Tricerátopo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Como ler uma caixa taxonómicaTricerátopo
Ocorrência: Cretáceo Superior - mais antigo 68.65 – 70 Ma
Esqueleto de tricerátopo  montado com a postura dos membros aceita atualmente, Museu de História Natural do Condado de Los Angeles

Esqueleto de tricerátopo montado com a postura dos membros aceita atualmente, Museu de História Natural do Condado de Los Angeles
Estado de conservação
Extinta (fóssil)
Classificação científica
Reino: Animalia
Filo: Chordata
Classe: Reptilia
Superordem: Dinosauria
Ordem: Ornithischia
Subordem: Marginocephalia
Infraordem: Ceratopsia
Família: Ceratopsidae
Género: Triceratops
Wikispecies
O Wikispecies tem informações sobre: Tricerátopo

O tricerátopo (Triceratops horridus, do latim "cabeça com três chifres") foi um tipo de dinossauro herbívoro e quadrúpede que viveu no fim do período Cretáceo, durante o Maastrichtiano, principalmente na região que é hoje a América do Norte. É um dos últimos gêneros conhecidos de dinossauros não-aviários, e extinguiu-se no evento de extinção do Cretáceo-Paleogeno a 66 milhões de anos atrás.[1] O termo Tricerátopo, que significa literalmente "cabeça com três chifres", é derivado do grego τρί - (tri-), que significa "três", κέρας (Keras) que significa "chifre", e ὤψ (ops) que significa "cabeça".[2] [3]

Tinha um grande folho ósseo e três chifres em seu grande corpo de quatro patas, e tinha semelhanças com os modernos rinocerontes, O Triceratopo é um dos dinossauros mais facilmente reconhecíveis e o mais conhecido ceratopsídeo. Ele foi contemporâneo do temível Tiranossauro e foi, provavelmente, predado por ele,[4] embora não haja certeza sobre os dois terem lutado, essa é uma cena muitas vezes representada em exposições de museus tradicionais e imagens populares. A localização exata do gênero Triceratops dentro do grupo dos ceratopsídeos tem sido muito debatida por paleontólogos. Duas espécies, T. horridus e T. prorsus, são consideradas válidas apesar de muitas outras espécies terem sido nomeadas. Uma pesquisa publicada em 2010 sugere que o contemporâneo Torossauro, um ceratopsídeo considerado por muito tempo como membro de um gênero separado, seria o Tricerátopo em sua forma madura,[5] [6] uma visão não aceita por todos[7] Um estudo publicado em 2012 por Daniel Field e Nicholas Longrich, pesquisadores de Yale,viria a discordar desta afirmação, sustentando que os dois deveriam ser classificados como espécies separadas [8] [9] A descoberta do primeiro crânio de tricerátopo ocorreu em 1888 em Denver, no estado americano do Colorado. Já em 1889, um ano após a descoberta, Othniel Charles Marsh fez a nomeação oficial da espécie. O Tricerátopo foi documentado com base em numerosos fósseis recolhidos desde que o gênero foi descrito pela primeira vez em 1889, incluindo pelo menos um esqueleto completo de um indivíduo[10] Como o paleontólogo John Scannella observou: "É difícil sair para a Formação Hell Creek e não tropeçar em cima de um declive formado por restos de Triceratopo". Quarenta e sete crânios completos ou parciais foram descobertos apenas nessa área durante a década de 2000-2010.[11] Espécimes que representam as fases de vida de filhote a adulto foram encontrados [12]

A função do folho e dos três distintivos chifres faciais inspirou longo debate. Tradicionalmente, estes foram vistos como armas de defesa contra predadores. Teorias mais recentes, observando a presença de vasos sanguíneos nos ossos do crânio dos ceratopsídeos , consideram que é mais provável que esses recursos fossem utilizados principalmente para identificação, no acasalamento e para mostrar disposição de dominância, de forma muito semelhante com as galhadas e os chifres das renas, cabra-das-rochosas e besouros-rinoceronte atuais[13] a teoria encontra apoio adicional se o torossauro representar a forma madura do Tricerátopo, pois isso significaria que o folho também desenvolvia buracos (fenestras), quando os indivíduos atingiam a maturidade, tornando a estrutura mais útil para a exibição do que para defesa.[5]

É um dos dinossauros mais conhecidos do público, tendo aparecido no filme Jurassic Park de Steven Spielberg. Nos Estados Unidos, é um dos símbolos oficiais do Wyoming.

Há indícios que, na verdade, o tricerátopo seja a versão jovem do torossauro, porém ainda não há provas irrefutáveis.[14] Mas a teoria é fraca, já que o triceratopo media:3 metros de altura, 9 m de comprimento e pesava até 12 toneladas. Já o torossauro media:2,5 metros de altura e 7 metros de comprimento e pesava de 4 a 8 toneladas, ou seja o triceratops era até 2,5 metros maior e 3 vezes mais pesado que o torossauro.

Descrição[editar | editar código-fonte]

Tamanho estimado do Tricerátopo (azul) comparado ao Eotricerátopo (verde) e a um humano.

Estima-se que Tricerátopos individuais atingiam entre 7,9 e 9,0 m de comprimento, e entre 2,9 e 3,0 m de altura , [15] [16] e pesado entre 6,1 e 12,0 toneladas[17] A sua característica mais distinta é o seu grande crânio, o maior de todos entre os animais terrestres. O maior crânio conhecido (o espécime BYU12183) tinha um tamanho estimado em 2.5 m.de comprimento quando completo,[5] e podia chegar a quase um terço do comprimento de todo o animal.[12] Ele tinha um único chifre no focinho, acima das narinas, e um par de chifres de cerca de 1 m de comprimento,com um acima de cada olho.[18] A parte traseira do crânio era relativamente curta, adornada com um folho ósseo epoccipital, em alguns espécimes. A maioria dos outros ceratopsídeos tinham grandes fenestras em seus folhos,enquanto o folho dos Tricerátopos eram visivelmente sólidos.[19]

A pele do Tricerátopo era incomum se comparada a de outros dinossauros. Impressões de pele de um espécime de uma espécie ainda não-identificada mostram que algumas espécies podem ter sido cobertas de estruturas semelhantes a cerdas, semelhantes à do ceratopsídeo mais primitivo,o psitacossauro.[20]

Membros[editar | editar código-fonte]

Reconstrução de um jovem T. horridus em vida

O Tricerátopo possuía uma forma robusta, com membros fortes, mãos curtas com três unhas cada, e os pés curtos, com quatro unhas cada [10] Embora certamente eles fossem quadrúpedes, a postura destes dinossauros tem sido objeto de alguns debates. Inicialmente , acreditava-se que as pernas da frente do animal deviam ser para locomoção terrestre. Formando um ângulo a partir do tórax, de forma a melhor suportar o peso da cabeça[13] Esta postura pode ser vista em pinturas de Charles Knight e Rudolph Zallinger.Provas Icnológicas sob a forma de pegadas fósseis de dinossauros com chifres , e reconstruções recentes de esqueletos (físicos e digitais) parecem mostrar que o Tricerátopo e outros ceratopsídeos mantinham uma postura em posição vertical durante a locomoção normal, com os cotovelos flexionados e ligeiramente inclinados para a frente, em um estado intermediário entre totalmente na vertical e totalmente dispersos (como nos rinocerontes modernos).[10] [21] [22] [23]

As mãos e os antebraços do Tricerátopo mantiveram uma estrutura bastante primitiva em comparação com outros dinossauros quadrúpedes , como os Tireóforos e muitos Saurópodes. Nesses dois grupos, os membros anteriores de espécies quadrúpedes geralmente eram girados de modo que as mãos ficassem com as palmas para a frente esse animais caminhavam com as palmas das mãos viradas para trás ("pronadas"). O Tricerátopo, como outros ceratopsídeos e Ornitópodes quadrúpedes relacionados, andou com a maioria de seus dedos apontando para a direção contrária ao corpo,condição primordial para os dinossauros também mantida por formas bípedes, como os terópodes.Nos Tricerátopos, o peso do corpo foi sustentado por apenas os três primeiros dedos da mão, enquanto os dedos 4 e 5 eram vestigiais e não tinham garras ou unhas.[10] A fórmula falangeal é 2-3-4-3-1, o que significa que o dedo mais interno do membro anterior tem dois ossos, o próximo tem três, etc.[24]

Classificação[editar | editar código-fonte]

A comparação do tamanho do Tricerátopo com o tamanho do humano.
Vista frontal de um crânio com um proeminente folho epocipital,Museu de Ciências naturais de Houston.

