Lista de pessoas executadas por acusação de bruxaria

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Representação artística da execução por queima de três supostas bruxas, em Baden, na Suíça em 1585.

Esta é uma lista de pessoas executadas por bruxaria, muitas das quais foram executadas durante o período denominado de Caça às bruxas, ocorrido particularmente do Século XV ao Século XVIII. Grande parte das pessoas processadas e condenadas por bruxaria na Europa foi executada entre 1560 e 1630.[1] Por volta de 1420, os processos de bruxaria na Europa eram centrados em torno do malefício, sendo o conceito de usar poderes sobrenaturais especificamente para prejudicar os outros. Casos de bruxaria surgiram a partir de denúncias do uso de rituais de magia para causar danos a possíveis rivais.[1] Até o início do século XV, houve pouca associação da bruxaria com Satanás.[2] A partir desse momento organizado, a caça às bruxas aumentou, assim como acusações individuais de feitiçaria. A natureza das acusações alterava conforme os casos, e poucas vezes dizia-se estar ligados ao satanismo.[2] Ao longo dos séculos, uma série de tratados foram publicados que ajudaram a estabelecer um estereótipo de "bruxa", particularmente uma conexão satânica.[2] Durante o Século XVI os processos de bruxaria se estabilizaram e até diminuiram em algumas áreas. A caça às bruxas voltou a aumentar no Século XVII. Os Julgamentos de bruxas na Idade Moderna européia inclui os julgamentos das bruxas de Bascos, na Espanha, os julgamentos das bruxas de Fulda, na Alemanha, os julgamentos das bruxas de Berwick, na Escócia, e os ensaios de bruxa Torsåker na Suécia.

A caça às bruxas também teve lugar durante o século XVII nas colônias norte-americanas. Eram particularmente comum nas colônias de Massachusetts e Connecticut. O mito da bruxa tinha uma forte presença cultural no século XVII na Nova Inglaterra e, como na Europa, a bruxaria foi fortemente associada como adoração ao diabo. Cerca de oitenta pessoas foram acusadas ​​de práticas de bruxaria em uma caça às bruxas que durou de 1648 a 1663 na Nova Inglaterra. Treze mulheres e dois homens foram executados.[3] O julgamento das Bruxas de Salém em 1692 culminou com a execução de 19 pessoas.

Dezenas de milhares de pessoas foram executadas por bruxaria na Europa e nas colônias americanas. Embora não seja possível determinar o número exato, os estudiosos modernos estimam em torno de 40.000 a 50.000 execuções. Os métodos comuns de execução de bruxas condenadas, foram enforcamento , afogamento e a queima. A queima foi usada especialmente na Europa, uma vez que foi considerada uma forma mais dolorosa de morrer. Os promotores nas colônias americanas geralmente preferiam o enforcamento em casos de feitiçaria.

Casos de pessoas acusadas e executadas por bruxaria continuam a ocorrer pelo mundo, principalmente em países da África, como Gana, Gâmbia, Quênia, Tanzânia e Uganda e países da Ásia como a Índia, Nepal e Papua Nova Guiné[4] [5] . Formalmente, o único país do mundo onde casos de bruxaria é tido como crime previsto na legislação é a Arábia Saudita. Na [[República Democrática do Congo, cerca de 50.000 crianças foram acusadas de bruxaria no últimos anos.[6] Em alguns países, há demasiadas organização tratando do tema, como o Programa Fahamu de Refugiados[7] . Em 2013, a ONU se pronunciou sobre casos de execução de pessoas sob acusação de bruxaria na Papua-Nova Guiné, onde exigiu ao governo do país a derrogação da chamada Lei de Bruxaria, promulgada ainda em 1971.[8] Abaixo segue-se uma lista com as principais execuções por bruxaria.[9]

