Koiné

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
História da
língua grega

(ver também: alfabeto grego)
P46.jpg

Proto-grego
Micênico (c. 1600–1000 a.C.)
Grego antigo (c. 1000–330 a.C.)
Dialetos:
eólico, arcado-cipriota, ático-jônico,
dórico, lócrio, panfílio;
grego homérico.
possivelmente macedônio.

Koiné (c. 330 a.C.–330 d.C.)*
Grego medieval (330–1453)
Grego moderno (a partir de 1453)
Dialetos:
capadócio, cretense, cipriota,
dimotikí, griko, katharévussa,
ievânico, pôntico, tsacônio


*Datas (começando com o grego antigo) de Wallace, D. B.. Greek Grammar Beyond the Basics: An Exegetical Syntax of the New Testament. Grand Rapids: Zondervan, 1996. p. 12. ISBN 0310218950.

O grego helenístico ou koiné (no grego moderno Ελληνιστική Κοινή[1] , literalmente "koiné helenístico", ou Κοινή Ελληνική, AFI[kʲiˈni eliniˈkʲi], "koiné grego", também conhecido como ἡ κοινὴ διάλεκτος, AFI[i kʲiˈni ðiˈalektos], "o dialeto comum") é a forma popular do grego que emergiu na pós-Antiguidade clássica (c.300 a.CAD 300). Outros nomes associados são alexandrino, patrístico, comum, bíblico ou grego do Novo Testamento. Os nomes originais foram koiné, helênico e macedônio (macedônico).[2] [3] Desenvolveu-se a partir do dialeto ático, falando na região da Ática (onde se encontra Atenas), embora tenha grande influência de elementos do jônico.

O koiné foi o primeiro dialeto comum supra-regional na Grécia, e chegou a servir como um lingua franca no Mediterrâneo Oriental e no antigo Oriente Próximo ao longo do período romano. Foi também a língua original do Novo Testamento da Bíblia e da Septuaginta (tradução grega das escrituras judaicas).[4] O koiné é o principal ancestral do grego moderno.

História[editar | editar código-fonte]

O grego koiné surgiu como um dialeto comum nos exércitos de Alexandre o Grande.[4] Foi sob a liderança da Macedônia que colonizaram o mundo conhecido, seu dialeto comum recém formado foi falado do Egito até as margens da Índia.[4] Embora os elementos do grego koiné tenham tomado forma durante o período Clássico posterior, o período pós-clássico do grego da morte de Alexandre o Grande em 323 a.C., quando as culturas oscilaram sob o helenismo, começou a influenciar a língua. A passagem para o próximo período, conhecido como grego medieval, data da fundação de Constantinopla por Constantino I em 330 d.C.. O período pós-clássico do grego, portanto, refere-se à criação e evolução de todo o grego koiné e toda era helenística e romana da história até o início da Idade Média.[4]

Nomenclatura[editar | editar código-fonte]

Koiné (Κοινή), "comum", é um termo que tinha sido anteriormente aplicado pelos antigos estudiosos de diversas formas de expressão grega. Uma escola de estudiosos que Apollonius Dyscolus e Aelius Herodianus mantiveram o termo Koiné para se referir a língua protogrega, enquanto outros usaram para se referir a qualquer forma de expressão no vernáculo grego, que diferia da linguagem literária.[4] Quando o Koiné gradualmente tornou-se uma linguagem da literatura, algumas pessoas distinguiram-no em duas formas: (grego) helênico como a forma literária pós-clássico, e (comum) koiné como a forma falada entre o povo.[4] Outros optaram por se referir a Koiné como o dialeto alexandrino (Περὶ τῆς Ἀλεξανδρέων διαλέκτου) ou o dialeto de Alexandria, um termo usado frequentemente por clássicos modernos.

