A15 (autoestrada)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa


A 15 - Autoestradas de Portugal
Nome: Autoestrada do Atlântico
Traçado actual: Caldas da Rainha - Santarém (A 1)
Traçado previsto: Caldas da Rainha - Santarém (A 1)
Tráfego médio diário: 4 333[1] Ano: 2017 (Dez.)
A 15
40
Cruza com: Concessionário: Regime:
 A 1 ,  A 8 ,  A 13 ,  IC 2 , N 1, N 114, N 115 Auto-Estradas do Atlântico Portagens
Mapa da auto-estrada A 15.

A A 15 - Autoestrada do Atlântico é uma autoestrada portuguesa. Com uma extensão de 40 km, liga Caldas da Rainha (A8) a Santarém (A1), passando por Rio Maior. A A15 é parte integrante do Itinerário Principal n.º 6

A A15 foi construída em duas fases. O primeiro lanço abriu em 1995: era ligação de 4 km entre o então IC1 (atual A8) em Caldas da Rainha e a N115 em A-dos-Negros/Gaeiras. Este lanço foi construído pela Junta Autónoma de Estradas e era considerado uma via rápida com perfil de autoestrada (sem portagens), estando numerado como IP6. Em setembro de 1996 o governo português avançou com o lançamento da concessão Oeste, uma concessão de 30 anos.[2] A futura concessionária ficaria incumbida de construir uma autoestrada com portagens entre A-dos-Negros/Gaeiras e Santarém e teria que assegurar a manutenção do troço que já existia (entre Caldas da Rainha e A-dos-Negros/Gaeiras), o qual seria integrado na nova autoestrada. A concessão permitia que fossem introduzidas portagens no troço que já existia (e noutras rodovias da região Oeste), o que gerou uma forte contestação na região, conhecida como a guerra das portagens no Oeste. Em inícios de 1998, o governo chegou a acordo com os contestatários: no que toca a A15, ficou acordado que o troço Caldas da RainhaA-dos-Negros/Gaeiras não teria portagens para o tráfego local, ou seja para o tráfego que só percorresse esse troço.[3] A concessão Oeste foi atribuída à empresa Auto-estradas do Atlântico e o contrato de concessão foi assinado em dezembro de 1998. O troço de 36 km entre A-dos-Negros/Gaeiras e Santarém foi inaugurado em 9 de outubro de 2001, concluindo a construção da A15.

Como já se disse, a A15 está concessionada à Auto-estradas do Atlântico, no contexto da concessão Oeste, uma concessão que termina em 2028. A A15 é uma autoestrada com portagens: entre A-dos-Negros e Santarém todo o tráfego paga portagens, enquanto que entre Caldas da Rainha e A-dos-Negros não há portagens para o tráfego local. Em 2018, um percurso entre Caldas da Rainha e Santarém custava €3,90 em classe 1.[4]

Desde a sua abertura que a A15 é uma autoestrada com pouco tráfego: em 2010 circularam em média 5 611 veículos por dia.[5]

Estado dos Troços[editar | editar código-fonte]

Troço Estado (2012) km
Caldas da Rainha (  A 8  ) - A-dos-Negros/Gaeiras Em serviço (1995) como  IP 6 
Reclassificado (c. 2000) para  A 15 
(Concessão: Oeste)
4
A-dos-Negros/Gaeiras - Santarém (  A 1  ) Em serviço (9 de outubro de 2001)[6]
(Concessão: Oeste)
36,2

A concessão Oeste está atribuída à empresa Auto-estradas do Atlântico. Esta concessão começou em 1998 e termina em 2028.

O troço Caldas da Rainha (A8)–A-dos-Negros/Gaeiras foi construído pela Junta Autónoma de Estradas (aberto em 1995) e foi mantido por esta agência governamental até à criação da concessão Oeste em 1998. Originalmente, este lanço não tinha numeração de autoestrada, estando sinalizado como IP6 em toda a sua extensão. Após a criação da concessão Oeste foi integrado na A15.

Tráfego[7][editar | editar código-fonte]

Troço Tráfego Médio Mensal,

setembro de 2016

Arnóia (A17) - A-dos-Negros 6.315
A-dos-Negros - Rio Maior Oeste (IC2) 4.294
Rio Maior Oeste (IC2) - Rio Maior Este 4.000
Rio Maior Este - Malaqueijo 4.493
Malaqueijo - Santarém (A1) 5.050

Saídas[editar | editar código-fonte]

Caldas da Rainha - Santarém[editar | editar código-fonte]

Número da Saída km Nome da Saída Estrada que liga
502 0.svg | Spain traffic signal s63.svg 1 0 Nó de Arnóia
Leiria / C. Rainha
Lisboa / Óbidos
 A 8 
Sinnbild Autobahnausfahrt.svg 2 4 Gaeiras
A-dos-Negros
N 115
Peaje.png Praça de Portagem de A-dos-Negros
Sinnbild Autobahnausfahrt.svg 3 13 Landal
A-dos-Francos
Sinnbild Autobahnausfahrt.svg 4 18 Rio Maior (oeste)
Asseiceira / Alcoentre
 IC 2 
Sinnbild Autobahnausfahrt.svg 5 22 Rio Maior (este)
Ribeira de São João
N 114
Sinnbild Autobahnausfahrt.svg 6 29 Malaqueijo
Arruda dos Pisões
São João da Ribeira
Spain traffic signal s63.svg 7 40 Porto / Torres Novas
Lisboa / Santarém
 A 1 

Áreas de Serviço[editar | editar código-fonte]

  • Aire d'autoroute - station essence.png Área de Serviço de Rio Maior (km 23,4)

Referências

  1. Relatório de Tráfego na Rede Nacional de Autoestradas – 4.º trimestre de 2017 (PDF) (Relatório). Instituto de Mobilidade e dos Transportes. Fevereiro de 2018. p. 26. Consultado em 18 de Maio de 2018 
  2. «Comunicado do Conselho de Ministros de 24 de outubro de 1996». Governo de Portugal. 24 de outubro de 1996. Consultado em 6 de novembro de 2018 
  3. Gomes, Francisco (8 de agosto de 2000). «Protestos das portagens podem regressar ao Oeste». Correio da Manhã. Consultado em 6 de novembro de 2018. Cópia arquivada em 28 de maio de 2001 
  4. «Portagens — 2018» (PDF). Automóvel Club de Portugal. Setembro de 2018. Consultado em 6 de novembro de 2018. Cópia arquivada (PDF) em 6 de novembro de 2018 
  5. Relatório de Tráfego na Rede Nacional de Autoestradas – 2010 (PDF) (Relatório). Instituto de Mobilidade e dos Transportes. Fevereiro de 2018. p. 19 (do Anexo I). Consultado em 6 de novembro de 2018 
  6. «Primeiro-ministro inaugura A15 com homenagem a trabalhadores acidentados». Público. 9 de Outubro de 2001. Consultado em 24 de Dezembro de 2016 
  7. «Trânsito médio mensal das autoestradas de Portugal» (PDF)