Chevrolet Celta

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde março de 2013).
Por favor, adicione mais referências inserindo-as no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Chevrolet Celta / Suzuki Fun
Chevrolet Celta 2013
Visão Geral
Nomes
alternativos
Suzuki Fun
Produção 2000 - 2015
Fabricante Chevrolet
Grupo General Motors
Modelo
Classe Hatchback Compacto Popular
Carroceria Hatchback
Designer Paulo Konno
Ficha técnica
Motor 1.0 MPFI (60cv) 2000-2001
1.0 MPFI VHC (70cv) 2002-2005
1.0 MPFI VHC Flex (70cv) 2005-2008
1.0 MPFI VHCE (78cv) Flex 2009-2015
1.4 MPFI (85cv) 2003-2005
Transmissão 5 Marchas, Manual
Modelos relacionados Chevrolet Corsa
Chevrolet Prisma
Fiat Uno
Volkswagen Gol
Ford Ka
Fiat Palio
Renault Clio
Dimensões
Comprimento 3.788 mm
Entre-eixos 2.443 mm
Largura 1.771 mm
Altura 1.429 mm
Peso 890 kg
Tanque 54 l
Cronologia
Chevrolet Chevette
Chevrolet Onix

O Celta (ou Suzuki Fun como é conhecido na Argentina) é um carro popular categoria 1 litro da Chevrolet que foi produzido no Brasil. Concorrente direto de outros carros populares como o Uno da Fiat, do Gol da Volkswagen e do Ka da Ford.[1][2][3] O Celta é um hatchback e no final de 2005 e início de 2006 foi lançada a versão sedan do carro, chamada Prisma. Foi concebido e desenvolvido integralmente no Brasil.

Usa a mesma plataforma GM4200 da segunda geração do Chevrolet Corsa, o Corsa B, lançado no Brasil em 1994 e na Alemanha em 1993, originalmente reaproveitada do Opel Corsa A europeu de 1982 que nunca chegou a ser comercializado oficialmente no Brasil.

GM Celta primeira geração

História[editar | editar código-fonte]

O Celta originou-se do projeto Blue Macaw (Arara-Azul) da montadora Chevrolet, divisão brasileira da GM. A proposta inicial do fabricante era produzir um carro acessível às camadas demográficas de menor poder de compra com linhas atraentes e custo de manutenção baixo. Seu criador foi o projetista Paulo Konno designer da GM do Brasil. O modelo foi lançado em 2000 na fábrica de Gravataí no estado do Rio Grande do Sul. A inauguração da fábrica contou com a presença do então presidente do Brasil Fernando Henrique Cardoso. Um ano depois do seu lançamento em 2001 já haviam sido comercializadas 100 mil unidades do pequeno carro. Até dezembro de 2005 haviam sido comercializadas 560 mil unidades. O automóvel pesa apenas em torno de 800 kg e seu câmbio tem relações de marcha bastante curtas.

O modelo[editar | editar código-fonte]

O modelo foi concebido unindo traços da segunda geração do Chevrolet Vectra com o estilo hatchback do Corsa 2 portas. A primeira motorização do veículo foi herdada do Corsa 1.0 mpfi de 1996. O painel da primeira geração do veículo possui um velocímetro analógico mas o marcador de combustível e hodômetro são digitais ao contrário do Corsa de primeira geração, cujo painel é totalmente analógico. Entre 2000 e 2005, o acionamento da buzina era feito na alavanca de seta e não no volante, o que gerou algumas críticas por parte dos consumidores. Em 2003 foi lançada a versão 4 portas além da opção 1.4L com 85cv e o kit de acessórios off-road em 2005, disponível para todas as versões, e podendo ser instalado inclusive em exemplares já usados. Em junho de 2005 o motor 1.0 foi convertido para motor flex que funciona com qualquer mistura de gasolina e etanol, através do aumento da taxa de compressão. Em meados de 2002 a GM alterou a motorização da versão 1.0 mpfi (60cv) para a 1.0 VHC (Very High Compression - Alta taxa de compressão - 70cv), em 2005 o VHC FlexPower (70cv a gasolina ou álcool) e em 2009, novamente, a GM alterou a motorização para 1.0 VHCE (77 cv a gasolina e 78 cv a álcool).

Primeira reestilização (2006)[editar | editar código-fonte]

segunda geração

Em 2006, a linha Celta passou pela sua primeira reestilização baseando-se no Chevrolet Vectra de 3ª geração.[4][5] Em 2006 também foi introduzida na família um modelo sedã, o Chevrolet Prisma, com motorização 1.4 Flex de 87cv com gasolina e 89cv com álcool de 2006 até 2008 e a partir de 2009 essa motorização passou a ter 95cv com gasolina e 97cv com álcool. Depois da reestilização a GM ainda manteve por alguns meses a versão com motor de 1,4 litro de 85 cv e o retirou de linha. Em meados 2008, a GM anunciou para a linha 2009 modificações no motor VHC, nomeando-o de VHC E (que significa: Very High Compression Economy - Economia e Alta taxa de compressão), que passou a desenvolver potência de 77 cv (gasolina) e 78 cv (álcool), contra os 70cv do VHC antigo, produzindo torque máximo de 9,5mkgf (gasolina) e 9,7mkgf (álcool), fazendo de 0 à 100Km/h em 14,9s.O modelo também ganhou um novo tanque de combustível com capacidade para 54 litros, ante o de 47,8 do modelo antigo.

Foi lançado também em 2009 o Prisma com motorização 1.0 VHCE, versão Life, na tentativa de substituir o Corsa Classic, mas, sem sucesso, saiu de linha em poucos meses. Voltou a ser fabricado na linha 2012, na versão LS, mas novamente não fez sucesso e saiu de linha.

