José Roberto Marques

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Zé Roberto
Informações pessoais
Nome completo José Roberto Marques
Data de nasc. 31 de maio de 1945
Local de nasc. São Paulo,  Brasil
Nacionalidade brasileiro
Falecido em 7 de maio de 2016 (70 anos)
Apelido Gazela
Informações profissionais
Posição Atacante

José Roberto Marques, também conhecido por Zé Roberto ou Gazela (São Paulo, 31 de maio de 1945 - Serra Negra, 7 de maio de 2016), foi um futebolista brasileiro.[1] Atuando como atacante, meia ou ponta de lança, jogou em grandes clubes do Brasil e participou da Olimpíada de 1964.[2][3][4]

Zé Roberto é um dos poucos ídolos de duas torcidas rivais, pois jogou com destaque no Atlético Paranaense e no Coritiba.[5]

Carreira[editar | editar código-fonte]

Filho de Jerônimo, que defendeu o Corinthians na década de 1940, sua carreira iniciou-se na base do Botafogo de Ribeirão Preto em 1960, mas em 1962 entrou para o juvenil do São Paulo. Foi no próprio Tricolor Paulista que ocorreu a sua estreia como profissional, sendo também deste período sua convocação para a seleção olímpica.[6]

Depois de uma passagem pelo Guarani, foi emprestado para o Atlético Paranaense, em 1968, sendo o artilheiro do Campeonato Paranaense e atacante do Rubro-Negro no Robertão.[7] Retornou para o São Paulo no ano seguinte e seria um dos principais destaques na conquista do Campeonato Paulista de 1970,[8] mas voltaria ao Paraná em 1971, para defender o Coritiba, novamente por empréstimo. Estreou com a camisa alviverde em 17 de fevereiro, num amistoso internacional, quando o Coxa enfrentou o Rapid de Bucareste.

O jogador voltou ao São Paulo para o Campeonato Brasileiro, porém uma distensão muscular afastou-o dos gramados até o fim da temporada.[9] Num amistoso contra o Atlético Mineiro, em janeiro de 1972, teve sua disposição questionada pelo técnico Alfredo Ramos, que o deixou treinando apenas fisicamente até recuperar o ritmo de jogo.[10] Como ele se negou a seguir os exercícios determinados, acabou multado pelo diretor de Futebol, Manuel Poço.[10] No amistoso seguinte, contra a Ponte Preta, Alfredo chegou a dizer que Zé Roberto teria sua última chance para garantir seu lugar no time,[11], porém, depois do jogo, o treinador desmentiu suas próprias declarações do dia anterior.[10] Zé Roberto sofreu uma contusão durante a Libertadores, quando se imaginou que ele poderia novamente ficar afastado por um longo tempo.[12] Mesmo liberado pelos médicos uma semana depois,[13] os médicos não descartavam a possibilidade de uma cirurgia no menisco[14] — após um mês, entretanto, ele voltou aos treinamentos.[15]

Disputando posição com Toninho Guerreiro,[16] Zé Roberto não se firmou e, em maio, pediu que a diretoria facilitasse sua venda para o Atlético Paranaense.[17] Poço avisou que poderia até emprestar o passe do jogador, mas que, em caso de venda, só aceitaria se fossem oferecidos mais de trezentos mil cruzeiros.[18] Quem apareceu com o valor foi o Coritiba[19], que ainda pagou cinquenta mil cruzeiros pelo empréstimo do ano anterior e outros 45 mil cruzeiros a Zé Roberto, como os 15% a que tinha direito.[20] No Coritiba, foi campeão estadual de 1971, 1972 e 1973, além de ter vencido o Torneio do Povo.[21] Ele também ganhou a Bola de Prata da revista Placar, por suas atuações pelo Coxa no Campeonato Brasileiro de 1972. "Com passagem também pelo Atlético-PR, antes de se tornar ídolo do Verdão, Zé Roberto é sem dúvida uma das maiores referências futebolísticas do futebol do estado Paraná", escreveu o site oficial do Coritiba, quando de sua morte.[22]

Apesar dos títulos, em 1974, após o Campeonato Brasileiro, estava desgastado com a torcida[8] e foi sondado pelo Corinthians.[23] O Coritiba estipulou em quinhentos mil cruzeiros o preço de seu passe, mas o clube paulista esperava uma redução, devido à dívida do clube paranaense quando da compra do passe de Nélson Lopes.[23] Durante as negociações, Zé Roberto chegou a visitar o Parque São Jorge e, quando um torcedor perguntou se ele estava "procurando emprego", respondeu que era uma "visita de cortesia".[24] Seu passe acabou comprado em 31 de julho, por 313 mil cruzeiros.[8] Sem treinar havia quinze dias, seu primeiro teste de capacidade física no novo clube foi ruim.[8] Diante da fama de indisciplinado que tinha ao chegar, garantia estar mudado: "Chega de criancice. Hoje não sou mais aquele moleque, pois tenho duas filhas para criar."[8] Ele tinha feito a mesma promessa para o presidente do clube, Vicente Matheus.[25] "Que o homem é bom de bola, eu acho que não há dúvidas", elogiou Matheus. "O seu comportamento fora de campo é que pode ser criticado, mas, antes de acertarmos com o Coritiba, conversamos com ele, que nos prometeu que agora vai agir com juízo."[25]

O atacante ficaria pouco mais de um ano no Corinthians, sendo vendido ao Grêmio Maringá no final de 1975.[26]

Zé Roberto morreu em 7 de maio de 2016, aos setenta anos.[1]

