Projeto Blue Book

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Projeto Livro Azul ("Blue Book" em inglês) foi o quarto estudo conduzido pela Força Aérea dos Estados Unidos (USAF), sediado na Base Aérea Wright-Patterson, a fim de investigar objetos voadores não identificados (OVNIS). Iniciado em março de 1952, foi totalmente encerrado em janeiro de 1970. Foi antecedido pelo Projeto Sinal, pelo Projeto Rancor e pelo Novo Projeto Rancor.[1] O objetivo do projeto era determinar se os óvnis eram uma ameaça potencial à segurança nacional dos Estados Unidos. Para isso, foram recolhidos, analisados e arquivados milhares de notícias sobre óvnis. Este foi o último projeto público da USAF relacionado a óvnis.[2]

Resultados[editar | editar código-fonte]

Segundo o capitão Edward J. Ruppelt, vários generais de alto posto muito influentes da USAF estavam tão descontentes com o estado das investigações sobre óvnis da Força Aérea, que desmantelaram o Novo Projeto Rancor e o substituíram pelo Projeto Livro Azul em março de 1952. Durante a sua existência - até o final, em 1970 -, foram recolhidos 12.618 indícios. Ao final, concluiu-se que a maioria deles eram interpretações equivocadas de fenômenos naturais (nuvens, estrelas, etc) ou aviões convencionais. Muitos foram considerados fraudes. Ao todo, 701 casos - aproximadamente 6 por cento - foram classificados como inexplicáveis. As informações foram arquivadas e estão disponíveis sob a Lei de Liberdade de Informação, mas os nomes dos testemunhos e outras informações pessoais foram eliminados.

Referências

  1. RUPPELT, Edward J. Discos voadores: relatório sobre os objetos aéreos não identificados. São Paulo: Difusão Europeia do Livro, 1959, p. 92, 100, 164 e 186.
  2. Debbie Siegelbaum. «Documentos revelam duas décadas de buscas por óvnis nos EUA». BBC News. Consultado em 15 de janeiro de 2017 


Ícone de esboço Este artigo sobre ufologia é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.