Nome Período de vida Idade (à época da morte) País ou região de origem Acusação e morte
Angèle de la Barthe 1230-1275 45 França França Acusada de ter mantido relações sexuais com o Diabo e assim ter dado à luz a um bebê monstro. Foi queimada viva.
Matteuccia de Francesco m.1428 Desconhecido Itália Itália Em Roma, confessou ter voado nas asas de um demônio. Foi acusada de ser prostituta, ter cometido profanação com outras mulheres, vender poções do amor e pomada medicinal feita com sangue de recém-nascidos. Foi queimada até a morte.
Agnes Bernauer 1410-1435 25 Alemanha Alemanha Condenada por bruxaria, foi jogada ao rio. Morreu afogada.
Lasses Birgitta m.1550 Desconhecido Suécia Suécia A primeira mulher executada por bruxaria na Suécia. Foi decapitada.
Marigje Arriens 1520 - 1591 71 Países Baixos Países Baixos Queimada viva após ser acusada de bruxaria
Bruxos de Warboys m.1593 Desconhecido Inglaterra Inglaterra Enforcados.
Merga Bien 1560-1603 43 Alemanha Alemanha Vítima mais conhecida do Julgamento das bruxas de Fulda, foi queimada viva.
Nyzette Cheveron 1605 Desconhecido Bélgica Bélgica Confessou ser uma bruxa, foi estrangulada e queimada até a morte.
Bruxas de Belvoir m.1618 Desconhecido Inglaterra Inglaterra Uma mãe e duas filhas. Foram enforcadas.
Sidonia von Borcke 1548-1620 72 POL województwo zachodniopomorskie COA.svg Pomerânia Confessou homicídio e bruxaria sob tortura. Foi decapitada e queimada.
Anne de Chantraine 1605-1622 17 França França Queimada viva.
Johann Albrecht Adelgrief m.1636 Desconhecido Alemanha Alemanha Executado após alegar ser um profeta divino.
Elizabeth Clarke 1565-1645 80 Inglaterra Inglaterra A primeira mulher perseguida pelo General Matthew Hopkins, foi enforcada.
Alse Young 1600-1647 46 US flag 13 stars – Betsy Ross.svg Estados Unidos De acordo com os registros, a primeira pessoa a ser executada por bruxaria nas Américas.
Michée Chauderon m.1652 Desconhecido Suíça Suíça Confessou sob tortura invocar demônios e foi a última pessoa executada por bruxaria em Genebra.
Brita Zippel e Anna Zippel m.1676 Desconhecido Suécia Suécia Decapitadas.
Marie Bosse m.1679 Desconhecido França França Condenada à morte na fogueira por estar associada ao Caso dos Venenos
Catherine Deshayes 1640-1680 39 França França Figura central do Caso dos Venenos. Foi condenada à morte na fogueira
Bridget Bishop 1632-1692 60 US flag 13 stars – Betsy Ross.svg Estados Unidos A primeira pessoa a ser julgada e executada no caso das Bruxas de Salém
George Burroughs 1650-1692 42 US flag 13 stars – Betsy Ross.svg Estados Unidos Pastor, foi executado no caso das Bruxas de Salém, em Massachussets, Estados Unidos.
Martha Carrier m.1692 Desconhecido US flag 13 stars – Betsy Ross.svg Estados Unidos Foi enforcada após seus filhos confessarem que ela era uma bruxa.
Giles Corey 1611-1692 81 US flag 13 stars – Betsy Ross.svg Estados Unidos Esmagada até a morte após recusar-se confessar a prática de feitiçaria, no caso das Bruxas de Salém
Martha Corey 1620-1692 72 US flag 13 stars – Betsy Ross.svg Estados Unidos Irmã de Giles Corey, foi enforcada no mesmo caso.
Mima Renard m.1692 Desconhecido Flag Princes of Brazil.svg Brasil Colônia Prostituta, foi acusada por populares de enfeitiçar os homens, sendo queimada viva.
Anna Eriksdotter 1624-1704 79 Suécia Suécia Provavelmente a última pessoa executada por bruxaria na Suécia.
Helena Curtens 1722-1738 16 Alemanha Alemanha Revelou observar o fantasma de uma menina de 14 anos. Foi uma das últimas pessoas executadas por bruxaria na Alemanha.
