Transportes de Lisboa

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Mapa do Metropolitano de Lisboa actual e depois das expansões previstas estarem concluídas e das restantes linha ferrovíarias de Lisboa

Lisboa e a sua área metropolitana tem uma rede de transportes bastante vasta moderna. Os vários meios de transporte, e respectivas infrastruturas, estão organizados de forma a reduzidir substancialmente o trânsito automóvel na área metropolitana e príncipalmente na sua zona central, a cidade de Lisboa, possibilitando uma rápida circulação, quer de quem circula dentro da cidade, quer de quem se desloca desde a periferia. O metro, o comboio e os autocarros são os mais importantes transportes públicos.

Metropolitano de Lisboa[editar | editar código-fonte]

O Metropolitano de Lisboa MH IH é o sistema de metropolitano da cidade de Lisboa. Foi inaugurado em 29 de Dezembro de 1959, tornando-se desta forma na primeira rede de metropolitano de Portugal. É constituído por quatro linhas com 52 estações (seis das quais são estações duplas e de correspondência), numa extensão total de 39,6 km.[1]

Linhas do Metropolitano de Lisboa
Nome​/​
/Símbolo
Nome​/
/​Cor
Nome
anterior
Terminais Primeira
operação
Extensão Estações
Gaivota MetroLisboa-linha-azul.svg Azul Linha A Amadora Este - Santa Apolónia 1959 13,7 km 17
Girassol MetroLisboa-linha-amarela.png Amarela Linha B Odivelas- Rato 1959 11,1 km 13
Caravela MetroLisboa-linha-verde.png Verde Linha C Telheiras - Cais do Sodré 1963 08,9 km 13
Oriente MetroLisboa-linha-vermelha.png Vermelha Linha D São Sebastião - Aeroporto 1998 10,5 km 12

Pontes[editar | editar código-fonte]

Ponte Vasco da Gama, a mais longa da Europa.

Duas pontes unem a cidade à margem sul do rio Tejo: a Ponte 25 de Abril que liga Lisboa a Almada,[2] inaugurada em 1966 com o nome de Ponte Salazar e posteriormente rebaptizada com a data da Revolução dos Cravos,[3] e a Ponte Vasco da Gama, com 17.2 km de comprimento,[3] a mais longa da Europa e a quinta mais longa ponte do Mundo, que liga a zona Oriental e Sacavém ao Montijo.[2] Inaugurada em 1998 no âmbito da Expo 98, comemora também os 500 anos da chegada de Vasco da Gama à Índia.[4] Existe já um projecto aprovado para a construção de uma terceira ponte sobre o Rio Tejo, prevista para 2013.[5] [6]

Aeroporto de Lisboa[editar | editar código-fonte]

Aeroporto da Portela, o maior aeroporto em Portugal, com um tráfego anual de cerca de 12 milhões de passageiros.

O aeroporto de Lisboa, aeroporto da Portela, situa-se a 7 km do centro, na zona nordeste da cidade. O Aeroporto da Portela (código IATA: LIS, código ICAO: LPPT) é o maior aeroporto em Portugal,[7] com um volume de tráfego de cerca de 12 milhões de passageiros por ano..[8] [9] Aberto ao tráfego em 1942,[10] o Aeroporto da Portela é servido por duas pistas e possuí dois terminais: o Terminal 1 para voos internacionais, o Terminal 2 para voos nacionais, incluindo as Regiões Autónomas dos Açores e da Madeira.[10]

Em 2008 foi aprovada a construção de um novo aeroporto na zona do Campo de Tiro de Alcochete,[11] na margem sul, a cerca de 40 km da cidade. A sua conclusão prevê-se para 2017,[12] entretanto o Aeroporto da Portela permanecerá.

