Zoé Samudzi

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Zoé Samudzi
Samudzi faz uma fala no Code Pink em 2020
Alma mater Northwest Missouri State University
University of Pittsburgh
London School of Economics
University of California, San Francisco


Zoé Samudzi é uma escritora e ativista zimbabuense-americana, conhecida por seu livro As Black as Resistance. Samudzi escreveu para as revistas The New Inquiry, The Daily Beast e Vice. Samudzi foi um 'Public Imagination Fellow' em 2017 no Yerba Buena Center for the Arts.

Escrita e carreira[editar | editar código-fonte]

Em 2018, Samudzi e William Anderson publicaram seu livro, As Black as Resistance, que clamava por um novo tipo de política para os negros americanos.[1] Seu trabalho com Anderson sobre o antifascismo negro observa que "as formações radicais negras são, elas mesmas, fundamentalmente antifascistas, apesar de funcionarem fora dos espaços antifascistas 'convencionais'.".[2] Ela faz uma crítica ao antifascismo branco afirmando que ele falha em explicar o fato de que "o fascismo americano é uma evolução das formas carcerárias do Estado que foram fundadas no genocídio das comunidades indígenas pelos colonos e na escravidão dos negros". Até que os anti-fascistas brancos façam mais do que repetir slogans Black Lives Matter e "assimilar completamente os pensadores não-brancos no corpo de conhecimento em que contamos para combater o fascismo", eles não serão capazes de lidar propriamente com a complexidade do movimento antifascista dos EUA.[3]

Samudzi é uma feminista interseccional, defendendo que 'mulher' não é uma categoria abrangente que por si só define todas as nossas relações com o poder”.[4] Samudzi descreveu a pandemia COVID-19 como uma “pandemia do movimento ocidental”.[5] Ela investigou as razões pelas quais a doença do coronavírus afetou desproporcionalmente a comunidade negra, e escreveu sobre o legado do apartheid visível na resposta atual do COVID da Namíbia.[6][7]

No Juneteenth de 2020 a frase de Samudzi, “Não estamos prontos para lutar porque amamos lutar. Estamos prontos para lutar porque vale a pena lutar”, foi eleito pelo Bustle como uma das melhores citações para se inspirar na luta por justiça racial.[8]

Arte e trabalhos criativos[editar | editar código-fonte]

Em 2018, Samudizi fez a curadoria de uma mostra de arte na galeria Ashara Ekundayo em Oakland, Califórnia,[9] que é dedicada a artistas negras.[9] Ela fazia parte de um coletivo de filmes de Oakland com cinco membros chamado The Black Aesthetic, dedicado a destacar "a multidimensionalidade da negritude em filmes pouco apreciados ou obras de cineastas emergentes, que apresentaram exibições e palestras por três temporadas".[10] Samudzi desempenhava frequentemente o papel de acadêmico visitante, conduzindo discussões sobre filmes após as exibições.[11] O East Bay Express descreveu Samudzi como a" Melhor Voz para um Novo Futuro Radical. "[12]

Infância e educação[editar | editar código-fonte]

Os pais de Samudzi são do Zimbábue e cresceram na África colonial britânica.[13][14] Ela frequentou a Northwest Missouri State University (então Missouri Academy of Sciences), onde participou do Modelo das Nações Unidas .[15] Ela era estudante de graduação na Universidade de Pittsburgh, onde estudou ciências políticas e estudos africanos. Enquanto estava na Universidade de Pittsburgh, Samudzi participou de um comício em resposta ao assassinato de Trayvon Martin, onde pediu a responsabilização da polícia e do governo.[16]

Em 2013, Samudzi mudou-se para Londres, onde concluiu um programa de mestrado na London School of Economics . Ela é pesquisadora de doutorado na Universidade da Califórnia, em San Francisco, onde estuda o colonialismo alemão, o genocídio herero e namaqua e o papel da ciência na identidade indígena e negra.[17] Ela estudou as barreiras que as pessoas trans enfrentam para ter acesso à saúde, contextualizando a saúde trans dentro de "sistemas maiores de opressão".[18]

Publicações selecionadas[editar | editar código-fonte]


Referências[editar | editar código-fonte]

  1. Samudzi, Zoé; Anderson, William C. (5 de junho de 2018). As black as resistance : finding the conditions for liberation. Chico, CA: [s.n.] ISBN 978-1-84935-315-1. OCLC 1037813731 
  2. «Everything You Need to Know About Antifa and How to Talk About It». www.vice.com (em inglês). Consultado em 9 de julho de 2020 
  3. «Searching for Black Thought in White Antifascism». Jewish Currents. 1 de agosto de 2019. Consultado em 11 de julho de 2020 
  4. «StackPath». www.womankind.org.uk. Consultado em 9 de julho de 2020 
  5. «What coronavirus teaches us about colonialism and the privilege of certain passports». gal-dem (em inglês). 31 de março de 2020. Consultado em 9 de julho de 2020 
  6. «ROAR Collective Interviews Zoé Samudzi: COVID-19, Hierarchical Power, and the Distribution of Death». It's Going Down (em inglês). 21 de abril de 2020. Consultado em 9 de julho de 2020 
  7. Longworth, Arthur; Kamdar, Mira; Benfey, Christopher; Rich, Nathaniel; Dorfman, Ariel; Samudzi, Zoé; Hatuqa, Dalia; Eakin, Hugh; Klinkenborg, Verlyn (11 de abril de 2020). «Pandemic Journal, April 6–12». The New York Review of Books. Consultado em 11 de julho de 2020 
  8. «21 Juneteenth Quotes That'll Inspire You To Keep Fighting For Racial Justice». Bustle (em inglês). Consultado em 9 de julho de 2020 
  9. a b «Blackness as a State of Matter». Contemporary And (em alemão). Consultado em 9 de julho de 2020 
  10. Bitker, Janelle (17 de janeiro de 2018). «Oakland's Black Artists Make Space for Themselves». East Bay Express. Consultado em 11 de julho de 2020 
  11. «Oakland Film Series Asks: Is There a Black Aesthetic?». KQED. Consultado em 11 de julho de 2020 
  12. «Best Voice for a Radical New Future 2018». East Bay Express (em inglês). Consultado em 9 de julho de 2020 
  13. Samudzi, Zoé. «Perspective -- Johnny Clegg's music was full of contradictions. But I loved it.». Washington Post (em inglês). Consultado em 9 de julho de 2020 
  14. Samudzi, Zoé. «Naturalized Citizens Like My Mother Now Live In Fear of Status Reversal». Teen Vogue. Consultado em 11 de julho de 2020 
  15. University, Northwest Missouri State. «Missouri Academy students place high at recent competitions». www.nwmissouri.edu (em inglês). Consultado em 9 de julho de 2020 
  16. «At CMU, hundreds rally to remember Trayvon Martin». Pittsburgh Post-Gazette (em inglês). Consultado em 9 de julho de 2020 
  17. «The Chromatics of Play». Open Space (em inglês). Consultado em 9 de julho de 2020 
  18. Krauss, Louis. «Off the Cuff: Zoé Samudzi, Medical Sociology Ph.D. Candidate». The Oberlin Review. Consultado em 9 de julho de 2020