Project Blue Book

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Projeto Blue Book)
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Projeto Livro Azul (em inglês: Project Blue Book) foi um de uma série de estudos sistemáticos de objetos voadores não identificados (OVNIs) realizados pela Força Aérea dos Estados Unidos (USAF). Iniciou em 1952, e foi o terceiro estudo do tipo, seguindo os primeiros projetos: Sign (1947) e Grudge (1949).[1] Uma ordem para encerra-lo foi dado ao estudo em dezembro de 1969 e toda a atividade no seu âmbito cessou em janeiro de 1970. O projeto tinha duas metas: determinar se os OVNIs eram uma ameaça para a segurança nacional daquele país e analisar cientificamente dados relacionados com OVNIs. Este foi o último projeto público da USAF relacionado ao tema.[2]

Milhares de relatórios de OVNIs foram coletados, analisados e arquivados. Como resultado do Relatório Condon (1968), que concluiu que não havia nada de anormal nos eventos constatados, e uma revisão do relatório da Academia Nacional de Ciências, o Projeto Blue Book foi encerrado em dezembro de 1969. A Força Aérea estadunidense forneceu o seguinte resumo de suas investigações:

  • Nenhum OVNI relatado, investigado e avaliado pela Força Aérea nunca foi uma indicação de ameaça à segurança nacional;
  • Não houve provas apresentadas ou descobertas pela Força Aérea de que os avistamentos classificados como "não identificado" representaria desenvolvimentos tecnológicos ou princípios além do alcance do conhecimento científico moderno e
  • Não havia nenhuma evidência indicando que os avistamentos classificados como "não identificado" eram veículos extraterrestres.[3]

No término do Projeto Blue Book, havia sido recolhido 12.618 relatos de OVNIs, e se concluiu que a maioria deles eram erros na identificação de fenômenos naturais (como nuvens, estrelas, etc) ou de uma aeronave convencional. De acordo com o Escritório Nacional de Reconhecimento uma série de relatórios poderia ser explicado por vôos até então secretos dos aviões de reconhecimento, o U-2 e A-12.[4] Uma pequena porcentagem de relatos de OVNIs foram classificados como inexplicáveis, mesmo após uma análise rigorosa. Os relatos de OVNIs foram arquivados e estão disponíveis sob a Lei da Liberdade de Informação, mas os nomes e outras informações pessoais de todas as testemunhas foram ocultados. Foram mais de 130.000 páginas desclassificadas que inicialmente foram disponibilizados para consulta nos Arquivos Nacionais em Washington, D.C.[5]

Projetos anteriores[editar | editar código-fonte]

Os estudos públicos de OVNIs da USAF foram iniciadas pela primeira vez sob o Projeto Sign (Sign em português: "Sinal") no final de 1947, depois de muitos relatos de OVNIs amplamente divulgados (ver Kenneth Arnold). O Projeto Sign foi iniciado especificamente a pedido do general Nathan Twining, chefe do comando de material da Força Aérea na Base Aérea Wright-Patterson. A mesma base que iria abrigar o Projeto Sign e todas as posteriores investigações públicas dos oficiais da USAF.[6][7]

O projeto pioneiro foi oficialmente inconclusivo quanto à causa dos avistamentos. No entanto, de acordo com o capitão no período da Força Aérea dos EUA, Edward J. Ruppelt (o primeiro diretor do Projeto Blue Book), em seu livro de memória: A estimativa inicial de inteligência da Sign (o assim chamado de Estimativa da Situação) escrito no final do verão de 1948, concluiu que os discos voadores eram naves reais, que não foram feitas pela União Soviética ou pelo Estados Unidos e teriam provavelmente origem extraterrestre. Esta interrogativa foi repassada ao Pentágono, mas depois rejeitada pelo general Hoyt Vandenberg, então chefe de gabinete da USAF, citando a falta de provas físicas. Vandenberg por conseguinte desmontou o Projeto Sign.[8]

Projeto Sign foi sucedido no final de 1948 pelo Projeto Grudge (Grudge em português: "Rancor"), que foi criticado como tendo uma ordem de denegar. Ruppelt se referiu à era do Projeto Grudge como a "Idade Média" da investigação inicial de OVNIs da USAF. Grudge concluiu que todos os OVNIs eram fenômenos naturais ou outras más interpretações, embora também afirmou que 23% dos casos reportados não poderia ser explicados.[9]

História[editar | editar código-fonte]

Era do Capitão Ruppelt[editar | editar código-fonte]

De acordo com o Capitão Edward J. Ruppelt, até o final de 1951, vários generais do alto escalão da USAF muito influentes estavam tão insatisfeitos com o estado das investigações da Força Aérea de OVNIs que desmantelaram o Projeto Grudge e o substituíram com o Projeto Blue Book em março de 1952, um desses homens foi o general Charles P. Cabell. Outra importante mudança veio quando o general William Garland se juntou à equipe de Cabell; Garland pensou que o assunto OVNI merecia exame sério porque ele havia testemunhado com algo do gênero.[10]

O novo nome, o Projeto Blue Book, foi escolhido para se referir aos cadernos azuis usadas para testes em algumas faculdades e universidades. O nome foi inspirado, disse Ruppelt, pela atenção que oficiais de alta patente estavam dando o novo projeto; era como se o estudo dos OVNIs era tão importante quanto um exame final da faculdade. Blue Book também foi uma melhoria no estado do Projeto Grudge, com a criação do Ramo de Fenômeno Aéreo.[11]

Ruppelt foi o primeiro chefe do projeto. Ele era um piloto experiente, tendo sido decorado por seus esforços com o Army Air Corps durante a Segunda Guerra Mundial e tendo depois ganhado um diploma em aeronáutica. Ele oficialmente cunhou o termo "Unidentified Flying Object" (em português: "Objeto Voador Não Identificado"), para substituir os muitos termos ( "pires voador", "disco voador" e assim por diante) pelas quais os militares tinham usado anteriormente; Ruppelt pensou que "objeto voador não identificado" era um termo mais neutro e preciso. Ruppelt pediu demissão da Força Aérea alguns anos mais tarde, e escreveu o livro O Relatório sobre Objetos Voadores Não Identificados , que descreveu o estudo dos OVNIs pela Força Aérea dos Estados Unidos de 1947 a 1955. O cientista americano Michael D. Swords escreveu que "Ruppelt levaria o último esforço genuíno para analisar OVNIs".[12]

Ruppelt implementou uma série de mudanças: ele simplificou a maneira pela qual OVNIs foram relatados como (e por) oficiais militares, em parte na esperança de aliviar o estigma e do ridículo associado com testemunhas de OVNIs. Ruppelt também ordenou o desenvolvimento de um questionário padrão para testemunhas de OVNIs, na esperança de descobrir dados que poderiam ser sujeitos a análise estatística. Ele encomendou o Battelle Memorial Institute para criar o questionário e informatizar os dados. Usando relatos de casos e os dados informatizados, Battelle, em seguida, realizou um estudo científico e estatístico maciço de todos os casos de OVNI da Força Aérea americana, concluída em 1954 e conhecido como "Projeto Blue Book Relatório Especial N° 14 " (veja o resumo abaixo).

