Vítor Constâncio

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Vítor Constâncio
Ministro(a) de Portugal Portugal
Período de governo II Governo Constitucional de Portugal
  • Ministro das Finanças e do Plano
Vida
Nascimento 12 de Outubro de 1943 (71 anos)
Lisboa
Dados pessoais
Profissão Economista

Vítor Manuel Ribeiro Constâncio GCCGCIH (Lisboa, 12 de Outubro de 1943) é um economista e político português.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Licenciado em Economia pelo Instituto Superior de Ciências Económicas e Financeiras da Universidade Técnica de Lisboa,[1] foi secretário-geral do Partido Socialista, de 1986 a 1989, e candidato derrotado a primeiro-ministro, em 1987. Foi secretário de Estado do Planeamento, nos I e II Governos Provisórios, entre 1974 e 1975; do Orçamento e do Plano, no VI Governo Provisório, em 1976. Em 1976 foi eleito deputado à Assembleia da República, sendo nomeado presidente da Comissão Parlamentar para a Integração Europeia, em 1977 e 1979. Em 1978 foi ministro das Finanças e do Plano, no II Governo Constitucional. Foi novamente eleito deputado à Assembleia da República entre 1980 e 1981 e entre 1987 e 1988.[1]

Constâncio é professor catedrático convidado do Instituto Superior de Economia e Gestão da Universidade Técnica de Lisboa, desde 1989, culminando uma longa carreira académica,[1] apesar de nunca ter concluído o doutoramento.[2]

Tendo iniciado a sua atividade no Banco de Portugal em 1975 como diretor do Departamento de Estatística e de Estudos Económicos, foi nomeado vice-governador em 1977, posição que voltaria a ocupar em 1979 e durante o período de 1981 a 1984, foi nomeado seu 12.º Governador entre 1985 e 1986 e, novamente, 16.º Governador de Fevereiro de 2000 a Maio de 2010,[1] foi director de Estatística e Estudos Económicos, em 1975, e vice-governador, de 1981 a 1984.

A 24 de Maio de 1995 foi agraciado com a Grã-Cruz da Ordem do Infante D. Henrique.[3]

No sector privado foi, entre 1995 e 2000, vogal e administrador do Conselho de Administração do BPI e, novamente no sector público, entre 1998 e 2000, vogal e administrador não-executivo da EDP.[1]

A 21 de Maio de 1999 foi agraciado com a Grã-Cruz da Ordem de Rio Branco do Brasil[3] e a 8 de Junho de 2005 foi agraciado com a Grã-Cruz da Ordem Militar de Cristo.[3]

É membro do Conselho de Estado.[1]

Em 2010, ano em que foi acusado pela oposição de errar nas previsões macroeconómicas e de falhar na regulação bancária, por alegadamente ter actuado tardiamente no casos BPN e BPP, que custaram aos contribuintes portugueses um montante superior a 9.500 milhões de euros,[4] [5] [6] viu todavia reconhecidos os seus méritos na União Europeia, sendo nomeado em 2010 vice-presidente do Banco Central Europeu,[1] num mandato que durará oito anos e onde é responsável pela supervisão bancária.

Referências

  1. a b c d e f g Banco de Portugal. Antigos Governadores do Banco de Portugal. Visitado em 24 de Novembro de 2014.
  2. Instituto Superior de Economia e Gestão aquila2.iseg.utl.pt. Visitado em 07 de Agosto de 2009.
  3. a b c Cidadãos Nacionais Agraciados com Ordens Portuguesas Presidência da República Portuguesa. Visitado em 2014-11-21. "Resultado da busca de "Vítor Manuel Ribeiro Constâncio"."
  4. Diário Económico (31-12-2010). 2010 ou o que mais nos irá acontecer.
  5. cdspp (07-01-2011). BPN: Governo sem Estratégia.
  6. Jornal Negócios (26-09-2003). Deloitte castiga BPN na auditoria às contas de 2002.
Precedido por
Almeida Santos
Secretário-Geral do PS
1986 - 1989
Sucedido por
Jorge Sampaio
Precedido por
José da Silva Lopes
Governadores do Banco de Portugal
19851986
Sucedido por
José Alberto de Vasconcelos Tavares Moreira
Precedido por
António José Fernandes de Sousa
Governadores do Banco de Portugal
Fevereiro de 2000 – Maio de 2010
Sucedido por
Carlos da Silva Costa