Eduardo Espínola

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Eduardo Espínola (Salvador, 6 de novembro de 1875Rio de Janeiro, 1 de maio de 1968) foi um advogado, escritor, magistrado, professor e jurista brasileiro.

Formado em Ciências Sociais pela Faculdade de Direito do Recife e em Direito pela Faculdade de Direito da Bahia, pertenceu à turma de bachareis de 1895.

Foi promotor público, juiz substituto e, já em 1902, por concurso, lente de Ciências do Direito na Faculdade onde se formara.

Em 1919 resolve transferir-se para a então capital da República onde abriu sua banca de advogado.

Pelos seus méritos de jurista, foi nomeado ministro do Supremo Tribunal Federal, por decreto de 6 de maio de 1931, do presidente da República, assumindo em 13 de maio de 1931. Ocupou o cargo vago com a aposentadoria de Pedro Joaquim dos Santos. Aposentado em 25 de maio de 1945, foi sucedido por Antônio Carlos Lafayette de Andrada.

Foi presidente do Supremo Tribunal Federal, de 1940 a 1945 quando teve que se aposentar por limite de idade.


Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • SOUZA, Antônio Loureiro. Baianos ilustres. 3ª ed. São Paulo: IBRASA; Brasília: INL, 1979.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]


Precedido por
Pedro Joaquim dos Santos
Ministro do Supremo Tribunal Federal
13 de maio de 193125 de maio de 1945
Sucedido por
Antonio Carlos Lafayette de Andrada
Precedido por
Antônio Bento de Faria
Presidente do Supremo Tribunal Federal
1940 — 1945
Sucedido por
José Linhares


Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.