Sabendo que o partidarismo tinha prejudicado o progresso do Projeto Sign, Ruppelt fez o seu melhor para evitar os tipos de especulação com lacunas abertas tais quais levou a equipe da Sign ser dividido entre defensores e críticos da hipótese extraterrestre. Como Michael Hall escreve: "Ruppelt não só levou o trabalho a sério, mas esperava que sua equipe para fazer o mesmo. Se alguém sobre ele quer se tornou cético demais ou muito convencido de uma teoria particular, logo se viram fora do projeto." Em seu livro, Ruppelt relatou que ele despediu três dos seus funcionários muito no início do projeto, porque eles eram ou "muito pró" ou "muito contra" à uma hipótese ou outra. Ruppelt procurou o conselho de muitos cientistas e especialistas, e emitiu boletins de imprensa regulares (junto com relatórios mensais classificados pela inteligência militar).

Cada base da Força Aérea dos EUA tinha um oficial do Blue Book para coletar relatos de OVNIs e encaminhá-los para Ruppelt. Durante a maior parte do mandato de Ruppelt, ele e sua equipe foram autorizados a entrevistar quais quer que seja e todos os militares que testemunharam algo anômalo no céu, e não eram obrigados a seguir a hierarquia militar. Esta autorização sem precedentes sublinhou a seriedade da investigação do Blue Book.

Sob a direção de Ruppelt, Livro Azul investigou um número de casos de OVNIs bem conhecidos, incluindo os chamados Luzes de Lubbock, e um amplamente divulgado caso observado por radar em 1952 sobre Washington, D.C. De acordo com Jacques Vallee, Ruppelt iniciou a tendência, seguida em grande parte pelas investigações posteriores do Blue Book, de não considerar seriamente os numerosos relatos de aterrissagem de OVNIs e/ou interação com supostos ocupantes destes objetos.

O astrônomo Dr. J. Allen Hynek foi o consultor científico do projeto, como tinha sido nos Projetos Sign e Grudge. Ele trabalhou para o projeto até o seu término e inicialmente criou a categorização que foi ampliada e hoje é conhecida como Close enconters (em português: Encontros imediatos) . Ele era um nítido cético quando ele começou, mas disse que seus sentimentos mudaram para um ceticismo mais oscilante durante a pesquisa, depois de encontrar uma minoria de relatos de OVNIs que ele achava que eram inexplicável.

O então capitão deixou Blue Book em fevereiro de 1953, para a reatribuição temporária. Ele voltou alguns meses depois de encontrar sua equipe reduzida de algo no entorno de uma dezena para dois subordinados. Frustrado, Ruppelt sugeriu que uma unidade de Comando de Defesa Aérea (o 4602º Esquadrão do Serviço de Inteligência Aérea) fosse acusada de investigações sobre OVNIs.[carece de fontes?]

Painel Robertson[editar | editar código-fonte]

Em julho de 1952, após um aumento para centenas de avistamentos ao longo dos últimos meses, uma série de detecções de radar coincidentes com avistamentos a olho nu foram observados perto do Aeroporto Nacional Ronald Reagan, em Washington, D.C (ver Incidente de OVNI em Washington de 1952).

Depois de muita publicidade, estes avistamentos levaram a Agência Central de Inteligência (CIA) a estabelecer um painel de cientistas liderados pelo Dr. H. P. Robertson, um físico do Instituto de Tecnologia da Califórnia, incluíndo vários físicos, meteorologistas e engenheiros, e um astrônomo (Hynek). O Painel Robertson foi organizado pela primeira vez em 14 de Janeiro de 1953, com o intuito de formular uma resposta ao esmagador interesse público em OVNIs.

Ruppelt, Hynek e outros apresentaram as melhores provas, incluindo filmagens sem edições, que tinham sido recolhidas através do Blue Book. Depois de passar 12 horas revendo 6 anos de dados, o Painel Robertson concluiu que a maioria dos relatos de OVNIs tinha explicações simples, e que tudo poderia ser explicado com uma investigação mais aprofundada, que eles consideraram não valer o esforço.

Em seu relatório final, eles enfatizaram que os relatórios de OVNIs de baixo grau e inverificáveis estavam sobrecarregando os canais da inteligência, com o risco de perder uma ameaça convencional genuína para os EUA. Portanto, eles recomendaram que a Força Aérea enfatizasse o assunto dos OVNIs e embarcasse em um campanha de desmistificação para diminuir o interesse público. Eles sugeriram desenganadores através da mídia, incluindo a Walt Disney Productions, e usando psicólogos, astrônomos e celebridades para ridicularizar o fenômeno e apresentar explicações simples. Além disso, os grupos civis ufológicos "deveriam ser vigiados por causa de sua potencialmente grande influência sobre o pensamento em massa... A irresponsabilidade aparente e o possível uso de tais grupos para fins subversivos deve ser mantidos em mente".[13]

É a conclusão de muitos pesquisadores[14][15] que o Painel Robertson estava aconselhado a controlar a opinião pública através de um programa de propaganda oficial e espionagem. Eles também acreditam que essas recomendações ajudaram a moldar a política da Força Aérea estadunidense a respeito estudo de ufologia não só imediatamente depois, mas também para o presente dia. Há evidências de que as recomendações do Painel estavam ainda sendo realizadas pelo menos duas décadas depois de serem emitidas as suas conclusões.

Em dezembro de 1953, o Regulamento Conjunto Exército-Marinha-Força Aérea n° 146 tornou crime para a força militar discutir relatos classificados de OVNIs com pessoas não autorizadas. Infratores podem enfrentar até dois anos de prisão e/ou multas de até US $ 10.000 doláres.[carece de fontes?]

Consequência do Painel Robertson[editar | editar código-fonte]

Em seu livro (veja links externos), Ruppelt descreveu a desmoralização da equipe do Blue Book e o cancelamento de suas tarefas de investigação após a jurisdição do Painel Robertson.

Como consequência imediata dos aconselhamentos do Painel Robertson, em fevereiro de 1953, a USAF emitiu o Regulamento 200-2, ordenando aos oficiais da base aérea que discutissem publicamente incidentes de OVNIs apenas se julgassem que haviam sido resolvidos e classificassem todos os casos não resolvidos para mantenha-los longe do público.

No mesmo mês, as funções de investigação começaram a ser assumidos pelo recém-formado 4602º Esquadrão de Inteligência Aérea (AISS) do Comando de Defesa Aérea. A 4602ª AISS recebeu a tarefa de investigar apenas os casos mais importantes de OVNIs com implicações de inteligência ou segurança nacional. Esses casos foram deliberadamente desviados do Blue Book, deixando este lidar com os relatórios mais triviais.

O general Nathan Twining, que iniciou o Projeto Sign em 1947, passou a ser chefe de gabinete da Força Aérea americana. Em agosto de 1954, ele deveria reunir ainda mais as responsabilidades da 4602ª AISS, emitindo um Regulamento 200-2 da Força Aérea atualizado. Além disso, OVNIs (UFOs então chamados de "UFOBs") foram definidos como "qualquer objeto transportado pelo ar que, por desempenho, características aerodinâmicas ou aspectos incomuns, não esteja em conformidade com nenhum tipo de aeronave ou míssil atualmente conhecido ou que não possa ser identificado positivamente como um objeto familiar... "A investigação dos OVNIs foi declarada para fins de segurança nacional e para averiguar "aspectos técnicos". O AFR 200-2 afirmou novamente que o Blue Book só poderia discutir casos de OVNIs com a mídia se fossem considerados como tendo uma explicação convencional. Se eles não fossem identificados, a mídia deveria ser informada apenas que a situação estava sendo analisada. A Blue Book também foi condenada a reduzir ao mínimo o número de não identificados.

