Albufeira

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Albufeira
Brasão de Albufeira Bandeira de Albufeira
Brasão Bandeira
Ppescadores albufeira.jpg
Praia dos pescadores
Localização de Albufeira
Gentílico Albufeirense
Área 140,66 km2
População 40 828 hab. (2011)
Densidade populacional 290,26 hab./km2
N.º de freguesias 4
Presidente da
Câmara Municipal
Carlos Silva e Sousa (PSD)
Fundação do município
(ou foral)
1504
Região (NUTS II) Algarve
Sub-região (NUTS III) Algarve
Distrito Faro
Antiga província Algarve
Orago Nossa Senhora da Conceição
Feriado municipal 20 de agosto
Código postal 8200 Albufeira
Sítio oficial http://www.cm-albufeira.pt/
Municípios de Portugal Flag of Portugal.svg

Albufeira é uma cidade portuguesa pertencente ao Distrito de Faro, região e sub-região do Algarve, com cerca de 20 000 habitantes.[1]

É sede de um município com 140,66 km² de área[2] e 40 828 habitantes (2011),[3] [4] subdividido em 4 freguesias.[5] O município é limitado a oeste e noroeste pelo município de Silves, a nordeste e leste por Loulé e a sul tem uma ampla costa no Oceano Atlântico.

Etimologia[editar | editar código-fonte]

O topónimo "Albufeira" provém da palavra árabe البحيرة (al-Buħayra),designação do séc. VIII, que significa «a lagoa» ou «pelo mar», ou, segundo outros especialistas, «castelo do mar», dispondo-se altaneira e em anfiteatro sobre o mar.

Do período Árabe perduram as ruelas estreitas, o velho castelo e as casas muito brancas com as suas açoteias e arcos.


Freguesias[editar | editar código-fonte]

Freguesias do concelho de Albufeira.

O concelho de Albufeira está dividido em 4 freguesias:

História[6] [editar | editar código-fonte]

A área actual do concelho de Albufeira encontra-se ocupada pelo homem pelo menos desde o ano 2000 a.C. Os Romanos deram-lhe a designação de Baltum, e os Árabes. que ocuparam em 716, denominaram-na Albuar ou Albuhera.

O seu castelo, praticamente inexpugnável devido à sua posição estratégica, foi o último reduto árabe a cair nas mãos do rei Afonso III de Portugal, que assinalou a vitória com a prática de crueldades desnecessárias. Submetida Albufeira em 1249, logo em 1250 foi doada à ordem de Avis.

Findos os cinco séculos de presença árabe podemos falar de uma profunda alteração da realidade urbana e rural que ainda hoje constituem verdadeiro legado árabe. Foram os decisivos avanços nas técnicas agrícolas (nora, açudes, hortas, etc.) são por outro lado, as casas brancas com açoteias e as ruas tortuosas, para além de inúmeras influências linguísticas.

D. Manuel I outorgou-lhe foral novo a 20 de Agosto de 1504. Albufeira ficou quase totalmente destruída pelo terramoto de 1 de Novembro de 1755: uma grande onda submergiu totalmente a parte baixa da vila, onde ficaram em pé 27 casas e essas prestes a ruir, quando o mar se retirou os sobreviventes acorreram à igreja, localizada perto da vila, um novo abalo, porém fez ruir a vasta nave que sepultou sob os seus escombros os seus 227 ocupantes. Uma nova calamidade ocorreu em Albufeira, no século XIX, devido à maldade humana, na ocasião das lutas liberais a guerrilha miguelista do Remexido cercou os militantes da guerrilha libral refugiados nesta vila à qual foi posto impiedoso cerco que culminou com incêndio devastador e a morte, a 27 de Julho de 1833, de 174 membros da população de todas as idades e condições sociais.

A partir da década de 1960, Albufeira tornou-se numa grande estância turística de renome internacional.

Albufeira foi elevada a cidade através de lei de 23 de Agosto de 1986.

