Seia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Seia
Brasão de Seia Bandeira de Seia
Brasão Bandeira
Estancia vodafone.JPG
Estância de Esqui Vodafone, no concelho de Seia
Localização de Seia
Gentílico Senense
Área 435,69 km²
População 24 702 hab. (2011)
Densidade populacional 56,7 hab./km²
N.º de freguesias 21
Presidente da
Câmara Municipal
Carlos Filipe Camelo (PS)
Fundação do município
(ou foral)
1136
Região (NUTS II) Centro
Sub-região (NUTS III) Serra da Estrela
Distrito Guarda
Antiga província Beira Alta
Feriado municipal 3 de Julho
Código postal 6270 Seia
Sítio oficial www.cm-seia.pt
Municípios de Portugal Flag of Portugal.svg

Seia é uma cidade portuguesa pertencente ao Distrito da Guarda, Região Centro e sub-região da Serra da Estrela, com cerca de 5 300 habitantes.[1]

É a maior cidade da sub-região da Serra da Estrela e segunda maior cidade do Distrito da Guarda, pertence à grande área metropolitana de Viseu[carece de fontes?] e fica sensivelmente equidistante entre as cidades da Guarda e Viseu. Seia é, juntamente com Covilhã e Manteigas, um dos concelhos que partilham o ponto mais elevado de Portugal Continental (a Torre da Serra da Estrela) e o segundo ponto mais alto de todo o país, apenas atrás da Montanha do Pico, nos Açores.

Geografia[editar | editar código-fonte]

Lagoa Comprida, na Serra da Estrela, no concelho de Seia

É sede de um município com 435,69 km² de área[2] e 24 702 habitantes (2011),[3] [4] subdividido em 21 freguesias.[5] O município é limitado a norte pelos municípios de Nelas e Mangualde, a nordeste por Gouveia, a leste por Manteigas, a sueste pela Covilhã, a sudoeste por Arganil e a oeste por Oliveira do Hospital. Neste município está localizado o ponto mais alto de Portugal continental, a Torre, na Serra da Estrela, com 1 993 metros de altitude. O concelho de Seia abrange uma grande parte da Serra da Estrela e é também o único de Portugal onde existe uma estância de esqui natural, a Estância de Esqui Vodafone, localizada dentro dos limites da freguesia de Loriga.

Dista 98 km de Coimbra, 67 km da Guarda, 45 km de Viseu, 298 km de Lisboa e, 163 km do Porto. É servida principalmente pela Nacional 17 e Nacional 231, que permitem uma ligação à A25, A24 e IP3.

Estrada próxima à Torre, na Serra da Estrela

Situada na vertente ocidental da serra da Estrela, a cidade de Seia fica a 550 m de altitude. O clima do concelho é temperado, com temperaturas moderadas no Verão e frio no Inverno, com temperaturas muito baixas e ocorrências de neve, por vezes abundantes, nas partes mais elevadas da Serra da Estrela. Quanto ao regime de precipitações, há uma pequena estação seca, que compreende os meses de Verão de Julho e Agosto.

História[editar | editar código-fonte]

A primitiva ocupação humana do local da actual Seia remonta à época pré-romana, quando da fundação de uma povoação pelos Túrdulos, por volta do século IV a.C., denominada como Senna. Os Túrdulos edificaram um castro no lugar de Nogueira, entre os montes de Santana e de Carvalha do Outeiro. Defendiam-no estrategicamente três castros, mais pequenos, um em S. Romão, outro em Crestelo e o terceiro na actual Seia. Existem ainda restos de castros em Travancinha, Loriga e S. Romão.

Quando a se verificou a Invasão romana da Península Ibérica, os Lusitanos fizeram da serra, então chamada Montes Hermínios, o seu quartel-general, que se tornou um forte obstáculo para os invasores. Isto não impediu, no entanto, que o general Galba massacrasse 30.000 montanheses lusitanos.

Quando os romanos se tornaram senhores do terreno, transformaram então o castro ibérico de Nogueira na romana "Civitas Sena", que foi fortificada , quando passou a constituir em um ópido com o mesmo nome. Foi posteriormente ocupada por Visigodos e por Muçulmanos, este últimos a partir do século VIII.

