Fiat Tipo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Tipo
Fiat Tipo front 20070523.jpg
Fiat Tipo rear 20070523.jpg
Visão Global
Produção Europa (Itália) 1988—1995
Brasil (Betim) 1996—1997
Turquia (Tofas) 1995—2002
Fabricante Fiat
Modelo
Classe Monovolume
Carroceria Hatchback
Ficha técnica
Motor 1.6 i.e.
2.0 i.e
1.6 m.p.i
2.0 i.e. 16V
Transmissão Manual de 5 Marchas
Modelos relacionados Fiat Tempra
Fiat Coupé
Alfa Romeo 155
Fiat Scudo(1995)
Citroën ZX
Ford Escort
Honda Civic
Opel Astra
Peugeot 306
Renault 19
Volkswagen Golf
Chevrolet Astra
Chevrolet Kadett
Dimensões
Comprimento 3.958
Largura 1.700
Altura 1.445
Cronologia
Último
Último
Fiat Ritmo
Fiat Bravo
Próximo
Próximo

O Fiat Tipo é um modelo de automóvel produzido pela Fiat. Em sua época competia no mercado com Volkswagen Golf, Opel/Chevrolet Astra e Ford Escort. Sua produção foi encerrada em 1997.

Na Europa[editar | editar código-fonte]

Fiat Tipo 1.4 europeu antes da reestilização.

Lançado em junho 1988,[1] até 1991 foi disponibilizado com diversas opções de motorização com potência que variava de 57 até 146 cv de motores a gasolina 1.1, 1.4, 1.6, 1.7, 1.8, 1.8 16v, 2.0, e 2.0 16v, bem como 1,7 e 1,9 diesel e 1,9 turbo-diesel. O motor mais básico era o 1.1 L, considerado como fraco para o carro; mas o modelo mesmo assim oferecia grande espaço e equipamentos acima da média. O título de top de linha da gama ficava com o Sedicivalvole 2.0 (16V), lançado em 1991.[2]

Em 1993, o Tipo passou por um facelift, ganhou uma versão três portas e, em 1994, passou por melhorias de segurança, com a inclusão de airbag para o motorista e barras de proteção nas laterais do interior.[2]

A produção do Tipo foi encerrada no verão de 1995, tendo como substituto o Fiat Bravo de três portas e o Fiat Brava de cinco portas. O seu derivado, Fiat Tempra, também fora descontinuado e substituído pelo Fiat Marea. O Bravo e Brava alcançaram excelentes vendas em toda a Europa e Brasil, mas o Marea acabou sendo uma decepção na maioria dos mercados.

Versões disponíveis no Brasil[editar | editar código-fonte]

O Fiat Tipo chegou ao mercado brasileiro em setembro de 1993, de início com três portas e logo depois com cinco. Com um sistema otimizado de logística a Fiat conseguiu uma proeza: vender um carro ainda moderno e com bom equipamento de série (incluindo direção assistida, opcional nos concorrentes) por um preço competitivo: US$ 17 mil à época.

A versão única de acabamento 1.6 i.e. não era luxuosa, mas oferecia como acessórios controle elétrico dos vidros dianteiros, travas elétricas nas portas, direção hidráulica, banco do motorista com ajuste lombar, banco traseiro rebatível bipartido e ajuste de altura do volante, e como opcionais ar condicionado e teto solar, entre outros. O revestimento dos bancos era claro e alegre, numa época em que predominava o preto. O motor 1.6, o mesmo dos automóveis Fiat nacionais, tinha injeção monoponto e 82 cv de potência, 10 cv a menos que no Uno 1.6R mpi lançado pouco antes, o que deixava seu desempenho fraco quando carregado.

Contava com detalhes bem pensados: segunda chave "de manobrista" (não abria porta-luvas e porta-malas), dobradiças pantográficas no capô, banco do passageiro dianteiro com memória de posição (após afastado para o acesso - no caso do três-portas - retornava ao ajuste anterior de distância), tampa do porta-malas em plástico injetado de alta resistência e um bom volante de quatro raios, muito preciso e de relação direta.

Trazia também duas luzes traseiras de neblina (esquerda e direita), em lugar de apenas uma no lado esquerdo, como é na maioria dos carros. O limpador de pára-brisa não possuía seleção de velocidades. Funcionava em velocidade maior que a de outros veículos, porém com intervalos selecionáveis: pausa longa, pausa média, pausa breve e contínuo. As alavancas de acionamento dos limpadores, faróis e luzes direcionais eram iluminadas, para melhor visualização à noite.