O trabalho foi feito secretamente. A exposição pública do Blue Book continuava tendo o respaldo como a investigação oficial dos OVNIs da Força Aérea, mas a realidade era que ela havia sido reduzida a uma muito mínima investigação séria e se tornara quase exclusivamente uma equipe de relações públicas com um ordem de denegar os incidentes. Para citar um exemplo, até o final de 1956, o número de casos listados como não resolvidos havia caído para apenas 0,4%, dos 20% para 30% apenas alguns anos antes.

Os investigadores de OVNIs muitas vezes consideram o breve mandato de Ruppelt no Blue Book como o ponto alto das investigações públicas de OVNIs da Força Aérea dos EUA, quando as investigações dos mesmos eram tratadas seriamente e tinham apoio em altos níveis. Posteriormente, o Projeto Blue Book decaiu para uma nova "Idade das Trevas", da qual muitos investigadores destes objetos argumentam que nunca mais emergiu.[16] No entanto, Ruppelt mais tarde "abraçou" o ponto de vista quanto ao Blue Book de que não havia nada de extraordinário acerca dos OVNIs; ele até rotulou o assunto de "Mito da Era Espacial".[17]

Era do Capitão Hardin[editar | editar código-fonte]

Em março de 1954, o capitão Charles Hardin foi nomeado chefe do Blue Book; no entanto, o 4602° conduziu a maioria das investigações sobre OVNIs e Hardin não se opôs. Ruppelt escreveu que Hardin "acha que qualquer um que esteja interessado [em OVNIs] é louco. Eles o aborrecem".[18]

Em 1955, a USAF decidiu que o objetivo do Blue Book não deveria ser investigar relatórios de OVNIs, mas minimizar o número de relatórios de não identificados.[19] No final de 1956, o número de avistamentos não identificados havia caído de 20 a 25% da era de Ruppelt para menos de 1%.

Era do Capitão Gregory[editar | editar código-fonte]

O capitão George T. Gregory assumiu o cargo de diretor do Blue Book em 1956. Clark escreve que Gregory liderou o Blue Book "em uma direção anti-OVNI ainda mais firme que o indiferente Hardin".[18] O 4602° foi dissolvido e o 1066° Esquadrão do Serviço de Inteligência Aérea foi encarregado de investigações de OVNIs.

De fato, houve realmente pouca ou nenhuma investigação dos relatórios de OVNIs; uma revisada no regulamento AFR 200-2 foi emitida durante o mandato de Gregory, enfantizando que os relatórios inexplicáveis de OVNIs devem ser reduzidos ao mínimo.

Uma das maneiras pelas quais Gregory reduziu o número de OVNIs inexplicáveis foi pela simples reclassificação. Os "casos possíveis" se tornaram "prováveis" e os casos "prováveis" foram atualizados para convictos. Por essa lógica, um possível cometa se tornou um provável cometa, enquanto um provável cometa foi declarado categoricamente como sendo um cometa mal identificado. Da mesma forma, se uma testemunha relatou uma observação de um objeto incomum semelhante a um balão, o Blue Book geralmente o classificou como um balão, sem pesquisa e reservas. Esses procedimentos se tornaram padrão para a maioria das investigações posteriores do Blue Book; veja os comentários de Hynek abaixo.

Era do Major Friend[editar | editar código-fonte]

O major e posteriormente tenente-coronel Robert J. Friend foi nomeado chefe do Blue Book em 1958. Friend fez algumas tentativas de reverter o caminho que o Blue Book havia tomado desde 1954. Clark escreve que "os esforços de Friend para atualizar os arquivos e catalogar os avistamentos de acordo com várias estatísticas observadas foram frustradas pela falta de financiamento e assistência".[20]

Atento aos esforços de Friend, Hynek organizou a primeira de várias reuniões entre funcionários do Blue Book e da ATIC em 1959. Hynek sugeriu que alguns relatos mais antigos de OVNIs fossem reavaliados, com o objetivo claro de movê-los da categoria "desconhecido" para a "identificado". Os planos de Hynek não trouxeram resultados.[21]

Durante o mandato de Friend, a ATIC pensou em passar a supervisão do Blue Book para outra agência da Força Aérea, mas nem o Centro de Pesquisa e Desenvolvimento Aéreo, nem o Escritório de Informações da Secretaria da Força Aérea estavam interessados.[21]

Em 1960, houve audiências no Congresso dos EUA sobre OVNIs. O grupo de pesquisa civil ufológica NICAP havia acusado publicamente o Blue Book de encobrir evidências de OVNIs e também adquiriu alguns aliados no Congresso americano. O Blue Book foi investigado pelo Congresso e pela CIA, com críticos - principalmente o grupo civil NICAP, afirmando que o Blue Book estava deficiente como estudo científico. Em resposta, a ATIC adicionou uma equip e(aumentando o total de oficiais para três militares, além de secretários civis) e aumentou o orçamento do projeto. Isso pareceu apaziguar alguns dos críticos do Blue Book, mas apenas temporariamente. Alguns anos depois (veja abaixo), as críticas seriam ainda mais fortes.[15]

Era do Major Quintanilla[editar | editar código-fonte]

O major Hector Quintanilla assumiu o cargo de líder do Blue Book em agosto de 1963. Ele continuou em grande parte os esforços de abnegar tais incidentes reportados, e foi sob sua direção que o Blue Book recebeu algumas de suas críticas mais severas. O pesquisador de OVNIs, Jerome Clark chega ao ponto de escrever que, a essa altura, o Blue Book havia "perdido toda a credibilidade".[22]

O físico e pesquisador de ufologia Dr. James E. McDonald declarou certa vez que Quintanilla "não era competente" do ponto de vista científico ou investigativo, embora ele também enfatizasse que Quintanilla "não deveria ser responsabilizado por isso", como ele foi escolhido para seu cargo por um oficial superior e seguia ordens na direção do Blue Book.[23]

As explicações do Blue Book quanto ao relatórios de objetos voadores não foram universalmente aceitas, no entanto, críticos - incluindo alguns cientistas - sugeriram que o Projeto Blue Book realizava pesquisas questionáveis ou, pior, estava cometendo encobrimento.[15] Essa crítica cresceu fortemente e de modo generalizada especialmente na década de 1960.

Tomemos, por exemplo, os muitos relatórios de OVNIs noturnos, principalmente do Meio-Oeste e sudeste dos Estados Unidos, no verão de 1965: Testemunhas de Jeová no Texas relataram "luzes multicoloridas" e grandes objetos aéreos em forma de ovos ou diamantes. A Patrulha Rodoviária de Oklahoma relatou que a Base da Força Aérea de Tinker (perto de Oklahoma City) havia rastreado até quatro OVNIs simultaneamente, e que vários deles haviam descido muito rapidamente: de 22.000 pés a cerca de 4000 pés em apenas alguns segundos, uma ação muito além das capacidades das aeronaves convencionais da época. John Shockley, meteorologista de Wichita, Kansas, relatou que, usando o radar estadual do serviço meteorológico, ele rastreou vários objetos aéreos estranhos que voavam em altitudes entre 6.000 e 9.000 pés.[16] Esses e outros relatos receberam ampla divulgação.

