Philip K. Dick

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Philip K. Dick
Nome completo Philip Kindred Dick
Outros nomes PKD
Conhecido(a) por
  • Richard Phillipps
  • Jack Dowland
Nascimento 16 de dezembro de 1928
Chicago, Illinois
Morte 2 de março de 1982 (53 anos)
Santa Ana, Califórnia
Nacionalidade americano
Cônjuge
  • Jeanette Marlin (1948)
  • Kleo Apostolides (1950-59)
  • Anne Rubinstein (1959-65)
  • Nancy Hackett (1966-72)
  • Leslie Busby (1973-77)
Filho(s)
  • Laura Dick
  • Isolde Freya Dick
  • Christopher Kenneth-Dick
Ocupação escritor
Influenciados
Prêmios
Gênero literário Ficção científica
Magnum opus O Homem do Castelo Alto
Página oficial
www.philipkdick.com/
Assinatura
Philip K Dick signature.svg

Philip Kindred Dick ou Philip K. Dick (Chicago, Illinois, Estados Unidos, 16 de Dezembro de 1928Santa Ana, Califórnia, Estados Unidos, 2 de Março de 1982), também conhecido pelas iniciais PKD, foi um escritor americano de ficção científica que alterou profundamente este género literário. Apesar de ter tido pouco reconhecimento em vida, a adaptação de vários dos seus romances ao cinema acabou por tornar a sua obra conhecida de um vasto público, sendo aclamado tanto pelo público como pela crítica.

Em 1993, Emmanuel Carrère reconstruiu a vida do escritor norte-americano em Eu Estou Vivo e Vocês Estão Mortos, livro feita a partir de outra biografia, previamente publicada, e no trabalho de ficção de Dick - além de um grupo pequeno de entrevistados. O livro foi lançado em 2016, no Brasil.[4]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Livros de sua autoria.

Filho de um funcionário do governo federal, a sua irmã gémea morreu quase à nascença. Os seus pais divorciaram-se quando Philip contava quatro anos de idade. Acompanhou a mãe na sua mudança para a Califórnia, onde estudou, ingressando na Escola Secundária de Berkeley, onde permaneceu até 1945. Matriculou-se então na Universidade da Califórnia, onde estudou Filosofia e Alemão, abandonando o curso para trabalhar como um DJ numa emissora de rádio, mantendo, ao mesmo tempo, uma loja discográfica.

Começou a escrever nesta época, publicando o seu primeiro conto de ficção científica na revista Planet Stories. Chegou a terminar alguns romances de índole autobiográfica, mas não conseguiu encontrar quem os editasse. Decidiu portanto dedicar-se inteiramente à ficção científica, convicto de que este género poderia melhor abarcar as suas especulações filosóficas.

Seu primeiro romance publicado foi Solar Lottery, de 1955. A acção da obra decorre no século XXIII, num tempo em que a democracia como forma de eleição foi substituída por uma sistema de loteria que decide as funções dos indivíduos na sociedade. No entanto, vem-se a descobrir que a sorte está viciada.

Após o aparecimento de obras como Eye In The Sky (1956), Dr Futurity (1960) e Vulcan's Hammer (1960), Philip K. Dick conseguiu ser reconhecido como escritor, sobretudo com a publicação, em 1962, de The Man In The High Castle (O Homem do Castelo Alto). O romance recria um mundo em que a Alemanha e o Japão venceram a Segunda Guerra Mundial.

Por ter mantido relações com o partido Comunista dos Estados Unidos, o escritor foi alvo de cuidadosas investigações por parte do FBI e dos serviços secretos da Força Aérea dos EUA.

Inspirando-se em ideias do Budismo, Cabalismo, Gnosticismo e outras doutrinas herméticas, e combinando-as com certos aspectos das novas crenças na parapsicologia, extraterrestres e percepção extra-sensorial, o autor criou mundos alternativos nos quais acabou por, eventualmente, julgar viver. O autor acreditava ter sido contactado, em março de 1974, por uma "mente racional transcendental", o que ele julgava ser uma teofania. Detalhes sobre este evento são detalhados no romance Valis, publicado em 1978.

PKD explorou em muitas das suas obras temas como a realidade e a humanidade, utilizando normalmente como personagens pessoas comuns e não os heróis galácticos normais de outras obras do género.

Seu livro Do Androids Dream of Electric Sheep? deu origem ao filme Blade Runner que, já perto da sua morte por um AVC, serviu como introdução a Hollywood e levou a que outras obras suas também fossem adaptadas ao cinema, como os filmes Minority Report (com Tom Cruise), Total Recall (com Arnold Schwarzenegger), Screamers (com Peter Weller), Paycheck (com Ben Affleck), Impostor (com Gary Sinise), Next (com Nicolas Cage), A Scanner Darkly (com Keanu Reeves) e The Adjustment Bureau (com Matt Damon).

Lista de obras[editar | editar código-fonte]

Adaptações para o cinema[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Wikiquote
O Wikiquote possui citações de ou sobre: Philip K. Dick
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Philip K. Dick

Referências

  1. Terry Gilliam's Unresolved Projects
  2. Watson, Ian (março de 1975). «Le Guin's Lathe of Heaven and the Role of Dick* The False Reality as Mediator.». Science Fiction Studies. Consultado em 26 de julho de 2016 
  3. Sragow, Michael (Novembro de 1999). «Being Charlie Kaufman». Salon. Consultado em 26 de julho de 2016 
  4. «Biografia retrata a vida conturbada de Philip K. Dick, gênio da ficção científica». Gazeta do Povo. Consultado em 30 de julho de 2016 
  5. Realidades adaptadas [livro eletrônico]: os contos de Philip K. Dick que inspiraram grandes sucessos do cinema / tradução: Ludimila Hashinoto. São Paulo: Aleph, 2013. ISBN 978-85-7657-143-8. Introdução de “Lembramos para você a preço de atacado”.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]