Henriqueta Ana de França

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Henriqueta Ana
Princesa de França
Retrato por Jean-Marc Nattier, 1754.
 
Casa Bourbon
Nome completo
em francês: Anne Henriette de France
Nascimento 14 de agosto de 1727
Palácio de Versalhes, França
Morte 10 de fevereiro de 1752 (24 anos)
Palácio de Versalhes, França
Sepultamento Basílica de Saint-Denis, Saint-Denis, França
Pai Luís XV de França
Mãe Maria Leszczyńska
Assinatura Assinatura de Henriqueta Ana
Brasão


Henriqueta Ana de França (em francês: Anne-Henriette; Palácio de Versalhes, 14 de agosto de 1727Palácio de Versalhes, 10 de fevereiro de 1752) foi a segunda filha do rei Luís XV e da rainha Maria Leszczyńska. Foi irmã gêmea Luísa Isabel de França.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Um nascimento esperado[editar | editar código-fonte]

Luísa Isabel e sua irmã Henriqueta

Por Pierre Gobert, 1737, Palácio de Versalhes

Em 1725, o rei Luís XV era casado cedo por seu tio eo primeiro-ministro, o duque de Bourbon, com Maria Leszczyńska, uma princesa polonesa 8 anos mais velha no qual seu pai havia sido deposto e se encontrava em exílio. O objetivo era dar rapidamente descendência e assegurar a família Bourbon no trono francês

O anúncio do casamento não é bem recebido, rumores maldosos circulavam por toda a França estes diziam que a futura rainha era feia, epilética, e estéril. Mas para a surpresa de toda a França, nasceram duas princesas.

Toda a corte de Versalhes se surpreendeu e as fofocas começaram a jorrar quando o rei, pai aos 17 anos, exclamou com alegria: "Foi-me dito impotente e eu fiz golpe duplo".

Henriqueta e sua irmã gêmea Luisa Isabel nasceram no Palácio de Versalhes em 14 de agosto de 1727. Era a mais nova das gêmeas e foi conhecida na corte como "Madame Séconde". Como a filha do rei, era uma fille de France (Filha da França). Mais tarde foi conhecida também como Madame Henriqueta.

De um caráter reservado e gentil, ela era a filha favorita do casal real.

Uma grande família[editar | editar código-fonte]

No ano seguinte, uma outra filha nasceu Maria Luísa (que viveu apenas 5 anos), mas em 1729 finalmente nasceu o tão esperado Delfim de França. Em 1730, nasceu outro varão Filipe, Duque de Anjou que ficou em segundo lugar na sucessão real ao trono francês, mas o mesmo viveu apenas até os três anos de idade. Desde 1732 até 1737 o rei e a rainha tiveram cinco meninas.Em 1738, um aborto forçado fez com que os médicos informassem à rainha que uma décima primeira gravidez seria fatal. Com isso, a rainha encerrou as relações sexuais com rei que se tornava jovem, enquanto a rainha estava se tornando uma mulher velha.

O orçamento do Estado[editar | editar código-fonte]

Com os cofres da França quase vazios seria impossível que todos os filhos de Luís XV fossem educados na corte de Versalhes.

Sem ter que temer outros nascimentos reais, o Cardial Fleury que ocupou as funções de Primeiro-Ministro, convenceu então o rei a mandar sua filhas mais novas para serem educadas em um prestigiado convento da França, a Abadia de Fontevraud cuja abadessa foi era uma dama da alta nobreza.

Partiram de Versalhes para a Abadia de Fontevraud as princesas Vitória, Sofia Filipina, Teresa e Luísa Maria. A princesa Teresa morreu em Fontevraud sem jamais rever seus pais.

Somente Henriqueta Ana sua irmã gêmea Luísa Isabel seu irmão o Delfim Luís e sua irma Maria Adelaide foram educados na corte de Versalhes.

O casamento espanhol[editar | editar código-fonte]

No ano seguinte, Luísa Isabel casou-se com o Infante Filipe, terceiro filho do rei Filipe V de Espanha. O noivado foi mal recebido na corte francesa, uma vez que Filipe era apenas o terceiro na linha de sucessão, sendo reduzida a possibilidade de alguma vez vir a ocupar o trono espanhol. Porém o noivado prosseguiu com a tradição de cimentar as alianças entre as duas potências católicas Espanha e França, cujas relações foram deterioradas durante a menoridade rei Luís XV. Além da Infanta Maria Teresa, irmã do Infante Filipe ser prometida a Luís, Delfim da França.

