Perfuração gastrointestinal

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Perfuração gastrointestinal
Ar livre sob o diafragma direito devido a um intestino perfurado
Classificação e recursos externos
CID-10 K63.1, S36.9
CID-9 569.83, 863.9
DiseasesDB 34042
MedlinePlus 000235
eMedicine 2822
A Wikipédia não é um consultório médico. Leia o aviso médico 

Perfuração gastrointestinal, é um buraco na parede da parte do trato gastrointestinal.[1] O trato gastrointestinal inclui o esôfago, estômago, intestino delgado e intestino grosso.[1][2] Sintomas incluem grave dor abdominal e dor ao toque na área envolvida.[1] Quando o buraco é no estômago ou parte inicial do intestino delgado, o início da dor geralmente é súbito, enquanto que com um buraco no intestino grosso o início pode ser mais gradual.[1] A dor geralmente é constante.[1] Sepse, com um aumento da frequência cardíaca, aumento da frequência respiratória, febre e confusão pode ocorrer.[1]

A causa pode incluir um trauma, como de um ferimento por faca, comer um objeto pontiagudo ou um procedimento médico, tais como colonoscopia, obstrução intestinal , tais como devido a um volvo, câncer de cólon, ou diverticulite, úlceras de estômago, isquêmica do cólon e uma série de infecções, incluindo C. difficile.[1] Um buraco permite que o conteúdo intestinal entre na cavidade abdominal.[1] A entrada de bactérias resulta em uma condição conhecida como a peritonite ou na formação de um abscesso.[1] Um buraco no estômago também pode levar a uma peritonite química devido ao ácido gástrico.[1] Uma Tomografia computadorizada é, normalmente, o método preferido de diagnóstico; no entanto, ar livre a partir de uma perfuração muitas vezes pode ser visto em raios-X simples.[1]

A perfuração em qualquer lugar ao longo do trato gastrointestinal, normalmente, requer uma cirurgia de emergência , na forma de uma laparotomia exploratória.[1] Ela é, geralmente, realizada em associação com a administração fluidos intravenosos e antibióticos.[1] Diferentes antibióticos podem ser utilizados, tais como piperacilina/tazobactam ou a combinação de ciprofloxacina e metronidazol.[3][4] Ocasionalmente, o furo pode ser costurado, enquanto que outras vezes, uma ressecção intestinal é necessária.[1] Mesmo com o máximo de tratamento o risco de morte pode chegar a 50%.[1] Um buraco de uma úlcera de estômago ocorre em cerca de 1 por cada 10.000 pessoas por ano, enquanto que um de diverticulite ocorre em cerca de 0,4 por 10.000 pessoas por ano.[5][2]

Sinais e sintomas[editar | editar código-fonte]

Súbita dor no epigástrio para a direita da linha mediana indica perfuração de uma úlcera duodenal. Em uma úlcera gástrica a perfuração cria uma história de dor em queimação na região epigástrica, com flatulência e dispepsia. Uma história de abuso de drogas e ingestão insuficiente ingestão de alimentos podem estar presentes.

Na perfuração intestinal, a dor começa a partir do local de perfuração e espalha-se por todo o abdómen.

Perfuração gastrointestinal resulta em graves dores abdominais intensificadas pelo movimento, náuseas, vômitos e hematemesis. Posteriormente, podem aparecer os sintomas de febre e/ou calafrios.[6]

Em qualquer caso, o abdômen torna-se rígido, com dor ao toque e dor à descompressão. Depois de algum tempo, o abdômen torna-se silencioso e sons do coração podem ser ouvidas em todas as partes. Paciente pára de eliminar flatos e contrair o intestino. O abdômen torna-se distendido.

Os sintomas de ruptura esofágica podem incluir início súbito de dor torácica.