Raízes[editar | editar código-fonte]

As raízes linguísticas do dialeto grego comum estão evidentes desde os tempos antigos. Durante a era helenística, a maioria dos estudiosos pensava que o Koiné era o resultado da mistura dos quatro principais dialetos do grego antigo, "ἡ ἐκ τῶν τεττάρων συνεστῶσα" (Composição dos quatro). Esta visão foi apoiada no início do século XX pela linguista austríaca P. Kretschmer, em seu livro "Die Entstehung der Koiné" (1901), enquanto o estudioso alemão Wilamowitz e o lingüista francês Antoine Meillet, baseados nos intensos elementos jônicos do Koiné - como σσ em vez de ττ e ρσ em vez de ρρ (θάλασσα - θάλαττα, ἀρσενικός - ἀρρενικός) - considerou-se o Koiné como uma forma simplificada de jônico.[4] A resposta final, que é acadêmicamente aceito hoje, foi dada pelo linguista grego G. N. Hatzidakis, que provou que, apesar da "composição dos quatro", o "núcleo estável" de grego koiné é ático. Em outras palavras, o grego koiné pode ser considerado como a mistura de elementos especialmente jônicos, mas também de outros dialetos. O grau de importância de elementos lingüísticos não-áticos no Koiné pode variar dependendo da região do mundo helenístico.[4] A este respeito, as variedades de Koiné falado nas colônias jônicas da Ásia Menor e Chipre teria características mais intensamente jônicas do que outras. A literária koiné da época helenística assemelha-se ao ático em tal grau que é frequentemente mencionada como ático comum.[4]

Fontes[editar | editar código-fonte]

Os primeiros estudiosos que estudaram o koiné, tanto no período alexandrino e contemporâneo, foram classicistas cujo protótipo tinha sido a literária língua ática do período clássico, e deveria cerrar sobre qualquer outra classe de linguagem helênica. O grego koiné foi, portanto, considerada uma forma decadente do grego, que não era digna de atenção.[4] A reconsideração sobre a importância histórica e linguística do grego koiné começou apenas no início do século XIX, estudiosos de renome, realizaram uma série de estudos sobre a evolução do koiné em todo o período helenístico e romano que ele abrangiu. As fontes utilizadas nos estudos do koiné têm sido numerosas e de confiabilidade desigual. As mais significativas são as inscrições dos períodos pós-clássico e os papiros, por serem dois tipos de textos que têm conteúdo autêntico e podem ser estudados diretamente[4] . Outras fontes importantes são a Septuaginta, uma tradução grega mais ou menos literal do Antigo Testamento, e o Novo Testamento, partes do qual pode ter sido traduzido do evangelho hebraico por Jerónimo de Estridão (ou outros) com regras semelhantes às dos tradutores da Septuaginta. O ensinamento do Novo Testamento visava o povo mais comum, e por essa razão que ele usa a linguagem mais popular da época. Informações também podem ser derivadas de alguns estudiosos aticistas dos períodos helenístico e romano, que a fim de combater a evolução da linguagem, publicaram obras que comparam o supostamente "correto" ático contra o "errado" koiné, citando exemplos. Por exemplo, Phrynichus Arabius durante o século II d.C escreveu:

Βασίλισσα οὐδείς τῶν Ἀρχαίων εἶπεν, ἀλλὰ βασίλεια ἢ βασιλίς.
Basilissa (Rainha) nenhuma dos Antigos disse, mas Basileia ou Basilis.

Διωρία ἑσχάτως ἀδόκιμον, ἀντ' αυτοῦ δὲ προθεσμίαν ἐρεῖς.
Dioria (prazo) está mal escrito, em vez disso usa-se Prothesmia.

Πάντοτε μὴ λέγε, ἀλλὰ ἑκάστοτε καὶ διὰ παντός.
Não se diz Pantote (sempre), mas Hekastote e Dia pantos.

Outras fontes podem ser baseadas em resultados aleatórios, tais como inscrições em vasos escritos por pintores famosos, erros cometidos pelos aticistas devido ao seu conhecimento imperfeito do puro ático, ou mesmo algum sobrevivente glossárico grego-latino do período romano[5] , e.g:

Καλήμερον, ἦλθες;
Bono die, venisti?
Bom dia, você veio?