Referências

  1. a b Diogo Souza (7 de maio de 2016). «Ídolo de Atlético e Coritiba, Zé Roberto morre aos 70 anos». Portal Paraná-Online. Consultado em 7 de maio de 2016 
  2. José Roberto "Zé Roberto" Marques - Brazil - Football - 1964 SR/Olympics Sports
  3. Zé Roberto diz que partida se ganha no vestiário Tribuna do Paraná
  4. Search for a Player Site FIFA
  5. Emoção na homenagem a Zé Roberto Globo Esporte
  6. Zé Roberto - Ex-centroavante do São Paulo e Corinthians Terceiro Tempo
  7. Zé Roberto, um dos maiores jogadores do Paraná Tribuna do Paraná
  8. a b c d e «Já no Coríntians, Zé Roberto é um jogador de muitas promessas». São Paulo: S.A. O Estado de S. Paulo. O Estado de S. Paulo (30 473). 23 páginas. 31 de julho de 1974. ISSN 1516-2931. Consultado em 30 de outubro de 2016 
  9. «São Paulo contra a Ponte hoje no Morumbi». Folha de S. Paulo (15 578). São Paulo: Empresa Folha da Manhã S/A. 9 de fevereiro de 1972. 28 páginas. ISSN 1414-5723. Consultado em 29 de outubro de 2016 
  10. a b c «Alfredo gostou de Zé Roberto». São Paulo: S.A. O Estado de S. Paulo. O Estado de S. Paulo (29 711). 35 páginas. 10 de fevereiro de 1972. ISSN 1516-2931. Consultado em 29 de outubro de 2016 
  11. «Contra a Ponte, a última chance de Zé Roberto». São Paulo: S.A. O Estado de S. Paulo. O Estado de S. Paulo (29 710). 23 páginas. 9 de fevereiro de 1972. ISSN 1516-2931. Consultado em 29 de outubro de 2016 
  12. «Alfredo viu o treino do Olimpia». Folha de S. Paulo (15 602). São Paulo: Empresa Folha da Manhã S/A. 4 de março de 1972. 27 páginas. ISSN 1414-5723. Consultado em 29 de outubro de 2016 
  13. «Terto está hospitalizado». Folha de S. Paulo (15 602). São Paulo: Empresa Folha da Manhã S/A. 7 de março de 1972. 31 páginas. ISSN 1414-5723. Consultado em 29 de outubro de 2016 
  14. «Reservas vencem no coletivo do São Paulo». Folha de S. Paulo (15 626). São Paulo: Empresa Folha da Manhã S/A. 31 de março de 1972. 14 páginas. ISSN 1414-5723. Consultado em 29 de outubro de 2016 
  15. «São Paulo antecipa jogo com vistas à Libertadores». Folha de S. Paulo (15 631). São Paulo: Empresa Folha da Manhã S/A. 5 de abril de 1972. 24 páginas. ISSN 1414-5723. Consultado em 29 de outubro de 2016 
  16. «Alfredo viu o treino do Olimpia». Folha de S. Paulo (15 598). São Paulo: Empresa Folha da Manhã S/A. 29 de fevereiro de 1972. 32 páginas. ISSN 1414-5723. Consultado em 29 de outubro de 2016 
  17. «Zé Roberto pede para ser vendido». Folha de S. Paulo (15 672). São Paulo: Empresa Folha da Manhã S/A. 13 de maio de 1972. 23 páginas. ISSN 1414-5723. Consultado em 29 de outubro de 2016 
  18. «Alfredo: tática de Brandão é velha». Folha de S. Paulo (15 675). São Paulo: Empresa Folha da Manhã S/A. 16 de maio de 1972. 35 páginas. ISSN 1414-5723. Consultado em 29 de outubro de 2016 
  19. «Gols e esperança do título, os bons motivos de Toninho». Folha de S. Paulo (15 678). São Paulo: Empresa Folha da Manhã S/A. 19 de maio de 1972. 19 páginas. ISSN 1414-5723. Consultado em 29 de outubro de 2016 
  20. «Rocha reclama, ele queria ficar». São Paulo: S.A. O Estado de S. Paulo. O Estado de S. Paulo (29 797). 34 páginas. 23 de maio de 1972. ISSN 1516-2931. Consultado em 29 de outubro de 2016 
  21. Zé Roberto, o maior encrenqueiro Tribuna do Paraná
  22. «Morre o ex-atacante Zé Roberto, ídolo de Coritiba e Atlético-PR». ESPN. 7 de maio de 2016. Consultado em 30 de outubro de 2016 
  23. a b «Coríntians fica só no plano de contratar 5». São Paulo: S.A. O Estado de S. Paulo. O Estado de S. Paulo (30 469). 23 páginas. 26 de julho de 1974. ISSN 1516-2931. Consultado em 30 de outubro de 2016 
  24. «Três discursos, o novo técnico é a esperança». São Paulo: S.A. O Estado de S. Paulo. O Estado de S. Paulo (30 464). 20 páginas. 20 de julho de 1974. ISSN 1516-2931. Consultado em 30 de outubro de 2016 
  25. a b «Coríntians garante Galli, mantém Severo, mas devolve outros três». São Paulo: S.A. O Estado de S. Paulo. O Estado de S. Paulo (30 474). 34 páginas. 1 de agosto de 1974. ISSN 1516-2931. Consultado em 30 de outubro de 2016 
  26. «No inseguro Coríntians, a chance do Guarani». São Paulo: S.A. O Estado de S. Paulo. O Estado de S. Paulo (30 887). 27 páginas. 3 de dezembro de 1975. ISSN 1516-2931. Consultado em 30 de outubro de 2016