A19 (autoestrada)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa


A 19 - Auto-estradas de Portugal
Nome: Variante da Batalha
Traçado actual: São Jorge (  IC 9  / N 1 / N 8) – Leiria (norte) (N 109 / N 1)
Traçado previsto: São Jorge (  IC 9  / N 1 / N 8) - Leiria (norte) (N 109 / N 1)
Tráfego Médio Diário: 10 877 Ano: 2017
A 19
16
Cruza com: Concessionário: Regime:
 A 8 ,  IC 9 , N 1, N 109, N 242 Auto-Estradas do Litoral Oeste (2009–2039) Portagens eletrónicas (13 km)
Gratuito (3 km)

A  A 19  - Variante da Batalha é uma autoestrada portuguesa. Com uma extensão de 16,4 km, liga São Jorge (nó entre o  IC 9 , a N 1 e a N 8) à mesma N 1 na zona sul de Leiria, continuando depois até à N 109 na zona norte de Leiria. O troço entre Leiria Sul e Leiria Norte foi concluído em 2010 e resultou do alargamento do  IC 2 /N1. Por outro lado, o troço entre São Jorge e Leiria Sul (a variante da Batalha propriamente dita) foi construído de raiz e ficou concluído em 2011. A  A 19  é uma via parcialmente portajada: na variante a Leiria é uma via gratuita em virtude de aproveitar o canal de uma estrada já existente, enquanto que na variante da Batalha tem portagens. A A19 faz parte integrante do Itinerário Complementar n.º 2 (IC2)

A construção desta autoestrada não estava prevista no Plano Rodoviário Nacional: esse documento apenas preconizava a construção da via rápida  IC 2  sem perfil de autoestrada.[1] De facto, inicialmente estava previsto que a numeração A19 fosse atribuída à curta autoestrada que iria ligar a A8 (em Leiria Sul) à A1.[nota 1][2][3] Contudo, já em 1999 existia a intenção de duplicar o troço do IC 2 que atravessa a cidade de Leiria.[4] A sul de Leiria, aquilo que também viria a ser englobado na  A 19  foi originalmente pensado como uma variante do  IC 2  (sem formato de autoestrada) à zona da Batalha; nesta zona, a N 1 não só atravessa o interior de várias localidades como também passa nas proximidades do Mosteiro de Santa Maria da Vitória, danificando a estrutura do edifício.

Em 2007, o governo português decidiu avançar com a duplicação do IC2 em Leiria e com a construção da Variante da Batalha. Contudo, decidiu construir a Variante da Batalha com o formato de autoestrada com portagens, pelo que este troço acabou por também ser integrado na  A 19 . Em conjunto com outras estradas e autoestradas, a  A 19  foi incluída na subconcessão Litoral Oeste, que foi atribuída em 2009 à empresa Auto-Estradas do Litoral Oeste S.A., por um período de 30 anos.

Embora, na atualidade, circulem em média cerca de 10 900 veículos por dia na A19, na prática esta autoestrada consiste de dois lanços muito distintos em termos de níveis de tráfego. Em 2017, o troço gratuito (entre Leiria Sul e Leiria Norte) teve um tráfego médio entre os 34 300[nota 2] e os 50 400[nota 3] veículos por dia.[5] Em sentido contrário, o lanço com portagens (a variante da Batalha propriamente dita) tem sucessivamente registado um tráfego abaixo das previsões. Em 2017, esse troço da  A 19  teve um tráfego entre os 3 700[nota 4] aos 5 300[nota 5] veículos por dia.[5] Em 2016, a soma das receitas de portagem cobradas na  A 19  e no troço final da  A 8  foi de aproximadamente 3 milhões de euros, o que permitiu ao Estado cobrir 2% dos encargos que nesse ano teve com a Subconcessão Litoral Oeste.[6]

História[editar | editar código-fonte]

Antecedentes[editar | editar código-fonte]

A construção desta autoestrada não estava prevista no Plano Rodoviário Nacional de 2000.[1][nota 6] Grosso modo, este documento previa que o eixo LisboaPorto fosse servido por duas autoestradas (a  A 1 /  IP 1  e a  IC 1 ) e uma via rápida (o  IC 2 ). No que toca a zona norte do distrito de Leiria, quer a  A 1  quer a  IC 1 [nota 7] foram projetadas e construídas com portagens. Como alternativas, o Plano Rodoviário preconizava a construção da via rápida  IC 2  para servir de alternativa à  A 1 , e de várias estradas nacionais e variantes (IC 9, N 8 e N 242) como alternativa à  IC 1 .