O gênero Triceratops é o gênero mais conhecido dos ceratopsídeos, uma família de grandes dinossauros com chifres. norte-americanos. A localização exata dos Tricerátopos entre os ceratopsídeos tem sido debatida ao longo dos anos. A confusão resultou, principalmente, da combinação de folhos curtos, sólidos (semelhantes aos dos Centrossauros), e longos chifres da testa (semelhantes aos dos Ceratopsínios, também conhecidos como Chasmossaurinos).[25] Numa primeira visão a respeito dos dinossauros com chifres,R. S. Lull formulou a hipótese de duas linhagens, uma dos Monoclonios e Centrossauros levando os Tricerátopos , os outros dinossauros com chifres e o torossauro , a formarem o grupo dos Tricerátopos centrosaurinos como ele é conhecido hoje.[26] Mais tarde revisões apoiaram esta visão, descrevendo formalmente o primeiro grupo, com folhos curtos como sendo dos Centrossaurinos (incluindo os Tricerátopos), e o segundo,grupo com folhos longos como sendo dos Chasmossaurinos[27] [28]

vista de um crânio de Tricerátopo, Museu de História Natural de Londres

Em 1949,C. M. Sternberg tornou-se o primeiro a questionar essa classificação e a supor que os Tricerátopos eram mais intimamente relacionados com os Arrhinocerátopo e Chasmossauro baseado no crânio e nas características dos chifres,formando um gênero de Tricerátopos ceratopsínios ( ou chasmossaurinos)[29] Ele foi largamente ignorado,tendo John Ostrom,[30] e mais tarde David Norman colocado os Tricerátopos dentro do grupo dos Centrossaurinos.[31]

Descobertas subseqüentes e análises confirmaram a visão de Sternberg sobre a posição taxonômica do Tricerátopo, com Lehman definindo ambas as subfamílias em 1990, classificando oTricerátopo como ceratopsíneo (ou chasmossaurino), com base em várias características morfológicas. Na verdade, ele se encaixa bem na subfamília dos ceratopsíneos, apesar de possuir um folho curto.[32] Outras pesquisas,realizadas por Peter Dodson, incluindo uma análise cladística em 1990[33] e um estudo de 1993 usando o RFTRA (resistant-fit theta-rho analysis),[34] A técnica morfométrica que mede sistematicamente semelhanças na forma do crânio, reforça a inclusão do Tricerátopo na subfamília dos ceratopsíneos. Abaixo,um cladograma segundo Sampson et al. (2010).[35]


Ceratopsidae

Centrosaurinae


Chasmosaurinae

Chasmosaurus




Mojoceratops




Agujaceratops





Utahceratops



Pentaceratops





Coahuilaceratops





Kosmoceratops



Vagaceratops





Anchiceratops




Arrhinoceratops




Ojoceratops



Eotriceratops




Torosaurus




Nedoceratops



Triceratops














Uso em filogenética[editar | editar código-fonte]

Em taxonomia filogenética, o gênero tem sido utilizado como um ponto de referência na definição de Dinossauro; os dinossauros foram definidos como sendo todos os descendentes do Ancestral comum mais recente dos Tricerátopos e das aves modernas Neornithes.[36] Além disso, os dinossauros com quadril de ave, Ornitísquios,foram designados como todos os dinossauros com um ancestral comum mais recente dos Tricerátopos e das aves modernas.[37]

Origens evolutivas[editar | editar código-fonte]

Crânio do espécime DMNH 48617 encontrado na Formação Laramie,no leste do Colorado. Com base na idade da formação, ele pode ser o mais antigoTricerátopo conhecido.

Durante muitos anos após a sua descoberta, as origens evolutivas do Tricerátopo permaneceram em grande parte desconhecidas. Em 1922, o recém-descoberto Protocerátopo foi tido como seu ancestral por Henry Fairfield Osborn.[13] Mas muitas décadas se passaram antes que novos resultados viessem à tona. Nos últimos anos tem ocorrido proveitosas descobertas de vários dinossauros relacionados com ancestrais do Tricerátopo. Zuniceratops, o mais antigo ceratopsídeo com chifres na testa conhecido, que foi descrito no final dos anos 1990, e o Yinlong, o mais antigo ceratopsídeo Jurássico conhecido, em 2005.

Essas novas descobertas têm sido vitais para Ilustrar as origens dos dinossauros com chifres em geral, sugerindo que sua origem na Ásia no Jurássico, e o aparecimento do ceratopsídeos com chifres verdadeiros no início do final do Cretáceo na América do Norte. [38] Como está cada vez mais demonstrado que o Tricerátopo é um membro da subfamília dos Ceratopsíneos de folhos longos,seus prováveis ancestrais podem ter sido semelhantes ao Chasmossauro, o qual prosperou durante cerca de 5 milhões de anos antes dele.

Paleobiologia[editar | editar código-fonte]

Um gráfico de 1905 mostrando o cérebro relativamente pequeno de um Tricerátopo (em cima) comparado ao cérebro de um edmontossauro (embaixo)

Embora Tricerátopos sejam comumente retratados pastoreando em bando, existem atualmente poucas evidências de que eles viviam em manadas. Enquanto vários outros gêneros de dinossauros com chifres são conhecidos a partir de leitos ósseos com ossos preservados pertencentes a dois, centenas ou milhares de indivíduos,até o momento só há um leito ósseo documentado dominado por ossos de Tricerátopos: um local no sudeste de Montana com os restos de três jovens.Pode ser que isso signifique que apenas os tricerátopos jovens estavam presentes[39] Outra descoberta mais recente pode revelar que os Tricerátopos viveram em pequenos grupos familiares. Em 2012, os esqueletos fósseis relativamente completos e bem preservados de um grupo de trêsTricerátopos,com diferentes tamanhos variando do tamanho de um adulto maduro para o de um pequeno e jovem, foram encontrados em Wyoming, perto de Newcastle. Os restos mortais estão em fase de escavação pelo paleontólogo Peter Larson e uma equipe do Instituto Black Hills. Acredita-se que os animais estavam viajando como um grupo familiar, mas permanece desconhecido se o grupo é composto por um casal e o seu descendente, ou duas fêmeas e um jovem de que estavam cuidando. Os restos também mostram sinais de predação ou limpeza por parte de um Tiranossauro, em especial sobre o maior espécime, cujos os ossos dos membros anteriores apresentam sinais de quebra e perfurações causadas por dentes de Tiranossauro.[40]
Por muitos anos, os achados de Tricerátopos consistiam-se apenas de indivíduos solitários[39] Estes restos são muito comuns; por exemplo Bruce Ericson, um paleontólogo do Museu da Ciência de Minnesota,relatou ter visto 200 espécimes de T. prorsus na Formação Hell Creek,em Montana.[41] Da mesma forma, Barnum Brown afirmou ter visto mais de 500 crânios no campo.[13] : 48 devido ao fato de dentes,fragmentos dos chifres, fragmentos do folho e outros fragmentos do crânio do Tricerátopo, serem fósseis abundantes no estágio lanciano da fauna no final do periodo Maastrichtiano (final do Cretáceo, a cerca de 66 milhões de anos atrás) do oeste da América do Norte, ele é considerado como um dos herbívoros dominantes da época , se não o herbívoro dominante. Em 1986, Robert T. Bakker estima-se que ele representava 5/6 das megafauna dos dinossauros no final do Cretáceo.[42] : 438 Ao contrário da maioria dos animais, os fósseis do crânio do Tricerátopo são muito mais comuns do ossos pós-cranianos, o que sugere que o crânio tinha um potencial de conservação extremamente elevado.[43]
O Tricerátopo foi um dos últimos gêneros de ceratopsídeos a presenciar a Extinção do Cretáceo-Paleogeno. O relacionado Torossauro , e o pequeno Leptocerátopo de parentesco mais distante, também estavam presentes, embora seus fósseis sejam raramente encontrados.[13]

