PSA Peugeot Citroën

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Grupo PSA
Logo do Grupo PSA (em francês: Groupe PSA e antiga PSA Peugeot Citroën)
Razão social Peugeot S.A
Nome(s) anterior(es) PSA Peugeot Citroën
Tipo Empresa de capital aberto
Cotação Euronext Paris: UG
Indústria Automobilística
Fundação abril de 1976 (1976-04)
Sede Paris,  França
Área(s) servida(s) Em todo o mundo, exceto Índia, Estados Unidos e Canadá. Ingressou nos EUA com uma operação de viagem e começará a vender carros na América do Norte em 2020 e na Índia em 2018.
Proprietário(s) Dongfeng Motor Group (13.68%)
Estado francês (13.68%)
Família Peugeot (13.68%)
Pessoas-chave Carlos Tavares (CEO e Presidente do conselho de administração)
Thierry Peugeot (Presidente do conselho fiscal)
Empregados 184107 (Total 2015)[1]
Produtos Automóveis (73,8%)
Peças automotivas (21%)
Financiamento (2,8%)
Logística (2,2%)
Motociclos (0,2%)
Subsidiárias
Lucro 78.8% Aumento €2.149 bilhões (2016)[3]
Faturamento 1.2% Baixa €54.030 bilhões (2016)[3]
Website oficial www.groupe-psa.com

Grupo PSA (em francês: Groupe PSA) (informalmente PSA; conhecido como PSA Peugeot Citroën de 1991 até 2016) é uma indústria automotiva francesa que produz automóveis.

História[editar | editar código-fonte]

Em 1974 a Peugeot SA comprou uma participação de 38.2% na Citroën e posteriormente em 1976 aumentou esse percentual para 89.95%, criando o Grupo PSA. Em 1979 a PSA comprou os ativos da Chrysler Europe por 1 bilhão de dólares.[4] A operação gerou considerável prejuízo de 1980 a 1985 e neste período a PSA perdeu sua participação no segmento de modelos de luxo, não tendo recuperado essa posição até o momento.

Parcerias[editar | editar código-fonte]

A PSA tem parcerias com a Fiat denominadas Sevel (Société Européenne de Véhicules Légers SpA para a produção de utilitários e monovolumes nas fábricas de Sevel Nord e Sevel Sud.

Com a Toyota a PSA fundou a TPCA (Toyota Peugeot Citroën Automobile) fábrica na República Tcheca que produz os seguintes modelos desenvolvidos em parceria: Citroën C1, Peugeot 107 e Toyota Aygo.

A BMW e a PSA desenvolveram em parceria uma família de motores a gasolina de quatro cilindros, aspirado e turbo, para utilização nos modelos compactos e médios de ambas as empresas. Pelo lado da BMW esse motor seria inicialmente utilizado apenas nos MINI mas, devido à pressão para redução de custos, será o primeiro motor a equipar um modelo BMW (Série 1) que não foi desenvolvido exclusivamente pela empresa.

Com a Mitsubishi Motors a PSA negociou a utilização Mitsubishi Outlander para a produção dos seus primeiros SUVs, Citroën C-Crosser e Peugeot 4007. Os modelos serão produzidos pela Mitsubishi em Okazaki, Japão.

As diversas parcerias são regularmente indicadas como um dos principais fatores de sucesso da PSA, tendo em vista seus bons resultados mesmo diante dos mercados crescentemente e competitivos.

Após terem assinado a união em Fevereiro de 2012, a norte-americana General Motors e a francesa PSA Peugeot Citroën  já trabalham para desenvolver o primeiro fruto desta aliança. Segundo uma publicação do jornal estadunidense Wall Street Journal, as empresas pretendem desenvolver dois automóveis compactos de passeio a partir deste ano, o que mostra que a aliança entre os grupos irão além de estratégias de compras.

Em entrevista a publicação, Dan Akerson, diretor-presidente da GM, revelou que a parceria vai muito além de uma sociedade para o compartilhamento de peças de automóveis e das já ditas aquisições. Segundo o executivo, os modelos a serem desenvolvidos deverão ser vendidos no mercado a partir de 2016, e estão sendo criados especialmente para países da América do Sul, o que inclui o Brasil, com grandes chances de ganhar as ruas do restante do mundo. Fonte: Notícias Automotivas

Resgate de Opel[editar | editar código-fonte]

Em março de 2017, PSA comprou a marca alemã Opel ao grupo americano General Motors.[5]


Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]