IC2 na travessia de Leiria[editar | editar código-fonte]

Centro da cidade de Leiria.
Até 2007, estava previsto que a numeração A19 fosse atribuída à ligação entre a A8 (em Leiria Sul) e a A1 (em Leiria Nascente), conforme consta neste mapa. Este troço acabou por abrir em 2011, mas foi integrado na A8.

O IC 2 contorna a cidade de Leiria pelo seu lado oeste, fazendo intersecções com várias outras estradas importantes, nomeadamente a A8, a N 242, N 109 e Circular Oriental de Leiria. Até 2010, esse troço tinha um perfil transversal com 2+1 vias de circulação.

Em dezembro de 1999, o governo de Portugal (liderado por António Guterres) anunciou a intenção de lançar a Concessão IC 36.[4] A concessão duraria 30 anos e a empresa que viesse a ficar com ela, teria que assegurar a construção (e manutenção) da ligação entre a A8 (em Leiria Sul) e a A1 (e essa ligação seria numerada como A19), a duplicação do IC2 entre o nó com a A8 (em Leiria Sul) e o nó com a Circular Oriental de Leiria (em Leiria Norte) e a manutenção da própria Circular Oriental. Uma vez que a Circular Oriental, por sua vez, iria intersectar com a projetada A19 (autoestrada de ligação A8–A1) em Pousos, na prática Leiria passaria a ser servida por uma circular, sempre com perfil de autoestrada ou de via rápida com 2+2 vias. A A19 (ligação A8–A1) teria portagens, enquanto que as restantes rodovias seriam gratuitas.

O concurso público para esta concessão foi aberto em inícios de 2001[2][3] e quatro empresas entregaram as suas propostas. Na altura, a curta autoestrada de ligação entre a A8 e a A1 já era identificada como A19. Essa numeração também foi adotada numa proposta que o Instituto das Estradas de Portugal elaborou (em 2002) para atribuir numeração "A" a todos os troços de autoestrada construídos ou planeados.[7]

Após vários meses sem grandes evoluções no concurso da Concessão IC36, em junho de 2003, o governo acabou por decidir não continuar com o processo.[8] O governo (de Durão Barroso) justificou que quando a Concessão IC36 fora lançada, os estudos financeiros previam que as portagens na A19 seriam suficientes para financiar uma "parte significativa" do resto da concessão, mas mais tarde verificou-se que não seria assim.[8] Além disso, em meados de 2003 as propostas já tinham legalmente caducado (pois caducam ao fim de 18 meses), o que iria dificultar eventuais negociações entre o Estado e os concorrentes escolhidos.[8]

Variante da Batalha[editar | editar código-fonte]

Entretanto, a construção de um novo troço do IC 2 na zona da Batalha era já reivindicada naquela região. Essa variante à Batalha não só era pedida por causa dos problemas oferecidos pelo traçado da N1 (que atravessava o interior de várias localidades e chegou a ser descrito como uma "avenida urbana sem condições para o elevado número de automóveis que a atravessa"[9]) mas também devido ao facto de aquele traçado passar muito próximo do Mosteiro da Batalha. Com efeito, em 1964, fora construída uma pequena variante da N 1 que permitiu retirar o trânsito do interior da vila da Batalha e da Ponte da Boutaca.[10] Contudo, o novo traçado da Estrada Nacional ficou a passar ainda mais perto do Mosteiro de Santa Maria da Vitória, que é considerado Património da Humanidade desde 1983.[10] Os elevados valores de emissões gasosas (principalmente SO2) e de ruído produzido pelo trânsito da N 1 estavam a contribuir para acelerar a degradação daquele monumento gótico.[11][12][13]

O governo de António Guterres prometeu — primeiro em 1997 e depois em 1999 — avançar com a construção da Variante e assumiu o compromisso de lançar os estudos desse novo troço do IC 2.[14] Em 2001, a Variante estava em fase de estudo prévio e estavam a ser analisadas quatro alternativas de traçado.[15] Em 2004 os autarcas da região criticaram o atraso no andamento do processo da construção da Variante.[9] Segundo foi noticiado, estava a ser realizado um estudo de impacto ambiental em novembro de 2003, contudo o processo parecia estar bloqueado desde então.[9]

Subconcessão Litoral Oeste[editar | editar código-fonte]

Lançamento da subconcessão[editar | editar código-fonte]

A acelerada degradação do Mosteiro de Santa Maria da Vitória foi uma das justificações para a construção da Variante da Batalha.