Dentição e dieta[editar | editar código-fonte]

Os Tricerátopos eram herbívoros, e por causa de sua cabeça baixa, seu alimento principal era provavelmente de baixo crescimento, embora possam ter sido capazes de derrubar plantas altas com seus chifres, bico, e tamanho.[44] Seus queixos eram transformados em um bico estreito e profundo, que acredita-se ter sido melhor para agarrar e arrancar plantas do que para morder.[45]

Close up dos maxilares e dentes

Os dentes do tricerátopo eram dispostos em grupos denominados baterias, com de 36 a 40 colunas de dentes, em cada lado de cada maxila, com de 3 a 5 dentes empilhados por coluna, dependendo do tamanho do animal[38] Isto significa que ele possuia entre 432 e 800 dentes, dos quais apenas uma fracção eram permanentes (a substituição dos dentes era continua e ocorria durante toda a vida do animal).[38] O grande tamanho e a quantidade de dentes do Tricerátopo sugere que eles comiam grandes quantidades de material vegetal fibroso, [38] Tendo sido sugerido por alguns pesquisadores que ele se alimentava de palmeiras e cicadáceas.[46] [47] Outros, sugerem que ele se alimentava de samambaias, que cresciam em pradarias.[48]

Função dos chifres o do folho[editar | editar código-fonte]

O esqueleto fossilizado de um Triceratops.

Tem havido muita especulação sobre as funções dos adornos da cabeça do Tricerátopo. As duas teorias principais giravam em torno do uso em combate, ou no Cortejo sexual, sendo a última hipótese a mais aceita atualmente. [38]

Exemplos de osso sofrendo reação periosteal em amostras selecionadas de um Tricerátopo

Logo no início, postulou-se que o folho pode ter servido como ponto de ancoragem para os músculos da mandíbula para ajudar na mastigação, permitindo o aumento do abertura da boca e, assim, mais poder para os músculos[49] Esta hipótese foi defendida por outros autores ao longo dos anos, mas estudos posteriores não encontraram evidências de anexos para grandes músculos nos ossos do folho.[50] Por muito tempo pensou-se que possivelmente os tricerátopos usassem seus chifres e folhos em combate com predadores como o Tiranossauro.[51] Há evidências de que os tiranossauros tinha encontros frontais agressivos com o Tricerátopo, com base em marcas de dentes de tiranossauro parcialmente cicatrizadas no chifre da testa de um tricerátopo ; o chifre mordido também está quebrado, com o crescimento de um novo osso após o ataque. O tiranossauro agressor é desconhecido[52] Já que as feridas no Tricerátopo estavam curadas, é mais provável que o Tricerátopo sobreviveu ao encontro e conseguiu vencer o Tiranossauro, estima que, se o Tiranossauro atacou um Tricerátopo, o Tricerátopo teve que usar os membros superiores para se defender, com sucesso infligindo ferimentos fatais no Tiranossauro por meio de seus seus chifres afiados.[53] O Tiranossauro também é conhecido por ter se alimentado de Tricerátopos. As evidências desse fato incluem uma marca de uma pesada mordida no ílio e no sacro de um Tricerátopo[4] Além de ter combatido predadores usando seus chifres, os Tricerátopos são comumente mostrados envolvendo-se em combates um com o outro usando os chifres como defesa. Enquanto estudos mostram que isso seria possível, seria o inverso do que os animais com chifre de hoje em dia fazem[54] Há discordância sobre seles terem ou não se envolvido nesses combates. Embora bicadas, buracos , lesões e outros danos nos crânios de tricerátopos (e nos crânios de outros ceratopsídeos sejam frequentemente atribuídos a feridas em combate, um estudo de 2006 não encontrou provas que os ferimentos provocados por seus chifres axiais provocassem essas formas de dano ( por exemplo, não há nenhuma evidência de infecção ou de cura). Em vez disso,foi proposto que a reabsorção óssea ou doenças ósseas não patológicas desconhecidas, são as possíveis causas de tais danos.[55] Um estudo mais recente sobre taxas de incidência de lesões cranianas comparadas e reação periosteal em Tricerátopos e centrossauros mostrou que estas eram consistentes com uso em combate dos chifres dos tricerátopos e o folho como sendo uma estrutura adaptada para proteção, enquanto as taxas mais baixas em nos centrossauros podem indicar patologias visuais ao invés da exploração física da ornamentação do crânio, ou uma forma de combate usando o corpo e não a cabeça,[56] a frequência das lesões foi estimada em 14% para Tricerátopos.[57] Os pesquisadores também concluíram que os danos encontrados nas amostras do estudo foram muitas vezes demasiadamente localizados para serem causados por doença óssea[58] , o exame histológico revela que o folho do Tricerátopo é composto por osso fibrolamelar[59] que contém fibroblastos, que desempenham um papel fundamental na cicatrização de feridas, e são capazes de rápida deposição de fibras ósseas durante a remodelação óssea.[60]

crânios de um tricerátopo jovem e de um adulto - o crânio do tricerátopo jovem é aproximadamente do tamanho de cabeça de um ser humano adulto

O grande folho também pode ter ajudado a aumentar a área do corpo para à termorregulação.[61] Uma teoria semelhante foi proposta em relação as placas ósseas dos estegossauro,[62] embora apenas este uso não justifique as variações bizarras e extravagantes vistas em diferentes membros dos ceratopsídeos,[63] esta observação é altamente sugestiva do que hoje se acredita ser a sua principal função, exibição. A teoria de sua utilização no cortejo sexual foi proposta pela primeira vez em 1961 e tem vindo a ganhar cada vez maior aceitação desde então.[64] A prova de que ele foi importante para a exibição visual, seja no namoro ou em outro comportamento social , pode ser vista no fato de que os dinossauros com chifres tem diferenças acentuadas em seus adornos, tornando o adorno de cada espécie altamente distintivo. Além disso, seres vivos modernos com tais chifres e adornos a mostra usam-nos de forma semelhante.[65] O estudo do crânio de um Tricerátopo "menor", tido como sendo jovem em 2006, mostra o folho e os chifres desenvolvidos em uma idade muito precoce, antecedendo o desenvolvimento sexual e, portanto, . sendo em geral provavelmente importante para a comunicação visual e reconhecimento das espécies.[66]