O rei visigodo Vamba terá fixado os limites da diocese de Egitânia até aos domínios da cidade de Sena.[6]

À época da Reconquista cristã da península Ibérica, a povoação foi definitivamente conquistada aos mouros por Fernando Magno (1055), que determinou edificar (ou reedificar) a sua fortificação. Sobre este episódio, a crónica do monge Silas relata a violência do ataque e como os cristãos colocaram em fuga desordenada os ocupantes do Ópido Sena, em direcção à Ópido Visense (atual Viseu).

A importância de Seia é atestada no texto do foral de Talavares, passado por D. Teresa de Leão, condessa de Portugal, onde se refere: "D. Tarasia regnante in Portucale, Colimbria, Viseu et Sena […]" ("D. Teresa, que reina em Portugal, Coimbra, Viseu e Seia (…)")

À época da formação da nacionalidade portuguesa, Bermudo Peres, cunhado de D. Teresa, iniciou uma revolta no Castelo de Seia. Não teve sucesso, uma vez que o infante D. Afonso Henriques (1112-1185), tendo disto tido conhecimento, foi ao encontro dele com as suas forças e expulsou-o do castelo (1131) (Crónica dos Godos, Era de 1169). D. Afonso Henriques, no ano seguinte, fez a doação dos domínios de Seia e seu castelo ao seu valido João Viegas em reconhecimento por serviços prestados (1132). Poucos anos mais tarde, o soberano passou o primeiro foral à povoação em 1136, designando-a por Civitatem Senam. Entre os privilégios então concedidos, destacam-se.

"Eu, infante Afonso Henriques, filho de D. Henrique, aprouve-me por boa paz de fazer este escrito de firmeza e estabilidade que firmo pelos séculos sem fim. A vós, habitantes da cidade de Seia, concedo que tenhais costumes muito melhores do que tivestes até aqui e isto tanto para vós como para os vossos filhos e toda a vossa descendência. E os homens de Seia que pagam jugada que não vão ao fossado nem ao moinho obrigados pelo senhor. E que nenhum venda o seu cavalo ou mula ou asno ou égua ou bens ao senhor da terra sem querer. Se um homem de Seia for mercar, se não for mais de duas vezes, não pague portagem."

Outros forais se seguiram como o de D. Afonso II, em Dezembro de 1217, o de D. Duarte, em Dezembro de 1433, o de D. Afonso V, em Agosto de 1479, e, finalmente, o de D. Manuel I, em 1 de Junho de 1510.

A cidade recebeu novos forais sob os reinados de Afonso II de Portugal (Dezembro de 1217), de Duarte I de Portugal (Dezembro de 1433), de Afonso V de Portugal (Agosto de 1479) e, finalmente, "Foral Novo" de Manuel I de Portugal (1 de Junho de 1510.

Em 1571, sob o reinado de Sebastião I de Portugal, foi fundada a Santa Casa de Misericórdia de Seia.

No contexto da Restauração da Independência, em 1640, os moradores de Seia mandaram forjar a espada que D. Mariana de Lencastre, viúva de D. Luís da Silva, 2° alcaide-mor de Seia, entregou aos seus filhos na vigília de sexta-feira para sábado, 12 de Dezembro.

Foi em Seia que se realizou o último comício republicano antes da Implantação da República Portuguesa em 1910. Este comício teve lugar no dia 25 de Setembro e foi presidido por Afonso Costa. ]

Economia[editar | editar código-fonte]

Devido à sua localização privilegiada, na vertente ocidental da serra da Estrela, Seia é uma das suas entradas naturais e, por isso, um centro turístico de interesse, visitada anualmente por milhares de forasteiros. Possui instalações hoteleiras modernas, estabelecimentos de restauração e centros comerciais.

Actualmente encontra-se em expansão o parque industrial da Vila Chã, que irá incentivar o crescimento económico da região.

