Calheta (Açores)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Calheta
Brasão de Calheta Bandeira de Calheta
Brasão Bandeira
Localização de Calheta
Gentílico Calhetense
Área 126,51 km²
População 3 773 hab. (2011)
Densidade populacional 29,82 hab./km²
N.º de freguesias 5
Presidente da
Câmara Municipal
Aires Reis
Fundação do município 1534
Região Autónoma Região Autónoma dos Açores
Ilha Ilha de São Jorge
Antigo Distrito Angra do Heroísmo
Orago Santa Catarina de Alexandria
Feriado municipal 25 de Novembro
Código postal 9850
Site oficial [1]
Municípios de Portugal Flag of Portugal.svg

A Calheta é uma vila portuguesa na ilha de São Jorge, Região Autónoma dos Açores, com cerca de 1 200 habitantes (Censo 2011).

A ilha de S. Jorge foi descoberta em meados do século XV, iniciando-se o seu povoamento entre 1439 e 1470. Calheta foi elevada a vila e a concelho em 1534, por D. João III. A economia do concelho estava integrada na ilha e baseava-se no cultivo da vinha e do trigo e na exportação de pastel e urzelina para as tinturarias da Flandres e da Europa, conhecendo nessa altura algum desenvolvimento económico. A ocupação espanhola e o facto de não oferecer bons portos de abrigo levaram a que a ilha de S. Jorge não prosperasse como as ilhas vizinhas. Apesar disso, sofreu vários ataques de corsários durante os séculos de XVI a XVIII, incluindo dos famosos corsários conde Essex e Du-Gnay-Trouin. Além disso, nesse período a população esteve sujeita a várias calamidades, tais como sismos, erupções vulcânicas e maus anos de colheitas, que acabaram por originar um ainda maior isolamento da ilha. Já no século XX, a construção do aeroporto e a reabilitação dos portos de Calheta e Velas promoveram o desenvolvimento económico da região[1] .

História[editar | editar código-fonte]

A vila da Calheta é uma das mais antigas povoações da ilha de São Jorge, depois da sua fundação em 1483 rapidamente cresceu graças a possuir um porto que lhe facilitava bastante a comunicação com a ilha Terceira, próxima.

Vista parcial da Calheta, ilha de São Jorge.

Foi elevada a vila em 3 de Junho de 1534, por carta régia de D. João III de Portugal. (Arquivo dos Açores, Vol. V, pág. 141) A 12 de Maio de 1718, autorização da fundação do convento da vila da Calheta. Em 1732, tem início da reedificação da sua Igreja Matriz, a Igreja de Santa Catarina[1] .

É sede de um município com 126,51 km² de área e 4 069 habitantes (2001), subdividido em 5 freguesias. O concelho é limitado a noroeste pelo concelho de Velas, sendo banhado pelo Oceano Atlântico em todas as outras direcções.

O seu núcleo populacional à medida que foi crescendo foi também irradiando para as localidades próximas; foi o caso da Fajã Grande, Ribeira Seca, Relvinha, Biscoitos e Norte Pequeno. O seu crescimento justificou que no ano de 1534 fosse desanexada do Concelho de Velas e elevada a Vila.

Interior da Baía da Calheta, Vila da Calheta, ilha de São Jorge.

Ao longo da sua história esta localidade foi por diversas vezes atacada e saqueada por piratas e corsários. Só no ano de 1597 a população conseguir repelir um ataque, chegando ao ponto de se apoderarem da bandeira dos piratas.

Arrasada pelo grande terramoto de 9 de Julho de 1757, que ficou conhecido na história como o Mandado de Deus ao que "ficou sem casa onde se recolhesse o Santíssimo Sacramento", foi atingida em 1945, a 4 de Outubro, por grande Levante do Mar.

Falésias da Costa norte da ilha de São Jorge junto à Vila da Calheta, ilha de São Jorge.

Esta vila possui monumentos e edifícios de interesse público e arquitectónico, seja pela arquitectura utilizada seja pela sua imponência ou características próprias. Exemplo deste caso é a Igreja de Santa Catarina cuja construção é posterior a 1639, pois a 8 de Janeiro desse ano, um grande incêndio destruiu a primeira que remontava ao século XVI.