Porto de Lisboa e transportes fluviais[editar | editar código-fonte]

O Porto de Lisboa é um dos principais portos turísticos europeus,[13] paragem de numerosos cruzeiros. Está equipado com três cais para navios-cruzeiro: Alcântara, Rocha Conde Óbidos e Santa Apolónia.[14] A cidade tem ainda várias marinas para barcos de recreio,[15] nas docas de Belém, Santo Amaro, Bom Sucesso, Alcântara Mar e Olivais.[16] Existe ainda uma rede de transportes fluviais, a Transtejo, que liga as duas margens do Tejo, com estações em Cais do Sodré, Belém, Terreiro do Paço e Parque das Nações, na margem norte, e Cacilhas, Barreiro, Montijo, Trafaria, Porto Brandão e Seixal, na margem sul.[17]

Eléctricos e elevadores[editar | editar código-fonte]

Com a sua cor amarela característica, os eléctricos são o transporte tradicional no centro da cidade.[18] [19] São explorados pela Carris, assim como os vários elevadores que galgam as colinas de Lisboa: elevador da Bica,[20] elevador da Glória,[21] elevador do Lavra[22] e elevador de Santa Justa.[23]

Eléctrico

A rede de eléctricos é composta actualmente por cinco carreiras e percorre um total de 48 km de linhas em bitola de 900 mm, sendo 13 km em faixa reservada. Emprega 165 guarda-freios (condutores de eléctricos, funiculares e elevador) e uma frota de 58 veículos (40 históricos, 10 articulados e 8 ligeiros[24] ), baseados numa única estação — Santo Amaro.

Transportes rodoviários[editar | editar código-fonte]

A exploração dos autocarros está também a cargo da empresa Carris.[25] Existe ainda o Terminal Rodoviário de Lisboa, um dos mais importantes do país, onde partem e chegam todos os dias dezenas de autocarros[26] com os mais variados destinos nacionais e internacionais.[27] Os táxis também são muito comuns na cidade, sendo actualmente de cor creme, muitos mantêm ainda as cores emblemáticas dos táxis antigos: preto e verde. Existem várias praças de táxis e circulam centenas de táxis por toda a cidade.

Apesar da rede de transportes, todos os dias se deslocam para Lisboa mais de 3 milhões de automóveis.[28] Lisboa e a sua área metropolitana são atravessadas por duas auto-estradas circulares, uma exterior e outra interior - a CRIL, Circular Regional Interior de Lisboa e a CREL,Circular Regional Exterior de Lisboa, ou A9. As principais auto-estradas que ligam a cidade à envolvente são as A1 (em direcção a norte, por Vila Franca de Xira), A8 (também para norte, via Loures), A5 (em direcção a oeste, até Cascais), A2 (para sul, por Almada) e A12 (para leste, por Montijo).

Transportes ferroviários[editar | editar código-fonte]

Mapa parcial da rede da CP Urbanos de Lisboa, mostrando os pontos intermodais no concelho de Lisboa.

A CP Urbanos de Lisboa é a unidade de negócios da CP Caminhos-de-Ferro Portugueses, empresa pública portuguesa de caminhos-de-ferro, vocacionada para a prestação do serviço urbano de transporte ferroviário pesado de passageiros na área da Grande Lisboa.

Serviços[editar | editar código-fonte]

Percursos cicláveis[editar | editar código-fonte]