Paleopatologia[editar | editar código-fonte]

Em um crânio, tido como sendo de um Tricerátopo, foi observado um buraco no Osso jugal que parece ter sido um ferimento que foi causado enquanto esse indivíduo ainda estava vivo. Isto é confirmado por meio de sinais de cicatrização que estão presentes no osso em torno do suposto ferimento. Quando examinado de perto, o orifício no osso tem um diâmetro que é muito semelhante ao diâmetro da extremidade mais distal de um chifre de Tricerátopo. Este, e outros ferimentos cicatrizados aparentes nos crânios de ceratopsídeos, tem sido citados como evidências de uma competição intraespecífica não mortal entre esses dinossauros. [67] [68]

Descoberta e identificação[editar | editar código-fonte]

Ilustração do espécime YPM 1871E, os núcleos de chifres que foram erroneamente atribuídos a o Bison alticornis, o primeiro espécime descoberto de Tricerátopo

O primeiro fóssil agora atribuído ao Tricerátopo é um par de chifres da testa ligados a cobertura craniana, encontrado perto de Denver, Colorado, na primavera de 1887. [69] Este fóssil foi enviado para Othniel Charles Marsh, que acreditava que a formação de onde ele veio datava do plioceno, e que os ossos pertenciam a um Bisão particularmente grande e incomum, que ele chamou de Bison alticornis[69] [70] Ele percebeu que existiram dinossauros com chifres e apenas no ano seguinte, foi publicada a descoberta do gênero Ceratopsidae a partir de restos fragmentários[71] , mas ele ainda acreditava que B. alticornis era um mamífero do plioceno. Demorou até encontrarem um terço de um crânio e outros crânios mais completos de tricerátopo para ele mudar de idéia. A amostra, coletada em 1888 por John Bell Hatcher da Formação Lance em Wyoming, foi inicialmente descrito como uma outra espécie de Ceratopsídeo. [72] Após uma reflexão, Marsh mudou de ideia e deu-lhe o nome genérico de Tricerátopo,aceitando o seu Bison alticornis como uma outra espécie de Ceratopsídeo[73] (que viria a ser considerado um Tricerátopo[74] . A natureza robusta do crânio do animal garantiu que muitos exemplares fossem preservados como fósseis, permitindo que variações entre espécies e indivíduos pudessem ser estudadas. Restos de Tricerátopos foram posteriormente encontradas nos estados americanos de Montana e Dakota do Sul (além do Colorado e Wyoming), e nas províncias canadenses de Saskatchewan e Alberta.

Um espécime anterior, também recuperado na formação lance, foi nomeado Agathaumas sylvestris por Edward Drinker Cope em 1872. Originalmente identificado como um hadrossauro, este espécime consiste apenas de restos pós-cranianos e é considerado provisoriamente um exemplo de Tricerátopo. [75]

Espécies[editar | editar código-fonte]

Nas primeiras décadas após o Tricerátopo ter sido descrito, vários crânios foram recolhidos, que variavam em maior ou menor grau em relação ao do Tricerátopo original , chamado T. horridus por Marsh (do latim horridus; "áspero, rugoso", lembrando a textura áspera dos ossos pertencentes ao primeiro crânio, mais tarde identificado como um indivíduo idoso). Essa variação não é surpreendente, uma vez que os crânios de Tricerátopos são grandes objetos tridimensionais, originários de indivíduos de diferentes idades e de ambos os sexos, e que foram submetidos a diferentes valores e sentidos de pressão durante a fossilização. [38] Os descobridores classificariam essas espécies como espécies separadas (listadas abaixo), e apresentaram-nas com várias linhas filogenética de como foram relacionadas entre si.

amostra de um exemplar da espécie T.horridus

Na primeira tentativa de identificar as diferentes espécies de tricerátopo, Lull encontrou dois grupos, embora ele não tenha contado como distinguiu-os: um formado por T. horridus, T. prorsus e T. brevicornus; o outro formado por T. elatus e T. calicornis. Duas espécies (T. serratus e T. flabellatus) situam-se fora desses grupos.[26] Em 1933, em sua revisão do março de 1907 de sua monografia sobre todos os ceratopsídeos conhecidos, Hatcher, Marsh e Lull mantiveram seus dois grupos e duas espécies não relacionadas, com uma terceira linhagem de T. obtusus e T.hatcheri que foi caracterizado por um pequeno chifre nasal.[28] T.horridus, T. prorsus e T. brevicornus são agora considerados a linhagem mais preservada, com um aumento no tamanho do crânio e uma diminuição no tamanho do chifre nasal, e as espécies T. elatus e T. calicornis foram caracterizadas por grandes chifres na testa e chifre nasal pequeno.[28] [76] CM Sternberg fez uma modificação nessa classificação, acrescentando T. eurycephalus e sugerindo que ele era mais ligado a segunda e a terceira linhagens do que à linhagem do T. horridus. [29] Esse padrão foi obedecido até os principais estudos principais das décadas de 1980 e 1990.

Com o tempo, a idéia de que as diferenças entre os crânios de tricerátopo pode representar a variação individual dentro de uma ou mais espécies ganhou popularidade. Em 1986, Ostrom e Wellnhofer publicaram um artigo em que propunham que havia apenas uma espécie de tricerátopo, Triceratops horridus [77] Uma de suas justificativas foi que geralmente há apenas uma ou duas espécies de qualquer animal de grande porte em uma região (exemplos modernos desse fato são o elefante e a girafa da África moderna). Para suas conclusões, Lehman associou as velhas linhagens de Lull e Sternberg à maturidade e ao dimorfismo sexual, sugerindo que as linhagens de T. horridus, T. prorsus e T. brevicornus eram compostas por fêmeas,as linhagens de T.calicornis e T. elatus eram composta por machos, e as linhagens de T. obtusus e T. hatcheri eram formadas por machos velhos e doentes.[32] Seu raciocínio era baseado na hipótese de que os machos possuíam chifres mais altos e mais eretos e crânios maiores , e as fêmeas tinham crânios menores, com chifres mais curtos, voltados para a frente.

restauração de 1896 do esqueleto de T. prorsus feita por O.C Marsh com base no crânio do holótipo e em elementos relacionados

Estes resultados foram contestados alguns anos mais tarde por Catherine Forster, que ao reanalisar restos de Tricerátopo de forma mais abrangente,concluiu que os restos pertenciam à duas espécies, T. horridus e T. prorsus, embora o crânio distinto do T. ("Nedoceratops") hatcheri fosse diferente o suficiente para justificar a existência de um gênero diferente.[78] Ela descobriu que o T. horridus e diversas outras espécies eram a mesma espécie, e as espécies T. prorsus e T. brevicornus ficaram sozinhas, e uma vez que havia muito mais exemplares no primeiro grupo, ela sugeriu que este significava que os dois grupos eram duas espécies. Ainda é possível interpretar as diferenças como representando uma única espécie com dimorfismo sexual.[13] [79]

Em 2009, John Scannella e Denver Fowler apoiaram a separação das espécies T. prorsus e T. horridus, e observou que as duas espécies também são separadas estratigraficamente dentro da Formação Hell Creek, indicando que elas não viviam juntas, ao mesmo tempo. [80]

Espécies válidas[editar | editar código-fonte]

Sinônimos e espécies não confirmadas[editar | editar código-fonte]

O crânio denominado OAMNH 5116 desta amostra composta de T.horridus foi originalmente atribuído a T.elatos
T.prorsus, Museu de História Natural de Carnegie

As seguintes espécies são consideradas nomina dubia ("nomes duvidosos"), e são classificadas com base em vestígios que são demasiadamente escassos ou incompletos para serem distinguidos de espécies pré-existentes de Tricerátopo.

