Amy Lee

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Amy Lee
Amy Lee durante uma apresentação com o Evanescence em São Paulo, Brasil em abril de 2007.
Informação geral
Nome completo Amy Lynn Hartzler
Nascimento 13 de dezembro de 1981 (32 anos)
Local de nascimento Riverside, Califórnia
 Estados Unidos
Gênero(s) Metal alternativo, nu metal, música clássica, eletrônica
Ocupação(ões) Cantora, compositora, musicista
Instrumento(s) Vocais, piano, teclado, órgão, harpa
Extensão vocal Mezzo-soprano
Período em atividade 1995–presente
Gravadora(s) Wind-up
Afiliação(ões) Evanescence, Dave Eggar
Página oficial www.amyleeofficial.com
Amy lee signature.png

Amy Lynn Hartzler (Riverside, 13 de dezembro de 1981) é uma cantora, compositora e musicista americana, além de vocalista e pianista da banda de metal alternativo Evanescence, que atualmente segue em carreira solo.

Amy iniciou sua carreira na música em 1995, quando fundou ao lado do guitarrista Ben Moody a banda Evanescence, porém quando Ben saiu do grupo em 2003, ela passou a liderar sozinha a banda, que lançou três álbuns até então. Mais tarde em 2014, Lee anunciou seu primeiro trabalho solo ao lado do violinista Dave Eggar, que é uma trilha sonora para o filme independente War Story, sendo que ela também realizou alguns concertos acústicos.

Ela também já colaborou com diversos artistas ao longo dos anos, com destaque para as bandas Seether e Korn, além de alguns projetos paralelos.

Biografia e vida pessoal[editar | editar código-fonte]

Filha de John Lee, um DJ e personalidade da televisão, e Sarah Cargill, Amy também possui um irmão chamado Robert e duas irmãs Carrie e Laurie. Ela também teve uma irmã chamada Bonnie que morreu em 1987 aos três anos de idade por uma doença não identificada, sendo que as canções "Hello" do álbum Fallen e "Like You" de The Open Door (ambos do Evanescence), foram escritas em homagem à pequena garota.[1]

Lee teve aulas de piano por nove anos, e sua família mudou-se para vários lugares, incluindo a Flórida e Illinois,[2] porém acabaram por residir em Little Rock, Arkansas, onde o Evanescence foi fundado. Em 2000, ela ainda frequentou a Universidade Estadual Middle Tennessee em Murfreesboro para estudar teoria musical e composição, mas deixou os estudos para se focar no Evanescence.[3]

Em uma entrevista para o AOL Music, ela disse que as primeiras canções da qual se lembrava de ter escrito eram chamadas de "Eternity of Remorse" e "A Single Tear", sendo que a primeira foi escrita quando ela havia onze anos de idade e desejava se tornar uma compositora clássica, e a segunda foi para um projeto escolar enquanto estava na oitava série.

Ela também é casada com o terapeuta Josh Hartzler desde 6 de maio de 2007,[4] com qual tem um filho, Jack Lion Hartzler, nascido em 24 de julho de 2014.[5]

Carreira musical[editar | editar código-fonte]

Evanescence[editar | editar código-fonte]

Amy co-fundou a banda de metal alternativo Evanescence no ano de 1995, juntamente com o guitarrista Ben Moody. Os dois haviam se conhecido num acampamento de jovens promovido por uma igreja local de Little Rock, sendo que nesse evento, Ben ouviu Amy tocar a canção "I'd Do Anything For Love (But I Won't Do That)" do músico Meat Loaf no piano.[6] Pouco depois, a dupla realizou concertos acústicos em livrarias e cafeterias do Arkansas, eventualmente gravando dois EPs: Evanescence (1998) e Sound Asleep (1999), que foram vendidos durante as apresentações.

Em 2000, com o tecladista David Hodges na formação, a banda gravou o CD demo Origin com o apoio de alguns outros músicos. Este disco foi um prelúdio do álbum de estreia do grupo, Fallen, lançado em 2003, que permitiu ao Evanescence realizar diversas turnês e tornarem-se um famoso grupo musical. Porém, em 22 de outubro de 2003, Ben Moody deixou a banda alegando "diferenças criativas" com os demais membros da banda, sendo anunciada a sua substituição por Terry Balsamo, que colaborou com grupo tanto nas guitarras como nas composições ao lado de Lee.

