Henriqueta Ana de França

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Henriqueta
Princesa de França
Retrato por Jean-Marc Nattier, 1742.
Casa Bourbon
Nome completo
Henriqueta Ana
Nascimento 14 de agosto de 1727
  Palácio de Versalhes, França
Morte 10 de fevereiro de 1752 (24 anos)
  Palácio de Versalhes, França
Enterro Basílica de Saint-Denis, França
Pai Luís XV de França
Mãe Maria Leszczyńska
Religião Catolicismo Romano
Assinatura Assinatura de Henriqueta


Henriqueta Ana de França[1][2] (14 de agosto de 172710 de fevereiro de 1752) foi uma princesa francesa e irmã gêmea de Luísa Isabel de França. Era a segunda filha do rei Luís XV de França e da rainha Maria Leszczyńska.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Início de vida[editar | editar código-fonte]

Henriqueta e sua irmã gêmea Isabel nasceram no Palácio de Versalhes em 14 de agosto de 1727. Era a mais nova das gêmeas e foi conhecida na corte como "Madame Séconde". Como a filha do rei, era uma fille de France (Filha da França). Mais tarde foi conhecida também como Madame Henriqueta. Enquanto o nascimento das gêmeas foi mal recebido na corte francesa, uma vez porque a Lei sálica as desqualificava como herdeiras do trono, seu pai, o rei ficou encantado e exclamou com alegria: "Foi-me dito impotente e eu fiz golpe duplo". Henriqueta recebeu seu nome em homenagem de sua bisavó paterna, a duquesa de Orleães. O Primeiro-ministro Luís Henrique, Duque de Bourbon e a Mademoiselle de Charolais, Luísa Ana de Bourbon foram seus padrinhos.

Os filhos mais velhos de Luís XV, as gêmeas Isabel e Henriqueta, as princesas Maria Luísa e Adelaide e seu irmão, Luís, o Delfim, foram criados em Versalhes sob a supervisão da duquesa de Tallard, enquanto suas irmãs mais novas, Vitória, Sofia, Teresa e Luísa, foram enviados para serem criados na Abadia de Fontevraud em junho de 1738.

Em 1739, seu irmã gêmea Isabel casou-se com o infante Filipe, terceiro filho do rei Filipe V de Espanha. O noivado foi mal recebido na corte francesa, uma vez que Filipe era apenas o terceiro na linha de sucessão, sendo reduzida a possibilidade de alguma vez vir a ocupar o trono espanhol. O adeus de Isabel à família foi copioso, tendo-se despedido de Henriqueta com as seguintes palavras: "É para sempre, meu Deus, é para sempre!" (C’est pour toujours, mon Dieu, c’est pour toujours!).

Vida adulta[editar | editar código-fonte]

Retrato póstumo de Madame Henriqueta tocando Viola de gamba, por Jean-Marc Nattier, 1754.

Após a partida de Isabel, os olhos da corte focalizaram-se na mais reservada das gêmeas. Henriqueta caiu no amor com seu primo, Luís Filipe, Duque d'Orleães, e os dois desejaram casar-se, entretanto, seu pai foi ultrajado pela ideia de uma união entre uma Fille de France e um príncipe menor de Bourbon com nenhuma esperança de herdar um trono. Eles foram separados e como todas as suas irmãs mais novas Henriqueta permaneceria solteira até morrer.

Crescendo no Palácio de Versalhes, Henriqueta estava em constante contato com as amantes do seu pai, a mais famosa era Madame de Pompadour. As crianças do rei odiavam Pompadour, porque ela fez com que seu pai negligenciasse sua mãe, a rainha. Quando Isabel retornou de Parma por um ano de visita, ela e Madame de Pompadour ficaram amigas próximas. Isto conduziu a um estranhamento provisório entre as irmãs.

Como seus irmãos e irmãs Madame Henriqueta recebeu uma formação completa em música. Jean-Marc Nattier retratou-a Madame Henriqueta tocando viola de gamba, instrumento que seu tutor de música Jean-Baptiste Forquerays a ensinou a tocar.

Morte[editar | editar código-fonte]

Em fevereiro de 1752, Henriqueta sentiu-se um tanto mal e cansada, mas quando o rei pediu-lhe para acompanhá-lo em um passeio de trenó, ela não deu sinais de desconforto e aceitou o convite. Ela ficou gravemente afetada pelo clima frio e morreu após três dias de varíola aos vinte e quatro anos. Luís XV reagiu de forma "violenta" a sua morte.

Para melhorar o luto público, seus restos foram colocados nas Tuileries em vez de Versalhes antes do funeral, e Henriqueta foi vestida com um de seus melhores vestidos. No entanto, a recepção pública do funeral desagradou o rei, pois o público "bebeu, riu e se divertiu", o que foi tomado como sinal da diminuição da reputação da monarquia. Na época, o público interpretou a morte de Henriqueta como um um castigo divino como um sinal de desaprovação divina do estilo de vida do rei adúltero.

Seu coração foi enterrado na Abadia de Val-de-Grace, enquanto seus restos foram enterrados na Basílica de Saint-Denis, juntamente com sua irmã Isabel. Seu túmulo, como outros túmulos reais em Saint-Denis, foi profanado durante a Revolução Francesa.

Ancestrais[editar | editar código-fonte]

Notas e referências

  1. Achaintre, Nicolas Louis, Histoire généalogique et chronologique de la maison royale de Bourbon, Vol. 2, (Publisher Mansut Fils, 4 Rue de l'École de Médecine, Paris, 1825), 154.
  2. Antoine, Michel, Louis XV, Fayard, Paris, 1989, p. 467, ISBN 2-213-02277-1

Ver também[editar | editar código-fonte]

Commons
O Commons possui imagens e outras mídias sobre Henriqueta Ana de França
  • Zieliński, Ryszard (1978). Polka na francuskim tronie. Czytelnik.