Segundo dados de 2000, da Câmara Municipal de Lisboa,[29] e segundo a tipologia de percursos cicláveis, existiam e estavam em projecto 84 km de percursos de bicicleta, 50 km de pistas cicláveis, 73 km de faixas circuláveis e 74 km de tipologia de coexistência com veículos. Em 2008, dava-se a informação[30] que Lisboa iria fazer um investimento de 5 milhões de euros (parte dele com fundo do Quadro de Referência Estratégico Nacional) com o intuito de serem executados mais 40 km de novas vias cicláveis, havendo também a intenção de fazer recuperação de outras já existentes. Na área ribeirinha da cidade, existe já uma pista entre Belém e Cais do Sodré, que irá mais tarde ligar também a Santa Apolónia e posteriormente até ao Parque das Nações. Estava também previsto a instalação de uma rede de 2500 bicicletas, 250 postos de bicicletas e 65 estacionamentos. Em 2009, a informação[31] era a de que já era possível pedalar entre Benfica e Campolide. Em dois anos, a cidade teria 90 km de pistas cicláveis e poderia estar equipada com cerca de 90 quilómetros de pistas cicláveis. Nesse mesmo ano, estaria previsto o funcionamento do anel "Palácio da Justiça - Campolide - Benfica - Carnide - Telheiras - Lumiar - Campo Grande" e a entrada em obras do percurso que uniria, em vários troços, Telheiras ao Parque das Nações. Actualmente, existem também a ciclovia de Monsanto, de 6 km de extensão.

Bilhetes[editar | editar código-fonte]

Bilhetes[editar | editar código-fonte]

Antigos bilhetes do Metropolitano de Lisboa, estando à esquerda o mais antigo.
Cartão 7 Colinas.

Em 2004 a rede do Metropolitano de Lisboa saiu dos limites geográficos da cidade; esse facto fez com que se criasse um novo tarifário que dependia de zonas, até então desnecessário. Foi estabelecido um sistema de coroas urbanas sendo que a cidade fica na Coroa L e uma primeira coroa, fora da primeira, Coroa 1 na qual ficam as novas estações do Metro.

Desta forma, um passageiro que viaje na Linha Azul na direcção Santa ApolóniaAmadora-Este, ou vice-versa, tem de comprar um bilhete de 2 Zonas se passar para além da estação da Pontinha. O mesmo sucede na Linha Amarela, no sentido RatoOdivelas, ou vice-versa, se passar pela estação de Senhor Roubado.

A rede de metropolitano de Lisboa dispões de uma vasta gama de títulos de transporte que permitem várias modalidades de transporte de passageiros.[32] Para clientes que utilizam com pouca frequência os serviços prestados pelo Metropolitano de Lisboa, estão disponíveis os cartões 7 colinas ou Viva Viagem.

Cartão 7 Colinas/Viva Viagem[editar | editar código-fonte]

O Cartão 7 Colinas/Viva Viagem é um suporte sem contacto para carregamento de títulos das empresas transportadoras aderentes. Para a sua utilização, os passageiros, têm de carregar este cartão com o título de transporte pretendido, em qualquer ponto de venda do Metropolitano de Lisboa. Este cartão têm um custo de 0,50€ e pode ser utilizado para carregar títulos da Carris, Metropolitano de Lisboa, Fertagus, CP, Transtejo e Soflusa. Os títulos que podem ser carregados neste cartão, tanto podem ser intermodais (modalidade zapping, em que se carrega um valor monetário em Euros), isto é, que abrangem mais quem uma operadora, como podem ser exlusivos, como será o caso de um bilhete simples do Metro que terá de ser carregado neste cartão. Este cartão tem a validade de um ano após o carregamento do primeiro título, e deixará de poder ser carregado findo este prazo. Os títulos entretanto no cartão poderão ser utilizados, para além deste prazo.[33] [34]

Lisboa Viva[editar | editar código-fonte]

O cartão Lisboa Viva é um suporte de bilhetes sem contacto, que permite o carregamento de títulos mensais, que podem ser em exclusivo do Metro de Lisboa ou podem ser articulados com outras operadores como a Carris ou a CP.[35]