Causas[editar | editar código-fonte]

Causas subjacentes incluem úlceras gástricas, úlceras duodenais, apendicite, câncer gastrointestinal, diverticulite, doença inflamatória intestinal, síndrome da artéria mesentérica superior, trauma e ascaridíase. A febre tifóide,[7] anti-inflamatprios não-esteróides,[8][9] a ingestão de corrosivos podem também ser responsáveis.[10]

Diagnóstico[editar | editar código-fonte]

Ao exame de raios x, o gás pode ser visível na cavidade abdominal. O gás é facilmente visualizado no raio-x , enquanto o paciente está na posição vertical. A perfuração pode muitas vezes ser visualizada utilizando a tomografia computadorizada. Células brancas do sangue estão, geralmente, aumentadas.

Tratamento[editar | editar código-fonte]

A intervenção cirúrgica é quase sempre necessária em forma de laparotomia exploratória e fechamento da perfuração com lavagem peritoneal. Ocasionalmente, eles podem ser tratados por laparoscopia.[11]

Tratamento conservador incluindo terapia intravenosa de fluidos, antibióticos, aspiração nasogástrica e descanso intestinal  é indicado somente se a pessoa apresenta sinais de redução da consciência e clinicamente estável.[citação necessários]

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. a b c d e f g h i j k l m n o Langell, JT; Mulvihill, SJ (maio de 2008). «Gastrointestinal perforation and the acute abdomen.». The Medical clinics of North America. 92 (3): 599-625, viii-ix. PMID 18387378 
  2. a b Domino, Frank J.; Baldor, Robert A. (2013). The 5-Minute Clinical Consult 2014 (em inglês). [S.l.]: Lippincott Williams & Wilkins. p. 1086. ISBN 9781451188509. Consultado em 4 de Agosto de 2016 
  3. Wong, PF; Gilliam, AD; Kumar, S; Shenfine, J; O'Dair, GN; Leaper, DJ (18 de Abril de 2005). «Antibiotic regimens for secondary peritonitis of gastrointestinal origin in adults.». The Cochrane database of systematic reviews (2): CD004539. PMID 15846719 
  4. Wilson, William C.; Grande, Christopher M.; Hoyt, David B. (2007). Trauma: Resuscitation, Perioperative Management, and Critical Care (em inglês). [S.l.]: CRC Press. p. 882. ISBN 9781420015263 
  5. Yeo, Charles J.; McFadden, David W.; Pemberton, John H.; Peters, Jeffrey H.; Matthews, Jeffrey B. (2012). Shackelford's Surgery of the Alimentary Tract (em inglês) 7 ed. [S.l.]: Elsevier Health Sciences. p. 701. ISBN 1455738077 
  6. Ansari, Parswa. «Acute Perforation». Merck Manuals. Consultado em 30 de junho de 2016 
  7. Sharma AK, Sharma RK, Sharma SK, Sharma A, Soni D (2013). «Typhoid Intestinal Perforation: 24 Perforations in One Patient». Ann Med Health Sci Res. 3 (Suppl1): S41–S43. PMC 3853607Acessível livremente. doi:10.4103/2141-9248.121220 
  8. R I Russell (2001). «Non-steroidal anti-inflammatory drugs and gastrointestinal damage—problems and solutions». Postgrad Med J. 77 (904): 82–88. doi:10.1136/pmj.77.904.82 
  9. Carlos Sostres; Carla J Gargallo; Angel Lanas (2013). «Nonsteroidal anti-inflammatory drugs and upper and lower gastrointestinal mucosal damage». Arthritis Res Ther. 15 (Suppl 3): S3. PMC 3890944Acessível livremente. doi:10.1186/ar4175 
  10. Ramasamy, Kovil; Gumaste, Vivek V. (2003). «Corrosive Ingestion in Adults». Journal of Clinical Gastroenterology:. 37 (2): 119–124 
  11. Rustagi, T; McCarty, TR; Aslanian, HR (2015). «Endoscopic Treatment of Gastrointestinal Perforations, Leaks, and Fistulae.». Journal of clinical gastroenterology. 49 (10): 804-9. PMID 26325190 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]