Jairzinho

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Jair Ventura Filho)
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Question book-4.svg
Esta página cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde julho de 2016). Ajude a inserir referências. Conteúdo não verificável poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Disambig grey.svg Nota: Este artigo é sobre o futebolista. Para o cantor, veja Jair Oliveira.
Jairzinho
Jairzinho 1974.jpg
Jairzinho na Copa do Mundo de 1974
Informações pessoais
Nome completo Jair Ventura Filho
Data de nasc. 25 de dezembro de 1944 (74 anos)
Local de nasc. Rio de Janeiro (RJ), Brasil
Nacionalidade brasileiro
Altura 1,74 m
Apelido Furacão da Copa
Informações profissionais
Equipa atual Aposentado
Posição ex-Treinador
ex-Ponta-direita
ex-Ponta-de-lança
Clubes profissionais
Anos Clubes Jogos (golos)
1959–1974
1974–1975
1976
1977
1978–1979
1979
1980–1981
1981
Botafogo
Olympique Marseille
Cruzeiro
Portuguesa
Noroeste
Fast Clube
Jorge Wilstermann
Botafogo
00413 00(186)
00018 0000(9)
00000 0000(0)
00000 0000(0)
00010 0000(2)
00002 0000(0)
00000 0000(0)
00000 0000(0)
Seleção nacional
1963
1964–1982
Brasil Sub-23
Brasil
00004 0000(2)
00105 000(44)[1]
Times/Equipas que treinou
1982 Nineth October
Botafogo
Londrina
Al-Wahda
Bonsucesso
Mesquita
São Cristóvão
Kalamata
Ettifaq FC [2]
Medalhas
Jogos Pan-Americanos
Ouro São Paulo 1963 Futebol

Jair Ventura Filho ou Jairzinho (Rio de Janeiro, 25 de dezembro de 1944), é um ex-futebolista brasileiro que atuava como ponta-direita ou ponta-de-lança.

Um dos heróis da Copa de 70, ocasião em que o Brasil conquistou em definitivo a Taça Jules Rimet ao sagrar-se tricampeão, foi peça fundamental desta conquista, ganhando o apelido de Furacão da Copa por ter feito gols em todas as partidas — façanha até hoje não igualada. Com nove gols marcados em 1966, 1970 e 1974 é, ao lado dos pernambucanos Vavá e Ademir de Menezes, o terceiro maior artilheiro da Seleção Brasileira na história das Copas do Mundo.[3]

Ponta-de-lança no Botafogo, usava a camisa 7 quando defendia a Seleção Brasileira pela qual jogou 107 partidas (81 oficiais) e marcou 44 gols (33 em jogos oficiais).[4] Também participou das copas de 1966 e 1974.

Seu filho, Jair Ventura, atualmente está desempregado.[5]

Reconhecimento[editar | editar código-fonte]

Camisa 7 na Seleção Brasileira.

Tostão, também campeão do Mundo em 1970, depois cronista esportivo de muita credibilidade, considera-o como um dos maiores craques brasileiros de todos os tempos.

João Saldanha, talvez o maior cronista esportivo brasileiro, ao final da copa de 70 colocou-o como um dos três maiores craques do Tri, ao lado de Pelé e Gérson.

Sir Alfred Ramsay, técnico da seleção inglesa campeão de 1966 e que fez o melhor jogo da copa de 70 justamente contra o Brasil, afirmou que mesmo Pelé não era tão difícil de ser marcado quanto Jairzinho, elegendo-o como o maior fator de desequilíbrio a favor do Brasil naquela memorável conquista da Seleção Brasileira.

Considerado por ex-companheiros de profissão e pela parte mais categorizada da crônica esportiva brasileira e estrangeira como um dos maiores atacantes de todos os tempos, unia em doses excepcionais técnica, velocidade, força, preparo físico e valentia, características que o imortalizaram como um dos maiores ídolos do Botafogo de Futebol e Regatas, além de outros clubes pelos quais passou, caso do Cruzeiro e do Olimpique de Marseille.

Carreira[editar | editar código-fonte]

Começa em 1958 como gandula em General Severiano, sede do Botafogo. Em 1961, foi campeão pela primeira vez, jogando no juvenil do clube. Foi tricampeão na categoria em 61, 62 e 63. Assumiu a posição de titular em 63 no Campeonato Carioca e três anos depois disputava sua primeira Copa do Mundo.

A família de Jairzinho foi uma das principais responsáveis por traçar o caminho do jovem ao Botafogo quando se mudou para os arredores de General Severiano, território do clube alvinegro. O garoto, que já mostrava muito talento desde pequeno, começou a fazer testes no Glorioso no começo dos anos 60, tendo grande destaque nas equipes juvenis do clube e conquistando seu espaço rapidamente. Com o privilégio de atuar ao lado de craques como Nilton Santos, Quarentinha, Amarildo, Didi, Gérson e, claro, Garrincha, o jovem tinha o ambiente perfeito para brilhar e aprender como se tornar um dos grandes atacantes do esporte mundial. Jairzinho ainda brilhou nas excursões do Botafogo pela Europa e América Latina, que renderam títulos amistosos, reconhecimento e popularidade não só ao jogador, mas também ao clube. O jogador teve destaque, também, pela seleção brasileira, principalmente após a conquista dos Jogos Pan Americanos de 1963, em São Paulo, que, segundo o próprio Jairzinho, ajudou a projetá-lo para o futebol.