Ἐὰν θέλεις, ἐλθὲ μεθ' ἡμῶν.
Si vis, veni mecum.
Se você quiser, venha conosco (O latim diz realmente comigo, e não nós).

Ποῦ;
Ubi?
Onde?.

Πρὸς φίλον ἡμέτερον Λεύκιον.
Ad amicum nostrum Lucium.
Para nosso amigo Lúcio.

Τί γὰρ ἔχει;
Quid enim habet?
Na verdade, o que ele tem?
O que há com ele?.

Ἀρρωστεῖ.
Aegrotat.
Ele está doente.

Finalmente, uma importante fonte de informações sobre o Koiné antigo é a lingua grega moderna com todos os seus dialetos e sua própria forma koiné, que têm preservado parte dos detalhes linguísticos da antiga linguagem oral que a tradição escrita perdeu. Por exemplo, o pôntico e dialetos capadócios preservaram a antiga pronúncia de η como ε (νύφε, συνέλικος, τίμεσον, πεγάδι etc), enquanto o Tsakônico preservou o α longo em vez de η (ἁμέρα, ἀστραπά, λίμνα, χοά etc) e as outras características locais do lacônico.[4] Dialetos da parte sul do grego regiões de língua (Dodecaneso, Chipre etc), preservaram a pronúncia das consoantes duplas semelhantes (ἄλ-λος, Ἑλ-λάδα, θάλασ-σα), enquanto outros pronunciaram em muitas palavras "υ" como "ου" ou preservaram antigas formas de casal (κρόμμυον - κρεμ-μυον, ράξ - ρώξ etc.). Fenômenos linguísticos como acima implicam que essas características sobreviveram dentro do koiné, que por sua vez, teve muitas variações no mundo de língua grega[4] .

Koiné bíblico[editar | editar código-fonte]

"Koiné bíblico" refere-se às variedades do grego koiné usado na Bíblia cristã e textos relacionados. Suas principais fontes são:

  • A Septuaginta, uma tradução grega da Bíblia Hebraica do século III a.C, a qual acrescentou os deuterocanônicos. A maioria dos textos são traduções, mas há algumas porções e textos compostos em grego. Siraque, por exemplo, foi encontrado em hebraico;
  • O Novo Testamento, compilado originalmente em grego (embora alguns livros podem ter tido um substrato hebraico-aramaico e contenham alguma influência semita na língua).

Septuaginta[editar | editar código-fonte]

Tem havido algum debate em que grau o grego bíblico representa a principal corrente do Koiné contemporâneo falado e em que medida ele contém especificamente recursos de um substrato semita (cf. Primado do aramaico). Estes poderiam ter sido induzidos, quer através da prática de tradução rígida dos originais hebraico ou aramaico, ou através da influência do grego regional não-padrão falado pelos judeus de língua originalmente aramaica. Alguns dos recursos discutidos neste contexto são a ausência normativa da Septuaginta das partículas μεν e δε, e o uso de εγενετο para denotar "aconteceu." Algumas características do grego bíblico que se pensa ter sido originalmente elementos não-padrão finalmente encontrado o seu caminho no principal da língua grega.

Novo Testamento[editar | editar código-fonte]

O grego do Novo Testamento é distintamente menos semita do que a Septuaginta, em parte sendo 300 anos posterior, em parte sendo amplamente uma nova composição de grego, não primariamente uma tradução do hebraico e aramaico.[6]

Patrístico[editar | editar código-fonte]

O termo grego patrístico às vezes é usado para o grego escrito pelos Pais da Igreja, os teólogos cristãos na antiguidade. Escritores cristãos nos primeiros séculos tendiam a usar um registo simples do Koiné, relativamente perto da linguagem falada do seu tempo, seguindo o modelo da Bíblia. Após o século IV, quando o cristianismo se tornou a religião oficial do Império Romano, mais registros eruditos do Koiné influenciado pelo aticismo vieram também a ser utilizados.[7]

Diferenças entre o ático e o grego koiné[editar | editar código-fonte]

O estudo de todas as fontes de seis séculos, que são simbolicamente abrangidos pelo Koiné revela mudanças linguísticas do grego antigo sobre elementos da língua falada como:

A maioria das novas formas começaram aos poucos e gradualmente se tornaram mais freqüentes até que foram estabelecidas. Das mudanças linguísticas que teve lugar no koiné, o grego ganhou tamanha semelhança ao seus sucessores medieval e moderno que quase todas as características do grego moderno pode ser traçada em textos sobreviventes do koiné.[4] Como a maioria das alterações entre o grego moderno e o antigo foram introduzidas através do koiné, o koiné é amplamente acessível aos falantes da língua moderna.