Ursulina de Jesus m.1754 Desconhecido Flag Princes of Brazil.svg Brasil colônia Acusada de retirar a virilidade de seu marido, evitando que ele tivesse filhos. Queimada viva.
Anna Göldi 1734-1782 48 Suíça Suíça Tida como a "última bruxa da Europa a ser executada".
Elly Kedward 1729-1784 55 US flag 13 stars – Betsy Ross.svg Estados Unidos Não se sabe ao certo se Elly Kedward existiu. Ela foi a inspiração do filme Bruxa de Blair.
Giovanna Bonanno m.1789 Desconhecido Itália Itália Era viúva e mendiga. Recebeu acusação de vender poções e feitiços destinados a matar pessoas. Foi enforcada.
Maria da Conceição m.1798 Desconhecido Flag Princes of Brazil.svg Brasil colônia Acusada e condenada por bruxaria por produzir remédios e poções que pudessem atrair homens.
Mary Bateman 1768-1809 41 Inglaterra Inglaterra Acusada de fraude e assassinato, confessou ser uma cartomante. Foi enforcada em 20 de março de 1809.
Barbara Zdunk 1769-1811 42 Polónia Polônia Queimada até a morte.
Helen Duncan 1897-1956[10] 59 Escócia Escócia[10] Espírita, alegou ter recebido a visita do espírito de um marinheiro inglês em 1941, anunciando que ele havia morrido durante a Segunda Guerra Mundial, após o naufrágio de um navio chamado HMS Barham. O navio, que estava desaparecido, foi oficialmente declarado perdido vários meses depois. Por esta razão, foi presa em 1944 sob a acusação de bruxaria. Seu julgamento foi muito divulgado pela mídia e amplamente coberto pelos jornais. Ela foi condenada a nove meses de prisão pelas acusações sobre a Lei de Bruxaria. Em novembro de 1956, foi novamente presa por acusações de bruxaria e morta em 6 de dezembro do mesmo ano.[10]
Kristy Bamu 1995-2010[11] 15 República Democrática do Congo República Democrática do Congo[11] Acusado de bruxaria e morto por familiares.[11]
Amina Abdul Halim Salem Nasser c.1951-2011[12] 60 Arábia Saudita Arábia Saudita[12] Decapitada.[12]
Maili Tamang e Kanchhi Tamang c.1973-2013
c.1986-2013[13]
40 e 27 Nepal Nepal[14] Acusadas de praticar magia negra contra outros moradores. Foram arrastadas para um monastério budista, espancadas, torturadas e obrigadas a ingerir fezes humanas até a morte.[13]
Dhegani Mahato c.1972-2012[15] 40 Nepal Nepal[15] Queimada viva após ser acusada por um xamã de ser uma bruxa e de ter enfeitiçado um parente que tinha ficado doente.[15]
Muree bin Ali bin Issa al-Asiri m.2012[16] Desconhecido Arábia Saudita Arábia Saudita[16] Executado após confessar atos de bruxaria e adultério.[16]
María Verenice Martínez c.1965-2012[17] 47 Colômbia Colômbia[17] Acusada de realizar supostas bruxarias contra mulheres de sua comunidade. Recebeu um golpe na cabeça, foi despida e depois queimada.[17]
Kepari Leniata 1992-2013[18] 20 Papua-Nova Guiné Papua-Nova Guiné[18] Queimada viva por populares acusada de bruxaria.[18]
Magdalena Francisco c.1970-2013[14] 43 Guatemala Guatemala[14] Acusada de praticar bruxaria por vizinhos. Morta a pedradas e espancamento.[14]
Fabiane Maria de Jesus 1980-2014 33 Brasil Brasil[19] Um site publicou uma falsa notícia, utilizando um retrato falado de um caso criminal ocorrido no Rio de Janeiro, acusando a mulher retratada como sendo sequestradora de crianças para a prática da bruxaria e rituais de magia negra no litoral de São Paulo. Uma página da rede social Facebook divulgou essa imagem que seria associada, após boatos, a Fabiane Maria de Jesus, levando-a a ser espancada e torturada pelos populares. Morreu horas depois. Sua inocência foi provada posteriormente.[19] [20] [21] [22]


Referências