Antônio Bento de Faria

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém fontes no fim do texto, mas que não são citadas no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações. (desde abril de 2018)
Por favor, melhore este artigo inserindo fontes no corpo do texto quando necessário.
Antônio Bento de Faria
Nascimento 4 de fevereiro de 1876
Rio de Janeiro
Morte 4 de outubro de 1959 (83 anos)
Cidadania Brasil
Alma mater Faculdade de Direito da Universidade Federal do Rio de Janeiro
Ocupação jornalista, juiz

Antônio Bento de Faria (Rio de Janeiro, 4 de fevereiro de 1876 — Rio de Janeiro, 4 de outubro de 1959) foi um advogado, jornalista, escritor e magistrado brasileiro.

Filho de José Bento de Faria e Francisca Leite de Faria, formou-se na Faculdade Livre de Direito do Rio de Janeiro, em 1895.

Auxiliou Floriano Peixoto durante a Revolta da Armada, sendo por isso nomeado alferes, sendo depois promotor público, chefe de polícia, juiz e advogado com banca própria, além de jornalista.

Nomeado ministro do Supremo Tribunal Federal em 1925 por Artur Bernardes, foi sucessor de Sebastião Eurico Gonçalves de Lacerda. Exerceu a presidência da Suprema Corte de 1937 a 1940.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]


Precedido por
Edmundo Pereira Lins
Presidente do Supremo Tribunal Federal
1937 — 1940
Sucedido por
Eduardo Espínola
Precedido por
Antônio Albuquerque
Procurador-Geral da República do Brasil
1931 – 1934
Sucedido por
Carlos Maximiliano


Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.