Fonologia[editar | editar código-fonte]

Durante o período geralmente designado como "grego koiné", uma grande mudança fonológica ocorreu: no início do período, a pronúncia foi praticamente idêntica ao grego clássico antigo, enquanto que, no final, tinha muito mais em comum com o grego moderno.

As três alterações mais significativas durante este período foram a perda de distinção da vogal longa, a substituição do sistema de acento tonal por um sistema de acento tônico, e a monotongação de vários ditongos.

Evolução na fonologia é resumida abaixo:

  • A antiga distinção entre vogais longas e curtas foi gradualmente perdida, e desde o século II a.C. todas as vogais eram isócronas.[4]
  • Desde o século II a.C., os meios de acentuação de palavras alteradas tonais para tônicas, significando que a sílaba acentuada não é pronunciado em um tom musical, mas mais alto e/ou mais forte.[4]
  • O espírito aspirado (aspiração), que já estava perdido no jônico das várias partes da Ásia Menor e eólico de Lesbos, deixou de ser pronunciado e escrito em textos populares.[4]
  • Ditongos longos, que nos tempos mais antigos eram escritos com um ι subscrito depois de uma vogal longa, deixou de ser pronunciado e escrito em textos populares.[4]
  • Os ditongos αι, ει, e οι tornaram-se simples vogais. Desta maneira 'αι', que já havia sido convertido pelos beócios em um ε longo desde o século IV a.C.e escrito η (e.g. πῆς, χῆρε, μέμφομη), tornou-se no koiné, também, primeiro um ε longo e depois em curto. O ditongo 'ει' já havia se fundido com ι no século V a.C.em regiões como Argos ou no século IV em Corinto (e.g. ΛΕΓΙΣ), e se adquiriu esta pronúncia também no Koiné. O ditongo 'οι' adquiriu a pronúncia do moderno francês 'U' (y), que durou até o século X. O ditongo 'υι' veio a ser pronunciado [yj], e permaneceu pronunciado como um ditongo. O ditongo 'ου' já tinha adquirido a pronúncia do latim 'U' desde o século VI a.C.e permaneceu em tempos modernos.[4]
  • Os ditongos αυ e ευ vieram a ser pronunciados [av] e [ev] (via [aβ], [eβ]), mas são parcialmente equiparados a [af], [ef], antes das consoantes mudas θ, κ, ξ, π, σ, τ, φ, χ, e ψ.[4]
  • Vogais simples têm preservado sua pronúncia antiga, exceto η que é pronunciado como ι, e já o υ manteve a pronúncia [y] do francês moderno 'U' até o século X, e mais tarde foi também pronunciado como ι. Com essas mudanças na fonologia houve erros de ortografia entre υ and οι, enquanto o som de ι era multiplicado (iotacismo).[4]
  • As consoantes também preservaram a sua antiga pronúncia em grande medida, à excepção de β, γ, δ, φ, θ, χ e ζ. Β, Γ, Δ (Beta, Gamma, Delta), que eram originalmente pronunciadas [b, ɡ, d], adquiriram os sons de v, gh, e dh (v (via [β]), [ɣ], [ð]), que têm ainda hoje, exceto quando precedidas por uma consoante nasal (μ, ν); nesse caso, elas mantêm os seus sons antigos (e.g. γαμβρός — γαmbρός, άνδρας — άndρας, άγγελος — άŋgελος). As últimas três (Φ, Θ, Χ), que eram inicialmente pronunciadas como aspiradas (/pʰ/, /tʰ/ e /kʰ/ respectivamente), desenvolveram-se para as fricativas [f] (via [ɸ]), [θ], e [x]. Finalmente a letra Ζ, que ainda é classificada como uma consoante dupla com ξ e ψ, pois inicialmente era pronunciada como σδ (sd), adquiriu mais tarde o som de Z como aparece no inglês e grego moderno.[4]

