Roberto Lopes Miranda

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Roberto Miranda
Informações pessoais
Nome completo Roberto Lopes de Miranda
Data de nasc. 31 de julho de 1943 (73 anos)
Local de nasc. São Gonçalo (RJ),  Brasil
Apelido Vendaval[1]
Informações profissionais
Posição Atacante
Clubes profissionais
Anos Clubes Jogos e gol(o)s
1962-1972
1971-
1973-1976
Brasil Botafogo
Brasil Flamengo
Brasil Corinthians
351 (152)
11(3)
77 (21)
Seleção nacional
1967-1972 Brasil Brasil 12(6)

Roberto Lopes de Miranda, mais conhecido como Roberto Miranda (São Gonçalo, 31 de julho de 1943), é um ex-futebolista brasileiro que atuava como atacante.

Carreira[editar | editar código-fonte]

Atuou pelo Botafogo de 1960- ainda juvenil - a 1972, pelo Flamengo parte do ano de 1971 e pelo Corinthians de 1973 a 1976. Raçudo, chegou a quebrar costela, braço, clavícula e queixo e ainda rompeu o tendão de Aquiles - aqui, uma curiosidade, foi um acidente doméstico, numa queda de um litro (vidro) de leite.[2] Tinha fama de "não fugir do pau", que cresceu quando, logo depois de marcar o gol de empate em uma partida contra o Vasco, tomou um tapa do zagueiro Fontana e revidou, o que gerou uma enorme briga e causou a expulsão de ambos.[2]

No Corinthians, aonde chegou trocado pelo lateral Miranda, jogou pouco, por causa de diversas contusões.[3] Uma operação no joelho direito acabou por fazê-lo encerrar prematuramente a carreira, ainda no Corinthians.[2]

Apelidado de Vendaval pela maneira como passava pelas defesas adversárias, Roberto Miranda é o nono maior artilheiro da história do Botafogo, com 154 gols em 352 jogos. Foi ainda o artilheiro do Campeonato Carioca de 1968.[4] Pela Seleção Brasileira, fez 18 partidas oficiais e marcou nove gols.[5] Também atuou em dois jogos não oficiais, ambos em 1970, e marcou um gol.[5]

Em sua carreira de jogador conquistou diversos títulos, como os Campeonatos Cariocas de 1962, 1967 e 1968 e os Torneio Roberto Gomes Pedrosa nos anos de 1964 e 1966, Campeonato Brasileiro de Futebol de 1968, Tri-campeão da Copa do Mundo de Clubes (1967,1968 e 1970), Campeão do torneio de Carranza da Argentina: 1966 e do troféu Jornalista de Caracas: 1966 todos pelo Botafogo, e a Copa do Mundo de 1970, pela Seleção Brasileira — a maior emoção de sua vida.[2] Na campanha do Tri, ficou na reserva de Tostão, mas entrou em campo contra Inglaterra e Peru,[4] na primeira partida substituindo Tostão e, na segunda, Jairzinho.[6]

Notas

  1. http://odia.ig.com.br/esporte/2014-01-18/por-onde-anda-o-vendaval-roberto-miranda.html
  2. a b c d "Ainda de olho no bicho", Placar número 901, 7/9/1987, Editora Abril, pág. 52
  3. Celso Dario Unzelte, Almanaque do Timão, Editora Abril, 2000, pág. 511
  4. a b Enciclopédia do Futebol Brasileiro Lance!, Areté Editorial, 2001, pág. 335
  5. a b "A história em seus pés", Placar número 1094, maio de 1994, Editora Abril, pág. 100
  6. "O Brasil em campo", Placar número 1094, maio de 1994, Editora Abril, págs. 35-36
Bandeira de BrasilSoccer icon Este artigo sobre um futebolista brasileiro é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.