Estruturas Sociais e Equipamentos[editar | editar código-fonte]

Possui um conjunto valioso de equipamento colectivo, do qual se salientam:

  • Centro de Interpretação da Serra da Estrela
  • Hospital (o Hospital Nossa Senhora da Assunção de Seia [7] é também chamado de Hospital de Seia ou Hospital Distrital de Seia [8] - apesar do nome, serve apenas o concelho de Seia, Gouveia e Fornos de Algodres na parte de internamentos.)
  • Centro de Saúde;
  • Farmácias;
  • Casa Municipal da Cultura (Cine-Teatro, Galerias, Loja Ponto JA);
  • Arquivo Municipal;
  • Biblioteca Municipal;
  • Ludoteca Municipal;
  • Escola Superior de Turismo e Hotelaria;
  • Escola do Ensino Especializado Artístico de Música;
  • Escola Secundária;
  • Escola Profissional;
  • Escolas Preparatórias;
  • Centro Escolar de Seia;
  • Creche-infantário;
  • Centro para terceira idade;
  • Quartel de bombeiros;
  • Quartel GNR;
  • Estádio municipal com 8 pistas de atletismo;
  • Anfiteatro municipal;
  • Piscina e pavilhão gimnodesportivo;
  • Aeródromo de aviação civil e combate a incêndios;
  • Mercado municipal;
  • Centro de Formação Profissional;
  • Centro de Recuperação de crianças deficientes;
  • Agências bancárias;
  • Sede do gabinete de Arquitectura do Parque Natural da Serra da Estrela;
  • Casa do Povo;
  • Parque Industrial;
  • Correios;
  • Tribunal (Comarca);
  • Repartição de finanças;
  • Supermercados;
  • Museus: Museu do Pão; Museu do Brinquedo; Museu Natural da Electricidade;
  • Centro de grupo de rede telefónica (rede de Seia);
  • Centro de Distribuição de energia Eléctrica (EDP);
  • Sede de agrupamento de concelho (GAT).

Freguesias[editar | editar código-fonte]

Freguesias do concelho de Seia.

O concelho de Seia está dividido em 21 freguesias:

Ilustres nascidos no concelho[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Fontes[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. INE. Anuário Estatístico da Região Centro 2012. Lisboa: Instituto Nacional de Estatística, 2013. p. 33. ISBN 978-989-25-0217-5 ISSN 0872-5055 Página visitada em 05/05/2014.
  2. Instituto Geográfico Português (2013). Áreas das freguesias, municípios e distritos/ilhas da CAOP 2013 (XLS-ZIP). Carta Administrativa Oficial de Portugal (CAOP), versão 2013. Direção-Geral do Território. Página visitada em 28/11/2013.
  3. INE. Censos 2011 Resultados Definitivos – Região Centro. Lisboa: Instituto Nacional de Estatística, 2012. p. 109. ISBN 978-989-25-0184-0 ISSN 0872-6493 Página visitada em 27/07/2013.
  4. INE (2012). Quadros de apuramento por freguesia (XLSX-ZIP). Censos 2011 (resultados definitivos). Instituto Nacional de Estatística. Página visitada em 27/07/2013. "Tabelas anexas à publicação oficial; informação no separador "Q101_CENTRO""
  5. Lei n.º 11-A/2013, de 28 de janeiro: Reorganização administrativa do território das freguesias. Anexo I. Diário da República, 1.ª Série, n.º 19, Suplemento, de 28/01/2013.
  6. A fonte medieval conhecida como "Divisão de Vamba" (em latim "Divisio Wambae", que descreve as dioceses visigóticas da península Ibérica, entretanto, é considerada como uma falsificação pelos estudiosos.
  7. Portal da Saúde, Ministérios da Saúde. Portal da Saúde, Ministérios da Saúde. Página visitada em 5 de Setembro de 2009.
  8. Hospital Distrital de Seia entre os mais despesistas da região Centro. Jornal "O Interior". Página visitada em 5 de Setembro de 2009.
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Seia


Concelhos do Distrito da Guarda Localização do distrito de Guarda
Aguiar da Beira
Almeida
Celorico da Beira
Figueira de Castelo Rodrigo
Fornos de Algodres
Gouveia
Guarda
Manteigas
Mêda
Pinhel
Sabugal
Seia
Trancoso
Vila Nova de Foz Coa
Aguiar da Beira
Almeida
Celorico da Beira
Figueira de Castelo Rodrigo
Fornos de Algodres
Gouveia
Guarda
Manteigas
Mêda
Pinhel
Sabugal
Seia
Trancoso
Vila Nova de Foz Coa