  • T. albertensis (CM Sternberg, 1949)
  • T. alticornis (Marsh, 1887 [originalmente Bisão )
  • T. brevicornus (Hatcher, 1905) (= T. prorsus )
  • T. calicornis (Marsh, 1898) (= nT. horridus )
  • T. elatus (Marsh, 1891) (= T. horridus )
  • T. eurycephalus (Schlaikjer , 1935)
  • T. flabellatus (Marsh , 1889) (= T. horridus )
  • T. galeus (Marsh , 1889)
  • T. hatcheri (Lull , 1907) (controverso; ver Nedoceratops abaixo)
  • T. ingens (Lull.1915)
  • T. maximus (Brown , 1933)
  • T. mortuarius (Cope, 1874) (nomen dubium; originalmente Polyonax mortuariu )
  • T. obtusus (Marsh, 1898) (= T. horridus)
  • T. serratus (Marsh, 1890) (= T. horridus)
  • T. sulcatus (Marsh, 1890)
  • T. sylvestris (Cope, 1872) (nomen dubium; originalmente Agathaumas sylvestris )
Nedocerátopo[editar | editar código-fonte]
O único crânio conhecido do Nedoceratops hatcheri, cujo espécime foi denominado USNM 2412,as estruturas restauradas são mostradas em cinza

O documento que descreve o Nedocerátopo era originalmente parte da obra-prima de O. C. Marsh,sua Monografia dos ceratopsídeos. Infelizmente, Marsh morreu em 1899, antes de concluir sua obra,e John Bell Hatcher se esforçou para completar a seção a respeito dos Tricerátopos. Ele morreu de tifo em 1904 aos 42 anos,deixando a obra ainda incompleta. Coube a Richard Lull Swann a conclusão da monografia em 1905, publicando a descrição de Hatcher a respeito de um crânio separado e dando-lhe o nome de Diceratops hatcheri.[81] [82] Dicerátopo significa "cara com dois chifres".

Uma vez que a descrição do Dicerátopo tinha sido escrita por Hatcher, e Lull contribuiu apenas dando o nome da espécie e publicando a descrição após a morte de Hatcher, Lull não estava tão convencido do carácter distintivo do Dicerátopo , pensando que ele poderia ser simplesmente patológico . Em 1933, Lull tinha dúvidas a respeito do Dicerátopo pertencer a um gênero distinto e ele colocou-o em um subgênero do Tricerátopo : Triceratops ( Diceratops ), incluindo o T. obtusus ; e em grande parte, atribuindo suas diferenças à idade avançada de um dos indivíduos.

Devido ao fato do nome Dicerátopo já estar sendo usado para designar um himenóptero nomeodo por Foerster em 1868,Andrey Sergeyevich Ukrainsky deu ao animal o nome atual de Nedocerátopo em 2007. [83] Sem saber que Ukrainsky já tinha renomeado o animal, Octávio Mateus cunhou um novo nome para ele em 2008, Diceratus ' . [84] [83] Diceratus é, portanto, um sinônimo júnior de Nedoceratops .

As opiniões tem variado sobre a validade da existência de um gênero separado para T. hatcheri . John Scannella e Jack Horner consideram-no como um estágio intermediário de crescimento entre o Tricerátopo e o Torossauro [5] [85] Andrew Farke , em sua redescrição do único crânio conhecido em 2011 , concluiu que era um indivíduo envelhecido pertencente ao seu próprio táxon válido Nedoceratops hatcheri ' . [7] Nicholas Longrich e Daniel Campos também não consideraram uma transição entre o "torossauro e oTricerátopo , o que sugere que os buracos no folho eram de origem patológica.[9]

Torosaurus[editar | editar código-fonte]
A. holótipo do Triceratops prorsus nomeado YPM 1822 e em B.Crânio de Torosaurus latus nomeado ANSP 15192

Torosaurus é um gênero de ceratopsídeos identificado primeiramente partir de um par de crânios em 1891, dois anos após a identificação do Tricerátopo. O gênero Torosauros lembra o Triceratops na idade geológica, distribuição, anatomia e tamanho físico e tem sido tido como um parente próximo dele.[86] as suas características distintivas são um crânio alongado e a presença de duas fenestras, ou buracos, no folho. Os paleontólogos investigam ontogenia desse dinossauro (crescimento e desenvolvimento dos indivíduos durante o tempo de vida), na Formação Hell Creek e apresentaram recentemente evidências de que os dois representam um único gênero.

John Scannella, em um trabalho apresentado em Bristol na conferência da Sociedade de Paleontologia de Vertebrados em 25 de setembro de 2009 reclassificou os indivíduos dos gêneros Torosaurus e Triceratops como especialmente maduros, talvez representando um único sexo. Jack Horner,o mentor de Scannella no Campus de Bozeman da Universidade de montana, observou que os crânios dos ceratopsídeos são formados por ossos metaplásico. Uma característica dos ossos metaplásicos é que eles aumentam e diminuem ao longo do tempo, o que prolonga a reabsorção para eles tomarem novas formas. Uma variedade significativa deles é vista até mesmo nos crânios já identificados como sendo pertencentes a Tricerátopos, Horner disse: "Quando a orientação dos chifres é para trás em jovens,ela é para a frente em adultos". Aproximadamente 50% de todos os crânios de tricerátopos sub-adultos têm duas áreas finas no folho que correspondem com os locais dos "buracos" nos crânios de Torossauro, o que sugere que os buracos se desenvolveram para compensar o peso da cabeça do animal, senão estariam presentes nos indivíduos maduros do gênero Triceratops,pois eles tinham folhos mais longos e finos que os dos torossauros[87] Um artigo descrevendo estes resultados em detalhes , foi publicado em julho de 2010 por Scannella e Horner. Nele, eles formalmente argumentam que o Torossauro , assim como o parente contemporâneo Nedocerátopo , eram sinônimos dos Tricerátopos . [5] Farke em 2011 discordou das suas conclusões.Ele encontrou uma forma distinta de Nedocerátopo e as alterações propostas obrigariam mudanças entre a "idade" de um Tricerátopo e de um Torossauro, algo sem precedentes entre os ceratopsídeos., exigindo além de uma reversão da textura do osso epoccipital, de um adulto imaturo para um adulto, um desenvolvimento tardio de buracos no folho. [7]

os estudos de Nicholas Longrich e Daniel Field, no entanto, contestaram Scannella e as descobertas de Horner. Depois de analisar 35 amostras, Longrich e Field descobriram que haviam espécimes de Triceratops que estavam muito velhos para serem considerado jovens e espécimes de Torosaurus que eram jovens demais para serem adultos. O estudo também descobriu que se os Torossauros e os Tricerátopos fossem de fato uma única espécie, então não deveriam haver sinais de transição nos crânios de um para outro , mas eles sugeriram que o espécime de Triceratops de Scannella com um buraco em seu folho estava apenas doente e não representa uma ligação entre o Tricerátopo e o torossauro.[8] [9]

Ojoceratops e Tatankaceratops [editar | editar código-fonte]