Em 2007, o governo de Portugal (que na altura era liderado por José Sócrates) anunciou a intenção de lançar várias parcerias público-privadas no setor das estradas.[16] Uma delas foi a subconcessão Litoral Oeste, que foi criada no âmbito da concessão geral Rede Rodoviária Nacional (que estava concessionada à empresa pública Estradas de Portugal).[16] O alargamento do IC2 (agora apenas entre o nó com a A8 e o nó com a N 109) e a construção da Variante da Batalha (IC 2) ficaram incluídas nesta subconconcessão de 30 anos.[16] Contudo, ao contrário do que estava previsto, a Variante da Batalha seria construída em perfil de autoestrada e teria portagens. A decisão de alterar o perfil e o regime de utilização da Variante gerou críticas na região.[17][18][19][20] Contudo, Paulo Campos, o então Secretário de Estado das Obras Públicas reafirmou a decisão de introduzir portagens, pois a Variante seria construída numa zona de "dinamismo económico", capaz de suportar aquela taxa e as portagens eram "uma peça fundamental em todo o equilíbrio" das concessões.[17]

No total, a subconcessão Litoral Oeste englobava 109 km de estradas e autoestradas, dos quais 85 km seriam construídos pela concessionária e 24 km já estavam em funcionamento.[21] Para além da Variante da Batalha, a concessão incluía a construção de uma outra autoestrada com portagem, o troço final da A8/IC36 — ligação entre o IC2, em Leiria Sul, e a A 1, em Leiria Nascente — a A19 "original".[21] No que toca os troços sem portagem ficaram incluídos na subconcessão (para além do troço norte da A19) vias como o IC 9 (NazaréTomar) e a variante da Nazaré (N242).[21] Foi noticiado que a construção dessas estradas representava um investimento de 260 milhões de euros.[22]

O concurso público internacional para escolher a empresa concessionária foi aberto em 24 de março de 2008[23] e em inícios de 2009 foi anunciado que o vencedor tinha sido o consórcio AELO — Auto-estradas do Litoral Oeste.[24] O contrato de concessão foi assinado a 26 de fevereiro de 2009.[21] Atualmente, quatro empresas participam no capital da AELO: Lena (32,5%), MSF Concessões (32,5%), Transport Infrastructure Investment Company (20%) e a Brisa (15%).[25]

Construção e abertura da A19[editar | editar código-fonte]

A ligação A8–A1 acabou por ser integrada na A8. A numeração A19 foi atribuída à Variante da Batalha e ao troço Leiria Sul–Leiria Norte do IC2. O troço da  A 19  entre Leiria Sul e Leiria Norte consistiu apenas na duplicação do traçado do IC2 que já existia. As obras desse alargamento ficaram concluídas em dezembro de 2010.

Já os 14 km entre São Jorge e Leiria Sul (a variante da Batalha propriamente dita) abriram ao trânsito a 19 de novembro de 2011.[26] Neste troço, foram instalados dois pórticos de portagem eletrónica que cobravam entre €1,15 (classe 1) e €2,95 (classe 4) para percorrer todo o troço. Devido a problemas informáticos, nas primeiras semanas nem todos os condutores conseguiram pagar as taxas de portagem e só por volta de 21 de dezembro é que a situação foi regularizada.[27]

Tráfego e portagens[editar | editar código-fonte]

Desde a sua conclusão que a  A 19  consiste funcionalmente em dois troços claramente distintos em termos de utilização. Em contraste com o troço gratuito, o lanço com portagens acabou por apresentar um tráfego muito abaixo das previsões, e o grosso do trânsito continuou a seguir pela N 1, ou seja, continuou a passar ao lado do Mosteiro da Batalha.[28][11] Em agosto de 2012, o jornal Região de Leiria noticiou (citando dados da EP) que na zona de intersecção entre a  A 19  e a N 1 (em Leiria Sul), circulavam 27 620 veículos/dia nas faixas de acesso à N 1 e apenas 2 829 nas vias da  A 19 .[28] Também nesse mês, a Câmara Municipal de Leiria aprovou uma moção a pedir a abolição das portagens,[29] em linha com o que já em março de 2012 tinha sido defendido pela Câmara Municipal da Batalha.[30] O governo português (que na altura já era liderado por Pedro Passos Coelho) admitiu que a autoestrada não tinha contribuído para reduzir o tráfego na zona do Mosteiro da Batalha, mas apenas admitiu melhorar a envolvente do monumento e colocar uma cortina de árvores entre a N 1 e o Mosteiro.[31]

Em finais de agosto de 2012, a concessionária Estradas de Portugal fechou um acordo com a subconcessionária AELO, para reduzir em 48 milhões de euros o valor total dos encargos ao longo dos 30 anos de vida da subconcessão.[32] Para isso, cerca de 23 km de estradas foram retirados do âmbito da subconcessão Litoral Oeste (e regressaram à tutela direta da empresa Estradas de Portugal).[33] De qualquer modo, a  A 19  continuou a fazer parte da subconcessão.