Fonologia do grego do Novo Testamento[editar | editar código-fonte]

O grego koiné na tabela representa uma reconstrução do grego koiné do Novo Testamento, que decorrem, em certa medida a partir do dialeto falado na Judeia e Galileia durante o século I e semelhante ao dialeto falado em Alexandria. Observe as realizações de determinados fonemas diferem do dialeto mais padrão ático de koiné. Observe o brando β "surdo" na posição intervocálica, a preservação do valor aspirado plosivo de "ph", "th" e "kh", a preservação de uma distinção entre as quatro vogais frente "i", "ê", " e "e" y "(que ainda é arredondado), e outras características.

Grego α β β γ δ ε ζ η θ ι κ λ μ ν ξ ο π ρ σ σ σσ τ υ φ χ ψ ω αι ει οι αυ ευ ηυ ου
AFI (koiné) ɑ b β ɣ d ɛ e i k l m n ks o p ɾ s z t y ps o ɛ i y ɑw ɛw ew u
AFI (gr. moderno) ɑ v ɣ,ʝ ð e z i θ i k l,ʎ m n ks o p r s t i f x ps o e i i ɑv,af e̞v,e̞f iv,if u

Epitáfio de Seikilos[editar | editar código-fonte]

Enquanto viveres, brilha; não sofras nenhum mal. A vida é curta; e o tempo cobra suas dívidas.

Neste arquivo de áudio você pode ouvir a pronúncia do grego koiné do Epitáfio de Seikilos. Acredita-se que a composição é a mais antiga e completa do mundo preservada com a notação musical (entre 200 e 100 a.C.).

Amostras de textos[editar | editar código-fonte]

Os trechos a seguir ilustram o desenvolvimento fonológico no período do koiné. As transcrições fonéticas são provisórias, e destinam-se a ilustrar duas diferentes fases do desenvolvimento reconstruídas, uma variedade precoce conservadora ainda relativamente perto do ático Clássico, e um pouco mais tarde, a variedade mais progressiva aproximação grego moderno em alguns aspectos.

Amostra 1 - Um decreto romano[editar | editar código-fonte]

O trecho a seguir, a partir de um decreto do senado romano para a cidade de Thisbae em Beócia em 170 d.C, é processado em uma pronúncia reconstruída representando uma variedade conservadora hipotética do grego koiné continental na era helenista antiga.[8] A transcrição mostra parcialmente, mas ainda não concluída, a mudança de η e ει para / i /, a retenção de acento tonal, a fricativização de γ a / j / mas sem a fricativização de outras paradas até agora, e retenção da inicial de palavras /h/.

περὶ ὧν Θισ[β]εῖς λόγους ἐποιήσαντο· περὶ τῶν καθ᾿αὑ[τ]οὺς πραγμάτων, οἵτινες ἐν τῇ φιλίᾳ τῇ ἡμετέρᾳ ἐνέμειναν, ὅπως αὐτοῖς δοθῶσιν [ο]ἷς τὰ καθ᾿ αὑτοὺς πράγματα ἐξηγήσωνται, περὶ τούτου τοῦ πράγματος οὕτως ἔδοξεν· ὅπως Κόιντος Μαίνιος στρατηγὸς τῶν ἐκ τῆς συνκλήτου [π]έντε ἀποτάξῃ οἳ ἂν αὐτῷ ἐκ τῶν δημοσίων πρα[γμ]άτων καὶ τῆς ἰδίας πίστεων φαίνωνται.
AFI[ˈperì hôːn tʰizbîːs lóɡuːs epojéːsanto; perì tôːn katʰ hautùːs praɡmátoːn, hoítines en tîː pʰilíaːi tîː heːmetéraːi enémiːnan, hópoːs autoîs dotʰôːsin hoîs tà katʰ hautùːs práɡmata ekseːɡéːsoːntai, perì túːtuː tûː práɡmatos húːtoːs édoksen; hópoːs ˈkʷintos ˈmainios strateːɡòs tôːn ek têːs syŋkléːtuː pénte apotáksiː, hoì àn autôːi ek tôːn deːmosíoːn praɡmátoːn kaì têːs idíaːs písteoːs pʰaínoːntai]
Considerando os assuntos sobre os quais os cidadãos de Thisbae fizeram representações. Considerando os seus próprios assuntos: a seguinte decisão foi tomada levando em conta a proposta de que àqueles que permaneceram fiéis à nossa amizade devem ser dadas as facilidades para realizar os seus próprios assuntos; que o nosso governador Quintus Maenius deve delegar cinco membros do Senado, os quais pareciam a ele adequados à luz das suas ações públicas e da boa fé individual.