O projeto oficialmente determinou que as testemunhas confundiram Júpiter ou estrelas brilhantes (como Rigel ou Betelgeuse) por outra coisa.[16]

A explicação do Blue Book foi amplamente criticada como imprecisa. Robert Riser, diretor do Planetário da Fundação de Ciência e Arte de Oklahoma, criticou fortemente o Projeto Blue Book, que foi amplamente circulado: "Isso está o mais longe possível da verdade. Essas estrelas e planetas estão do lado oposto da Terra a partir de Oklahoma City nesta época do ano. A Força Aérea deve ter encontrado sua estrela de cabeça para baixo em agosto ".[16]

Um editorial de jornal Richmond News Leader opinou que "as tentativas de descartar os avistamentos relatados sob a justificativa exibida pelo Project Bluebook [sic] não resolverão o mistério ... e servirão apenas para aumentar a suspeita de que há algo lá fora que a Força Aérea não quer que tenhamos conhecimento", enquanto um repórter da agência de notícias UPI sediado em Wichita observou que "um radar comum não captura planetas e estrelas".[16]

Outro caso que os críticos do Blue Book se prenderam foi o chamado Caça de OVNI do condado de Portage, que começou por volta das 5 horas da manhã, perto de Ravenna, Ohio, em 17 de abril de 1966. Os policiais Dale Spaur e Wilbur Neff viram o que eles descreveram como um objeto prateado, em forma de disco, com uma luz brilhante que emanava de sua parte inferior, a cerca de 1000 pés de altitude.[16] Eles começaram a seguir o objeto (que eles relataram às vezes descer até 15 metros), e policiais de várias outras jurisdições estavam envolvidos na perseguição. A caçada terminou cerca de 30 minutos depois, perto de Freedom, Pensilvânia, a 137 quilômetros de distância.[24]

A caça ao OVNI garantiu manchetes nacionais e a polícia enviou relatórios detalhados ao Blue Book. Cinco dias depois, após breves entrevistas com apenas um dos policiais (nenhuma das outras testemunhas tinham alguma base sólida), o diretor do Blue Book, major Hector Quintanilla, anunciou suas conclusões: a polícia (um deles artilheiro da Força Aérea durante a Guerra da Coréia) perseguiram primeiro um satélite de comunicações, depois o planeta Vênus.

Essa conclusão foi amplamente ridicularizada e os policiais a rejeitaram com veemência. Em sua conclusão dissidente, Hynek descreveu as conclusões do Blue Book como absurdas: em seus relatórios, vários policiais descreveram inconscientemente a lua, Vênus e um OVNI, apesar de, sem saberem, descrevem Vênus como uma "estrela" brilhante que fica muito perto da lua. O congressista de Ohio, William Stanton disse que "a Força Aérea sofreu uma grande perda de prestígio nesta comunidade ... Uma vez que as pessoas confiadas ao bem-estar público não pensam mais que as pessoas podem lidar com a verdade, as pessoas, em troca, não mais confie no governo".[16]

Em setembro de 1968, Hynek recebeu uma carta do coronel Raymond Sleeper da Divisão de Tecnologia Externa. Sleeper observou que Hynek havia acusado publicamente o Blue Book de ciência de má qualidade e, além disso, pediu a Hynek que oferecesse conselhos sobre como o Blue Book poderia melhorar seus métodos científicos. Hynek declararia mais tarde que a carta de Sleeper foi "a primeira vez em meus 20 anos de parceria com a Força Aérea como consultor científico que me pediram oficialmente críticas e conselhos [a respeito] ... da questão OVNI".[25]

Hynek escreveu uma resposta detalhada, datada de 7 de outubro de 1968, sugerindo várias áreas em que o Blue Book poderia melhorar. Em parte, ele escreveu:

  • ... nenhuma das duas funções do Blue Book [determinando se os OVNIs são uma ameaça à segurança nacional e usando dados científicos coletados pelo Blue Book] estão sendo executadas adequadamente.
  • A equipe do Blue Book, tanto em número quanto em treinamento científico, é extremamente inadequada ...
  • O Blue Book sofre... Por ser um sistema fechado... Praticamente não existe diálogo científico entre o Blue Book e o mundo científico externo...
  • Os métodos estatísticos empregados pelo Blue Book são nada menos que um absurdo.
  • Houve uma falta de atenção a casos significativos de OVNIs ... E muito tempo gasto em casos comuns ... E em tarefas de relações públicas periféricas. A concentração poderia estar em dois ou três casos significativos potencialmente científicos por mês [em vez de serem] espalhados de 40 a 70 casos por mês.
  • As informações fornecidas ao Blue Book são totalmente inadequadas. Uma carga inviável é colocada no Blue Book pela falha quase consistente dos oficiais de OVNIs nas bases aéreas locais em transmitir informações adequadas...
  • A atitude e abordagem básicas do Blue Book são ilógicas e não científicas
  • O uso inadequado do consultor científico [o próprio Hynek] do projeto tinha sido feito. Somente os casos que o monitor do projeto julga valiosos são trazidos à sua atenção. Sua oportunidade de operação... Foi constantemente frustrada... Muitas vezes ele aprende casos interessantes apenas um mês ou dois após o recebimento do relatório no Blue Book.[26]

Apesar do pedido de revisão de Sleeper, nenhum comentário de Hynek resultou em mudanças substanciais no projeto.

A própria perspectiva de Quintanilla sobre o projeto está documentada em seu manuscrito "OVNIs, um dilema da Força Aérea". O tenente-coronel Quintanilla escreveu o manuscrito em 1975, mas não foi publicado até sua morte em 1998. O autor afirma no texto que ele pessoalmente considerava arrogante pensar que os seres humanos eram a única vida inteligente no universo. No entanto, embora ele achasse altamente provável que existisse vida inteligente além da Terra, ele não tinha evidências concretas de nenhuma visita extra-terrestre.[27]

Audiência no Congresso[editar | editar código-fonte]

Em 1966, uma série de avistamentos de OVNIs em Massachusetts e New Hampshire provocou uma audiência no Congresso dos Estados Unidos pelo Comitê de Serviços Armados da Câmara Federal.[28][29] De acordo com anexos à audiência, a Força Aérea declarou inicialmente que os avistamentos eram o resultado de um exercício de treinamento ocorrendo na área.[30] Mas o NICAP, o Comitê Nacional de Investigações sobre Fenômenos Aéreos, informou que não havia registro de um avião voando no momento em que os avistamentos ocorreram.[31] Outro relato alegou que o OVNI era na verdade uma faixa voando que exibia um anúncio de gasolina.[32] Raymond Fowler (do NICAP) acrescentou suas próprias entrevistas com as pessoas locais que viram oficiais da Força Aérea confiscando jornais com a história de OVNIs e dizendo-lhes para não relatar o que haviam visto.[33] Dois policiais que testemunharam os OVNIs, Eugene Bertrand e David Hunt, escreveram uma carta ao Major Quintanilla afirmando que eles sentiam que suas reputações foram destruídas pela Força Aérea. "Era impossível confundir o que vimos durante qualquer tipo de operação militar, independentemente da altitude", escreveram os oficiais irritados, acrescentando que não havia como ter sido um balão ou helicóptero.[34] Segundo o secretário Harold Brown, da USAF, o Blue Book consistia em três etapas: investigação, análise e distribuição de informações coletadas às partes interessadas.[35] Depois que Brown deu permissão, a imprensa foi convidada para a audiência.[36] Na época da audiência, o Blue Book havia identificado e explicado 95% dos avistamentos de OVNIs relatados. Nada disso era algo extraterrestre ou uma ameaça à segurança nacional. O próprio Brown proclamou: "não conheço ninguém com posição científica ou executiva com um conhecimento detalhado disso em nossa organização que acredita que eles vieram de origens extraterrestres".[37] O Dr. J. Allen Hynek, consultor científico da Blue Book, sugeriu em uma declaração não editada que um "painel civil de cientistas físicos e sociais" seja formado "com o propósito claro de determinar se realmente existe uma grande questão" em relação aos OVNIs.[38] Hynek comentou que "não viu nenhuma evidência para confirmar extraterrestres", e que "nem conheceu nenhum cientista competente que tenha ou acredite que qualquer tipo de inteligência extraterrestre esteja envolvida".[39]