Evolução demográfica de Albufeira[editar | editar código-fonte]

População do concelho de Albufeira (1801 – 2011)
1801 1849 1900 1930 1960 1981 1991 2001 2011
4 537 7 443 10 980 14 444 14 736 17 218 20 949 31 543 40 828
           Evolução da População Entre 1864 e  2011  

Evolução da  População  1864 / 2011; Variação da População  1864 / 2011;

          Evolução dos Grupos Etários (de 1981 a 2011)

Nº de habitantes por grupos etários – de  1981 a 2011; Nº de habitantes por grupos etários – de  1981 a 2011;

Política[editar | editar código-fonte]

A Câmara Municipal é presidida por Carlos Silva e Sousa (PSD), eleito com 35,94 % dos votos nas Eleições Autárquicas de 2013, contra 31,76 % do candidato do PS.

Economia[editar | editar código-fonte]

A indústria hoteleira de luxo em Albufeira, Algarve.

A partir de meados do século XIX verificou-se um desenvolvimento da economia graças à actividade piscatória. [carece de fontes?]

Nas primeiras décadas do século XX registou-se um aumento acentuado da exportação de peixe e de frutos secos. A vila tinha, então, cinco fábricas que empregavam 700 a 800 pessoas, sobretudo mulheres de pescadores. Porém, da década de 1930 à década de 1950, registaram-se tempos de decadência, as armações de pesca arruinaram-se, as fábricas fecharam, as embarcações desapareceram e muitas casas foram abandonadas. A população ficou reduzida à metade e a pesca tornou-se novamente numa actividade de subsistência. [carece de fontes?]

No início da década de 1960, assistiu-se ao despertar de Albufeira para o fenómeno turístico, quando foi procurada por turistas internacionais, mas foi sobretudo com os ingleses que prosperou. Desde então, desenvolveu-se bastante a indústria hoteleira na cidade.

Na década de 1980, verificou-se um enorme surto urbanístico, tendo a cidade crescido para nascente, local para onde se transferiu a maior parte dos serviços administrativos, incluindo a Câmara Municipal.

Albufeira ocupa actualmente a primeira posição no ranking nacional dos concelhos com maior capitação de impostos por habitante (1021,40€), ultrapassando os valores de grandes áreas como Lisboa e Porto. [carece de fontes?]

Da povoação de longa tradição piscatória com uma próspera indústria de exportação de peixe, resta o porto de abrigo, junto à marina de Albufeira, com os seus coloridos barcos de pesca artesanal, os quais partilham o espaço com as embarcações que se dedicam aos passeios marítimos pela costa e à visita das fabulosas grutas marinhas.

Atualmente, Albufeira e o seu concelho assumem-se como um dos principais centros turísticos do país, oferecendo quase 30km de costa e mais de duas dezenas de praias muito diversificadas entre si, tanto no que toca ao enquadramento natural, como em termos de ocupação e oferta turística. Embora os equipamentos turísticos, bem como a animação noturna, sejam dos mais afamados do Algarve, convivem ainda par a par com uma outra realidade:a das aldeias tranquilas, onde subsistem artes manuais como a azulejaria, o cobre talhado ou a tapeçaria de esparto, envolvidas por pomares de sequeiro com amendoeiras em flor.

Temperatura do ar[editar | editar código-fonte]

Uma brisa marítima costuma refrescar a temperatura média anual do Algarve que é de 17,7ºC (12ºC em Janeiro e até cerca dos 30ºC em Agosto).

A região conta com mais de 3.000 horas de sol (mais de 300 dias) durante o ano o que a torna um destino favorito para quem aprecia um clima tão agradável.

O inverno é ameno.