Em um artigo posterior,o paleontólogo Nick Longrich argumentou que a hipótese da sinonímia entre Triceratops e Torosaurus não poderia ser suportada sem formas intermediárias melhores do que as que Scannella e Horner tinham inicialmente previstos. Longrich concordou que o Nedoceratops é sinônimo do Triceratops, e sugeriu que o recentemente descrito Ojoceratops era indistinguível do espécime T. horridus anteriormente atribuído à espécie extinta T. serratus. Longrich sugeriu que o mais novo gênero na época, Tatankaceratops , possuía uma estranha mistura de características de espécimes de Triceratops adultos e juvens. Longrich observou que isso poderia representar uma espécie anã de Triceratops ou simplesmente um espécime de Triceratops com um transtorno de desenvolvimento que fez com que ele parasse de crescer prematuramente [88]

Representações recentes nos meios de comunicação populares[editar | editar código-fonte]

ilustração de 1901 por Charles R. Knight

A aparência distinta do Tricerátopo levou ele a ser freqüentemente retratado em filmes, jogos de computador e documentários, como o filme de 1993 Jurassic Park e o documentário de televisão de 1999 da BBC Walking with Dinosaurs. A espécie também apareceu como a forma alt para um dos Dinobots a linha de brinquedos Transformers. O Triceratops (as espécies não são identificadas) é o fóssill oficial do estado de Dakota do Sul,[89] E o dinossauro oficial do estado de Wyoming.[90]