A separação de Madame Luísa Isabel e Madame Henriqueta foi devastadora.

Histórias de família[editar | editar código-fonte]

O amor impossível[editar | editar código-fonte]

Após a partida de Luisa Isabel, os olhos da corte focalizaram-se na mais reservada das gêmeas. Henriqueta caiu no amor com seu primo, Luís Filipe, Duque d'Orleães,e os dois desejaram casar-se, entretanto, seu pai foi ultrajado pela idéia de uma união entre uma Fille de France e um príncipe menor de Bourbon com nenhuma esperança de herdar um trono.Eles foram separados e como todas as suas irmãs mais novas, Henriqueta Permaneceu solteira até morrer.

Henriqueta como uma virgem vestal

Por Jean-Marc Nattier, 1749

Madame de Pompadour[editar | editar código-fonte]

Crescendo no Palácio de Versalhes, Henriqueta estava em contato constante com as amantes do seu pai, a mais famosa era Madame de Pompadour. As crianças do rei odiavam Mme. de Pompadour porque ela fêz com que seu pai negligenciasse sua mãe, a rainha. Quando Luisa Isabel retornou de Parma por um ano de visita, ela e Madame de Pompadour ficaram amigas próximas. Isto conduziu a um estranhamento provisório entre as irmãs.

O triste Delfim[editar | editar código-fonte]

Casado aos 16 anos, viúvo e pai aos 17 anos, O Delfim, inconsolável pela morte de sua primeira esposa Maria Teresa que morreu em consequência de um parto de sua filha Maria Teresa (que viveu apenas 2 anos) .

Depois do casamento espanhol, por razões diplomáticas foi prometida ao Delfim uma princesa da distante Alemanha Oriental cujo pai governava a Polônia, Maria Josefa da Saxônia. O Delfim estava tão triste que a união imposta a ele comparou-se a noite de núpcias em um sacrifício. Era frígido com sua jovem esposa, que fez tudo o que podia para agradá-lo e definhava na sua impotência.

Em 1748 morreu a princesa Maria Teresa única descendente da relação do Delfim de sua primeira esposa, Maria Josefa consolou seu marido e sinceramente lamentou a morte de sua enteada.

A paixão pela música[editar | editar código-fonte]

Como seus irmãos e irmãs Madame Henriqueta recebeu uma formação completa em música.

Jean-Marc Nattier retratou Madame Henriqueta tocando viola de gamba, instrumento que seu tutor de música Jean-Baptiste Forquerays a ensinou a tocar.

Castigo divino[editar | editar código-fonte]

Henriqueta morreu com apenas 24 anos de idade. Foi enterrada em Saint-Denis, onde foi junta a Luisa Isabel após a sua morte em 1759. Seu túmulo, como outros túmulos reais em Saint-Denis, foi profanado durante a Revolução francesa. Em sua morte, todos os seus irmãos foram abalados extremamente, especialmente Luisa Isabel.

O rei começou a ser impopular e pessoas afirmaram que a morte de sua filha favorita era um castigo que o Céu enviou ao rei adúltero.

Referências[editar | editar código-fonte]

  1.  AD 78, registre des baptêmes de la paroisse Notre-Dame de Versailles, année 1737, vue 27/76

L'an mil sept cent trente sept le vingt septième d'avril Anne Henriette fille de très haut et très excellent et très puissant Prince Louis quinze par la grâce de Dieu Roy de France et de Navarre et de très haute très excellente et très puissante Dame Marie Princesse de Pologne son épouse, née et ondoyée le quatorze du mois d'aout mil sept cent vingt sept par messire Henry Hubert de Couravel de Pesé conseiller aumônier du Roy abbé de Beaupré, a reçu les cérémonies du baptême par haut et puissant Prince de Strasbourg monseigneur Armand Gaston de Rohan cardinal et grand aumônier de France, en présence de nous curé soussigné, le parrain a été très haut et puissant Prince monseigneur Louis Henry de Bourbon Prince de Condé duc de Bourbon Prince du sang, et la marraine très haute et puissante Princesse mademoiselle Louise Anne de Bourbon, Princesse du sang, qui ont signé. Le Roy et la Reine présents qui ont bien voulu signer.

Nota[editar | editar código-fonte]