Monchique

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Disambig grey.svg Nota: Para outros significados, veja Monchique (desambiguação).
Monchique
Município de Portugal
Monchique - 19.09.2019.jpg
Vista panorâmica da vila de Monchique.

Brasão de Monchique Bandeira de Monchique

Localização de Monchique

Gentílico Monchiquense
Área 395,30 km²
População 5 465 hab. (2021)
Densidade populacional 13,8  hab./km²
N.º de freguesias 3
Fundação do município
(ou foral)
1773
Região (NUTS II) Algarve
Sub-região (NUTS III) Algarve
Distrito Faro
Província Algarve
Orago Nossa Senhora da Conceição
Feriado municipal Quinta-feira de Ascensão
Código postal 8550 - Monchique
Sítio oficial http://www.cm-monchique.pt/

Monchique é uma vila portuguesa no distrito de Faro, região e sub-região do Algarve, com cerca de 2 300 habitantes.[1]

É sede do município de Monchique com 395,30 km² de área[2] e 5465 habitantes (censo de 2021)[3], subdividido em 3 freguesias.[4] O município é limitado a norte pelo município de Odemira, a leste por Silves, a sul por Portimão, a sudoeste por Lagos e a oeste por Aljezur.

O concelho de Monchique foi criado em 1773, por desmembramento do concelho de Silves.

População[editar | editar código-fonte]

População do município de Monchique
AnoPop.±%
1864 8 164—    
1878 9 433+15.5%
1890 10 646+12.9%
1900 11 517+8.2%
1911 12 770+10.9%
1920 12 639−1.0%
1930 14 205+12.4%
1940 15 028+5.8%
1950 14 668−2.4%
1960 14 779+0.8%
1970 12 095−18.2%
1981 9 609−20.6%
1991 7 309−23.9%
2001 6 974−4.6%
2011 6 045−13.3%
2021 5 465−9.6%

(Obs.: Número de habitantes "residentes", ou seja, que tinham a residência oficial neste município à data em que os censos se realizaram.)

Número de habitantes por Grupo Etário[5]
1900 1911 1920 1930 1940 1950 1960 1970 1981 1991 2001 2011
0-14 Anos 4300 4476 4484 4719 4936 4059 3757 2885 1714 1010 768 599
15-24 Anos 1999 2391 2208 2708 2585 2583 2318 1475 1273 896 735 502
25-64 Anos 4628 5093 5072 5750 6454 6739 7132 6080 4774 3612 3482 3029
= ou > 65 Anos 556 703 841 941 1022 1264 1572 1560 1848 1791 1989 1915
> Id. desconh 1 49 21 39 19

(Obs: De 1900 a 1950 os dados referem-se à população "de facto", ou seja, que estava presente no município à data em que os censos se realizaram. Daí que se registem algumas diferenças relativamente à designada população residente)

Freguesias[editar | editar código-fonte]

Freguesias do município de Monchique

O município de Monchique está dividido em 3 freguesias:

Freguesias do município de Monchique
Freguesia Residentes (2011) Residentes (2021)[3]
Alferce 441 391
Marmelete 787 698
Monchique 4817 4376
Total 6045 5465

Principais atividades económicas[editar | editar código-fonte]

História[editar | editar código-fonte]

No centro de duas grandes serras (Fóia e Picota), o município de Monchique entra na história com a presença dos romanos nas Caldas de Monchique, atraídos pelo poder curativo das suas águas. Nos séculos seguintes, a serra foi-se povoando lentamente e no século XVI Monchique era já uma povoação suficientemente importante para merecer a visita do rei D. Sebastião, que pretendeu conceder-lhe o estatuto de cidade.

A tecelagem da e do linho - os sólidos surrobecos, orianos e estopas dos tempos antigos - entre outras atividades, como as relacionadas com a madeira de castanho, contribuíram para a prosperidade e desenvolvimento de Monchique, de tal forma que em 1773 foi promovida a vila.

As alterações económicas provenientes da industrialização significaram a perda da atividade têxtil e de outras manufaturas. Hoje, Monchique é vila airosa, virada para o turismo, com um artesanato ativo e uma economia diversificada.

Possuindo das florestas mais ricas do Algarve, ricas em sobreiros, eucaliptos, castanheiros, entre outros, Monchique tem também como marco distintivo esta mata que dá a conhecer aos seus visitantes através de safaris, parques zoológicos e naturais e expedições pedestres.