Amostra 2 - Novo Testamento Grego[editar | editar código-fonte]

O trecho a seguir, no início do Evangelho de São João, é processado em uma pronúncia reconstruída representando uma variedade de Koiné progressiva popular no início da era cristã, com as vogais se aproximando do grego moderno.[9]

Ἐν ἀρχῇ ἦν ὁ λόγος, καὶ ὁ λόγος ἦν πρὸς τὸν θεόν, καὶ θεὸς ἦν ὁ λόγος. οὗτος ἦν ἐν ἀρχῇ πρὸς τὸν θεόν. πάντα δι᾽ αὐτοῦ ἐγένετο, καὶ χωρὶς αὐτοῦ ἐγένετο οὐδὲ ἕν. ὃ γέγονεν. ἐν αὐτῷ ζωὴ ἦν, καὶ ἡ ζωὴ ἦν τὸ φῶς τῶν ἀνθρώπων. καὶ τὸ φῶς ἐν τῇ σκοτίᾳ φαίνει, καὶ ἡ σκοτία αὐτὸ οὐ κατέλαβεν.
AFI[ˈen arˈkʰi in o ˈloɣos, ke o ˈloɣos in bros to(n) tʰeˈo(n), ke tʰeˈos in o ˈloɣos. ˈutos in en arˈkʰi pros to(n) tʰeˈo(n). ˈpanda di aɸˈtu eˈjeneto, ke kʰoˈris aɸˈtu eˈjeneto ude ˈen o ˈjeɣonen. en aɸˈto zoˈi in, ke i zoˈi in to pʰos ton anˈtʰropon; ke to pʰos en di skoˈtia ˈpʰeni, ke i skoˈti(a) a(ɸ)ˈto u kaˈtelaβen]
No princípio era o Verbo, e o Verbo estava com Deus, e o Verbo era Deus. Ele estava no princípio com Deus. Todas as coisas foram feitas por ele, e sem ele não era nada do que foi feito. Nele estava a vida, e a vida era a luz dos homens. E a luz brilhou nas trevas, e as trevas não o compreenderam.

Amostra 3 - Antigo Testamento Grego[editar | editar código-fonte]

Esta é a versão da LXX de Josué, datado de c.150 aC. Este grego é o "grego bíblico" discutido acima. Note que, devido à literalidade deste texto, em muitos aspectos, não se enquadra o grego helenístico do tempo, cheio de semitismos.

