviews». Metacritic. 11 de setembro de 2008. Consultado em 8 de julho de 2009 
  96. «Towelhead (2008)». Box Office Mojo. 12 de setembro de 2008. Consultado em 8 de julho de 2009. Cópia arquivada em 19 de julho de 2009 
  97. «Report: Jennifer Aniston, Aaron Eckhart 'Inseparable'». Fox News. 19 de fevereiro de 2008. Consultado em 8 de setembro de 2008. Cópia arquivada em 19 de outubro de 2008 
  98. Keck, William (28 de julho de 2008). «Aaron Eckhart puts on his best acting face». USA Today. Consultado em 8 de setembro de 2008 
  99. «Love Happens». Metacritic. 18 de setembro de 2009. Consultado em 22 de outubro de 2009 
  100. Moore, Roger (18 de setembro de 2009). «Love Happens». Orlando Sentinel. Consultado em 22 de outubro de 2009 
  101. McNary, Dave (2 de abril de 2009). «Aaron Eckhart runs to 'Rabbit Hole'». Variety. Consultado em 24 de maio de 2009 
  102. Silverman, Stephen M. (13 de maio de 2009). «Nicole Kidman Abandons Movie Role». People. Consultado em 24 de maio de 2009. Cópia arquivada em 16 de maio de 2009 
  103. Stevenson, Jane (14 de setembro de 2010). «Kidman's jobs keep her sweating». Toronto Sun. Consultado em 15 de setembro de 2010 
  104. LaSalle, Mick (10 de março de 2011). «'Battle: Los Angeles' review: Semper fi». San Francisco Chronicle. Consultado em 23 de março de 2011 
  105. a b Barshad, Amos (10 de fevereiro de 2009). «Aaron Eckhart and Richard Jenkins Go Drinking With Johnny Depp». New York. Consultado em 20 de fevereiro de 2009. Cópia arquivada em 14 de fevereiro de 2009 
  106. a b Rappe, Elisabeth (10 de fevereiro de 2009). «Aaron Eckhart, Richard Jenkins Join Johnny Depp In 'The Rum Diary'». MTV News. Consultado em 20 de fevereiro de 2009. Cópia arquivada em 11 de fevereiro de 2009 
  107. Nersessian, Mary (25 de agosto de 2004). «Just don't hurt him». The Globe and Mail 
  108. Kirschling, Gregory (17 de março de 2006). «Aaron Eckhart Unfiltered». Entertainment Weekly. Consultado em 23 de setembro de 2008. Cópia arquivada em 7 de outubro de 2008 
  109. Zimmerman, Mike. «Life Lessons From Aaron Eckhart». Men's Health. Consultado em 23 de setembro de 2008 
  110. Williams, Andrew (19 de junho de 2006). «60 Seconds: Aaron Eckhart». Metro (Associated Metro Limited). Consultado em 18 de setembro de 2008 
  111. Frankenstein Casting Updates

Ligações externas[editar | editar código-fonte]