Macaca thibetana

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa


Como ler uma caixa taxonómicaMacaco Tibetano[1]
Macaca thibetana.jpg

Estado de conservação
Status iucn3.1 NT pt.svg
Quase ameaçada
Classificação científica
Domínio: Eukaryota
Reino: Animalia
Subreino: Eumetazoa
Superfilo: Deuterostomia
Filo: Chordata
Subfilo: Vertebrata
Infrafilo: Gnathostomata
Superclasse: Tetrapoda
Classe: Mammalia
Subclasse: Theria
Infraclasse: Placentalia
Ordem: Primates
Subordem: Haplorrhini
Infraordem: Simiiformes
Superfamília: Cercopithecoidea
Família: Cercopithecidae
Subfamília: Cercopithecinae
Tribo: Papionini
Género: Macaca
Espécie: M. thibetana
Nome binomial
Macaca thibetana
(Henri Milne-Edwards, 1870)
Distribuição geográfica
Macaco Tibetano
Macaco Tibetano

O Macaco Tibetano (Macaca thibetana), também conhecido como Macaco de Milne-Edwards, pode ser encontrado do leste do Tibete ao leste de Guangdong e ao norte até Shaanxi na China. Há relatos de sua presença também no nordeste da Índia,[2] , no entanto não há consenso acerca destes relatos.[3] A espécie vive em áreas de floresta subtropical em altitudes de 800 a 2500 metros acima do nível do mar.

Taxonomia[editar | editar código-fonte]

Há quatro subespécies reconhecidas:

Comportamento[editar | editar código-fonte]

Mãe e filhote

O Macaco Tibetano vive em grupos mistos e com um sistema social complexo. Fêmeas vivem sua vida toda em seu grupo original, porém machos se dispersam logo após atingirem a adolescência (cerca de 8 anos de idade). A sociedade é hierárquica, tal qual em outras espécies de Macaca, com machos que figuram nos altos patamares tendo melhor acesso a recursos, nomeadamente comida e fêmeas. Machos alfa dominam o grupo, uma vez que são tipicamente maiores, mais fortes e mais jovens. Ao envelhecer, machos tendem a perder sua influência social gradualmente e são frequentemente desafiados por outros machos. Tais conflitos acarretam muita violência e não raramente resultam na morte de um dos conflitantes. Estudos no Monte Emei e nas Montanhas Huangshan, na China, apontam que em média um macho alfa mantém sua dominação por um ano. Quando um bando cresce muito em tamanho (perto de 40 ou 50 indivíduos), a competição por recursos se torna mais presente e leva a uma divisão do bando, com alguns indíviduos (machos, fêmeas e jovens) formando um grupo menor. Normalmente são os indivíduos com menor influência no bando que formam estes novos grupos. [4]

Fêmeas ficam aptas a procriar a partir de seus cinco anos de idade. A gestação dura um período de seis meses e resultam num único filhote por gestação. A maioria dos filhotes nasce em janeiro e fevereiro e são cuidados pela mãe por aproximadamente um ano. Caso a fêmea não engravide novamente neste período, o filhote pode continuar a receber estes cuidados por um período maior. Os machos do grupo também podem participar dos cuidados da cria.

Essa espécie é diurna e passa a maior parte do tempo no solo, onde buscam alimentos como folhas, frutas, grama e (em menor escala) flores, sementes, raízes e insetos. [4]

Medidas[editar | editar código-fonte]

Grupo de macacos tibetanos. Foto Noel Rowe.
  • Macho - comprimento corpóreo: 61 - 71 cm
  • Fêmea - comprimento corpóreo: 51 - 63 cm
  • Macho - comprimento da cauda: 8 - 14 cm
  • Fêmea - comprimento da cauda: 4 - 8 cm
  • Macho - peso: 14 - 17.5 kg
  • Fêmea - peso: 9 - 13 kg

Ameaças e Preservação[editar | editar código-fonte]

Classificada como "quase ameaçada" pelo IUCN e listado no Appendix II do CITES, as maiores ameaças a esta espécie estão relacionadas a atividades humanas. Entre as principias causas estão a destruição de seu habitat, envenenamento por herbicidas e pesticidas e vulnerabilidade a doenças transmitidas por humanos. Caça ilegal também configura uma ameaça existente, uma vez que sua carne e sua pele podem ser usadas e vendidas.[3]

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. Groves, C.P.. Order Primates. In: Wilson, D.E.; Reeder, D.M. (eds.). Mammal Species of the World. 3 ed. Baltimore: Johns Hopkins University Press, 2005. 164 p. ISBN 978-0-8018-8221-0 OCLC 62265494
  2. Mishra, C., & Sinha, A.. (2005) "Discovery of the Tibetan macaque Macaca thibetana in Arunachal Pradesh, India". Current Science 88 (9): 1387–1388.
  3. a b (em inglês) Yongcheng, L. & Richardson, M. (2008). Macaca thibetana. 2008 Lista Vermelha de Espécies Ameaçadas da IUCN. IUCN 2008. Obtido em 4 January 2009.
  4. a b Tibetan macaque videos, photos and facts – Macaca thibetana. ARKive (2006-12-22). Retrieved on 2012-08-21.

Ligações Externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre Macacos do Velho Mundo ou Hominoidea, integrado ao WikiProjeto Primatas é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.