O desenvolvimento humano da localidade foi progredindo ao longo dos séculos. Sendo que uma das maiores manifestações populares organizativas são as filarmónicas que existem desde 1868. Além dos recentes festivais musicais organizados pela Câmara Municipal da Calheta e as actividades desenvolvidas pela Escola de Ensino Complementar "Padre Manuel de Azevedo da Cunha".

Vista parcial da Igreja da Calheta, ilha de São Jorge.

Duas unidades fabris destinadas à transformação do Atum, uma das quais, localizada na Fajã Grande e outra próxima do Porto da Calheta trouxeram um surto económico à localidade. Com a queda da quantidade de pescado no Atlântico a actividade destas unidades foi suspensa. A Fabrica localizada junto ao Porto da Calheta e que se enquadra numa excelente baía deverá ser convertida numa estalagem com vista a apoiar o desenvolvimento do sector do turismo.

Em tempos idos no Porto da Calheta chagaram a ser construídos navios que faziam a rota de Gibraltar e da América do Norte. A primeira plataforma portuária digna deste nome e que substituiu o pequeno cais então existente foi construído em 1755, no entanto só lhe foi colocado um farolim de sinalização em 1873.

Antiga fabrica de conservas na Baía da Calheta para onde está projectado um hotel, ilha de São Jorge.

Nesta localidade existem vários balcões bancários e comerciais. Em 1980 foi fundado pela população a Corporação de Bombeiros Voluntários que juntamente como a Irmandade da Santa Casa da Misericórdia da Calheta prestam apoio social a doentes e necessitados.

Junto à Igreja de Santa Catarina foi construído um Império do Divino Espírito Santo, as instalações da Junta de Freguesia e, um pouco mais afastado, o jardim com o palanque para a música e o busto do maestro Francisco de Lacerda.

Facto curioso e histórico foi construído em lugar alto, destacado e bastante visível a partir do mar, sobre a vila da Calheta uma forca que durou até 1666. Nunca foi utilizada como tal. Esta forca tinha por finalidade servir de aviso à ameaça representada pelos piratas e corsários que se aproximassem da povoação.

Nesta vila existe ainda uma igreja dedicada à evocação de Santo António que se encontra na Rua de Baixo, estrada de ligação com a Ribeira Seca. Igreja de Santo António foi concluída em 1816. é ainda de mencionar nesta vila um fontanário cuja construção recua a 1878.

Esta localidade tem um Parque de Campismo que foi Inaugurado no dia 3 de Julho de 1993. A sua localização foi pensada de forma aproveitar as características excepcionais do local que o transformou num ponto privilegiado para o lazer e prática da natação e pesca. Encontra-se próximo da costa, junto às Poças de Vicente Dias e à Baía de Simão Dias.

Hospício Municipal da Calheta[editar | editar código-fonte]

O Hospício Municipal da Calheta é segundo a documentação existente um dos edifícios mais antigos da vila da Calheta. Foi pertença do povoador Álvaro Nunes Pereira. Neste edifício habitou o 7° Capitão-mor da Calheta. O Hospício Municipal da vila só foi ali instalado em 1883 por ordem Câmara municipal, para substituir a então "roda dos expostos", onde eram deixados, a coberto do anonimato da noite, os filhos naturais rejeitados pela família.

Sociedade Clube Estimulo[editar | editar código-fonte]

A Sociedade Clube Estimulo é o nome como é conhecido o edifício sede da Sociedade Clube Estimulo. Esta Sociedade foi fundada corria o ano de 1901 e incluía na altura uma filarmónica, um teatro, um clube e também um gabinete de leitura. A Casa de Teatro da Sociedade Estimulo chegou a ser o maior expoente da vida cultural da Calheta durante o século XX. Esta sociedade ainda mantém a filarmónica, com o mesmo nome.

Jardim Maestro Francisco de Lacerda[editar | editar código-fonte]

O Jardim Maestro Francisco de Lacerda, é um agradável jardim localizado no centro da Vila da Calheta em homenagem aquele que é um dos jorgenses mais conhecidos. Este jardim é composto por muros de empedrados, uma grande variedade de plantas e flores (na sua grande maioria não da Macaronésia, mas introduzidas), que se encontram dispostas em diferentes níveis ligadas por escadas. Podem ainda ver-se algumas aves, em pequenas casas construídas para esse efeito. Em lugar de destaque está a escultura do Maestro Francisco de Lacerda, da autoria de Didier Couto.