O sucesso levou a Fiat a rapidamente expandir a oferta. Em julho de 1994 chegava o Tipo SLX 2.0. O motor de duplo comando e 1.995 cm3 não era igual ao do Tempra oito-válvulas: tinha injeção multiponto, em vez de monoponto, e duas árvores de balanceamento, para anular as vibrações que havia de sobra no modelo nacional, mas o desempenho não chegava a ser satisfatório para um carro do seu porte.

O SLX, vendido somente com cinco portas, trazia outras novidades: faróis de neblina, banco do motorista com ajustes de altura e de apoio lombar, apoio de braço central dianteiro, retrovisores e parte dos pára-choques na cor da carroceria, além do estofamento em veludo espesso na cor cinza-claro e um útil check-control no painel de instrumentos. As rodas de alumínio (opcionais) calçavam pneus 185/65-14, mais largos que os do 1.6 (175/65) e mais altos que os 185/60 empregados na Europa. Os freios a disco nas quatro rodas podiam incluir sistema antitravamento (ABS) opcional, além do airbag, também opcional.

Tipo Sedicivalvole.

Veio também a versão realmente esportiva da linha, o "Sedicivalvole" (dezesseis válvulas em italiano). Este modelo possuía motor 2.0 16 válvulas e 137 cv de potência declarada (145cv na Europa). A potência foi nominalmente estabelecida menor no Brasil por conta da tabela de impostos, que aumenta o preço final do veículo de acordo com a potência declarada. Fazia de 0 a 100 km\h em 9,8 segundos, e atingia a incrível marca dos 206,7 km/h de velocidade máxima, apenas 9 quilômetros a menos que o Vectra GSI, que possui 150 cv e atinge 215,7 km/h com aceleração de 0 a 100 em 9,2 s. Esta versão do Tipo trazia ainda diferenciais em relação aos outros modelos, como bancos Recaro de fábrica, saias laterais e frisos vermelhos nos pára-choques, além da inscrição "Sedicivalvole" na tampa do porta-malas, tudo para deixar o carro com ar mais esportivo, além de ter todos os outros ítens que vinham nos outros modelos, como direção hidráulica, vidros elétricos, travas elétricas, ar condicionado e teto solar (elétrico nas versões SLX e 16V). Como opcional tinha o sistema ABS. Um verdadeiro esportivo.

O Sedicivalvole veio com pneus 195/60 aro 14, diferente da versão que rodava na Europa que tinha pneus 185/55 aro 15. Essa mudança na importação deveu-se às condições das estradas e pistas brasileiras, onde exige-se carros mais "guerreiros" para aguentar a buraqueira dos asfaltos, o que não era o caso do Tipo, que com a suspensão eficiente, porém relativamente frágil, sofre muito em nossas ruas e estradas.

Porém o Fiat Tipo passou de amado (campeão de vendas disparado entre os importados, e entre os carros mais vendidos do país juntamente aos populares Gol e Uno, só perdendo para ambos respectivamente) a odiado em pouco tempo, devido aos famosos incêndios que ocorreram nos modelos 1.6 i.e. importados de 1993 e 1995, por conta de um defeito na direção hidráulica, pelo qual a mangueira de alta pressão que conduz o fluido hidráulico estourava e derramava o fluido inflamável sobre o coletor de escape do motor causando os incêndios. Geralmente isso acontecia após o motorista ter feito muitas manobras, com o uso intenso do dispositivo de direção hidráulica.

A Fiat fez dois Recalls para solucionar o problema, mas só foi descoberto e reparado o problema no segundo recall, visto que no primeiro continuaram a acontecer os casos de incêndios.

O Fiat Tipo começou a perder mercado também após a sua nacionalização, que foi uma aposta da Fiat no seu sucesso e ironicamente fez com que perdesse o brilho de carro importado, derrubando assim suas vendas.

O modelo 1.6 mpi, foi o primeiro carro nacional a sair com bolsas infláveis (airbag) de série. Aliás, este pioneirismo é até hoje dividido com o Chevrolet Vectra, que passou a sair da fábrica com o equipamento de segurança inflável, um dia após o Fiat Tipo, o que gera até hoje a discussão de "quem lançou primeiro". Tinha 10cv de potência a mais que o modelo italiano, graças à injeção multiponto (MultiPoint Injection, ou mpi). Infelizmente o modelo nacional foi lançado tarde demais, e o carro já estava defasado no mercado, durando assim apenas dois anos nas linhas de montagem brasileiras.

Referências

  1. Fiat Tipo Review Covering 1988 - 1995 (em inglês). CompuCars. Página visitada em 1 de julho de 2012.
  2. a b Um carro tipo bem-sucedido. Best Car Web Site. Página visitada em 1 de julho de 2012.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]