Amy tocando piano durante uma apresentação com o Evanescence no Canadá em 2011.

Posteriormente, a banda lançou dois álbuns de sucesso, The Open Door (2006) e o auto-intitulado Evanescence (2011), ambos sucedidos por extensas turnês e diversos concertos ao redor do mundo. Atualmente o grupo está em hiato desde 2012, após o fim da última turnê.

Carreira solo[editar | editar código-fonte]

Durante uma entrevista em outubro de 2008 para o Spin.com, Amy disse que estava escrevendo novas canções, possivelmente para um álbum solo. Ela citou influências do folk e da música celta, dizendo que as atuais canções a faziam sentir de volta às antigas raízes. Porém ela não forneceu datas de lançamento, mas explicou a razão para esse novo projeto: "Eu preciso mostrar que sei fazer mais coisas, e que não são todas músicas tristes".[7]

Ainda em outubro do mesmo ano, ela concedeu uma entrevista ao The Gauntlet, dizendo que não havia certeza se iria iniciar uma carreira solo, afirmando estar em um momento onde não sabia o que faria pela frente. Ela afirmou que o Evanescence ainda estava junto, mas iniciar uma nova turnê seria monótono, porém reiterou que estava escrevendo canções, embora não sabia dizer para qual propósito.[8]

Mais tarde em janeiro de 2014, Amy anunciou que iria se juntar com o violinista e compositor Dave Eggar para criar músicas ao filme independente War Story, sendo que durante uma entrevista à MTV, ela disse: "Irá surpreender meus fãs. Não é o que você espera; o filme é muito obscuro, muito introspectivo. Há uma mistura de vários sons, muitos tons ameaçadores. Eu toco o teclado e o pedal Taurus".[9] Em agosto do mesmo ano, ela anunciou que a trilha sonora do filme seria intitulada Aftermath e lançada em 25 de agosto.[10]

Imagem[editar | editar código-fonte]

Amy durante um concerto com o Evanescence no festival Rock im Park na Alemanha, 2003.

Amy possui um estilo de moda reconhecível, marcado pelo uso ocasional de maquiagem gótica e gosto por roupas de estilo victoriano.[11] Ela também desenha suas próprias roupas, incluindo os vestidos usados no videoclipe da canção "Going Under", e da capa do álbum The Open Door, além do figurino usado durante a performance do Evanescence no Prêmio Nobel da Paz em 2011. Após desenhar o vestido que ela usou no Grammy Awards 2004, ela escolheu o designer japonês H. Naoto para fazer por ela.[12] Ela também tinha um piercing na sobrancelha esquerda, visível na capa do álbum Fallen.

Em um entrevista para o VEVO Stylized, Amy apresentou e explicou seu estilo de moda, comentando que prefere fazer suas próprias roupas, porque é difícil encontrar exatamente o que ela quer em outro lugar. Em uma entrevista com a AOL, Lee afirmou que seu estilo diário é muito diferente de quando ela se apresenta no palco, apontando que ela estava usando "algo florido" durante a entrevista. Ela explicou que seu guarda-roupa no palco foi feito para preservar a atmosfera das canções e completar a imagem. Em outra entrevista, ela afirmou que quando a banda começou a se apresentar, ela costumava usar espartilhos, com medo de diluir a imagem da banda, mas tornou-se progressivamente mais confortável com seu próprio estilo. Seu estilo no palco atual é muitas vezes caracterizado por botas, um top preto simples, uma saia longa e enfeites e acessórios diversos.

Ela declarou em várias ocasiões que nunca iria utilizar os seios ou se envolver em outros truques publicitários que chamam a atenção para si mesma. Na verdade, no vídeo da canção "Everybody's Fool", ela teve como objetivo zombar tais artistas sugerindo que as celebridades que usam o sexo para atrair um público, são de fato apenas futilidades (o tema unificador do vídeo da música). Muitos fãs elogiam Amy por sua recusa a imitar outras celebridades usando apelo sexual em sua música.[13] Em 2006, a revista Blender a listou como uma das mulheres mais quentes do rock ao lado de cantoras como Joan Jett, Courtney Love e Liz Phair, e mais tarde em 2013, ela foi classificada em primeiro lugar na categoria "Mulheres Mais Quentes da Música", realizado pelo website NME.com.[14]

Discografia[editar | editar código-fonte]