Em dezembro de 2013, a secção distrital do PSD-Leiria pediu ao governo que "modulasse" o valor das portagens, ou seja, que introduzisse um sistema de descontos[34][35] e em outubro de 2015, foi noticiado que a redução ou abolição das portagens chegou a ser estudada pelo governo de Pedro Passos Coelho.[36] Em 2016, o governo nacional (liderado por António Costa) reduziu em 15% várias taxas de portagem (principalmente em ex-SCUT). A  A 19  não foi incluída nesta redução, pelo que a Câmara Municipal da Batalha voltou a pedir ao governo que reavaliasse esta questão.[37]

Em janeiro de 2018, a polémica sobre a  A 19  voltou a surgir quando a Câmara Municipal da Batalha começou a instalar barreiras de betão ao largo da N1, frente ao Mosteiro de Santa Maria da Vitória. A medida revelou-se controversa, havendo quem chamasse a essas barreiras acústicas "mamarracho" ou "muro da vergonha" e as comparasse ao muro de Berlim.[38] A Câmara Municipal da Batalha disse que compreendia as críticas mas que o muro — que estava integrado num projeto maior com um custo total de 510 mil euros — iria ficar esteticamente mais agradável quando ficasse concluído (em fevereiro), pois estava prevista a instalação de "muita vegetação" (10 mil exemplares de árvores, arbustos e outras plantas)[39] e de algumas zonas transparentes.[40] A construção das barreiras acústicas reacendeu a polémica sobre a  A 19  e o seu baixo tráfego: a grande maioria dos contestatários era da opinião que não se justificava a existência de portagens na A19.[38] Paulo Batista Santos, o Presidente da Câmara Municipal da Batalha, reafirmou que também concordava com a abolição das portagens e que iria continuar a lutar por isso junto do governo de Portugal.[38] Em finais de janeiro começou a ser instalada a cortina de vegetação nas barreiras acústicas frente ao Mosteiro.[39] Entretanto, o PEV questionou o governo sobre as portagens na  A 19 ; a resposta chegou em 12 de janeiro e o governo disse que não estava prevista a abolição de portagens.[41] Em março de 2018, a Assembleia Municipal da Batalha aprovou uma moção a pedir ao governo a abolição ou redução das portagens na  A 19 .[42]

Em 2016, o troço gratuito (entre Leiria Sul e Leiria Norte) teve um tráfego médio entre os 32 900[nota 8] e os 47 900[nota 9] veículos por dia. Já o lanço com portagens teve nesse ano um tráfego na ordem dos 3 100[nota 10] a 4 800[nota 11] veículos por dia.[43] Em 2016, a soma das receitas de portagem cobradas na  A 19  e no troço final da  A 8  foi de cerca de 3 milhões de euros.[6] Nesse ano, o Estado pagou cerca de 143 milhões de euros à subconcessionária AELO (principalmente pagamentos por disponibilidade da via), pelo que as receitas de portagem permitiram cobrir 2% dos encargos com a Subconcessão Litoral Oeste.[6]

Estado dos troços[editar | editar código-fonte]

Troço Situação (2011) km
São Jorge (  IC 9  ) - Leiria (  A 8  ) Em serviço (19/11/2011)
(Concessão: Litoral Oeste)
13,3
Leiria (  A 8  ) - Leiria (Nó da Gândara - N 109) Em serviço (12/2010)
(Concessão: Litoral Oeste)
3,1

Perfil[editar | editar código-fonte]

Troço Perfil Extensão
São Jorge (  IC 9  ) - Nó da Azoia
Spain traffic signal s11a.svg
12,2 km
Nó da Azoia -  A 8 
Spain traffic signal s11b.svg
1,1 km
 A 8  - Leiria (Nó da Gândara)
Spain traffic signal s11b.svg
3,1 km

Tráfego[editar | editar código-fonte]

Desde a sua abertura que a  A 19  consiste em dois troços muito distintos em termos nível de tráfego. Em 2015, o troço gratuito (entre Leiria Sul e Leiria Norte) teve um tráfego médio entre os 32 000[nota 12] e os 45 700[nota 13] veículos por dia. Em sentido contrário, o lanço com portagens (a variante da Batalha propriamente dita) tem sucessivamente registado um tráfego abaixo das previsões: em 2015, esse troço da  A 19  teve um tráfego na ordem dos 2 600[nota 14] aos 4 200[nota 15] veículos por dia.[44]