Καὶ ἐγένετο μετὰ τὴν τελευτὴν Μωυσῆ εἶπεν κύριος τῷ ᾿Ιησοῖ υἱῷ Ναυη τῷ ὑπουργῷ Μωυσῆ λέγων. Μωυσῆς ὁ θεράπων μου τετελεύτηκεν· νῦν οὖν ἀναστὰς διάβηθι τὸν Ιορδάνην, σὺ καὶ πᾶς ὁ λαὸς οὗτος, εἰς τὴν γῆν, ἣν ἐγὼ δίδωμι αὐτοῖς. πᾶς ὁ τόπος, ἐφ᾽ ὃν ἂν ἐπιβῆτε τῷ ἴχνει τῶν ποδῶν ὑμῶν, ὑμῖν δώσω αὐτόν, ὃν τρόπον εἴρηκα τῷ Μωυσῇ, τὴν ἔρημον καὶ τὸν ᾿Αντιλίβανον ἕως τοῦ ποταμοῦ τοῦ μεγάλου, ποταμοῦ Εὐφράτου, καὶ ἕως τῆς θαλάσσης τῆς ἐσχάτης ἀφ᾽ ἡλίου δυσμῶν ἔσται τὰ ὅρια ὑμῶν. οὐκ ἀντιστήσεται ἄνθρωπος κατενώπιον ὑμῶν πάσας τὰς ἡμέρας τῆς ζωῆς σου, καὶ ὥσπερ ἤμην μετὰ Μωυσῆ, οὕτως ἔσομαι καὶ μετὰ σοῦ καὶ οὐκ ἐγκαταλείψω σε οὐδὲ ὑπερόψομαί σε. ἴσχυε καὶ ἀνδρίζου· σὺ γὰρ ἀποδιαστελεῖς τῷ λαῷ τούτῳ τὴν γῆν, ἣν ὤμοσα τοῖς πατράσιν ὑμῶν δοῦναι αὐτοῖς. ἴσχυε οὖν καὶ ἀνδρίζου φυλάσσεσθαι καὶ ποιεῖν καθότι ἐνετείλατό σοι Μωυσῆς ὁ παῖς μου, καὶ οὐκ ἐκκλινεῖς ἀπ᾽ αὐτῶν εἰς δεξιὰ οὐδὲ εἰς ἀριστερά, ἵνα συνῇς ἐν πᾶσιν, οἷς ἐὰν πράσσῃς. καὶ οὐκ ἀποστήσεται ἡ βίβλος τοῦ νόμου τούτου ἐκ τοῦ στόματός σου, καὶ μελετήσεις ἐν αὐτῷ ἡμέρας καὶ νυκτός, ἵνα συνῇς ποιεῖν πάντα τὰ γεγραμμένα· τότε εὐοδωθήσῃ καὶ εὐοδώσεις τὰς ὁδούς σου καὶ τότε συνήσεις. ἰδοὺ ἐντέταλμαί σοι· ἴσχυε καὶ ἀνδρίζου, μὴ δειλιάσῃς μηδὲ φοβηθῇς, ὅτι μετὰ σοῦ κύριος ὁ θεός σου εἰς πάντα, οὗ ἐὰν πορεύῃ. Καὶ ἐνετείλατο ᾿Ιησοῦς τοῖς γραμματεῦσιν τοῦ λαοῦ λέγων. Εἰσέλθατε κατὰ μέσον τῆς παρεμβολῆς τοῦ λαοῦ καὶ ἐντείλασθε τῷ λαῷ λέγοντες ῾Ετοιμάζεσθε ἐπισιτισμόν, ὅτι ἔτι τρεῖς ἡμέραι καὶ ὑμεῖς διαβαίνετε τὸν Ιορδάνην τοῦτον εἰσελθόντες κατασχεῖν τὴν γῆν, ἣν κύριος ὁ θεὸς τῶν πατέρων ὑμῶν δίδωσιν ὑμῖν. καὶ τῷ Ρουβην καὶ τῷ Γαδ καὶ τῷ ἡμίσει φυλῆς Μανασση εἶπεν ᾿Ιησοῦς. Μνήσθητε τὸ ῥῆμα κυρίου, ὃ ἐνετείλατο ὑμῖν Μωυσῆς ὁ παῖς κυρίου λέγων Κύριος ὁ θεὸς ὑμῶν κατέπαυσεν ὑμᾶς καὶ ἔδωκεν ὑμῖν τὴν γῆν ταύτην. αἱ γυναῖκες ὑμῶν καὶ τὰ παιδία ὑμῶν καὶ τὰ κτήνη ὑμῶν κατοικείτωσαν ἐν τῇ γῇ, ᾗ ἔδωκεν ὑμῖν· ὑμεῖς δὲ διαβήσεσθε εὔζωνοι πρότεροι τῶν ἀδελφῶν ὑμῶν, πᾶς ὁ ἰσχύων, καὶ συμμαχήσετε αὐτοῖς, ἕως ἂν καταπαύσῃ κύριος ὁ θεὸς ὑμῶν τοὺς ἀδελφοὺς ὑμῶν ὥσπερ καὶ ὑμᾶς καὶ κληρονομήσωσιν καὶ οὗτοι τὴν γῆν, ἣν κύριος ὁ θεὸς ἡμῶν δίδωσιν αὐτοῖς· καὶ ἀπελεύσεσθε ἕκαστος