Um tema recorrente, especialmente nos livros de dinossauros para crianças, é o confronto clímax ou batalha entre Triceratops e Tyrannosaurus. Em 1942, Charles R. Knight pintou um mural mostrando um confronto entre os dois dinossauros no Museu Field de História Natural para a National Geographic Society, estabelecendo -os como inimigos no pensamento popular.[91] O paleontólogo Bob Bakker afirmou sobre a rivalidade imaginada entre Tyrannosaurus e Triceratops que "nenhum confronto entre predador e presa Nunca foi Mais dramático. É de certa forma apropriado Imaginar que aqueles dois antagonistas enormes viveram sua beligerância co-evolutiva através dos últimos dias da última época da era final dos dinossauros".[91]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Scannella, JB & Fowler. A stratigraphic survey of triceratops localities in the Hell Creek formation (em inglês). [S.l.: s.n.].
  2. Liddell, HG , e R. Scott. Léxico Grego-Inglês , edição condensada. [S.l.: s.n.], 1980. ISBN 0-19-910207-4
  3. triceratops. Dicionário Online de Etimologia.
  4. a b Olson, Erickson. (1996). "marcas de mordidas atribuíveis ao tiranossauro rex : descrição e implicações preliminares". Journal of Vertebrate Paleontology 16: 175-178 pp.. DOI:10.1080/02724634.1996.10011297.
  5. a b c d e Scannella, J.; Horner, J.R. (2010). "Torosaurus Marsh, 1891, is Triceratops Marsh, 1889 (Ceratopsidae: Chasmosaurinae): synonymy through ontogeny". Journal of Vertebrate Paleontology 30 (4): 1157–1168. doi:10.1080/02724634.2010.483632.
  6. Novo estudo diz que o Torossauro é um Tricerátopo. Dinosaur Tracking. Smithsonian.com. Página visitada em 2 de Março de 2011.
  7. a b c Farke, Leon. (2011). "[http://www.plosone.org/article/info % 3Adoi % 2F10.1371 % 2Fjournal.pone.0016196 anatomia e status taxonômico do ceratopsídeo chasmossaurino Nedoceratops hatcheri da formação Lance do Cretáceo Superior na formação de Wyoming, EUA]" 6: e16196 pp.. DOI:10.1371/journal.pone.0016196. PMID 21283763.
  8. a b [1], Longrich NR, DJ Field ( 2012) O Torossauro não é o Tricerátopo : ontogenia em ceratopsídeos Chasmossaurinos com um Estudo do Caso em Taxonomia dos dinossauros. PLoS ONE 7 (2): e32623 . doi: 10.1371/journal.pone.0032623
  9. a b c [2], Bowdler, Neil(1 de março de 2012).Triceratops and Torosaurus dinosaurs 'two species, not one'. Retrieved July 29, 2013 from http://www.bbc.co.uk/news/science-environment-17192624
  10. a b c d Fujiwara, S.-I.. . "A Reavaliação da estrutura das mãos noTricerátopo ( Ceratopsia : Ceratopsidae )". Journal of Vertebrate Paleontology 29: 1136-1147 pp..
  11. Morfossauros : Como os dinossauros que mudam de forma nos enganaram - a vida - 28 de Julho 2010. New Scientist. Página visitada em 28/03/2010. DOI:10.1080/02724634.2010.483632.
  12. a b Lambert, D. (1993). The Ultimate Dinosaur Book. Dorling Kindersley, New York. pp. 152–167. ISBN 1-56458-304-X
  13. a b c d e f Dodson, P. (1996). The Horned Dinosaurs. Princeton University Press, Princeton, New Jersey. ISBN 0-691-02882-6
  14. [3]
  15. T dinossauros. DinoDictionary . com. Página visitada em 2010-08-03.
  16. online / diretório dino / detail.dsml Gênero = Triceratops Título não preenchido, favor adicionar. Internt.nhm.ac.uk. Página visitada em 08/03/2010.
  17. Alexander, RM. . "Mecânica da postura e na marcha de alguns grandes dinossauros". Jornal Zoologico da Linnean Society 83: 1-25 doi=10.1111/j.1096-3642.1985.tb00871.x pp..
  18. museu Denver desvenda crânio de 1.000 quilos e 7 metros de comprimento de Tricerátopo. The Daily Courier (18 de novembro de 2003). Página visitada em 26/12/2013.
  19. "Making A Triceratops .Science Supplies Missing Part! Of Skeleton". Boston Evening Transcript. October 24, 1901. Retrieved 2013-12-26.. Boston Evening Transcript (24 de outubro de 1901). Página visitada em 26/12/2013.
  20. / título / Dressing_up_dinos Vestir-se de Dinos pp. 22-25 (2010). DOI:10.1002/scin.5591770321.
  21. Christiansen, P. et al.. (2001). "/ GaiaNeoceratopsian.pdf osso do membro, proporções dos membros e resistência óssea em dinossauros neoceratopsídeos". Gaia 16: 13-29 pp..
  22. Thompson, S. et al.. (2007). "Postura dos Membros Anteriores e passo cíclico do Chasmosaurus irvinensis ( Dinosauria : Neoceratopsia )". Palaeontologia Electronica 10: 17 p. pp..
  23. Rega, E. et al.. Novas Perspectivas sobre Dinossauros com chifres: The Royal Tyrrell Museum Ceratopsian symposium. Bloomington e Indianapolis: [s.n.], 2010. Capítulo: comportamento locomotor Habitual inferida a partir de uma patologia manual em dois dinossauros chasmossaurino ceratopsídeos do Cretáceo , Chasmosaurus irvinensis (CMN 41357 ) e Chasmosaurus belli (ROM 843). , 340-354 pp. ISBN 978-0 - 253-35358-0
  24. Martin , AJ (2006 ) . Introdução ao Estudo dos Dinossauros . Second Edition . Oxford, Blackwell Publishing. 560 pp ISBN 1-4051-3413-5 .
  25. o que tem de especial os Tricerátopos?. Dinosaurios.org. Página visitada em 26/12/2013.
  26. a b Hatcher, J. B., Marsh, O. C., and Lull, R. S. (1907) The Ceratopsia. Government Printing Office, Washington, D.C. ISBN 0-405-12713-8.
  27. Lambe, LM. (1915). "Um Eoceratops canadensis , gen . novembro , com observações sobre outros gêneros de dinossauros com chifres do Cretáceo". Departamento de Minas do Canadá- Boletim do Museu de pesquisas geológicas 12: 1-49 pp..
  28. a b c Lull, RS. (1933). "Revisão dos Ceratopsídeos ou dinossauros com chifres". Memórias do Museu Peabody de História Natural 3: 1-175 pp.. Página visitada em 20 de novembro de 2010.
  29. a b Sternberg, CM. (1949). "a fauna de Edmonton e a descrição um novo membro dos Tricerátopos do cretáceo superior de Edmonton ; filogenia dos Ceratopsídeos". Boletim do Museu Nacional do Canadá 113: 33-46 pp..
  30. Ostrom , JH. (1966). "morfologia funcional e evolução dos dinossauros ceratopsídeos". Evolution 20: 290-308 pp..
  31. Norman, David. A Enciclopédia ilustrada dos Dinossauros. Londres: [s.n.], 1985. ISBN 0-517-46890-5
  32. a b Lehman, TM (1990). A subfamília ceratopsinae Chasmosaurinae : dimorfismo sexual e sistemática . em : Carpenter , K. , e Currie , P. J. ( eds. ) . Sistemática dos Dinossauros: perspectivas e abordagens . Cambridge University Press, Cambridge , pp 211-229 . . ISBN 0-521-36672-0
  33. Dodson , P., e Currie , PJ (1990). Neoceratopsia . 593-618 . em Weishampel , DB, Dodson , P., & Osmólska , H. ( eds.) . A Dinosauria . University of California Press , Berkeley , pp 593-618 . ISBN 0-520-06727-4
  34. Dodson, P.. (1993). "~ ajs/1993/11.1993.07Dodson.pdf craniologia comparativa dos Ceratopsídeos". American Journal of Science 293: 200 -234 pp.. DOI:10.2475/ajs.293.A.200.
  35. "Noos dinossauros com chifres de Utah fornecem evidências do endemismo Intracontinental dos Dinossauros". PLoS ONE 5: e12292 pp.. DOI:10.1371/journal.pone.0012292. PMID 20877459.
  36. Gauthier, JA. (1986). "monofilia dos saurísquios e a origem dos pássaros. A Origem das Aves e a Evolução do vôo , K. Padian (ed.)". Memórias da Academia de Ciências da Califórnia 8: 1-55 pp..
  37. PC. (1998) "a justificativa para definições filogenéticas,com aplicação à taxonomia de nível superior da superordem Dinosauria". Neues Jahrbuch für Geologie und Paläontologie , Abhandlungen 210: 41 - 83 pp..
  38. a b c d e f Forster, C.A.; and Sampson, S.D. (2004) Ceratopsidae. In: Weishampel, D. B.; Dodson, P.; and Osmólska, H. (eds.), The Dinosauria (segunda edição). University of California Press, Berkeley, pp. 494–513. ISBN 0-520-24209-2.
  39. a b Mathews, Joshua C. et al.. (2009). "O primeiro leito ósseo de Tricerátopos e suas implicações para seu comportamento gregário". Journal of Vertebrate Paleontology: 286-290 pp..
  40. [[4] titulo=trio de Tricerátopos descoberto em Wyoming Título não preenchido, favor adicionar]. CNN.com.. Página visitada em visitada em 25/082013..
  41. Erickson, BR. . "[jornal = Publicações Científicas do Museu da Ciência esqueleto em Montana de Triceratops prorsus no Museu da Ciência]" 1: 1-16 pp..
  42. Bakker, R.T. (1986). The Dinosaur Heresies: New Theories Unlocking The Mystery of the Dinosaurs and Their Extinction. William Morrow, New York. ISBN 0-14-010055-5.
  43. Derstler , K.. In: Nelson, GE (ed.). Os dinossauros de Wyoming. [S.l.: s.n.], 1994. Capítulo: dinossauros da Formação Lance , no leste de Wyoming. , 127-146 pp.
  44. J. et al.. (1928) "Como os Ceratopsideos transportavam e utilizazavam suas cabeças". Transactions of the Royal Society of Canada 22: 13-23 pp..
  45. Ostrom, J. H. (1966). "Functional morphology and evolution of the ceratopsian dinosaurs". Evolution 20 (3): 290–308. doi:10.2307/2406631. JSTOR 2406631.