Albufeirenses famosos[editar | editar código-fonte]

Estátua do famoso mártir cristão São Vicente de Albufeira.
  • João Barreto Bailote (1913-1986), pintor autodidacta, só aos 35 anos começou a pintar a óleo. A notoriedade do pintor está ligada ao desenvolvimento turístico de Albufeira. Foi o primeiro turista britânico que a Albufeira, Mr. Taylor[vago], que serviu de mecenas ao pintor. Em 1948, João Bailote visitou a Inglaterra, mas só no ano seguinte, graças ao convívio com um pintor sueco, Hullander, Bailote pôde dispor dos instrumentos necessários à experiência pictórica. Em 1950 foi, por sua vez, à Suécia, onde trabalhou com Hullander. João Bailote é fundamentalmente um expressionista moderno, criador de uma pintura de solidão, através da miragem de uma vila desértica. Os seus triunfos de pintor principiaram praticamente em 1952, quando expôs em Estocolmo. Tem hoje óleos seus espalhados pela Suécia, Inglaterra, pela Alemanha e pelos EUA; a sua neta Maria Paulo Bailote foi sua aluna, também é pintora e artista plástica e nos últimos anos optou por residir em Albufeira.
  • Sisley Dias é um actor e modelo, que viveu muitos anos em Albufeira. Sisley começou como actor na série Morangos com Açúcar onde protagonizou o papel de Nuno. Depois dos Morangos participou também na novela Flor do Mar, onde protagonizou o papel de Rui Nicolau, na telenovela Sentimentos, protagonizando o papel de Sebastião Coutinho, e actualmente na novela Laços de Sangue protagonizando o papel de Tiago Nogueira.


Cultura[editar | editar código-fonte]

Património no Concelho[editar | editar código-fonte]

Património civil[editar | editar código-fonte]

Ponte medieval de Paderne[editar | editar código-fonte]

Património militar[editar | editar código-fonte]

Bateria de Albufeira[editar | editar código-fonte]
Castelo de Albufeira[editar | editar código-fonte]
Castelo de Paderne[editar | editar código-fonte]
Torre da Medronheira[editar | editar código-fonte]

Património natural[editar | editar código-fonte]

Olheiros de Água Doce[editar | editar código-fonte]

Património religioso[editar | editar código-fonte]

Convento de Nossa Senhora da Orada[editar | editar código-fonte]
Igreja Matriz[editar | editar código-fonte]

Situada na Rua da Igreja Nova, a Matriz de Albufeira foi construída no Século XVIII (1782), tendo substituído a antiga matriz (originalmente mesquita árabe) que ruiu com o terramoto de 1755. Esta Igreja, de uma só nave, é do estilo Neoclássico e apresenta 4 capelas laterais, a capela baptismal, o coro, dois púlpitos e duas salas laterais. No altar-mor, é de realçar o belíssimo retábulo do pintor albufeirense Samora Barros (séc. XX), que serve de pano de fundo à imagem da padroeira de Albufeira, N.ª Sr.ª da Conceição. No cimo do arco da porta principal, podemos encontrar a cruz de Aviz, representativa da ordem Religiosa e Militar a que Albufeira pertenceu. [7]

Torre do Relógio[editar | editar código-fonte]

Considerada um dos ex-libris da cidade, este é certamente, um local a visitar. Localizada na Rua Bernardino Sousa, esta antiga torre muçulmana encontra-se integrada no edifício da antiga cadeia comarcã. Já no séc. XIX foi-lhe implantada uma original coroa em ferro onde se encontra o sino das horas. Do cimo desta torre, poderá desfrutar de uma vista privilegiada sobre a cidade. [8]

Capela da Misericórdia[editar | editar código-fonte]

Em plena Rua Henrique Calado, encontramos esta antiga mesquita árabe, utilizada depois como capela dos Alcaides do Castelo. Restaurada em 1499, adoptou entretanto o nome de Capela da Misericórdia. Foi parcialmente destruída pelo terramoto de 1755, tendo sido posteriormente recuperada. Conserva até hoje o portal gótico, o arco triunfal e abside. No interior, recomendamos uma visita ao retábulo de talha, representativo da imagem de N.ª Sr.ª da Visitação e do Senhor Morto, bem como, ao túmulo de Rui Dias, suposto Alcaide do castelo. [9]

Igreja de S. Sebastião[editar | editar código-fonte]

Na Praça Miguel Bombarda, encontramos esta igreja, construída em meados do séc. XVIII. Apresentando traços arquitectónicos de raiz popular, podemos destacar no seu exterior a belíssima cúpula e 2 portais: o lateral debruado por cantarias de estilo manuelino e o principal, talhado em estilo barroco. Na sua nave única, encontramos um retábulo de madeira proveniente da segunda metade do século XVIII, seis imagens de santos em madeira e uma imagem em pedra. [10]