Tráfego médio diário (TMD) por sublanço (linha) e ano (coluna): 2010–2019[nota 16][nota 17][nota 18]
Sublanço Ext.[45] 2010[46] 2011[47] 2012[48] 2013[49] 2014[50] 2015[44] 2016[43] 2017[5] 2018 2019
São Jorge (IC9 / N1 / N8) — Batalha 6,4 km N/A ? 1 730 2 041 2 574 3 125 3 666 4 047
BatalhaAzoia 5,6 km N/A ? 2 848 2 657 3 138 3 742 4 360 4 812
Azoia — Leiria Sul (  A 8  ) 1,3 km N/A ? 2 306 2 237 2 685 3 216 3 766 4 172
Leiria Sul (  A 8  ) — CIL 0,6 km ? ? 32 423 32 493 33 215 34 407 35 488 36 278
CIL — Barosa (N242) 1,5 km ? ? 34 666 35 403 36 262 37 264 38 630 39 482
Barosa (N242) — Gândara (N109) 0,7 km ? ? 40 093 41 455 42 455 43 192 45 989 47 166
A19 16,1 km ? ? 8 046 8 228 8 794 9 435 10 199 10 877

O TMD médio da autoestrada foi de 10 877 veículos em 2017. O tráfego na A19 tem estado gradualmente a aumentar (pelo menos, desde 2012), em linha com a maioria das outras autoestradas de Portugal. O TMD médio da A19 ultrapassou os 10 000 veículos em março de 2016.[43]

O gráfico seguinte mostra a evolução do TMD médio da A19:

Subconcessão Litoral Oeste[editar | editar código-fonte]

Em conjunto com outras estradas e autoestradas, a A19 está incluída na subconcessão Litoral Oeste. Esta subconcessão foi atribuída em 2009 à empresa Auto-Estradas do Litoral Oeste S.A. (AELO) e terminará em 2039. Esta subconcessão funciona principalmente com base em pagamentos por disponibilidade, isto é, o concedente (o Estado, por via da Infraestruturas de Portugal) paga à subconcessionária uma renda baseada no número de dias em que as estradas estão abertas ao trânsito.[51] Na prática, o valor dos pagamentos acaba por ser relativamente estável, pois (ao contrário do que sucederia numa concessão com portagens reais ou com portagens SCUT) a empresa concessionária não está sujeita ao risco das variações ou dos baixos níveis de tráfego. Apesar de a subconcessão Litoral Oeste ter sido lançada em 2009, o contrato previa que só em 2014 é que o Estado começaria a fazer os pagamentos por disponibilidade à AELO.[52] Nesse ano, o Estado pagou 85,6 milhões de euros à subconcessionária.[53]

A construção das estradas e autoestradas incluídas na subconcessão Litoral Oeste custou cerca de 260 milhões de euros.[22] Em 2016, o Estado pagou cerca de 142 milhões de euros à subconcessionária AELO (principalmente pagamentos por disponibilidade da via). Nesse ano, as receitas de portagem (cobradas na A19 e no troço final da A8) foram de 3,3 milhões de euros, o que permitiu cobrir cerca de 2% dos encargos com a Subconcessão Litoral Oeste.[6]

Encargos e receitas da subconcessão Litoral Oeste em milhões de euros (linha) por ano (coluna): 2010–2019
2010 2011 2012[54] 2013[55] 2014[53] 2015[56] 2016[6] 2017 2018 2019
Encargos brutos ? ? ? 0,0 85,6 158,2 143,0
Receitas ? ? ? 1,8 2,2 3,0 3,4
Encargos líquidos ? ? ? 0,0 83,4 155,3 139,6
Taxa de cobertura N/A N/A N/A N/A 3% 1,9% 2%

O gráfico seguinte mostra a evolução dos encargos líquidos (em milhões de euros) com a subconcessão Litoral Oeste:

Itinerário e Nós de Ligação[editar | editar código-fonte]

Número da Saída Nome da Saída Estrada que liga
502 0.svg Proveniente de
Tomar - Fátima
 IC 9 
Sinnbild Autobahnausfahrt.svg 2 Alcobaça
Caldas da Rainha

Lisboa
Rio Maior
Porto de Mós / São Jorge
N 8


IC 2 / N 1
H44c sinal SCUT - Portugal.png Pórtico de Portagem da Batalha - € 0,60[57]
Sinnbild Autobahnausfahrt.svg 3 Batalha
Martingança
N 356
H44c sinal SCUT - Portugal.png Pórtico de Portagem da Azoia - € 0,65[57]
Sinnbild Autobahnausfahrt.svg 4 Azoia
Maceira
N 1
N 356-1
Sinnbild Autobahnausfahrt.svg 5 Lisboa
Marinha Grande
Leiria (Este)
 A 1  -  A 17 
 A 8 
Sinnbild Autobahnausfahrt.svg 6 Leiria (Sul)
centro comercial
CIL
Sinnbild Autobahnausfahrt.svg 7 Leiria (Oeste)
Marinha Grande
N 242
Sinnbild Autobahnausfahrt.svg 8 Leiria (Norte)
Figueira da Foz / Monte Real
N 109
Portuguese traffic sign end motorway.jpg Portuguese traffic sign via rapida.JPG direcção
Porto
Coimbra
Pombal
IC 2 / N 1