Política[editar | editar código-fonte]

Eleições autárquicas[editar | editar código-fonte]

Data % V % V % V % V
PPD/PSD PS APU/CDU AD
1976 40,85 2 40,24 2 14,25 1
1979 AD 26,89 1 11,66 - 58,74 4
1982 34,23 2 44,67 3 6,80 -
1985 28,44 1 66,96 4 2,41 -
1989 43,27 2 51,23 3 2,27 -
1993 41,34 2 51,75 3 2,53 -
1997 23,56 1 61,02 4 9,21 -
2001 27,69 2 54,86 3 11,88 -
2005 39,53 2 51,59 3 3,49 -
2009 46,73 3 45,15 2 3,68 -
2013 47,42 3 32,19 2 4,94 -
2017 43,50 3 37,45 2 4,07 -

Eleições legislativas[editar | editar código-fonte]

Data %
PS PSD PCP CDS UDP AD APU/

CDU

FRS PRD PSN BE PAN PàF L CH IL
1976 38,00 27,84 11,08 4,78 1,16
1979 30,39 AD APU AD 1,79 43,83 14,57
1980 FRS 1,06 45,83 13,00 28,67
1983 41,52 31,19 6,99 0,73 12,64
1985 23,79 35,78 5,74 0,95 10,39 16,69
1987 27,86 49,31 CDU 2,00 0,56 6,97 5,57
1991 32,99 53,42 1,59 5,19 0,55 1,55
1995 50,81 32,78 4,98 0,65 5,93 0,37
1999 51,65 30,57 4,91 6,94 1,42
2002 42,65 39,23 4,14 6,50 1,88
2005 51,17 27,27 4,40 5,73 5,83
2009 32,76 29,34 7,72 7,54 13,17
2011 23,97 39,43 7,88 9,29 7,11 1,32
2015 38,07 PàF PàF 8,46 11,76 0,94 29,39 0,28
2019 38,29 24,49 3,25 7,30 10,37 2,82 0,56 0,88 0,67

Património[editar | editar código-fonte]

Património classificado[editar | editar código-fonte]

Locais de interesse[editar | editar código-fonte]

Parte campestre de Monchique. Devido à sua arborização, o município tem uma forte aderência à Indústria madeireira.

Centro histórico[editar | editar código-fonte]

Rua típica de Monchique

No Centro histórico de Monchique as casas têm a arquitetura algarvia tradicional nas paredes brancas, nas cantarias, nas manchas de cor das portas e janelas, embora exibam as típicas chaminés de saia, tão diferentes do litoral. O facto de treparem por colinas íngremes, de as ruas estreitas abrirem a cada passo novas perspectivas sobre a serra verdejante, dá-lhes, porém, um certo exotismo, aumentado pela presença de cameleiras e hortênsias, de árvores de fruto, evocadoras de jardins e pomares. Justificação para um prolongado passeio de descoberta de um recanto diferente do Algarve.

Para apreciar bem a beleza da vila de Monchique, importa ir até ao largo de São Sebastião. O casario branco parece descer em degraus pelas encostas da serra, pequeno presépio envolto em verdes, flores e frescura.

Artesanato[editar | editar código-fonte]

A cestaria e a tecelagem constituem a grande parte do artesanato tradicional de Monchique. Por ser também uma região rica em sobreiros, é possível que haja igualmente artesãos a trabalhar a cortiça.

Personalidades destacadas[editar | editar código-fonte]

Gastronomia[editar | editar código-fonte]

Monchique é conhecido pela suinicultura, e prova disso são os conhecidos enchidos feitos com carne de porco (molho, morcela de farinha ou farinheira, morcela e chouriça) e presuntos, expostos anualmente na Feira dos Enchidos e na Feira do Presunto, respetivamente.

É também vastamente conhecida a aguardente de medronho produzida nesta região, com marca própria, que atrai gente de toda a parte para a saborear. São também procurados os licores feitos com produtos da região. A bebida licorosa mais típica de Monchique chama-se Melosa, que utiliza aguardente de medronho.[6]

No que toca a doçaria regional, Monchique tem como principal doce típico o bolo de tacho.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria com imagens e outros ficheiros sobre Monchique

Referências

  1. INE (2013). Anuário Estatístico da Região Algarve 2012 (PDF). Lisboa: Instituto Nacional de Estatística. p. 26. ISBN 978-989-25-0215-1. ISSN 0873-0008. Consultado em 11 de janeiro de 2015 
  2. Instituto Geográfico Português (2013). «Áreas das freguesias, municípios e distritos/ilhas da CAOP 2013». Carta Administrativa Oficial de Portugal (CAOP), versão 2013. Direção-Geral do Território. Consultado em 28 de novembro de 2013. Arquivado do original (XLS-ZIP) em 9 de dezembro de 2013 
  3. a b INE. «Censos 2021 - resultados preliminares». Consultado em 29 de julho de 2021 
  4. Lei n.º 11-A/2013, de 28 de janeiro: Reorganização administrativa do território das freguesias. Anexo I. Diário da República, 1.ª Série, n.º 19, Suplemento, de 28/01/2013.
  5. INE - http://censos.ine.pt/xportal/xmain?xpid=CENSOS&xpgid=censos_quadros
  6. Galego, Ludovina (2013). Aguardente de medronho.