Cronologia[editar | editar código-fonte]

século XV[editar | editar código-fonte]

século XVI[editar | editar código-fonte]

século XVII[editar | editar código-fonte]

século XVIII[editar | editar código-fonte]

século XIX[editar | editar código-fonte]

século XX[editar | editar código-fonte]

século XXI[editar | editar código-fonte]

  • 200324 de Junho – Por força de lei desta mesma data a localidade do Topo recupera o estatuto de Vila, mantendo-se no entanto inserida no concelho da Calheta.

Naufrágios ocorridos no Porto da Calheta e suas envolvências[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]

População do concelho da Calheta (1849 – 2011)
1849 1900 1930 1960 1981 1991 2001 2004 2011
4 753 7 669 6 652 7 429 4 434 4 512 4 069 3 972 3 773
   +61,4%  -13,3%  +11,7%  -40,3%  +1,8%  -9,8%  -2,4%  -5%

As freguesias da Calheta são as seguintes:

Para efeitos estatísticos e administrativos, e para a diferenciar da vila homónima situada na Região Autónoma da Madeira, é costume designar-se a Calheta de São Jorge ou simplesmente como Calheta, enquanto que a Calheta da Madeira é conhecida como Vila da Calheta.

Galeria[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b Infopédia. Calheta (Açores) Geografia. Página visitada em 19 de maiuo de 2012 (em português)
  2. Arquivo dos Açores, Vol. V, pág. 141
  3. São Jorge, Açores, Guia do Património Cultural. Edição Atlantic View – Actividades Turísticas, Lda. Dep. Legal n.º 197839/03. ISBN 972-96057-2-6, 1ª edição, 2003
  4. a b c d e f g h i j k l m n São Jorge, Açores, Guia do Património Cultural. Edição Atlantic View – Actividades Turísticas, Lda. Dep. Legal n.º 197839/03. ISBN 972-96057-2-6, 1ª edição, 2003.
  5. Boletim do Instituto Histórico da Ilha Terceira IHIT, ao abrigo da denominação Vol. XLV, Tomo II, 1987 – Da poliorcética à fortificação nos Açores – Introdução ao estudo do sistema defensivo nos Açores nos séculos XVI-XIX, Alberto Vieira
  6. Boletim do Instituto Histórico da Ilha Terceira IHIT, ao abrigo da denominação Vol. L, 1992 – Documentação Sobre as fortificações dos Açores Existentes nos Arquivos de Lisboa – Catálogo, Investigação de Carlos Neves e Filipe Carvalho – Coordenação de Artur Teodoro de Matos
  7. a b Guia do Património Cultural de São Jorge, Dep. Legal nº 197839/2003
  8. a b Guia do Património Cultural de São Jorge, Açores, Dep. Legal nº 197839/03
  9. Guia do Património Cultural de São Jorge, Açores, Dep. Legal nº 197839/03.
  10. a b Guia do Património Cultura de São Jorge, Dep. Legal nº 197839/2003.
  11. Furtado, Eduardo Carvalho Vieira. Guardiães do Mar dos Açores: uma viagem pelas ilhas do Atlântico. s.l.: s.e., 2005. 298p. mapas, fotos. ISBN 972-9060-47-9
  12. Decreto Legislativo Regional n.º 13/84/A, de 20 de Fevereiro

Ligações Externas[editar | editar código-fonte]


Concelhos da Região Autónoma dos Açores Bandeira da Região Autónoma dos Açores
Angra do Heroísmo Calheta Corvo Horta Lagoa Lajes das Flores Lajes do Pico Madalena Nordeste Ponta Delgada
Angra do
Heroísmo
Calheta Corvo Horta Lagoa Lajes
das Flores
Lajes
do Pico
Madalena Nordeste Ponta
Delgada
Praia da Vitória Ribeira Grande Santa Cruz da Graciosa Santa Cruz das Flores São Roque do Pico Velas Vila da Povoação Vila do Porto Vila Franca do Campo
Praia
da Vitória
Ribeira
Grande
Santa Cruz
da Graciosa
Santa Cruz
das Flores
São Roque
do Pico
Velas Vila da
Povoação
Vila
do Porto
Vila Franca
do Campo