Hercule Poirot

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Hercule Poirot
David Suchet.jpg
David Suchet interpreta Poirot na série Agatha Christie's Poirot
Língua original Inglês, Francês
Morada Whitehaven Mansions, Londres
Origem Bélgica
Sexo Masculino
Cabelo Preto
Olhos Verdes
Características 1,60 m de altura, cabeça oval e levemente inclinada para o lado.
Actividade(s) Detetive
Afiliações Madame Poirot
Família Poirot
Amigo(s) Arthur Hastings, Inspetor Japp, Ariadne Oliver
Inimigo(s) Vera Rossakoff
Criado por Agatha Christie
Romance(s) The Mysterious Affair at Styles, The Murder of Roger Ackroyd, The Big Four, Ten Little Niggers, The A.B.C. Murders, etc.
Série Agatha Christie's Poirot
Primeira aparição The Mysterious Affair at Styles
Última aparição Curtain
Interpretado por David Suchet
Albert Finney / Peter Ustinov
IMDb IMDb
Projecto Literatura  · Portal Literatura

Hercule Poirot ou simplesmente Poirot é um grande detetive fictício e protagonista da maioria dos livros de Agatha Christie,[1] comparável apenas a Sherlock Holmes, famoso detetive da ficção policial. Um grande número das obras onde Poirot aparece se tornaram filmes, séries de televisão, rádio e teatro. Foi vivido no cinema por Albert Finney[2] e por Sir Peter Ustinov e na série televisiva por David Suchet.[1]

O detetive aparece em mais de 40 romances de Agatha Christie e protagoniza desde 1989 a série britânica Agatha Christie's Poirot onde é interpretado por David Suchet.

Personalidade[editar | editar código-fonte]

De nacionalidade belga (embora muitos o julguem francês), Poirot é uma personagem extremamente extravagante, não é nada modesto, e está sempre se gabando da forma como usa as suas células cinzentas.[1] Possui um grande e belo bigode que é o que melhor o identifica, e tem sempre uma aparência elegante e impecável.[3] O seu nome é deliberadamente absurdo, pois Hercule relembra o herói Hércules da mitologia grega, porém o detetive é um homem pequeno. O sobrenome Poirot tem origem em poireau , que em francês significa alho-porro ou verruga.[4] O personagem apareceu pela primeira vez em 1921, no romance "O misterioso caso de Styles" (The mysterious affair of Styles).

Poirot é um grande fã da ordem e do método,[1] daí estar sempre impecavelmente vestido. Chega, em certos momentos, a ser rabugento. Costuma dizer ao seu amigo Hastings que: "o seu crime de sonho seria realizado com ordem e método" e acredita que "se houvesse um criminoso assim, seria impossível, incluindo o próprio Hercule Poirot, descobrir o verdadeiro culpado".

Florin Court também chamado de Whitehaven Mansions, a morada fictícia de Poirot.

Ao contrário dos outros grandes detetives da Scotland Yard, Poirot diz que pode resolver um crime estando "apenas sentado na sua poltrona". Ele compara os seus colegas a "cães de caça humanos", pois eles usam as pequenas pistas no chão, as pegadas e as impressões digitais como método de trabalho; enquanto que Poirot usa, como único meio, a psicologia humana e o que ele chama de "pequenas células cinzentas".[1] Não é um detetive de ação, mas meramente dedutivo, que para resolver seus crimes prefere interrogar todos os envolvidos, porém muitas vezes precisa investigar, a pedido de Hastings ou por extrema necessidade.[3]

Poirot diz que a mente humana não tem nenhuma originalidade, pois quando um criminoso comete um crime, o seu método psicológico é sempre o mesmo, o detetive também acrescenta a isso o fato de "conhecer a natureza humana".[5]

Nos livros de Agatha Christie, Poirot vive na Farraway Street, 14, onde está localizado o Florin Court, mais conhecido como Whitehaven Mansions.[1]

Descrição do personagem[editar | editar código-fonte]

"Altura, um metro e sessenta e dois; a cabeça, do formato de um ovo, ligeiramente inclinada para um lado; olhos de um verde brilhante quando excitado; espesso bigode hirsuto como costumam usar os oficiais do Exército; e uma pose de grande dignidade"[6]

Curiosidades[editar | editar código-fonte]