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

  • Relatório do Projeto de Execução do IC 2 - Variante da Batalha - [1]

Notas

  1. Esse lanço, entre Leiria Sul e a A1 (em Leiria Nascente) foi aberto em 2011 e foi integrado na A8.
  2. Sublanço Leiria Sul (A8)–CIL, 34 389 veículos/dia em Janeiro de 2017.
  3. Sublanço Barosa (A19/EN242)–Gândara (EN109), 50 401 veículos/dia em Novembro de 2017.
  4. Sublanço São Jorge (IC9)–Batalha, 3 719 veículos/dia em Janeiro de 2017.
  5. Sublanço Batalha–Azóia, 5 377 veículos/dia em Novembro de 2017.
  6. O Plano previa que o IC2 fosse construído em perfil de autoestrada apenas nos troços Lisboa–Carregado (que inclui a variante de Santa Iria da Azoia e A10), Coimbra Sul–Coimbra Norte (variante de Coimbra) e IC24Porto.
  7. O troço LisboaMarinha Grande do IC1 recebeu a numeração A8; o troço entre Marinha Grande e Aveiro acabou por ser classificado como A17.
  8. Sublanço Leiria Sul (A19/A8)–CIL, 32 945 veículos/dia em Janeiro de 2016.
  9. Sublanço Barosa (A19/EN242)–Gândara (EN109), 47 895 veículos/dia em Setembro de 2016.
  10. Sublanço São Jorge (IC9)–Batalha, 3 096 veículos/dia em Janeiro de 2016.
  11. Sublanço Batalha–Azóia, 4 756 veículos/dia em Setembro de 2016.
  12. Sublanço Leiria Sul (A19/A8)–CIL, 31 980 veículos/dia em Janeiro de 2015.
  13. Sublanço Barosa (A19/EN242)–Gândara (EN109), 45 419 veículos/dia em Novembro de 2015.
  14. Sublanço São Jorge (IC9)–Batalha, 2 599 veículos/dia em Janeiro de 2015.
  15. Sublanço Batalha–Azóia, 4 135 veículos/dia em Julho de 2015.
  16. Nos relatórios anuais do IMT sobre o tráfego nas autoestradas e vias rápidas de Portugal, o valor do tráfego médio diário (TMD) é apresentado por mês para cada sublanço (e para a totalidade da estrada, depois de ponderado o comprimento de cada um dos sublanços que a constitui). Nesta tabela, o valor do TMD por ano resulta do cálculo da média aritmética ponderada dos valores do TMD de cada um dos meses desse ano. Por exemplo, em 2015, o TMD no sublanço São Jorge—Batalha foi de 2599 veículos por dia em janeiro, 2721 em fevereiro, 2826 em março (...) e 3387 em dezembro. Tendo em conta o número de dias de cada mês, o TMD para aquele sublanço foi calculado da seguinte forma
  17. Não estão publicados os dados do TMD referentes a 2010 e 2011.
  18. Para 2012, apenas estão publicados os valores de TMD dos meses de julho a dezembro, o que corresponde a um total de 184 dias.

