Belmonte (Portugal)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Belmonte
Brasão de Belmonte Bandeira de Belmonte
Brasão Bandeira
Localização de Belmonte
Gentílico Belmontense
Área 118,76 km²
População 6 859 hab. (2011[1] )
Densidade populacional 57,76 hab./km²
N.º de freguesias 4
Presidente da
Câmara Municipal
António Dias Rocha (PS)
Fundação do município
(ou foral)
1199
Região (NUTS II) Centro
Sub-região (NUTS III) Cova da Beira
Distrito Castelo Branco
Antiga província Beira Baixa
Orago São Tiago
Feriado municipal 26 de Abril

(Primeira missa no Brasil)

Código postal 6250
Sítio oficial http://www.cm-belmonte.pt/
Municípios de Portugal Flag of Portugal.svg

Belmonte é uma vila portuguesa no Distrito de Castelo Branco, região Centro e sub-região da Cova da Beira, com cerca de 3 100 habitantes.

É sede de um município com 118,76 km² de área e 6 859 habitantes (2011) [1] , subdividido em 4 freguesias. O município é limitado a norte pelo município da Guarda, a leste pelo Sabugal, a sueste pelo Fundão e a oeste pela Covilhã.

Demografia[editar | editar código-fonte]

População do concelho de Belmonte (1801 – 2011)
1801 1849 1900 1930 1960 1981 1991 2001 2011
2 946 3 969 6 573 8 190 9 109 6 765 7 411 7 592 6 859

Freguesias[editar | editar código-fonte]

Freguesias do concelho de Belmonte

As freguesias de Belmonte são as seguintes:

História[editar | editar código-fonte]

A história da vila remonta ao século XII, quando o concelho municipal recebeu foral de D. Sancho I em 1199.

Belmonte e a vizinha Covilhã, apesar de situados no interior de Portugal estão conotados como poucas regiões portuguesas com os Descobrimentos marítimos Portugueses. Entre as curiosidades que permeiam a história da vila está o facto de que o descobridor do Brasil no século XV, o navegador Pedro Álvares Cabral, ter nascido em Belmonte.

Comunidade judaica[editar | editar código-fonte]

A comunidade de Belmonte abriga um importante facto da história judaica sefardita, relacionado com a resistência dos judeus à intolerância religiosa na Península Ibérica.

No século XVI, aquando da expulsão dos mouros da Península Ibérica, e da reconquista das terras espanholas e portuguesas pelos Reis católicos e por D. Manuel, foi instaurada uma lei que obrigava os judeus portugueses converterem-se ou a deixarem o país.

Muitos deles acabaram abandonando Portugal, por medo de represálias da Inquisição. Outros converteram-se ao cristianismo em termos oficiais, mantendo o seu culto e tradições culturais no âmbito familiar.

Um terceiro grupo de judeus, porém, tomou uma medida mais extrema. Vários decidiram isolar-se do mundo exterior, cortando o contacto com o resto do país e seguindo suas tradições à risca. Tais pessoas foram chamadas de "marranos", numa alusão à proibição ritual de comer carne de porco. Durante séculos os marranos de Belmonte mantiveram as suas tradições judaicas quase intactas, tornando-se um caso excepcional de comunidade criptojudaica. Somente nos anos 70 a comunidade estabeleceu contacto com os judeus de Israel e oficializou o judaísmo como sua religião.

Em 2005 foi inaugurado na cidade o Museu Judaico de Belmonte, o primeiro do género em Portugal, que mostra as tradições e o dia-a-dia dessa comunidade.

Monumentos e lugares de referência[editar | editar código-fonte]

Geminações[editar | editar código-fonte]

O concelho de Belmonte é geminado com as seguintes cidades:[2]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Referências


Concelhos do Distrito de Castelo Branco Mapa do distrito de Castelo Branco
Belmonte
Castelo Branco
Covilhã
Fundão
Idanha-a-Nova
Oleiros
Penamacor
Proença-a-Nova
Sertã
Vila de Rei
Vila Velha de Ródão
Belmonte
Castelo Branco
Covilhã
Fundão
Idanha-a-Nova
Oleiros
Penamacor
Proença-a-Nova
Sertã
Vila de Rei
Vila Velha de Ródão
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Belmonte (Portugal)