Comitê Condon[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Relatório Condon

As críticas ao Blue Book continuaram a crescer em meados da década de 1960. Os membros do NICAP aumentaram para cerca de 15.000, e o grupo acusou o governo dos EUA de encobrir as evidências de OVNIs.[40][41]

Após as audiências no Congresso dos EUA, o Comitê Condon foi estabelecido em 1966, ostensivamente como um órgão de pesquisa científica neutro. No entanto, o Comitê ficou envolvido em controvérsias, com alguns membros acusando o diretor Edward U. Condon de preconceito, e os críticos questionaram a validade e o rigor científico do Relatório Condon.[42] Cético quanto tais objetos, Condon disse que "era improvável, mas não impossível" a explicação extraterrestre.[43] O estudo foi sediado na Universidade do Colorado em Boulder e custou para USAF no início US $ 313.000 doláres, o contrato inicial da pesquisa era de 15 meses.[44]

No final, o Comitê Condon sugeriu que não havia nada de extraordinário nos OVNIs e, embora tenha deixado uma minoria de casos inexplicáveis, o relatório também argumentou que pesquisas futuras provavelmente não produziriam resultados significativos.[42]

Encerramento[editar | editar código-fonte]

Em resposta às conclusões do Comitê Condon, o então secretário da Força Aérea americana, Robert C. Seamans, Jr.; anunciou que o Blue Book seria fechado em breve, porque mais financiamentos "não poderiam ser justificados nem por razões de segurança nacional ou pelo interesse da ciência."[45] O último dia publicamente reconhecido das operações do Blue Book foi em 17 de dezembro de 1969. No entanto, o pesquisador Brad Sparks, citando pesquisas da edição de maio de 1970 da revista UFO Investigator da NICAP, relata que o último dia de atividades do projeto foi na verdade em 30 de janeiro de 1970. Segundo Sparks, os oficiais da USAF queriam impedir que a reação da Força Aérea a questão OVNI se sobrepusesse à uma quarta década e, assim, alterou a data do fechamento do Blue Book em arquivos oficiais.[46]

As pastas do projeto foram levados a Base Aérea de Maxwell, no Alabama aonde possui arquivos da USAF. O major David Shea alegaria mais tarde que o local foi escolhido porque era "acessível, mas não muito convidativo".[47]

Em última análise, o Projeto Blue Book afirmou que os avistamentos de OVNIs foram gerados como resultado de:

  • Indivíduos que fabricaram relatos para perpetrar uma farsa ou buscar exposição[50]
  • Pessoas com psicopatologias[51]
  • Identificação incorreta de vários objetos convencionais (categorizado como IEM por Ludwig Wittgenstein e assim utilizado nos relatórios[52])[53]

Em abril de 2003, a USAF indicou publicamente que não havia planos imediatos para restabelecer nenhum programa oficial de estudo sobre OVNIs no governo.[54] No entanto, em dezembro de 2017, foi divulgado que um novo estudo secreto de OVNI intitulado Programa Avançado de Identificação de Ameaças à Aviação (AATIP) era financiado em mais de 20 milhões de dólares por ano, de 2007 a 2012.[55]

Antiga declaração oficial[editar | editar código-fonte]

Abaixo está a declaração oficial da Força Aérea dos Estados Unidos sobre OVNIs, conforme observado no informe da USAF 95-03:[54]

De 1947 a 1969, a Força Aérea investigou Objetos Voadores Não Identificados no Projeto Blue Book. O projeto, sediado na Base da Força Aérea de Wright-Patterson, Ohio, foi encerrado em 17 de dezembro de 1969. De um total de 12.618 avistamentos relatados ao Projeto Blue Book, 701 permaneceram "não identificados".

A decisão de interromper as investigações de OVNIs foi baseada na avaliação de um relatório preparado pela Universidade do Colorado, intitulado "Estudo Científico de Objetos Voadores Não Identificados"; uma revisão do relatório da Universidade do Colorado pela Academia Nacional de Ciências; estudos anteriores sobre OVNIs e experiência da Força Aérea na investigação de relatórios sobre OVNIs durante 1940 a 1969.

Como resultado dessas investigações, estudos e experiências adquiridos com a investigação de relatórios de OVNIs desde 1948, as conclusões do Projeto Blue Book foram:

  1. Nenhum OVNI relatado, investigado e avaliado pela Força Aérea jamais deu qualquer indicação de ameaça à segurança nacional.
  2. Não houve nenhuma evidência submetida ou descoberta pela Força Aérea de que os avistamentos classificados como "não identificados" representem desenvolvimentos ou princípios tecnológicos além do alcance do conhecimento científico moderno.
  3. Não há evidências indicando que os avistamentos classificados como "não identificados" são veículos extraterrestres.

Pós-Blue Book[editar | editar código-fonte]

Um memorando da Força Aérea (divulgado pela Lei da Liberdade de Informação) de 20 de outubro de 1969 e assinado pelo Brigadeiro-General C. H. Bolander afirma que, mesmo após a dissolução do Blue Book, "os relatórios de OVNIs" ainda "continuariam" sendo tratados através do procedimento padrão da Força Aérea projetado para essa finalidade". Além disso, escreveu Bolander: "Relatos de objetos voadores não identificados que poderiam afetar a segurança nacional... Não fazem parte do sistema Blue Book".[56] Até o momento, esses outros caminhos, agências ou grupos de investigação são desconhecidos. Adicionalmente, Blum reporta que os pedidos da Lei da Liberdade de Informação mostram que a Força Aérea dos EUA continuou a catalogar e rastrear avistamentos de OVNIs, particularmente uma série de dezenas de encontros de OVNIs desde o final da década de 1960 até meados da década de 1970 que ocorreram em instalações militares dos EUA com armas nucleares. Blum escreve que alguns desses documentos oficiais partem drasticamente da redação normalmente seca e burocrática da documentação do governo, tornando óbvio o sensação de "terror" que esses incidentes de OVNIs inspiraram em muitos da equipe da USAF.[57]

Relatório Especial n°14[editar | editar código-fonte]

No final de dezembro de 1951, Ruppelt se reuniu com membros do Battelle Memorial Institute, um think tank sediado em Columbus, Ohio. Ruppelt queria que seus especialistas os ajudassem a tornar o estudo ufológico da Força Aérea dos EUA mais científico. Foi o Instituto Battelle que elaborou o formulário de relatório padronizado. A partir do final de março de 1952, o Instituto começou a analisar os relatórios de observação existentes e a codificar cerca de 30 características nos cartões perfurados da IBM para análise computacional.[58]