Igreja de Sant'Ana[editar | editar código-fonte]

No largo Jacinto d’Ayet, encontramos um belo exemplar da arquitectura religiosa do séc. XVIII, a Igreja de Sant’Ana. Na capela-mor, encontramos um retábulo em madeira, da autoria dos mestres João Baptista e Francisco Xavier Guedelha. Dignas de atenção são ainda uma imagem de Cristo crucificado e um retábulo representativo de N.ª Sr.ª das Dores. [11]

Museus[editar | editar código-fonte]

Museu Municipal de Arqueologia de Albufeira[editar | editar código-fonte]

O Museu Municipal de Arqueologia abriu ao público no dia 20 de Agosto de 1999. Localiza-se no núcleo antigo da cidade de Albufeira, no local anteriormente designado por Praça de Armas, actual Praça da República. O edifício onde se encontra instalado, constituído por dois pisos, numa zona de grande afluência turística, funcionou como Câmara Municipal até finais da década de oitenta do século XX, tendo sido recuperado e reabilitado para albergar as funções de museu, integrando o património arqueológico existente. As funções sociais do Museu consistem na conservação, preservação, reconstituição e divulgação do espólio arqueológico do Concelho, para fins de estudo, educação e de lazer. O discurso museográfico organiza-se de forma diacrónica, apresentando a evolução histórica do concelho desde o período Pré-Histórico até ao século XVII. O museu dispõe de uma área de exposição permanente e no piso superior, de um espaço vocacionado para a realização de exposições temporárias. Integra a Rede Portuguesa de Museus desde 2003, usufruindo das vantagens inerentes da sua integração, tais como incentivos de apoio nas diferentes áreas de acção do Museu, nomeadamente apoio técnico, rentabilização dos recursos logísticos, técnicos e financeiros. [12]

Situado na Zona Antiga da cidade, na Praça da República, o Museu de Arqueologia é composto por quatro núcleos históricos relativos aos seguintes períodos: pré-história, romano, visigótico-islâmico e idade moderna. Refira-se que o Museu ocupa o espaço dos antigos Paços do Concelho e que, para além da exposição arqueológica permanente, oferece aos seus visitantes uma sala de exposições temporárias e um serviço de visitas guiadas ao Centro Antigo da cidade. [13]

Museu de Arte Sacra (Igreja de São Sebastião)[editar | editar código-fonte]

Templo construído em meados do séc. XVIII, a Igreja de São Sebastião vale pela beleza do edifício em si, mas também por um interessante núcleo museológico de arte sacra, que pode ser visitado durante todo o ano. [14]

Galerias[editar | editar código-fonte]

Galeria de Arte Pintor Samora Barros[editar | editar código-fonte]

A Galeria que recebe o nome de um dos cidadãos mais ilustres de Albufeira, situa-se na Antiga Central Eléctrica, datando este edifício do princípio do século passado. Em 1988, foi sujeito a obras de reabilitação e transformado em Galeria de Arte. Possui dois pisos e vãos exteriores em arco, o que possibilita a iluminação natural de todo o edifício. Da sua fachada, ressaltam os azulejos e motivos exteriores, da autoria do pintor albufeirense, Samora Barros. José Ricardo Júdice Samora Barros nasceu a 3 de Abril de 1887 e frequentou o curso de Pintura da Escola de Belas Artes, em Lisboa, onde recebeu vários prémios honoríficos. Adepto das ideias liberais, não só ficou ligado à história de Albufeira pela vertente artística, mas também por se ter dedicado de alma e coração à valorização e defesa da sua terra natal, participando activamente na vida social e politica da cidade. [15]

Galeria Municipal[editar | editar código-fonte]

Inaugurada em 1997, a Galeria Municipal localiza-se na Rua do Município e está integrada no edifício da Câmara Municipal. Possui uma arquitectura contemporânea de estilo singular, caracterizando-se pelos seus dois pisos em galeria. Por aqui passam diversas exposições maioritariamente dedicadas a artistas locais. Trata-se de um espaço de cultura onde as artes locais podem ser contempladas durante todo o ano. [16]