εἰς τὴν κληρονομίαν αὐτοῦ, ἣν δέδωκεν ὑμῖν Μωυσῆς εἰς τὸ πέραν τοῦ Ιορδάνου ἀπ᾽ ἀνατολῶν ἡλίου. καὶ ἀποκριθέντες τῷ ᾿Ιησοῖ εἶπαν Πάντα, ὅσα ἂν ἐντείλῃ ἡμῖν, ποιήσομεν καὶ εἰς πάντα τόπον, οὗ ἐὰν ἀποστείλῃς ἡμᾶς, πορευσόμεθα· κατὰ πάντα, ὅσα ἠκούσαμεν Μωυσῆ, ἀκουσόμεθα σοῦ, πλὴν ἔστω κύριος ὁ θεὸς ἡμῶν μετὰ σοῦ, ὃν τρόπον ἦν μετὰ Μωυσῆ. ὁ δὲ ἄνθρωπος, ὃς ἐὰν ἀπειθήσῃ σοι καὶ ὅστις μὴ ἀκούσῃ τῶν ῥημάτων σου καθότι ἂν αὐτῷ ἐντείλῃ, ἀποθανέτω. ἀλλὰ ἴσχυε καὶ ἀνδρίζου.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Κοπιδάκης, Μ. Ζ. "Εισαγωγή στην Ελληνιστική Κοινή", em Ιστορία της Ελληνικής Γλώσσας, Κοπιδάκης, Μ.Ζ. (ed.), Athens, 1999, pp. 82-92
  2. Comentários sobre os sinônimos do Novo Testamento, por Johann August Heinrich Tittmann, Edward Craig, Edward Robinson, Moses Stuart pg 148-155
  3. Uma história do grego antigo, por Maria Chritē, Maria Arapopoulou, Centre for the Greek Language (Tessalônica, Grécia), p. 436 ISBN 0-521-83307-8
  4. a b c d e f g h i j k l m n o p q r s t u v Andriotis, Nikolaos P. History of the Greek Language.
  5. Augsburg.
  6. Frederick Cornwallis Conybeare(1856-1924) Grammar of Septuagint Greek
  7. Horrocks (1997: ch.5.11.)
  8. G. Horrocks (1997), Greek: A history of the language and its speakers, p. 87), cf. also pp. 105-109.
  9. Horrocks (1997: 94).

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Abel, F.-M. Grammaire du grec biblique.
  • Allen, W. Sidney, Vox Graeca: a guide to the pronunciation of classical Greek – 3rd ed., Cambridge University Press, 1987. ISBN 0-521-33555-8
  • Andriotis, Nikolaos P. History of the Greek Language
  • Buth, Randall, Ἡ κοινὴ προφορά: Koine Greek of Early Roman Period
  • Conybeare, F.C. and Stock, St. George. Grammar of Septuagint Greek: With Selected Readings, Vocabularies, and Updated Indexes.
  • Smyth, Herbert Weir, Greek Grammar, Harvard University Press, 1956. ISBN 0-674-36250-0
  • Stevens, Gerald L. New Testament Greek Primer. ISBN 0-7188-9206-2
  • Stevens, Gerald L. New Testament Greek Intermediate. From Morphology to Translation. ISBN 0-7188-9200-3

Ligações externas[editar | editar código-fonte]