Chegou ao Botafogo na Era de Ouro do clube, que reunia naquele momento a maior plêiade de craques do futebol brasileiro e mundial, com um elenco que somente o brilhante Santos daquela mesma época rivalizava.

Os craques que o então menino Jairzinho via treinar enquanto era gandula em General Severiano eram Didi, Nilton Santos, Amarildo, Quarentinha, e, principalmente, o genial Garrincha, maior responsável pelo Bicampeonato mundial brasileiro de 58 e 62.

Num ambiente tão propício ao talento, não é de surpreender que o promissor Jairzinho tanto aprendesse e logo despontasse como craque-prodígio, no momento em que teve a chance de ingressar nas categorias de base do Botafogo.

Sua primeira passagem pela Seleção Brasileira foi na conquista do Pan-Americano de 1963, disputado em São Paulo.

A partir daí, substituindo Garrincha no Botafogo, que formou um outro grande time após o da geração de Garrincha, Didi e Nílton Santos, agora contando com o próprio Jairzinho, Gérson, Arlindo, Roberto Miranda, depois com a revelação de craques como Rogério, Paulo César, Afonsinho, Nei Conceição e Zequinha, era questão de tempo que se afirmasse como craque e titular absoluto da Seleção Canarinho, o que de fato ocorreu após a Copa de 1966.

Muitos afirmam que Jairzinho foi, entre as Copas de 66 e 74, o melhor atacante do futebol mundial. As conquistas consecutivas no Brasil e as vitoriosas excursões ao exterior do Botafogo confirmam tal avaliação. Mesmo na Copa de 1974, quando o Brasil não mostrou um futebol comparável ao de 1970, a Seleção conquistou um honroso 4º lugar, classificação que as seleções de 82, 86, 1990, 2006 e 2010 nem de perto alcançaram. Ainda antes da Copa de 1974, fez três gols (sendo um deles de "letra") no histórico jogo em que o Botafogo fez 6 x 0 no Flamengo em 1972, no dia do aniversário do rival (15 de novembro).

Ficou no Botafogo até dezembro de1974, quando foi vendido para o Olympique de Marselha. No entanto, sua estadia na equipe francesa não durou muito tempo. Ele chegou em Marselha já machucado e teve que esperar 2 meses para poder atuar na equipe. No dia 13 de maio de 1975, durante a partida de volta das quartas de final da Copa da França, contra o Paris Saint Germain (2-2), ele foi acusado de agredir o bandeirinha e, apesar de se considerar inocente, foi condenado a 2 anos de suspensão. Voltou ao futebol brasileiro após pouco mais de um ano e foi campeão da Libertadores em 1976 pelo Cruzeiro, jogando num dos melhores elencos já montado pelo time mineiro, jogando ao lado de Raul Plassman, Nelinho, Joãozinho,Wilson Piazza, Zé Carlos e Palhinha.

Em 1981, já em final de carreira, retornou ao Botafogo .

Em 2006, foi homenageado pelo Botafogo com o lançamento de uma camisa comemorativa com sua assinatura em dourado, seu nome e o número 7 as costas.

Em 2008, foi candidato a vereador na cidade do Rio de janeiro pelo PC do B, tendo sua candidatura indeferida pelo TRE.[6]

Em 2011, mais uma homenagem: A inauguração de sua estátua na entrada do Engenhão, estádio do Botafogo, ao lado das estátuas de Garrincha e Nilton Santos, projeto bancado pela torcida.

Títulos[editar | editar código-fonte]

Internacionais
Competição Título Equipe Temporada
Brasil Jogos Pan-americanos 1 Seleção Brasileira 1963
Bolívia Torneio Jubileu de Ouro da Associação de Futebol de La Paz 1 Botafogo 1964
Argentina Torneio Quadrangular de Buenos Aires 1 Botafogo 1964
Suriname Torneio Quadrangular do Suriname 1 Botafogo 1964
Venezuela Taça Círculo de Periódicos Esportivos 1 Botafogo 1966
Argentina Copa Carranza de Buenos Aires 1 Botafogo 1966
Venezuela Pequena Copa do Mundo 3 Botafogo 1967 - 1968 - 1970
México Torneio Hexagonal do México 1 Botafogo 1968
México Copa do Mundo FIFA 1 Seleção Brasileira 1970
Brasil Taça Independência-Minicopa 1 Seleção Brasileira 1972
Flags of the Union of South American Nations.gif  Copa Libertadores da América Taça Libertadores da América 1 Cruzeiro 1976
Nacionais
Competição Título Equipe Temporada
Brasil Campeonato Brasileiro 1 Botafogo 1968
Bolívia Campeonato Boliviano 2 Jorge Wilstermann 1980 - 1981
Interestaduais
Competição Título Equipe Temporada
Minas Gerais Torneio Governador Magalhães Pinto 1 Botafogo 1964
Rio de JaneiroSão Paulo Torneio Roberto Gomes Pedrosa 2 Botafogo 1964 - 1966
Estaduais
Competição Título Equipe Temporada
Rio de Janeiro Campeonato Carioca de Juvenis 3 Botafogo 1961 - 1962 - 1963
Rio de Janeiro Taça Guanabara 2 Botafogo 1967 - 1968
Rio de Janeiro Campeonato Carioca 2 Botafogo 1967 - 1968
Minas Gerais Campeonato Mineiro 1 Cruzeiro 1975

Prêmios Individuais[editar | editar código-fonte]

Em 1970.

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]