Rodovia Hélio Smidt

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Rodovia Helio Smidt)
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Rodovia Helio Smidt
BR-610 SP.svg SP-019.svg
Identificador  SP-19, BR-610 
Tipo Rodovia de Eixo
Inauguração 1985
Legislação Decreto n° 31.825/90, Lei n° 7.824/91, Decreto n° 49.444/05
Extensão 5,00 km (3,10 mi)
Projetado: 9,00 km (5,6 mi)
Extremos
 • Sul:
 • Norte:

SP-070.png Rodovia Ayrton Senna em Guarulhos, SP
Aeroporto Internacional de Guarulhos, Rodoanel Mário Covas
Interseções BR 116.png Dutra
Rodovia Ayrton Senna
Concessionária Ecopistas (EcoRodovias)
GRU Airport (Invepar/ACSA)

A Rodovia Helio Smidt tem seu traçado inteiramente localizado na cidade de Guarulhos, ligando a Rodovia Ayrton Senna ao Aeroporto Internacional de Cumbica passando pelos bairros Várzea do Palácio, Cidade Satélite de Cumbica, Parque CECAP e Taboão.

Descrição da rodovia[editar | editar código-fonte]

Trata-se de uma rodovia estadual de eixo[1]. A rodovia conta com pista quádrupla em toda sua extensão. É administrada pela EcoPistas entre os quilômetros 0,00 e 2,40 e pela concessionária do Aeroporto de Guarulhos entre os quilômetros 2,41 e 5,00.[2] Com a construção do Rodoanel norte, pretende-se estender a rodovia por 4 km, permitindo acesso ao anel viário.[3]

Possui tráfego pesado das pessoas que se deslocam para o aeroporto, tanto para viagem quanto para trabalho, bem como os militares da Base Aérea de São Paulo. É utilizada pelo transporte público para acesso à Ayrton Senna e ao Aeroporto, mas predomina o transporte particular.

Por se tratar de uma via de trânsito rápido com pista tripla ou quádrupla, pode-se desenvolver nela 80 ou 90 Km/h[4]. Apesar de estar localizada no meio do município de Guarulhos, não está margeada pela cidade - isto porque à esquerda (sentido aeroporto) encontra-se o Rio Baquirivú e à direita encontra-se a Base Aérea - sendo possível considerá-la uma ruptura urbana.

Algumas medidas tomadas com relação às rodovia impedem sua utilização pela população da cidade, como, por exemplo, o fechamento da ponte que ligava o Jd. Malvinas à rodovia.

Intersecções[editar | editar código-fonte]

Possui intersecção com a Rodovia Ayrton Senna (SP-070), no quilômetro 1 e com a Rodovia Presidente Dutra (antiga SP-060, atual trecho Rio-São Paulo da BR-116), no quilômetro 2. Dá acesso à Avenida Monteiro Lobato e a Estação Aeroporto-Guarulhos da Linha 13 - Jade da CPTM.

Legislação[editar | editar código-fonte]

Com o advento do projeto do Aeroporto Internacional de Cumbica, fez-se necessária a construção de uma ligação entre o aeroporto e as vias de acesso às cidades vizinhas.

A rodovia foi construída pela Desenvolvimento Rodoviário S.A. (DERSA), autarquia que a geriu até meados de 2006, quando foi transferida para a EcoPistas (concessão Ayrton Senna e Helio Smidt) e para a Infraero (posteriormente para a GRU Airport, quando o aeroporto foi concedido a iniciativa privada.

Em 1990, Orestes Quércia decreta e, em 1991, Luiz Antônio Fleury transforma em lei a nomeação da rodovia, homenageando o recém falecido presidente-fundador da Varig.

Concessionárias e serviços[editar | editar código-fonte]

A EcoPistas tem jurisdição sob a rodovia entre os quilômetros 0,00 e 2,40. A concessionária GRU Aiport, por meio da Invepar e ACSA, gere a rodovia entre os quilômetros 2,41 e 5,00.

As concessionárias não oferecem serviços como Unidade(s) Básica(s) de Atendimento, posto(s) de policiamento, câmera(s) online, radar(es), pátio(s), balança(s) ou pedágio(s) para os usuários da rodovia. A fiscalização é feita pela Polícia Rodoviária Federal.

Condição física da rodovia (12/2018)[editar | editar código-fonte]

A rodovia apresenta pavimento em bom estado, com irregularidade baixa e sem deformação plástica significativa. Apresenta sinalização viária horizontal e vertical em perfeito estado de conservação[5].

Projetos[editar | editar código-fonte]

Com a construção do trecho norte do Rodoanel Mário Covas, a rodovia será prolongada por mais 4 quilômetros até o entroncamento de ambas as rodovias, dando acesso ao sistema de descentralização de transportes da região metropolitana.

Referências

  1. «Denominações». Departamento de Estradas de Rodagem DER-SP. 2012. Consultado em 23 de julho de 2017 
  2. «Pesquisa de Rodovias». Departamento de Estradas de Rodagem - DER-SP. Consultado em 23 de julho de 2017 
  3. «Trecho Norte - Estudo de Impacto Ambiental». DERSA. Set/2010. Consultado em 6 de julho de 2014  Verifique data em: |data= (ajuda)pág.24
  4. «Sinalização de Regulamentação de Velocidades - Procedimentos» (PDF). Departamento de Estradas de Rodagem DER-SP. 2012. Consultado em 23 de julho de 2017 
  5. «Diretrizes e Procedimentos para Serviços de Conservação Especial Incluindo a Identificação de Defeitos e Definições de Soluções para Restauração de Pavimentos Rodoviários e da Sinalização Horizontal» (PDF). Secretaria [de estado] dos Transportes - Departamento de Estradas de Rodagem. 2013. Consultado em 23 de julho de 2017