  46. Ostrom, JH. (1964). "A análise funcional da mecânica da mandíbula do dinossauro Tricerátopo" (PDF). Postilla: 1-35 pp.. Página visitada em 20 Novembro 2010.
  47. Weishampel, DB. (1984). "A evolução dos mecanismos de mandíbula em dinossauros ornitopódes". Avanços na anatomia, Embriologia e Biologia Celular 87: 1-110 pp.. DOI:10.1007/978-3-642-69533-9. PMID 6464809.
  48. Coe, MJ ; Dilcher , D. L. ; Farlow , J. O. ; Jarzen , D. M. ; e Russell , D. A. (1987 ) . Dinossauros e plantas terrestres . Em : Friis , E. M. ; Chaloner , W. G. ; e Crane, PR (eds. ) As Origens das Angiospermas e suas conseqüências biológicas Cambridge University Press , pp 225-258 . ISBN 0-521-32357-6 .
  49. (1908) "" 4. DOI:25.149.387 10.2475/ajs.s4- 25.149.387.
  50. Forster , CA (1990 ) . A morfologia craniana e sistemática de Tricerátopo , com uma análise preliminar da filogenia dos ceratópsios . Ph.D. Dissertação . Universidade da Pensilvânia, Filadélfia. 227 pp
  51. Sternberg, CH ( 1917) . Caça aos Dinossauros no ermo do rio Red Deer , Alberta, Canadá . Publicado pelo autor , San Diego , Califórnia, 261 pp
  52. Tyrannosaurus rex, o Rei tirano ( Vida no Passado). [S.l.: s.n.], 2008. Capítulo: Uma análise do comportamento predador-presa em um encontro cabeça- com-cabeça entre um Tyrannosaurus rex e um Tricerátopo. , 355-368 pp. ISBN 0-253 - 35087-5
  53. Dodson, Pedro, The Horned Dinosaurs , Princeton Press. p.19
  54. Farke, AA. (2004). "Chifre Use in 'Triceratops ( Dinosauria : Ceratopsidae ) : Testing Behavioral Hypotheses Using Scale Models" (PDF) 7: 1-10 pp.. Página visitada em 20 Novembro 2010.
  55. Tanke , D. H, e Farke , AA (2006) . A reabsorção óssea , lesões ósseas e fenestras extracranianas em dinossauros ceratopsideos : uma avaliação preliminar . em : Carpinteiro , K. ( ed.) . Horns and Beaks : Ceratopsian and ornithopod Dinosaurs Indiana University Press: Bloomington. pp 319-347 . ISBN 0- 253-34817 -X .
  56. AA. (2009) "Evidência de Combate entre Tricerátopos" 4. DOI:10.1371/journal.pone.0004252.
  57. Peterson JE , Dischler C, Longrich NR ( 2013) Distribuições de patologias cranianas fornecem evidências sobre cabeçdas em dinossauros ceratopsideos ( Pachycephalosauridae ) . PLoS ONE 8 (7): e68620 . DOI:10.1371/journal.pone.0068620 10.1371/journal.pone.0068620
  58. Cicatrizes revelam como o Tricerátopo lutou -. Wired.com (27/01/2009). Página visitada em 03/08/2010.
  59. Reid REH (1997) Histologia dos ossos e dentes . In: editores Currie, PJ e Padian , K . Enciclopédia dos Dinossauros . Academic Press, San Diego , CA. 329-339 .
  60. Horner JR , Goodwin MB (2009 ) ontogenia Radial craniana no Cretáceo Superior do dinossauro Pachycephalosaurus . PLoS ONE 4 (10) : e7626 . Disponível: http://www.plosone.org/article/inf o% 3Adoi % 2F10.1371 % 2Fjournal.pone . 0007626 Acessado em 2012 Dez 4 Horner JR, Lamm E ( 2011) A ontogenia do folho parietal do Triceratops : . . Uma análise histológica preliminar. Rendus Palevol 10: . 439-452
  61. Wheeler, PE. (1978). "Elaborando estruturas de refrigeração do sistema nervoso central em grandes dinossauros". Nature 275: 441-443 pp.. DOI:10.1038/275441a0. PMID 692723.
  62. Farlow, JO, Thompson, CV, e Rosner, DE. (1976). "placas do dinossauro Estegossauro :? convecção forçada de perdas de calor pelas barbatanas". Science 192 p. 1123. DOI:10.1126/science.192.4244.1123. PMID 17748675.
  63. Erickson, GM; Olson, KH (1996). "Bite marks attributable to Tyrannosaurus rex: preliminary description and implications". Journal of Vertebrate Paleontology 16 (1): 175–178. doi:10.1080/02724634.19
  64. Davitashvili , L. Sh. Teoriya Polovogo Otbora ( Teoria da Seleção Sexual). [S.l.: s.n.], 1961.
  65. Farlow , JO e Dodson , P.. (1975) "O significado comportamental do folho e da morfologia do chfre em dinossauros ceratopsideos". Evolution 29 p. 353. DOI:10.2307/2407222.
  66. Goodwin, MB ; Clemens , W. A. ​​; Horner , J. R. ; e Padian , K.. (2006). "Os menores crânios de Tricerátopos conhecidos : novas observações sobre a anatomia craniana dos ceratopsideos e sua ontogenia" (PDF). Journal of Vertebrate Paleontology 26 p. 103. DOI:(2006) 26 [ 103: TSKTSN 2.0.CO ; 2 10.1671/0272-4634 (2006) 26 [ 103: TSKTSN ] 2.0.CO ; 2].
  67. Farlow, JO e Dodson, P. 1975. O significado comportamental do folho e chifre na morfologia dos dinossauros ceratopsídeos. Evolução 29:. 353-361
  68. Martin, AJ (2006). Introdução ao Estudo dos Dinossauros. Segunda edição. Oxford, Blackwell Publishing. pg. 299-300. ISBN 1-4051-3413-5.
  69. a b Carpenter, K . (2006) . " Bison " alticornis e O.C. Primeiros pontos de vista de Marsh sobre ceratopsídeos . In: Carpenter, K. (ed.) . Chifres e Bicos : Ceratopsídeos e Dinossauros Ornitópodes' , Indiana University Press , Bloomington e Indianapolis , pp 349-364 . . ISBN 0- 253-34817 -X
  70. OC, Marsh. . "Aviso sobre novos mamíferos fósseis" 34: 323-331 pp..
  71. Marsh, OC. . "A nova família de dinossauros com chifres , desde o Cretáceo" 36: 477-478 pp..
  72. Marsh, OC. . "Noticia sobre novo dinossauro americano" 37: 331-336 pp..
  73. Marsh, OC. . "Noiticia da descoberta de Dinossauro com chifres gigantes do Cretáceo" 38: 173-175 pp..
  74. J. B., Marsh, O. C., and Lull, R. S. (1907) The Ceratopsia. Government Printing Office, Washington, D.C. ISBN 0-405-12713-8.
  75. Breithaupt , BH (1999 ) . " Primeira descoberta de dinossauros no oeste americano . " Pp . 59-65 em Gillette, D.D. (ed.), Vertebrate Paleontology Em Utah . Utah Geological Survey . ISBN 1-55791-634-9 , ISBN 978-1-55791-634-1
  76. http://www.mnhn.fr/museum/front/medias/publication/8635_g06n3a5.pdf
  77. Ostrom, JH et al.. (1986). "a amostra do Tricerátopo de munique com uma revisão do gênero". Zitteliana 14: 111-158 pp..
  78. Forster, CA. . "Conclusão sobre o tricerátopo :aproximações cladísticas e morfométricas". Journal of Vertebrate Paleontology 16: 259-270 pp.. DOI:.10011313 10.1080/02724634.1996 .10011313.
  79. Lehman, TM. (1998). "Um crânio gigantesco e o esqueleto do dinossauro com chifres Pentaceratops sternbergi do Novo México". Journal of Paleontology 72: 894-906 pp..
  80. Scannella , JB e Fowler, DW (2009 ) . " anagênese nos Tricerátopos : evidência de um quadro estratigráfico recém resolvido na Formação Hell Creek ". Pp . 148-149 em 9 North American Paleontological Convention abstracts . Cincinnati Museum Center Scientific Contributions 3.
  81. Hatcher, John Bell. (1905). "Dois novos Ceratopsídeos de Converse County,Laramie , Wyoming". American Journal of Science 4: 413-419 pp..
  82. Lull, Richard Swann. (1905). "# v = onepage & f = false Reinclusão dos Dicerátopos no grupo dos dinossauros com chifres". American Journal of Science 4: 420-422 pp..
  83. a b Ukrainsky , AS (2007) . [http://www.zin.ru/Animalia/Coleoptera/rus/ukr_zr07.htm " Um novo nome substituto para o Diceratops Lull , 1905 ( Reptilia : Ornithischia : Ceratopsidae ) . Zoosystematica Rossica 16 (2) , 20 de Dezembro de 2007: . 292
  84. Mateus, Octávio. (2008). "Dois dinossauros Ornitísquios renomeados : Microceratops Bohlin ,1953 e Diceratops Lull,1905". Journal of Paleontology 82 p. 423. DOI:10.1666/07-069.1.
  85. Scannella, J. B.; Horner, J. R. (2011). "'Nedoceratops': An Example of a Transitional Morphology". In Claessens, Leon. PLoS ONE 6 (12): e28705. doi:10.1371/journal.pone.0028705. edit
  86. Farke, AA. In: Carpenter,K.. Horns and Beaks: Ceratopsian and Ornithopod dinosaurs. Bloomington: [s.n.]. Capítulo: osteologia craniana e relações filogenéticas do ceratopsídeo chasmossaurino torossauro latus . , 235-257 pp. ISBN 978-0-253-34817-3
  87. Novas Análises do crescimento dos dinossauros podem destruir Um terço das espécies. Ciência Notícias. ScienceDaily.com (31/10/2009).
  88. Nicholas R. Longrich. (2011). " Titanoceratops ouranous , um dinossauro com chifres gigante da Campânia inferior do Novo Mexico". Research Cretaceous 32. DOI:10.1016/j.cretres.2010.12.007.
  89. Estado de Dakota do Sul. Sinais e símbolos de Dakota do Sul ...... Página visitada em 20/01/2007.
  90. Estado de Wyoming. Estado de Wyoming - Informações Gerais. Página visitada em 20/01/2007 [5].
  91. a b Bakker, RT 1986. The Dinosaur Heresies. New York: Kensington Publishing, p. 240. Nessa página, Bakker tem sua própria luta entre T. rex e Triceratops.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Commons
O Commons possui imagens e outras mídias sobre Tricerátopo
Wikisource
O Wikisource contém fontes primárias relacionadas com Tricerátopo
Wikispecies
O Wikispecies tem informações sobre: Tricerátopo