Lugares de Interesse Turístico[editar | editar código-fonte]

Centro Antigo[editar | editar código-fonte]

Tal como o próprio nome indica, esta é a zona mais antiga da cidade, é aqui que encontramos algumas das casas e prédios mais antigos que tendem a ter as fachadas mais tradicionais. O centro antigo de Albufeira tem uma grande escolha na restauração, desde restaurantes típicos portugueses, a restaurantes ingleses e irlandeses, snack bars e bons restaurantes de comida asiática. Muitos dos restaurantes servem cozinha tradicional portuguesa, com uma grande variedade de peixe e marisco, apanhados perto da praia dos Pescadores. Perto da Praia dos Pescadores pode encontrar magnificas esplanadas estrategicamente colocadas para poder desfrutar de cada hora de sol. Também poderá encontrar bares que servem, entre outros, cocktails coloridos, nesta zona nobre de Albufeira a vida noturna nos meses de verão é verdadeiramente fervilhante. Nas suas férias em Albufeira pode comprar artesanato local, desde joalharia, bijutaria, roupas, pinturas e olaria a preços muito baixos. [17]

Oura[editar | editar código-fonte]

Localizada a dois quilómetros de Albufeira, está a área conhecida como Rua da Oura (The Strip) – Av. Sá Carneiro. É muito movimentada na época alta, e encontram-se aqui uma grande variedade de lojas, restaurantes e bares. A vida nocturna é muito animada, onde os bares estão abertos ao longo de toda a noite com muita música. [18]

Olhos de Água[editar | editar código-fonte]

Olhos de Água é uma povoação de origens piscatórias, 5km a nascente de Albufeira, sede de concelho. Área mais prestigiada de Albufeira. Em Olhos de Água pode visitar a famosa Praia da Falésia (segunda melhor praia de Portugal), a Praia dos Olhos de Água, a histórica Torre da Medronheira, os belíssimos Olheiros de Água Doce, o mercado com peixe fresco, pode saborear pratos de peixe e marisco nos restaurantes típicos e fazer compras nas muitas lojas também com artesanato local. É em Olhos de Água que estão localizados os melhores hotéis de 4* e 5* do concelho. [19]


Artesanato[editar | editar código-fonte]

Na área do concelho de Albufeira há trabalhos de carepa de milho e fabrico de capachos. [carece de fontes?]

Feiras, Festas e Romarias[editar | editar código-fonte]

Miradouros[editar | editar código-fonte]

Dentro da cidade os melhores miradouros são os mirantes do Rossio e o Bem Parece. Existem muitas grutas e túneis a explorar, como por exemplo: a Cerro do Malpique, o Lajem do Cónego, a Cova do Xorino, entre outros locais. [carece de fontes?] Em Olhos de Água pode encontrar, entre outros, o Miradouro do parque [20] , o Miradouro do Farol [21] e o Miradouro da falésia [22]

Clubes e Associações[editar | editar código-fonte]

Entre os clubes desportivos da cidade, destacam-se o Imortal Desportivo Clube e o Futebol Clube de Ferreiras. Ambos os clubes já participaram nos campeonatos nacionais de Futebol, sendo que o Imortal Desportivo Clube participou nos campeonatos profissionais na primeira década de 2000. No Basquetebol, conquistou por duas vezes o Campeonato Nacional de Basquetebol (Actual CNB1).

Praias[editar | editar código-fonte]

A praia em Albufeira.

Albufeira tem cerca 30 km de costa. Na época balnear de 2011, 20 praias foram classificadas com bandeira azul[23] , tendo sido o concelho português com mais destinções.