O Celta na linha 2006, ganhou nova frente, traseira e interior, porém mantendo a estrutura do Corsa de 1994. Possuía dois tipos de acabamento conhecidos como Life e Spirit (a versão Super saiu de linha em 2009) em três ou cinco portas.[6]

Versões[editar | editar código-fonte]

Detalhes da versão flex do Chevrolet Celta com motor FlexPower.
LIFE
Versão de entrada. Traz itens como tacômetro (conta-giros), termômetro do motor, relógio digital, indicação de revisão programada, para-choques sem pintura e rodas de 13 polegadas. Ar condicionado e direção hidráulica eram opcionais
SPIRIT
Inclui protetor do motor, parachoques na cor do veículo e limpador/lavador/desembaçador do vidro traseiro ser de série.
SUPER
Rodas de 14 polegadas, iluminação do painel central e de instrumentos em tom verde, detalhes imitando aço escovado no painel, bancos com novas padronagem e um acabamento de melhor qualidade, incluindo tecido nas portas. Maçanetas externas também na cor do veículo.

Segunda reestilização (2012)[editar | editar código-fonte]

terceira geração

Algumas mudanças são acrescentadas para o modelo, como novo parachoque dianteiro com nova grade dividida e novo emblema com a gravata dourada, seguindo o padrão da linha atual da GM, faróis e lanternas escurecidos, novas calotas, painel com novo desenho dos comandos de ar condicionado e interruptores, novo volante com detalhe na cor prata, novos tecidos dos bancos e painel com novo grafismo na cor azul, denominado "Ice Blue" como o já utilizado pelo modelo Agile.

Versões pós-reestilização[editar | editar código-fonte]

LS
Tem duas versões, 2 ou 4 portas, com motor 1.0 VHCE Flexpower, para - choque na cor do veículo, nova grade frontal e interior renovado, com novos controles de ventilação e ar - condicionado, e painel com novo grafismo e iluminação "Ice Blue".
LT
Versão mais completa do modelo com quatro portas. Possui como principais itens de série: ar quente, protetor de cárter, desembaçador traseiro, acabamento especial na cor prata ("Matt Chrome"), entre outros.

Na linha 2013, O Celta recebeu como opcionais Airbag duplo e freios ABS, após 13 anos no mercado sem oferecer esses equipamentos. A partir de 2014, com a instituição da obrigatoriedade do airbag duplo e dos freios ABS nos automóveis 0km comercializados no país, tais itens tornaram-se equipamento de série.[7]

Presença em mercados de exportação[editar | editar código-fonte]

Mais direcionado ao mercado brasileiro, teve como principais destinos de exportação a Argentina e o Uruguai. Outros países onde o modelo foi comercializado incluem Guatemala, Nicarágua, El Salvador e Jamaica. Também esteve disponível nas ilhas de Aruba e Curaçao, territórios holandeses no Caribe. Na maioria dos mercados de exportação prevaleceu o motor 1.0, com exceção da Argentina onde o 1.4 foi o padrão.

O Fim[editar | editar código-fonte]

Chegou ao fim sua produção em abril de 2015, tendo como sucessor o Chevrolet Onix introduzido em 2012 e desenvolvido com base no Chevrolet Spark (que nunca foi disponibilizado no mercado brasileiro).[8][9]

Segurança[editar | editar código-fonte]

O Celta foi testado em 2011 pelo instituto Latin-NCAP, que avalia a proteção oferecida aos ocupantes dos carros vendidos na América Latina, no caso de uma colisão. O Celta sem Airbag recebeu apenas 1 estrela em 5 na proteção de adultos e 2 estrelas em 5 na proteção para crianças.[10] Na época não estavam disponíveis Airbags nem como opcionais, o que somente ocorreu a partir da linha 2013/2014 do modelo.

Referências

  1. «Chevrolet Celta - Avaliação, Cronologia, Pontos Positivos, Negativos, Desvalorização, Concorrentes, Revisões, Recall, Vendas Mensais». Carros na Web. Consultado em 9 de abril de 2017 
  2. «Compactos de entrada: Ka x Uno x Celta». Salãodocarro.com. 6 de novembro de 2012. Consultado em 9 de abril de 2017 
  3. «CELTA X GOL X KA X PALIO». Folha de S. Paulo. 10 de fevereiro de 2008. Consultado em 9 de abril de 2017 
  4. Matheus, Maria (19 de maio de 2006). «Novo Chevrolet Celta vai muito além da reestilização». Carpress UOL. Consultado em 9 de abril de 2017 
  5. Craveiro, Karina (1 de maio de 2015). «Celta faz 15 anos sem 'festa de debutante'». Estadão. Consultado em 9 de abril de 2017 
  6. Campos, Gerson (16 de abril de 2006). «Celta sofre plástica e mantém mecânica; preço cai R$ 60». Folha de S. Paulo. Consultado em 9 de abril de 2017 
  7. «CHEVROLET CELTA GANHA AIRBAG E ABS NA LINHA 2014». Chevrolet. Consultado em 9 de abril de 2017 
  8. «Produção do Celta pode ter chegado ao fim». Estadão. 9 de abril de 2015. Consultado em 9 de abril de 2017 
  9. Paixão, André (20 de agosto de 2015). «Chevrolet Celta some das lojas, e sindicato diz que produção acabou». G1. Consultado em 9 de abril de 2017 
  10. «Confira os resultados do Latin NCAP 2011». Car And Driver. 24 de dezembro de 2011