Referências

  1. a b «Decreto-Lei n.º 222/98, de 17 de Julho». Diário da República, 1.ª série, n.º 163, p. 3451 [Lista IV]. 17 de julho de 1998. Consultado em 12 de abril de 2018 
  2. a b «Despacho Conjunto n.º 16/2001». Diário da República, II série, n.º 9/2001, p. 454–470. 11 de janeiro de 2001. Consultado em 13 de abril de 2018 
  3. a b «Anúncio — Concurso público internacional para a concessão de lanços de auto-estrada e conjuntos viários associados na zona de Leiria designada por concessão IC 36.». Diário da República, III série, n.º 23/2001, p. 1964–1965. 27 de janeiro de 2001. Consultado em 13 de abril de 2018 
  4. a b «Decreto-Lei n.º 541/99, de 13 de Dezembro». Diário da República, I série-A, n.º 288/1999. 13 de dezembro de 1999. Consultado em 13 de abril de 2018 
  5. a b c Relatório de Tráfego na Rede Nacional de Autoestradas – 4.º trimestre de 2017 (PDF) (Relatório). Instituto de Mobilidade e dos Transportes. Fevereiro de 2018. p. 29. Consultado em 15 de abril de 2018 
  6. a b c d e Boletim Anual das PPP – 2016 (PDF) (Relatório). Unidade Técnica de Acompanhamento de Projetos. Junho de 2017. p. 55. Consultado em 15 de abril de 2018 
  7. Clasificação e Demarcação da Rede Nacional de Auto-Estradas
  8. a b c «Despacho Conjunto n.º 696/2003». Diário da República, II série, n.º 155/2003, p. 10184–10185. 8 de julho de 2003. Consultado em 12 de abril de 2018 
  9. a b c «Autarcas do distrito de Leiria contestam atraso na construção da variante ao IC2». Público. 9 de março de 2004. Consultado em 13 de abril de 2018 
  10. a b «Espaço e Tempo». Mosteiro da Batalha. Consultado em 13 de abril de 2018 
  11. a b Costa Dias, Paula (15 de maio de 2012). «Trânsito está a degradar o Mosteiro da Batalha». Rádio Renascença. Consultado em 13 de abril de 2018 
  12. «IC2 será "ataque demolidor" ao Mosteiro da Batalha». Público. 10 de julho de 2010. Consultado em 13 de abril de 2018 
  13. «Ruído ambiente no Mosteiro da Batalha "muito acima" do permitido por lei». Visão. 9 de julho de 2014. Consultado em 13 de abril de 2018 
  14. Almeida, Carlos (15 de maio de 2001). «Batalha esquecida». Região de Leiria. Consultado em 14 de abril de 2018 
  15. Fernandes Vicente, Manuel (15 de maio de 2001). «Variante da Batalha Aguarda Avaliação de Impacto Ambiental». Público. Consultado em 14 de abril de 2018 
  16. a b c «Resolução do Conselho de Ministros n.º 181/2007». Diário da República, 1.ª série, n.º 238/2007. 11 de dezembro de 2007. Consultado em 14 de abril de 2018 
  17. a b «PSD contesta portagens na variante do IC2 ao Mosteiro». RTP. 26 de março de 2008. Consultado em 14 de abril de 2018 
  18. «Executivo da Batalha repudia implementação de portagens na variante ao IC2». Município da Batalha. 9 de abril de 2008. Consultado em 14 de abril de 2018 
  19. «Estrada poderá retirar estatuto do Mosteiro». Jornal de Notícias. 9 de setembro de 2010. Consultado em 14 de abril de 2018 
  20. «Assembleia Municipal da Batalha aprova moção em defesa do mosteiro». Público. 23 de outubro de 2010. Consultado em 14 de abril de 2018 
  21. a b c d «A1 e A8 ligadas por auto-estrada em 2012». Jornal de Notícias. 27 de fevereiro de 2009. Consultado em 14 de abril de 2018 
  22. a b Agência Lusa (24 de março de 2008). Sócrates considera a concessão Litoral Oeste "um investimento histórico para Leiria". Público. Consultado em 12 de abril de 2018 
  23. «Sócrates anuncia hoje concessão do Litoral Oeste». Jornal de Negócios. 24 de março de 2008. Consultado em 14 de abril de 2018 
  24. «Concessão Litoral Oeste entregue ao consórcio da Brisa». AEPCOPS. 19 de fevereiro de 2009. Consultado em 14 de abril de 2018 
  25. «Empresa e Estratégia > Concessões Rodoviárias > Concessão Litoral Oeste». Brisa. Consultado em 14 de abril de 2018 
  26. «Variante da Batalha já abriu ao trânsito». Região de Leiria. 21 de novembro de 2011. Consultado em 13 de abril de 2018 
  27. «Já é possível pagar as portagens da A19 e IC36». Região de Leiria. 21 de dezembro de 2011. Consultado em 13 de abril de 2018 
  28. a b «Só um em cada dez automobilistas acelera nas novas autoestradas de Leiria». Região de Leiria. 16 de agosto de 2012. Consultado em 15 de abril de 2018 
  29. «Câmara de Leiria recomenda ao Governo fim das portagens no IC36 e A19». Região de Leiria. 9 de agosto de 2012. Consultado em 15 de abril de 2018 
  30. «Câmara da Batalha pede abolição de portagens na A19 para preservar o Mosteiro». Região de Leiria. 23 de março de 2012. Consultado em 15 de abril de 2018 
