Figueira da Foz

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Figueira da Foz
brasão da Figueira da Foz bandeira da Figueira da Foz
Brasão Bandeira
PacosdoConcelho.jpg
Paços do Concelho durante as festas de São João
Localização de Figueira da Foz
Gentílico Figueirense
Área 379,05 km2
População 62 125 hab. (2011)
Densidade populacional 163,9 hab./km2
N.º de freguesias 14
Presidente da
Câmara Municipal
João Ataíde (PS)
Fundação do município
(ou foral)
1771
Região (NUTS II) Centro
Sub-região (NUTS III) Baixo Mondego
Distrito Coimbra
Antiga província Beira Litoral
Orago São Julião
Feriado municipal 24 de Junho (São João)
Código postal 3080/3090 Figueira da Foz
Sítio oficial Câmara Municipal
Municípios de Portugal Flag of Portugal.svg

A Figueira da Foz MHIHComBGOIP é uma cidade portuguesa no Distrito de Coimbra, inserida na região Centro e sub-região do Baixo Mondego e situada na foz do rio Mondego com o Oceano Atlântico. É a segunda maior cidade do distrito de Coimbra, com cerca de 28 000 habitantes.[1] Foi conhecida como "Rainha das Praias de Portugal". Recentemente, o Cabo Mondego,no promontório conhecido como Serra da Boa Viagem, nos arredores da Figueira da Foz, foi declarado Monumento Natural Nacional. O actual presidente da câmara, eleito nas Eleições autárquicas portuguesas de 2013, é João Ataíde (PS).

O Município[editar | editar código-fonte]

É sede de um município, com 379,05 km² de área[2] e 62 125 habitantes (2011),[3] [4] , subdividido em 14 freguesias.[5] O município é limitado a norte pelo município de Cantanhede, a leste por Montemor-o-Velho e Soure, a sul por Pombal e a oeste pelo Oceano Atlântico.

A Figueira da Foz fica, portanto, situada no litoral atlântico, junto à foz do Rio Mondego e estendendo-se até ao Cabo Mondego, candidato a Património Mundial[6] por ser um lugar exemplar do jurássico de rara visibilidade.[7] É um dos centros turísticos mais importantes de Portugal, com o Casino mais antigo de toda a Península Ibérica e único na região Centro, o Casino Figueira, uma praça de touros, um enorme areal (a praia urbana mais larga da Europa) com equipamentos lúdicos e desportivos e uma animada vida noturna. A cerca de dez quilómetros da cidade, já no limite do concelho e próximo de Montemor-o-Velho localiza-se o Sítio Classificado dos Montes de Santa Olaia e Ferrestelo com a estação de escavação mais importante do trabalho do arqueólogo figueirense António dos Santos Rocha. Encontrou monumentos e objetos da Idade do Ferro. No monte encontra-se ainda a capela de Santa Eulália com vista deslumbrante sobre os arrozais do Mondego aos seus pés.

A maior parte dos veraneantes vêm de Coimbra, Beiras e de Espanha (Estremadura, Leão e Castela e da Comunidade de Madrid), sendo que alguns destes têm a Figueira da Foz como a sua segunda residência.

A população activa reparte-se entre as várias actividades económicas da região, com destaque para a pesca, indústria vidreira, actividades ligadas ao turismo, construção naval, produção de celulose, indústria de sal e, como não podia deixar de ser, a agricultura.

O território concelhio é atravessado a meio pelo Rio Mondego e da sua rede hidrográfica fazem parte várias ribeiras e cinco lagoas (Salgueiros, Vela, Braças, Corvos e Leirosa). A regularização das margens do rio provocou sérias transformações na prática agrícola.

As freguesias[editar | editar código-fonte]

Freguesias do concelho da Figueira da Foz.

O concelho da Figueira da Foz está dividido em 14 freguesias (assinalam-se com asterisco as que integram a malha urbana da cidade):

História[editar | editar código-fonte]

Lugar de ocupação humana muito antiga, fez parte do reino suevo, e mais tarde viria a ser conquistada aos mouros aquando a conquista de Coimbra por Fernando Magno em 1064, integrando o Reino de Leão e consequentemente o Condado Portucalense.

A Figueira da Foz conheceu um grande crescimento no devido ao movimento do porto e ao desenvolvimento da indústria de construção naval e o seu maior período de progresso foi no final do Século XIX.

Foi elevada à categoria de vila em 1771. Continuou a crescer ao longo do século XIX devido à abertura de novas vias de comunicação e à afluência de veraneantes.[8] Em 20 de Setembro de 1882, foi elevada à categoria de cidade. Nos finais do século XIX e início do século XX construiu-se o chamado Bairro Novo, de malha regular, onde se instalaram os hotéis, o casino, restaurantes, bares nocturnos e alguma actividade comercial. Outro local onde a actividade comercial é evidente é na Rua da República, que liga a zona de entrada da cidade (via Estação dos caminhos-de-ferro) à zona mais central da cidade. Nos últimos tempos foram construídos supermercados e hipermercados na zona mais periférica da cidade. Devido às condições naturais e ao equipamento turístico, a Figueira da Foz impôs-se como estância balnear não apenas para a zona centro de Portugal, mas também para famílias abastadas alentejanas e espanholas. A Figueira da Foz é conhecida como a "Rainha das Praias de Portugal".[carece de fontes?]

