Macaca assamensis

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa


Como ler uma caixa taxonómicaMacaca assamensis
Macaca assamensis mâle.jpg

Estado de conservação
Status iucn3.1 NT pt.svg
Quase ameaçada
Classificação científica
Domínio: Eukaryota
Reino: Animalia
Subreino: Eumetazoa
Superfilo: Deuterostomia
Filo: Chordata
Subfilo: Vertebrata
Infrafilo: Gnathostomata
Superclasse: Tetrapoda
Classe: Mammalia
Subclasse: Theria
Infraclasse: Placentalia
Ordem: Primates
Subordem: Haplorrhini
Infraordem: Simiiformes
Superfamília: Cercopithecoidea
Família: Cercopithecidae
Subfamília: Cercopithecinae
Tribo: Papionini
Género: Macaca
Espécie: M. assamensis
Nome binomial
Macaca assamensis
(McClelland, 1840)
Distribuição geográfica
Macaca assamensis
Macaca assamensis

Macaca assamensis é uma espécie do gênero Macaca, da família dos macacos do velho mundo nativa do Sul da Ásia e do sudeste asiático. Desde 2008, a espécie aparece listada como espécie quase ameaçada pela IUCN, tendo em vista que tem experimentado significantes declínios populacionais devido à caça e à degradação e fragmentação de seu habitat.[1]

Características[editar | editar código-fonte]

O macaco assamensis exibe uma pelugem que varia de cinza-amarelado a marrom escuro e a pele em sua face varia de marrom escuro a uma cor com tom arroxeado. Em sua cabeça, uma franja escura desponta das bochechas em direção à parte de trás das orelhas. Os pelos na coroa são partidos ao meio. Os ombros, cabeça e braços tendem a ser mais pálidos do que o traseiro, que é acinzentado. A cauda é peluda e curta. Os indivíduos desta espécie medem de 51 a 73.5 cm sem contar a cauda, que pode medir de 15 a 30 cm. O peso de um indivíduo adulto pode chegar a 10 kg.[2]

Distribuição e habitat[editar | editar código-fonte]

Macacos assamensis em Zoológio de Xangai, China

A população de Macaca assamensis é endêmica do Nepal e distribui-se na região na forma de duas subespécies. [3]

Durante pesquisas conduzidas em 1976, 1978 e 1984 no Nepal, macacos assamensis foram encontrados irregularmente distribuídos ao longo de rios em florestas tropicais e subtropicais em altitudes variando de 200 a 1800 m. Aparentemente, não são encontrados em áreas a oeste do Rio Gandaki.[4] Na Índia, vivem em florestas tropicais e subtropicais, decíduas e montanhosas - do nível do mar a altitudes de 4000 m.[5] Normalmente habitam colinas acima de 1000 m, mas no leste, que é mais úmido, podem ser avistados em planícies e outras áreas que beiram os 1000 m. No Laos e no Vietnã, preferem a altitude, normalmente acima de 500 m. Nas florestas em carstes de calcário são encontrados em elevações bem menores.[1]

Ecologia e comportamento[editar | editar código-fonte]

Os indivíduos desta espécie são diurnos e por vezes tanto arbóreos como terrestres. São onívoros e alimentam-se de frutas, folhas, invertebrados e cereais.[1] No Parque Nacional Namdapha, em Arunachal Pradesh, foram registrados, em 2002, 15 grupos contendo 209 indivíduos, resultando numa densidade populacional de 1,11 indivíduo por km2 e uma média de 13,93 indivíduos por grupo.[6] Durante uma pesquisa no Parque Nacional Langtang do Nepal, em 2007, um total de 213 indivíduos foram encontrados dispersos em 9 grupos numa área cobrindo 113 km2. Os grupos variavam entre 13 e 35 membros, com uma média de 23,66 membros, sendo 31% fêmeas adultas, 16% machos adultos e seus filhotes de várias idades. Neste caso, preferiam grãos de milho, seguido de batatas. Também invadiam campos de trigo, trigo sarraceno, e milhete.[7]

Ameaças[editar | editar código-fonte]

Ameaças a esta espécie incluem desflorestamento seletivo, diversas formas de atividades antropogênicas, espécies invasoras, caça e armadilhas com fins de captura para esporte, medicina, comida e venda. Além disso, hibridização com espécies adjacentes tornou-se uma ameaça a certas populações.[8]

Conservação[editar | editar código-fonte]

Macaca assamensis está listado no Apêndice II do CITES. Está legalmente protegido em todos os países onde se encontra a espécie. Para as populações da Índia, a espécie encontra-se listada sob o Schedule II, parte I do Indian Wildlife Act.[6]

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. a b c Lista Vermelha da IUCN (em inglês) — {{{título}}} Acedido em {{{data}}}.
  2. Françis, C. M. (2008) A field guide to the mammals of South-East Asia. New Holland Publishers. ISBN 1-84537-735-4
  3. Groves, C. P. (2001) Primate taxonomy. Smithsonian Institution Press, Washington, DC, USA.
  4. Wada, K. (2005) The distribution pattern of rhesus and Assamese monkeys in Nepal. Primates (2005) 46:115–119.
  5. Srivastava, A. and Mohnot, S. M. (2001) Distribution, conservation status and priorities for primates in Northeast India. ENVIS Bulletin: Wildlife and Protected Areas 1(1): 102–108.
  6. a b Chetry, D., Medhi, R., Biswas, J., Das, D. and Bhattacharjee, P. C. (2003). Nonhuman primates in the Namdapha National Park, Arunachal Pradesh, India. International Journal of Primatology 24(2): 383−388.
  7. Regmi, G. R., Kandel, K. (2008). Population Status, Threats and Conservation Measures of Assamese macaque (Macaca assamensis) in Langtang National Park, Nepal. A final report submitted to Primate Society of Great Britain, UK.
  8. Molur, S., Brandon-Jones, D., Dittus, W., Eudey, A., Kumar, A., Singh, M., Feeroz, M. M., Chalise, M., Priya, P. and Walker, S. (2003). Status of South Asian Primates: Conservation Assessment and Managment Plan Report. Workshop Report, 2003. Zoo Outreach Organization/CBSG-South Asia, Coimbatore, India.

Ligações Externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre Macacos do Velho Mundo ou Hominoidea, integrado ao WikiProjeto Primatas é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.