O Relatório Especial nº 14 do Projeto Blue Book era sua análise estatística massiva dos casos do Blue Book (ver ligações externas), pelo que se tem conhecimento, cerca de 3200 quando o relatório foi concluído em 1954, depois que Ruppelt deixou a investigação. Ainda hoje, ele representa o maior estudo já realizado. Battelle empregou quatro analistas científicos, que procuraram dividir os casos em "conhecidos", "desconhecidos" e uma terceira categoria de "informações insuficientes". Eles também dividiram "conhecidos" e "desconhecidos" em quatro categorias de qualidade, de excelente a ruim. Por exemplo, casos considerados excelentes normalmente envolvem testemunhas experientes, como pilotos de avião ou militares treinados, várias testemunhas, evidências corroboradas, como comunicação por radar ou fotografias, etc. Para que um caso seja considerado "conhecido", apenas dois analistas tiveram concordar independentemente em uma solução. No entanto, para um caso ser chamado de "desconhecido", todos os quatro analistas tiveram que concordar. Assim, o critério para um "desconhecido" era bastante rigoroso.[59][60]

Além disso, os avistamentos foram divididos em seis características diferentes - cor, número, duração da observação, brilho, forma e velocidade - e então essas características foram comparadas entre "conhecidos" e "desconhecidos" para ver se havia uma diferença estatisticamente significativa.[60]

Os principais resultados da análise estatística foram:

  • Cerca de 69% dos casos foram julgados conhecidos ou identificados (38% foram considerados conclusivamente identificados, enquanto 31% ainda eram "duvidosos"); cerca de 9% caíram em informações insuficientes. Cerca de 22% foram considerados "desconhecidos", abaixo dos 28% anteriores dos estudos da USAF.
  • Na categoria conhecida, 86% dos casos conhecidos eram aeronaves, balões ou tinham explicações astronômicas. Apenas 1,5% de todos os casos foram considerados psicológicos ou "malucos". Uma categoria "diversa" compreendeu 8% de todos os casos e incluiu possíveis boatos
  • Quanto maior a qualidade do caso, maior a probabilidade de ele ser classificado como desconhecido. 35% dos casos excelentes foram considerados desconhecidos, em oposição a apenas 18% dos casos mais inferiores

Apesar disso, a seção de resumo do relatório final do Instituto Battelle declarou que era "altamente improvável que qualquer um dos relatórios de objetos aéreos não identificados ... representasse observações de desenvolvimentos tecnológicos fora do alcance do conhecimento atual".[61] Vários pesquisadores, incluindo o Dr. Bruce Maccabee, que revisou extensivamente os dados, notaram que as conclusões dos analistas geralmente estavam em desacordo com seus próprios resultados estatísticos, exibidos em 240 gráficos, tabelas, gráficos e mapas. Alguma conjetura de que os analistas podem simplesmente ter tido problemas para aceitar seus próprios resultados ou podem ter escrito as conclusões para satisfazer o novo clima político dentro do Blue Book após o Painel Robertson.[carece de fontes?]

Quando a Força Aérea americana finalmente tornou público o Relatório Especial nº 14 em outubro de 1955, foi alegado que o relatório provava cientificamente que OVNIs não existiam. Os críticos desta alegação observam que o relatório realmente provou que os "desconhecidos" eram distintamente diferentes das "conhecidas" em um nível de significância estatística muito alto. A Força Aérea também afirmou incorretamente que apenas 3% dos casos estudados eram desconhecidos, em vez dos 22% constados. Alegaram ainda que os 3% restantes provavelmente desapareceriam se houvesse dados mais completos. Os críticos argumentam que isso ignorou o fato de que os analistas já haviam jogado esses casos na categoria de "informação insuficiente", enquanto que "conhecidos" e "desconhecidos" eram considerados como tendo informações suficientes para tomar uma decisão. Também os "desconhecidos" tendiam a representar os casos de maior qualidade, por exemplo: os relatórios que já tinham melhores informações e testemunhas.[carece de fontes?]

O resultado do grande estudo do BMI repercutiu por meio de um relatório francês do GEPAN de 1979, que afirmava que cerca de um quarto dos mais de 1.600 casos de OVNIs estudados rigorosamente desafiavam as explicações, afirmando, em parte, "Esses casos... Representam uma questão real".[62] Quando o sucessor do GEPAN, o SEPRA, foi encerrado em 2004, 5800 casos foram analisados e a porcentagem de desconhecidos inexplicáveis caiu para cerca de 14%. O chefe do SEPRA, Dr. Jean-Jacques Velasco, achou as evidências de origens extraterrestres tão convincentes nesses desconhecidos restantes que ele escreveu um livro sobre isso em 2005.[carece de fontes?]

Críticas de Hynek[editar | editar código-fonte]

Hynek era um membro participante do Painel Robertson, que recomendava que os OVNIs precisassem ser desmascarados. Alguns anos depois, no entanto, as opiniões de Hynek sobre os OVNIs mudaram, e ele achou que eles representavam um mistério não resolvido que merecia uma investigação científica minuciosa. Como o único cientista envolvido com os estudos ufológicos do governo dos EUA do começo ao fim, ele poderia oferecer uma perspectiva única sobre o Projeto Sign, Grudge e Blue Book.[63]

Depois do que ele descreveu como um começo promissor com potencial para pesquisas científicas, Hynek ficou cada vez mais desiludido com o Blue Book durante seu mandato no projeto, sendo honesto com acusações de indiferença, incompetência e pesquisas de má qualidade por parte do pessoal da Força Aérea. Hynek observa que, durante a sua existência, os críticos apelidaram o projeto de "A Sociedade para a Explicação dos Não Investigados".[64]

O Blue Book era chefiado por Ruppelt, depois pelo capitão Hardin, capitão Gregory, Major Friend e, por último, Major Hector Quintanilla. Hynek só tinha palavras gentis para Ruppelt e Friend. Sobre Ruppelt, ele escreveu: "Nos meus contatos com ele, achei que ele era honesto e seriamente intrigado com todo o fenômeno.[65] De Friend, ele escreveu: "De todos os oficiais com quem trabalhei no Blue Book, o Coronel Friend ganhou meu respeito. Quaisquer que fossem as opiniões particulares que ele tivesse, ele era um realista total e prático, estando sentado onde podia ver o painel de estudos, reconheceu as limitações de seu serviço, mas se comportou com dignidade e uma total falta de arrogância que caracterizou vários dos outros chefes do Blue Book ".

Em uma consideração sobretudo baixa, o cientista considerou que: "O método de Quintanilla era simples: desconsidere qualquer evidência que fosse contrária a sua hipótese".[66] Hynek escreveu que, durante o mandato do major da Força Aérea, Hector Quintanilla como diretor do Blue Book, "a bandeira da escola do absurdo total estava voando mais alta no mastro". Hynek relatou que o sargento David Moody, um dos subordinados de Quintanilla, "sintetizou o método de convicção antes do julgamento. Tudo o que ele não entendia ou não gostava foi imediatamente colocado na categoria psicológica, que significava "maluco".[carece de fontes?]

Hynek relatou encontros desagradáveis com Moody quando este se recusou a pesquisar completamente avistamentos de OVNIs, descrevendo Moody como "o mestre do possível: possível balão, possíveis aeronaves, possíveis pássaros, que então se tornaram, por sua própria vontade o provável (e eu discuti furiosamente com ele às vezes)".[carece de fontes?]

