Incidente de OVNI em Teerã

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Mapa do Irã mostrando Teerã, de onde os jatos partiram.

O Incidente de OVNI em Teerã foi uma série de relatos de avistamentos de OVNIs por radares e visualmente em Teerã, a capital do Irã, durante as primeiras horas da manhã de 19 de setembro de 1976. Durante o incidente, dois pilotos de jatos F-4 Phantom II relataram a perda de controle sobre os jatos e sobre as comunicações quando se aproximaram de um objeto desconhecido. Estes foram restaurados após a retirada. Uma das aeronaves também informou uma falha de sistemas de armas enquanto a tripulação estava se preparando para abrir fogo contra o objeto.

Criticas e análises[editar | editar código-fonte]

De acordo com Martin Bridgstock, da Universidade de Griffith:[1]

Sem muitos detalhes, um par de jatos F4 da força aérea iraniana foram escalados para investigar alguns avistamentos de luzes no céu. Os relatórios variam, mas é sabido que um dos jatos sofreu graves falhas elétricas, tentou disparar um míssil em algo e teve algo disparado nele. Um avião civil próximo também sofreu falha de comunicação por rádio.

Segundo o jornalista, Philip J. Klass, um famoso cético ufológico, era provável que os pilotos inicialmente viram um corpo astronômico, provavelmente Júpiter, uma explicação também citada pelo pesquisador James Oberg. Klass escreveu que a incompetência do piloto e o mau funcionamento do equipamento provavelmente contabilizaram nas falhas do equipamento que fora relatado.[2] De acordo com Klass, um técnico da Westinghouse na base aérea de Shahrokhi afirmou que apenas o primeiro F-4 relatou falha nos equipamentos, e que este F-4 era conhecido por falhas nos equipamentos, como paralisações elétricas, tendo sido reparado apenas um mês antes do incidente.[2]

Bridgstock criticou relatórios ufólogos como "fontes não confiavéis" e resumiu conclusões de Klass:[1]

Klass descobriu que apenas uma aeronave tinha sofrido avarias elétricas, não duas. Além disso, aquele jato tinha uma longa história de falhas elétricas inexplicáveis, e a oficina elétrica responsável pela manutenção do jato era notória pelo seu mau desempenho. Neste contexto, uma avaria eléctrica temporária dificilmente poderia ser caracterizada como misteriosa. Ele também salienta que o piloto estava cansado e agitado, e poderia ter confundido estrelas ou meteoros com OVNIs e "mísseis". Além disso, Klass salienta que as falhas de rádio em jatos não são incomuns, e é por isso que eles trazem consigo vários conjuntos de rádios substitutos.

Em relação ao depoimento do piloto sobre "objetos brilhantes" caindo no chão e "deixando uma trilha brilhante", o autor Brian Dunning observa que no dia 19 de setembro, o dia do incidente, havia duas diferentes chuvas de meteoros, de modo que a observação de objetos em queda ou luzes ímpares não teria sido incomum. No local onde a luz supostamente caiu, um transmissor sonoro de um avião C-141 foi encontrado, de acordo com uma investigação.[3]

De acordo com Dunning:[3]

Uma vez que olhamos para todos os elementos da história, sem a presunção de uma nave espacial alienígena, a única coisa incomum sobre o caso é que os jatos estavam perseguindo objetos celestes e que houve falhas nos equipamentos. Houve muitos casos em que aviões ou jatos tiveram falhas, e houve muitos casos em que aviões identificaram objetos celestes. De vez em quando, ambos vão acontecer no mesmo voo.

Dunning criticou ufólogos e programas de televisão com temática sobre OVNIs que descrevem "qualquer incidente comum como contato extraterrestre ou avistamento de um OVNI".[3]

Referências ao incidente na mídia[editar | editar código-fonte]

Galeria[editar | editar código-fonte]

Os documentos foram publicados em um editorial da força aérea americana, muitos vezes ufólogos usaram isto como uma prova convincente. De acordo com Brian Dunning, "Não há nada interessante sobre o editorial; é apenas uma recontagem dramatizada da mesma forma que fora divulgada pela mídia sobre o suposto avistamento pelo um piloto iraniano e uma interferência extraterrestre em seu jato.[3]

Referências

  1. a b Martin Bridgstock. Beyond Belief: Skepticism, Science and the Paranormal. Cambridge University Press; 20 October 2009. ISBN 978-1-139-48254-7. p. 125–.
  2. a b Philip J. Klass. UFOs: The Public Deceived. [S.l.]: Prometheus Books. ISBN 978-0-87975-322-1 
  3. a b c d «The Tehran 1976 UFO» 
  4. Otto, Sasjkia. «UFO Files: top 10 UFO sightings». The Daily Telegraph. London 
  5. Michael Hogan. «Top 10 UFO sightings: from Roswell to a pub in Berkshire». The Guardian