A autora considera-o "um pouco chato" com suas obsessões por "ordem e método".[7] Como muitos personagens da ficção policial, Poirot não se casou.[3] No entanto, teve pelo menos uma grande paixão relatada pela autora: a condessa russa Vera Rossakoff, que conheceu durante investigações de um engenhoso roubo de jóias, ainda no início de sua carreira como detetive particular em Londres.[3] A condessa apareceu ainda no livro "Os quatro grandes" (The Big Four)[8] como cúmplice dos vilões e também em um dos trabalhos de Hércules, já bem mais velha e dona de uma boîte - a captura de Cérbero, que no livro, era o nome de seu cão ("Nas profundezas do inferno" no livro "Os trabalhos de Hércules"). Esse último livro foi bastante interessante, pois Agatha Christie usou de metáforas para caracterizar cada um dos trabalhos realizados pelo herói da mitologia grega homónimo de seu personagem. No livro " O Crime ABC" , Poirot inicia uma discussão com Hastings sobre como seria o crime perfeito. Poirot o descreve como algo domestico, um crime onde quatro pessoas juntam-se pra jogar Bridge, e um estranho se senta ao lado da mesa. Ao final da partida esse é encontrado morto, ou seja,um dos quatro jogadores cometeu o assassinato. Essa é justamente a trama do livro lançado apos "Os crimes ABC", chamado de "Cartas na Mesa".

Gtk-paste.svg Aviso: Este artigo ou se(c)ção contém revelações sobre o enredo.

A morte de Poirot[editar | editar código-fonte]

Para evitar que continuassem a explorar seu personagem depois de sua morte, Agatha Christie decidiu matar Poirot em um romance escrito na década de 1940, mas que, segundo ordens expressas suas, só deveria ser publicado após sua morte.

Por essa razão, Cai o pano somente foi lançado em 1975. A ação já começa com Poirot doente e sua morte fecha a trama. Uma despedida dupla, da criatura e de sua criadora.

Participação em livros[editar | editar código-fonte]

  1. The Mysterious Affair at Styles (1921)
  2. The Murder on the Links (1923)
  3. Poirot Investigates (1924)
  4. The Murder of Roger Ackroyd (1926)
  5. The Big Four (1927)
  6. The Mystery of the Blue Train (1928)
  7. Black Coffee (1930 - peça de teatro adaptada em 1997)
  8. Peril at End House (1932)
  9. Lord Edgware Dies (1933)
  10. Murder on the Orient Express (1934)
  11. Three Act Tragedy (1935)
  12. Death in the Clouds (1935)
  13. The A.B.C. Murders (1936)
  14. Cards on the Table (1936)
  15. Murder in Mesopotamia (1936)
  16. Death on the Nile (1937)
  17. Dumb Witness (1937)
  18. Murder in the Mews (1937)
  19. Appointment with Death (1938)
  20. Hercule Poirot's Christmas (1939)
  21. One, Two, Buckle My Shoe (1940)
  22. Sad Cypress (1940)
  23. Evil Under the Sun (1941)
  24. Five Little Pigs (1942)
  25. The Hollow (1946)
  26. The Labours of Hercules (1947)
  27. Taken at the Flood (1948)
  28. Mrs. McGinty's Dead (1952)
  29. After the Funeral (1953)
  30. Hickory Dickory Dock (1955)
  31. Dead Man's Folly (1956)
  32. Cat Among the Pigeons (1959)
  33. The Adventure of the Christmas Pudding (1960)
  34. The Clocks (1963)
  35. Third Girl (1966)
  36. Hallowe'en Party (1969)
  37. Elephants Can Remember (1972)
  38. Poirot's Early Cases (1974)
  39. Curtain (1975 - escrito durante os anos 40)

Séries baseadas no personagem[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b c d e f Hercule Poirot Central Hercule Poirot (em inglês). Página visitada em 4 de Abril de 2011
  2. Internet Movie Database(IMDB) Hercule Poirot(character). Página visitada em 4 de Abril de 2011
  3. a b c d Hercule Poirot Central Hercule Poirot's Profile (em inglês). Página visitada em 4 de Abril de 2011
  4. Infopédia Hercule Poirot Página visitada em 4 de Abril de 2011
  5. Assassinato no Campo de Golfe, Editora Livros do Brasil, 1977
  6. Esnips O Misterioso Caso de Styles Página visitada em 4 de Abril de 2011
  7. Esnips Miss Marple y los Trece Problemas (em espanhol). Página visitada em 4 de Abril de 2011
  8. Esnips The Big Four (em inglês). Página visitada em 4 de Abril de 2011

Ligações externas[editar | editar código-fonte]