Praias com Bandeira azul[editar | editar código-fonte]

Outras praias[editar | editar código-fonte]

Recordes[editar | editar código-fonte]

No Reveillon de 2009-2010, realizou-se, na Praia dos Pescadores, o Maior Brinde do Mundo, com 25 mil pessoas a brindar a passagem de ano.[24] [25]

Geminações[editar | editar código-fonte]

Albufeira possui acordos de geminação com:[26]

[27]

Referências

  1. INE. Anuário Estatístico da Região Algarve 2012. Lisboa: Instituto Nacional de Estatística, 2013. p. 26. ISBN 978-989-25-0215-1 ISSN 0873-0008 Página visitada em 11/01/2015.
  2. Instituto Geográfico Português (2013). Áreas das freguesias, municípios e distritos/ilhas da CAOP 2013 (XLS-ZIP) Carta Administrativa Oficial de Portugal (CAOP), versão 2013 Direção-Geral do Território. Visitado em 28/11/2013.
  3. INE. Censos 2011 Resultados Definitivos – Região Algarve. Lisboa: Instituto Nacional de Estatística, 2012. p. 95. ISBN 978-989-25-0183-3 ISSN 0872-6493 Página visitada em 27/07/2013.
  4. INE (2012). Quadros de apuramento por freguesia (XLSX-ZIP) Censos 2011 (resultados definitivos) Instituto Nacional de Estatística. Visitado em 27/07/2013. "Tabelas anexas à publicação oficial; informação no separador "Q101_ALGARVE""
  5. Lei n.º 11-A/2013, de 28 de janeiro: Reorganização administrativa do território das freguesias. Anexo I. Diário da República, 1.ª Série, n.º 19, Suplemento, de 28/01/2013.
  6. Nobre, Idalina Nunes. Breve História de Albufeira (3ª ed.). Edição da Câmara Municipal de Albufeira, 2004.
  7. http://www.albufeira.pt/artigos/albufeira_2
  8. http://www.albufeira.pt/artigos/albufeira_2
  9. http://www.albufeira.pt/artigos/albufeira_2
  10. http://www.albufeira.pt/seguinte/albufeira_2/page:2
  11. http://www.albufeira.pt/seguinte/albufeira_2/page:2
  12. https://museusdoalgarve.wordpress.com/about/museu-municipal-de-arqueologia-de-albufeira/
  13. http://albufeira.pt/seguinte/o_que_fazer/page:3
  14. http://albufeira.pt/seguinte/o_que_fazer/page:3
  15. http://www.albufeira.pt/galerias
  16. http://www.albufeira.pt/galerias
  17. http://atracoesdealbufeira.blogspot.pt/p/centro-antigo-old-town.html
  18. http://atracoesdealbufeira.blogspot.pt/p/rua-da-oura.html
  19. http://atracoesdealbufeira.blogspot.pt/p/bairro-de-olhos-de-agua.html
  20. https://plus.google.com/112132599962789021916/about
  21. https://plus.google.com/118117367447778828621/about
  22. https://plus.google.com/106210471636002747778/about
  23. http://tvalbufeira.blogspot.com/2011/05/20-bandeiras-azuis-marcam-excelencia.html
  24. http://www.cm-albufeira.pt/portal_autarquico/albufeira/v_pt-PT/pagina_inicial/noticias/Nota-Imprensa_484-09.htm
  25. http://community.guinnessworldrecords.com/_O-maior-brinde-do-mundo/blog/1694971/7691.html
  26. http://www.anmp.pt/anmp/pro/mun1/gem101l0.php?cod_ent=M8200
  27. http://www.visitalgarve.pt/pressroom.file.php?fileID=165&file=guia_de_praias_pt_web.pdf

Ver também[editar | editar código-fonte]

Notas

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
Commons Imagens e media no Commons
Commons Categoria no Commons


Concelhos do Distrito de Faro (Algarve) Mapa da Grande Área Metropolitana do Algarve
Albufeira
Alcoutim
Aljezur
Castro Marim
Faro
Lagoa
Lagos
Loulé
Monchique
Olhão
Portimão
São Brás de Alportel
Silves (Portugal)
Tavira
Vila do Bispo
Vila Real de Santo António
Albufeira
Alcoutim
Aljezur
Castro Marim
Faro
Lagoa
Lagos
Loulé
Monchique
Olhão
Portimão
São Brás de Alportel
Silves
Tavira
Vila do Bispo
Vila Real de Santo António