  31. «Governo admite que falhou na construção da autoestrada A19». Região de Leiria. 15 de julho de 2012. Consultado em 14 de abril de 2018 
  32. «Renegociação de concessão Litoral Oeste permite poupança de 48 milhões». Público. 21 de agosto de 2012. Consultado em 15 de abril de 2018 
  33. «Litoral Oeste». Infraestruturas de Portugal. Consultado em 15 de abril de 2018 
  34. «PSD pede descontos nas portagens da A19 para evitar danos no Mosteiro da Batalha». Público. 23 de dezembro de 2013. Consultado em 14 de abril de 2018 
  35. «PSD de Leiria apela ao Governo para modular taxas nas portagens da A19». RTP. 23 de dezembro de 2013. Consultado em 14 de abril de 2018 
  36. Silva, Maria Anabela (15 de outubro de 2015). «Redução ou eliminação de portagens na A19 em estudo». Jornal de Leiria. Consultado em 14 de abril de 2018 
  37. «Câmara da Batalha volta a pedir ao Governo redução do preço das portagens na A19». Jornal de Leiria. 25 de junho de 2016. Consultado em 15 de abril de 2018 
  38. a b c Pedro, Francisco (8 de janeiro de 2018). «Descontentamento com "muro da vergonha" em frente ao Mosteiro da Batalha». Jornal de Notícias. Consultado em 17 de abril de 2018 
  39. a b «Já se vêem flores nas barreiras de betão junto ao Mosteiro da Batalha». Jornal de Leiria. 23 de janeiro de 2018. Consultado em 17 de abril de 2018 
  40. Almeida, Carlos S. (4 de janeiro de 2018). «Barreiras de betão junto ao Mosteiro da Batalha geram polémica». Região de Leiria. Consultado em 17 de abril de 2018 
  41. Almeida, Carlos S. (25 de janeiro de 2018). «Governo afasta possibilidade de "suspensão" de portagens na A19». Região de Leiria. Consultado em 17 de abril de 2018 
  42. «Moção contra portagens da A19 aprovada pela Assembleia Municipal da Batalha». Jornal de Leiria. 2 de março de 2018. Consultado em 17 de abril de 2018 
  43. a b c Relatório de Tráfego na Rede Nacional de Autoestradas – 1.º trimestre de 2017 (PDF) (Relatório). Instituto de Mobilidade e dos Transportes. Maio de 2017. p. 28. Consultado em 15 de abril de 2018 
  44. a b Relatório de Tráfego na Rede Nacional de Autoestradas – 1.º trimestre de 2016 (PDF) (Relatório). Instituto de Mobilidade e dos Transportes. Dezembro de 2016. p. 28. Consultado em 15 de abril de 2018 
  45. Relatório de Monitorização da Rede Rodoviária Nacional 2012-2013 (PDF) (Relatório). Instituto de Mobilidade e dos Transportes. Julho de 2014. p. 10. Consultado em 15 de abril de 2018 
  46. Relatório de Tráfego na Rede Nacional de Autoestradas – 2010 (PDF) (Relatório). Instituto de Infra-estruturas Rodviárias. Janeiro de 2011. Consultado em 15 de abril de 2018 
  47. Relatório de Tráfego na Rede Nacional de Autoestradas – 1.º trimestre de 2012 (PDF) (Relatório). Instituto de Mobilidade e dos Transportes. Maio de 2012. p. 26. Consultado em 15 de abril de 2018 
  48. Relatório de Tráfego na Rede Nacional de Autoestradas – 3.º trimestre de 2013 (versão 1.1) (PDF) (Relatório). Instituto de Mobilidade e dos Transportes. Janeiro de 2014. p. 28. Consultado em 15 de abril de 2018 
  49. Relatório de Tráfego na Rede Nacional de Autoestradas – 1.º trimestre de 2014 (PDF) (Relatório). Instituto de Mobilidade e dos Transportes. Julho de 2014. p. 28. Consultado em 15 de abril de 2018 
  50. Relatório de Tráfego na Rede Nacional de Autoestradas – 1.º trimestre de 2015 (PDF) (Relatório). Instituto de Mobilidade e dos Transportes. Julho de 2015. p. 29. Consultado em 15 de abril de 2018 
  51. * Contrato de Subconcessão (reformado) entre a EP — Estradas de Portugal S.A. e a AELO — Autoestradas do Litoral Oeste S.A.. 2010., p. 77–80
  52. Relatório Anual das PPP – 2014 (PDF) (Relatório). Unidade Técnica de Acompanhamento de Projetos. 2015. p. 9. Consultado em 17 de abril de 2018 
  53. a b Relatório Anual das PPP – 2014 (PDF) (Relatório). Unidade Técnica de Acompanhamento de Projetos. 2015. p. 40. Consultado em 17 de abril de 2018 
  54. Relatório Anual das PPP – 2012 (PDF) (Relatório). 2013. Consultado em 17 de abril de 2018 
  55. Relatório Anual das PPP – 2013 (PDF) (Relatório). Unidade Técnica de Acompanhamento de Projetos. 2014. p. 40. Consultado em 17 de abril de 2018 
  56. Relatório Anual das PPP – 2015 (PDF) (Relatório). Unidade Técnica de Acompanhamento de Projetos. Junho de 2016. p. 52. Consultado em 16 de abril de 2018 
  57. a b «Locais e taxas de portagem — Litoral Oeste». Portal das Estradas. Consultado em 13 de abril de 2018