Resultados[editar | editar código-fonte]

Segundo o capitão Edward J. Ruppelt, vários generais de alto posto muito influentes da USAF estavam tão descontentes com o estado das investigações sobre óvnis da Força Aérea, que desmantelaram o Novo Projeto Rancor e o substituíram pelo Projeto Livro Azul em março de 1952. Durante a sua existência - até o final, em 1970 -, foram recolhidos 12.618 indícios. Ao final, concluiu-se que a maioria deles eram interpretações equivocadas de fenômenos naturais (nuvens, estrelas, etc) ou aviões convencionais. Muitos foram considerados fraudes. Ao todo, 701 casos - aproximadamente 6% - foram classificados como inexplicáveis. As informações foram arquivadas e estão disponíveis sob a Lei de Liberdade de Informação, mas os nomes dos testemunhos e outras informações pessoais foram eliminados.[carece de fontes?]

Cultura popular[editar | editar código-fonte]

Project U.F.O.[editar | editar código-fonte]

O Projeto Blue Book foi a inspiração para um programa de TV de 1978-1979, o Project U.F.O. (conhecido como Projeto Blue Book mesmo em alguns países), que supostamente se baseava nos casos investigados pela USAF. No entanto, o programa frequentemente foi contra as conclusões reais do projeto, sugerindo em muitas ocasiões que alguns avistamentos eram extraterrestres reais.[67][68]

Twin Peaks[editar | editar código-fonte]

O Projeto Blue Book teve um papel importante na segunda temporada de Twin Peaks, uma série de TV exibida em 1990-1991. O major Garland Briggs, um oficial da Força Aérea que trabalhou no programa, aborda o protagonista Dale Cooper e revela que o nome de Cooper apareceu em uma transmissão de rádio sem sentido, interceptada pela Força Aérea, que inexplicavelmente se originou nos bosques ao redor da cidade de Twin Peaks. À medida que a temporada avança, é revelado que a fonte da transmissão é o reino transdimensional da Loja Negra, habitado por seres que se alimentam das emoções humanas da dor e do sofrimento; eventualmente, Briggs trabalhou com o rival do Cooper no Projeto Blue Book, o Windom Earle, um agente corrupto do FBI e os dois homens aparentemente descobriram evidências da Loja durante o tempo em que estavam em seu trabalho.[69][70]

Galactica 1980[editar | editar código-fonte]

Todo episódio da série original de Galactica 1980, spin-off da Battlestar Galactica coloca nos créditos uma breve declaração sobre as descobertas do Projeto Blue Book concluído em 1969 pela Força Aérea dos EUA de que os OVNIs não foram comprovados e que "não são uma ameaça à segurança nacional".[71]

Project Blue Book (2019)[editar | editar código-fonte]

