Eduardo Catroga

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Eduardo Catroga
Ministro(a) de Flag of Portugal.svg Portugal
Período XII Governo Constitucional
  • Ministro das Finanças
Vida
Nascimento 14 de novembro de 1942 (73 anos)
Abrantes, São Miguel do Rio Torto
Dados pessoais
Partido Independente
Profissão Gestor

Eduardo de Almeida Catroga GCC (Abrantes, São Miguel do Rio Torto, 14 de novembro de 1942) é um gestor e administrador de empresas português.

Foi Ministro das Finanças do XII Governo Constitucional de Portugal[1].

Biografia[editar | editar código-fonte]

Licenciou-se em Finanças no Instituto Superior de Ciências Económicas e Financeiras da Universidade Técnica de Lisboa (actual ISEG), em 1966, tendo recebido o Prémio Alfredo da Silva, pela classificação mais elevada do curso e uma dezena de outros prémios escolares. Em 1979 frequentou o Program for Management Development, da Harvard Business School.

Tem uma longa carreira empresarial, de quase 50 anos, feita essencialmente no setor privado. Começou em 1967, na CUF, então o maior grupo empresarial da Península Ibérica, onde foi director financeiro, director de planeamento e controlo, e, aos 31 anos, chegou a membro do Conselho de Administração e da Comissão Executiva. Mais tarde foi vice-presidente executivo da Quimigal, de 1978 a 1980.

Em 1981 passou a ser administrador delegado da Sapec[2], onde seria depois presidente do Conselho de Administração.

Na década de 1980 foi ainda administrador não executivo da British Petroleum Portugal e presidente do conselho de administração da Celcat[3].

Desde fevereiro de 2012, é presidente do Conselho Geral e de Supervisão da EDP[4], que já integrava como vogal desde 2007.

Desempenha ainda funções de administrador não executivo na Nutrinveste e no Banco Finantia[5], e de membro do Comité de Investimento da PVCI (Portugal Venture Capital Iniciative)[6], um fundo de fundos de investimento ligado ao Banco Europeu de Investimento.

Eduardo Catroga integrou como Ministro das Finanças, independente, o XII Governo Constitucional, o terceiro e último de Cavaco Silva, de dezembro de 1993 a outubro de 1995. Desempenhou ainda, e sempre como independente, duas outras missões políticas: em 2010 foi chefe da delegação do PSD que acordou com o governo socialista de José Sócrates a viabilização do Orçamento de Estado de 2011. Em meados de 2011, a convite do Presidente do PSD, coordenou a elaboração de proposta para o programa eleitoral deste partido às legislativas de junho de 2011.

Foi assistente do ISCEF, de 1968 a 1974, e professor catedrático convidado, a partir de 1990.

Em 2007 foi-lhe atribuído o Prémio Carreira de Economista, pela Ordem dos Economistas e a distinção de Antigo Aluno do Ano, pelo ISEG. A 9 de Junho de 2006 foi agraciado pelo Presidente da República com a Grã-Cruz da Ordem Militar de Cristo[7]. Em 2012 foi-lhe atribuído o grau de doutor honoris causa pela Universidade Técnica de Lisboa, hoje integrada na Universidade de Lisboa[8].

É irmão do historiador Fernando Catroga.

Outras Funções[editar | editar código-fonte]

  • Presidente da Associação dos Antigos Alunos do ISEG
  • Presidente do Harvard Clube de Portugal
  • Presidente da Associação das Empresas Portuguesas de Produtos Químicos
  • Presidente do Conselho de Curadores da Fundação EDP
  • Presidente da Fundação Económicas (ligada ao ISEG)

Publicações[editar | editar código-fonte]

  • Política Económica – 22 Meses no Ministério das Finanças (1995) e Intervenções sobre Política Económica (vol. I, Discursos e vol. II, Debates e Entrevistas, 1995), além de numerosos artigos em revistas da especialidade nas áreas da política económica, economia portuguesa e estratégia empresarial.

Referências

Precedido por
Jorge Braga de Macedo
Ministro das Finanças
XII Governo Constitucional
1993 – 1995
Sucedido por
António de Sousa Franco