Referências

  1. Evolução da rede - Metropolitano de Lisboa.
  2. a b Lisboa, a Capital de Portugal Portal do Ipiranga. Visitado em 2 de Junho de 2009.
  3. a b Ricardo Ribeiro e Sérgio Santos. Os Grandes Empreendimentos Nacionais Instituto Superior de Engenharia de Coimbra. Visitado em 2 de Junho de 2009.
  4. Descobre o Parque das Nações - Ponte Vasco da Gama Portal das Nações. Visitado em 2 de Junho de 2009.
  5. Trans-European Transport Networkp Progamme 2007-2013 Ministério das Obras Públicas, Transportes e Comunicações. Visitado em 2 de Junho de 2009.
  6. Dinis, Filipe. Nova ponte sobre o Tejo vai ligar Chelas ao Barreiro JPN: Jornal Porto Net. Visitado em 2009-06-02.
  7. ANA Aeroportos de Portugal. Aeroporto de Lisboa - Apresentação. Visitado em 3 de Janeiro de 2009.
  8. Aeroporto de Lisboa - Procura e Capacidade ANA Aeroportos de Portugal. Visitado em 3 de Janeiro de 2009.
  9. Passageiros no aeroporto de Lisboa aumentaram 7,7 % em Janeiro LUSA - Agência de Notícias de Portugal (7 de Fevereiro de 2008). Visitado em 3 de Janeiro de 2009.
  10. a b Aeroporto internacional da Portela - Lisboa Aeroportos do Mundo. Visitado em 2 de Junho de 2009.
  11. Comunicado do Conselho de Ministros de 8 de Maio de 2008 Governo de Portugal. Visitado em 2 de Junho de 2009.
  12. Matias, Leonor. Alcochete vai custar menos de 3,3 mil milhões Diário de Notícias. Visitado em 2 de Junho de 2009.
  13. O Porto de Lisboa www.Porto de Lisboa. Visitado em 2 de Junho de 2009.
  14. Porto de Lisboa Info Cruzeiros. Visitado em 2 de Junho de 2009.
  15. Publicação: 19.02.2009 ANACOM. Visitado em 2 de Junho de 2009.
  16. Fortunato, Martinho. Marinas e Portos de Recreio na Rota do Crescimento Económico. Visitado em 2 de Junho de 2009.
  17. Transtejo e Soflusa - Os Nossos Terminais www.transtejo.pt. Visitado em 2 de Junho de 2009.
  18. Bem vindo à Lisboa www.seelearningcenter.pt. Visitado em 3 de Junho de 2009.
  19. Vida em Lisboa Universidade Aberta. Visitado em 3 de Junho de 2009.
  20. Guia do Lazer - elevador da Bica O Público. Visitado em 3 de Junho de 2009.
  21. Locais a Visitar: Elevador da Glória www.strawberryworld-lisbon.com. Visitado em 3 de Junho de 2009.
  22. Lextec - Elevador do Lavra, Ascensor do Lavra Instituto Camões. Visitado em 3 de Junho de 2009.
  23. Elevador de Santa Justa Guia do Lazer. Visitado em 3 de Junho de 2009.
  24. Frota da Carris, página oficial.
  25. Companhia de Carris de Ferro de Lisboa. História. Visitado em 3 de Janeiro de 2009.
  26. Novo terminal de transportes inaugurado hoje em Sete Rios noticias.portugalmail.pt. Visitado em 3 de Junho de 2009.
  27. [Terminal de Sete Rios é inaugurado hoje ] www.portugal-hotels.org. Visitado em 3 de Junho de 2009.
  28. Silva, Nuno Miguel. Menos 60 mil carros por dia em Lisboa Diário Económico. Visitado em 3 de Junho de 2009.
  29. ceap-04-rede-ciclavel-lisboa2007-tipologia.pdf (Objecto application/pdf) isa.utl.pt. Visitado em 2 May 2010.
  30. IOL Diário - Lisboa vai ter mais 40 quilómetros de ciclovias diario.iol.pt. Visitado em 2 May 2010.
  31. Lisboa é muita gente: Ciclovias em Lisboa lisboaemuitagente.blogspot.com. Visitado em 2 May 2010.
  32. Tipos de bilhete - Metropolitano de Lisboa.
  33. Cartão 7 Colinas.
  34. Cartão 7 Colinas OTLIS.
  35. Informação Tarifária.