Projeto Blue Book é a inspiração para a série de drama com o mesmo nome: Project Blue Book que começou a ser exibido no History Channel em janeiro de 2019.[72] No Brasil estreou em agosto do mesmo ano com o título em transcrição literal "Projeto Livro Azul"[73], porém em Portugal o programa não é exibido até o momento.[74] Na série que mistura realidade e ficção, o astrônomo J. Allen Hynek é interpretado por Aidan Gillen que começa a mudar a sua opinião sobre objetos voadores e se torna mais convicto quanto a sua existência e que um estudo mais aprimorado era necessário, no entanto na vida real os desdobramentos eram muito menos fantasiosos.[75]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. RUPPELT, Edward J. Discos voadores: relatório sobre os objetos aéreos não identificados. São Paulo: Difusão Europeia do Livro, 1959, p. 92, 100, 164 e 186.
  2. Chicago, Debbie Siegelbaum Da BBC News em. «Documentos revelam duas décadas de buscas por óvnis nos EUA». BBC News Brasil. Consultado em 9 de junho de 2020 
  3. «Unidentified Flying Objects and Air Force Project Blue Book». U.S. Air Force (em inglês). Consultado em 10 de junho de 2020 
  4. National Reconnaissance Office Review and Redaction Guide: Appendix C - Glossary of Code Words and Terms" (PDF). National Reconnaissance Office. 2008
  5. WPVI (14 de setembro de 2018). «Man releases 130K pages of declassified Air Force documents on UFOs». 6abc Philadelphia (em inglês). Consultado em 17 de junho de 2020 
  6. Andrews, Evan. «How the U.S. Air Force Investigated UFOs During the Cold War». HISTORY (em inglês). Consultado em 17 de junho de 2020 
  7. «Project Sign | History of the United States Air Force UFO Programs | Sign Oral History Project». sohp.us. Consultado em 17 de junho de 2020 
  8. Bennett, Colin (1 de janeiro de 2010). Flying Saucers Over the White House: The Inside Story of Captain Edward J. Ruppelt and His Official U.S. Airforce Investigation of UFOs (em inglês). [S.l.]: Cosimo, Inc. 
  9. Abbott, James T. (5 de dezembro de 2017). The Outsider’S Guide to Ufos: Volume 1: Mystery and Science (em inglês). [S.l.]: Archway Publishing 
  10. Jacobs, David Michael, 1942- (2000). UFOs and abductions : challenging the borders of knowledge. Lawrence, Kan.: University Press of Kansas. OCLC 43615835 
  11. ver Clark, 1998
  12. Dr. Michael D. Swords; "UFOs, the Military, and the Early Cold War Era", p102
  13. Huyghe, Patrick (14 de outubro de 1979). «U.f.o. Files: The Untold Story». The New York Times (em inglês). ISSN 0362-4331 
  14. Blum, Howard, Out There: The Government's Secret Quest for Extraterrestrials, Simon and Schuster, 1990
  15. a b c Clark, Jerome. (1998). The UFO book : encyclopedia of the extraterrestrial. Detroit, MI: Visible Ink Press. OCLC 37370629 
  16. a b c d e f g Clark, Jerome. (1998). The UFO book : encyclopedia of the extraterrestrial. Detroit, MI: Visible Ink Press. OCLC 37370629 
  17. Dolan, Richard M. (1 de junho de 2002). UFOs and the National Security State: Chronology of a Coverup, 1941-1973 (em inglês). [S.l.]: Hampton Roads Publishing 
  18. a b Jerome Clark, The UFO Book: Encyclopedia of the Extraterrestrial, p. 468
  19. Carrier, Jerry (10 de novembro de 2017). A Long Cold War: A Chronology of American Life and Culture 1945 to 1991 (em inglês). [S.l.]: Algora Publishing 
  20. Jerome Clark, The UFO Book: Encyclopedia of the Extraterrestrial, p468
  21. a b «Lt. Col. Robert J. Friend». NICAP. Consultado em 19 de junho de 2020 
  22. Jerome Clark, The UFO Book: Encyclopedia of the Extraterrestrial, p. 592
  23. Druffel, Ann, 1926- (2003). Firestorm : Dr. James E. McDonald's fight for UFO science. Columbus, NC: Wild Flower Press. OCLC 51655381 
  24. Reports, Staff. «The Parajournal: Famous 86-mile UFO chase in 1966 still defies Air Force 'explanation'». The Times (em inglês). Consultado em 11 de junho de 2020 
  25. Jerome Clark, The UFO Book: Encyclopedia of the Extraterrestrial, p477
  26. Jerome Clark, The UFO Book: Encyclopedia of the Extraterrestrial, 1998; Detroit: Visible Ink Press, p478–479; emphasis as in original
  27. Quintanilla, Hector. «Preface to "UFOs, An Air Force Dilemma"» (PDF). National Institute for Discovery Science. Consultado em 11 de junho de 2020 
  28. "Unidentified Flying Objects." (No. 55) Electronic Record. Hearing Committee of Armed Services of the House of Representatives. 89th Congress, Second Session. 5 April 1966. (50-066 O) U.S. Government Printing Office: Washington, D.C. 1966.
  29. Grinspoon, David. Planetas solitários. [S.l.]: Globo Livros 
  30. "Pentagon Doesn't Believe UFO Exeter Sightings." Excerpt from italic Haverhill Gazette italic. 25 October 1965. in Fowler, Raymond E. Addendum IIA. NICAP Massachusetts Subcommittee. In "Unidentified Flying Objects." 6015.
  31. Fowler, Raymond E. Addendum IV, UFO Report, 3 Sept. 1965. NICAP Massachusetts Subcommittee. In "Unidentified Flying Objects." 6015-6016.
  32. "UFO Identified as Ad Gimmick." italics Amesbury News italics. 6 October 1965. In Fowler, Raymond E. Addendum IV, UFO Report, 3 September 1965. 6016.
  33. Fowler, Raymond. "UFO Summary Sheet. (UFO Reports--Sept. 3, 1966). In Addendum IV, UFO Report, 3 Sept. 1965. 6020.
  34. Bertrand, Eugene, and Hunt, David. Letter to Major Hector Quintanilla, Jr. 2 Dec. 1965. Wright Patterson Air Force Base, Dayton, OH. In "Unidentified Flying Objects." 6039-6040.
  35. Rivers, Mendel. "Unidentified Flying Objects." 5992.
  36. Rivers, Mendel. "Unidentified Flying Objects." 6003.
  37. Brown, Harold. "Unidentified Flying Objects." 6005.
  38. Hynek, J. Allen. "Unidentified Flying Objects." 6008.
  39. Hynek."Unidentified Flying Objects. 6046.
  40. Greer, John Michael (2009). The UFO Phenomenon: Fact, Fantasy and Disinformation (em inglês). [S.l.]: Llewellyn Worldwide 
  41. Morris, Theresa. Alien ET UFO Social Paranormal Community Guide (em inglês). [S.l.]: Lulu.com 
  42. a b Clingbine, Dr Graham (30 de outubro de 2015). Disclosure: The Future is Now (em inglês). [S.l.]: Troubador Publishing Ltd 
  43. «CIA's Role in the Study of UFOs, 1947-90 — Central Intelligence Agency». www.cia.gov. Consultado em 12 de junho de 2020 
  44. G, D. S. (14 de outubro de 1966). «Condon To Head UFO Study». Science (em inglês). 154 (3746): 244–244. ISSN 0036-8075. PMID 17810301. doi:10.1126/science.154.3746.244 
  45. Jerome Clark, The UFO Book: Encyclopedia of the Extraterrestrial, p. 480
  46. «Sign Historical Group UFO History Workshop - Online Edition». www.project1947.com. Consultado em 12 de junho de 2020 
  47. Jerome Clark, The UFO Book: Encyclopedia of the Extraterrestrial, p. 480
  48. Miller, David L. (6 de agosto de 2013). Introduction to Collective Behavior and Collective Action: Third Edition (em inglês). [S.l.]: Waveland Press 
  49. Little, Becky. «How the CIA Tried to Quell UFO Panic During the Cold War». HISTORY (em inglês). Consultado em 12 de junho de 2020 
  50. «Public Interest in UFOs Persists 50 Years After Project Blue Book Termination». National Archives (em inglês). 4 de dezembro de 2019. Consultado em 12 de junho de 2020 
  51. Frost, Mark (18 de outubro de 2016). The Secret History of Twin Peaks (em inglês). [S.l.]: Flatiron Books 
  52. Longuenesse, Handout (4 de agosto de 2014). «Uses of "I"» (PDF). UFRGS. Consultado em 12 de junho de 2020 
  53. Little, Becky. «Seen a UFO? In the '50s, You Could Report It In This Easy Questionnaire». HISTORY (em inglês). Consultado em 12 de junho de 2020 
  54. a b «Unidentified Flying Objects and Air Force Project Blue Book». U.S. Air Force (em inglês). Consultado em 12 de junho de 2020 
  55. Cooper, Helene; Blumenthal, Ralph; Kean, Leslie (16 de dezembro de 2017). «Glowing Auras and 'Black Money': The Pentagon's Mysterious U.F.O. Program». The New York Times (em inglês). ISSN 0362-4331 
  56. Randles, Jenny. (1996). The complete book of UFOs : an investigation into alien contacts & encounters. New York: Sterling Pub. OCLC 34919803 
  57. Blum, Howard, Out There: The Government's Secret Quest for Extraterrestrials, Simon and Schuster, 1990
  58. «The EOTS». www.nicap.org. Consultado em 16 de junho de 2020 
  59. Kasten, Len (11 de novembro de 2010). The Secret History of Extraterrestrials: Advanced Technology and the Coming New Race (em inglês). [S.l.]: Simon and Schuster 
  60. a b Hynek, J. Allen (1 de janeiro de 2020). The Hynek UFO Report: The Authoritative Account of the Project Blue Book Cover-Up (em inglês). [S.l.]: Red Wheel 
  61. Wright, Dan (1 de setembro de 2019). The CIA UFO Papers: 50 Years of Government Secrets and Cover-Ups (em inglês). [S.l.]: Red Wheel 
  62. Randles, Jenny. (1996). The complete book of UFOs : an investigation into alien contacts & encounters. New York: Sterling Pub. OCLC 34919803 
  63. Masters, Dr Michael P. (22 de março de 2019). Identified Flying Objects: A Multidisciplinary Scientific Approach to the UFO Phenomenon (em inglês). [S.l.]: Masters Creative 
  64. J. Allen Hynek; The UFO Experience: A Scientific Inquiry; 1972; Henry Regenery Company, p180
  65. J. Allen Hynek; The UFO Experience: A Scientific Inquiry; 1972; Henry Regenery Company, p175
  66. J. Allen Hynek; The UFO Experience: A Scientific Inquiry; 1972; Henry Regenery Company, p103
  67. Project U.F.O., IMDB, consultado em 18 de junho de 2020 
  68. «Project U.F.O. | TV Guide». TVGuide.com (em inglês). Consultado em 18 de junho de 2020 
  69. Twin Peaks, IMDB, consultado em 18 de junho de 2020 
  70. Smith, Richard MacLean (25 de outubro de 2018). Unexplained: Based on the 'world's spookiest podcast' (em inglês). [S.l.]: Hodder & Stoughton 
  71. Galactica 1980 (TV Series 1980) - IMDb, consultado em 18 de junho de 2020 
  72. «Project Blue Book Full Episodes, Video & More». HISTORY (em inglês). Consultado em 18 de junho de 2020 
  73. «No History, Projeto Livro Azul explora pesquisas do governo dos EUA sobre óvnis». Canaltech. 9 de agosto de 2019. Consultado em 18 de junho de 2020 
  74. «Arquivo de Programas - História». archive.vn. 18 de junho de 2020. Consultado em 18 de junho de 2020 
  75. Blumenthal, Ralph; Kean, Leslie (15 de janeiro de 2019). «'Project Blue Book' Is Based on a True U.F.O. Story. Here It Is.». The New York Times (em inglês). ISSN 0362-4331