Foi a sul desta localidade que, no início do século XIX, desembarcaram as tropas inglesas comandadas por aquele que mais tarde seria Duque de Wellington que vieram ajudar Portugal na luta contra as Invasões Francesas. No final deste mesmo século, a Figueira da Foz era um dos principais portos portugueses envolvidos na pesca do bacalhau na Terra Nova[9] .

O Casino da Figueira da Foz foi inaugurado em 1884, sendo assim o casino mais antigo da Península Ibérica.

A Câmara Municipal da Figueira da Foz foi feita Comendadora da Ordem de Benemerência a 30 de Janeiro de 1928 e Grande-Oficial da Ordem da Instrução Pública a 31 de Dezembro de 1932.[10]

Em 1982, ano em que se comemorou o Primeiro Centenário da Elevação a Cidade da Figueira da Foz, foi inaugurada a Ponte Edgar Cardoso, que veio substituir a ponte antiga (que não permitia que embarcações passassem sob si). A nova ponte, que rapidamente se transformou num ex-libris da cidade, é considerada uma das mais bonitas e imponentes do país.[carece de fontes?] Foi, recentemente, alvo de profundas obras de remodelação. A 6 de Julho desse ano a Cidade da Figueira da Foz foi feita Membro-Honorário da Ordem do Infante D. Henrique[10] e a 31 de Janeiro de 1986 a Câmara Municipal da Figueira da Foz foi feita 80.ª Sócia Honorária do Ginásio Clube Figueirense.[11]

A Torre do Relógio (situada em frente à Esplanada Silva Guimarães é, igualmente, uma das referências da cidade, bem como o Forte de Santa Catarina. Situa-se também nesta cidade o Palácio Sotto-Mayor, que marca história numa zona mais central da Figueira da Foz. O Parque das Abadias é um dos "pulmões" da cidade e um local de lazer, onde se realizam algumas provas de corta-mato e várias iniciativas com vista a proporcionar momentos agradáveis aos cidadãos do concelho. Este Parque atravessa a cidade ao meio, indo desde a zona norte da cidade até ao Jardim Municipal, que sofreu, recentemente, intervenções de remodelação.


O Festival Internacional de Cinema da Figueira da Foz teve a sua primeira edição em 1972, tendo sido realizado pela última vez em 2002.

População[editar | editar código-fonte]

Número de habitantes [12]
1864 1878 1890 1900 1911 1920 1930 1940 1950 1960 1970 1981 1991 2001 2011
32 953 35 071 39 857 43 032 46 044 44 775 49 590 52 792 56 862 57 631 53 099 58 559 61 555 62 601 62 125

(Obs.: Número de habitantes "residentes", ou seja, que tinham a residência oficial neste concelho à data em que os censos se realizaram.)

Número de habitantes por Grupo Etário [13]
1900 1911 1920 1930 1940 1950 1960 1970 1981 1991 2001 2011
0-14 Anos 14 069 14 874 13 439 14 714 14 832 14 568 15 028 13 080 13 507 11 021 8 494 8 065
15-24 Anos 7 807 8 509 8 579 9 384 9 730 10 340 8 864 8 155 9 160 9 254 8 273 5 856
25-64 Anos 18 020 18 888 19 390 22 251 24 466 26 838 28 490 26 495 28 433 31 760 33 619 34 035
= ou > 65 Anos 2 592 2 877 2 863 3 471 3 946 4 429 5 249 5 795 7 459 9 520 12 215 14 169
> Id. desconh 12 104 215 100 72

(Obs: De 1900 a 1950 os dados referem-se à população "de facto", ou seja, que estava presente no concelho à data em que os censos se realizaram. Daí que se registem algumas diferenças relativamente à designada população residente)

Património[editar | editar código-fonte]

Clima[editar | editar código-fonte]

A Figueira da Foz tem um clima mediterrânico do tipo Csb de acordo com a classificação climática de Köppen-Geiger. No Inverno as temperaturas variam entre os 7 °C e os 14 °C raramente descendo abaixo dos 0 °C, enquanto no Verão as temperaturas oscilam entre os 15 °C e os 25 °C podendo ultrapssar os 35 °C em vagas de calor. A temperatura média anual ronda os 15 °C enquanto a precipitação média anual é de cerca de 600 mm. A temperatura da água do mar varia entre os 14-15 °C em Janeiro e Fevereiro e entre os 18-19 °C em Agosto e Setembro. No Inverno o tempo tende a estar instável enquanto no Verão o tempo seco e soalheiro pode ser interrompido por dias nebulosos ou até mesmo de chuva. No Verão, e principalmente durante a tarde, final do dia e princípio da noite, o vento tende a soprar moderado (por vezes forte) de noroeste.


Nuvola apps kweather.svg Dados climatológicos para Figueira da Foz Weather-rain-thunderstorm.svg
Mês Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Ano
Temperatura máxima absoluta (°C) 22,0 24,0 26,5 30,0 32,6 37,0 39,5 36,4 33,0 36,0 29,2 23,2 39,5
Temperatura máxima média (°C) 13,6 14,0 16,6 18,4 19,0 21,4 22,5 22,9 22,4 20,1 17,4 14,4 18,5
Temperatura mínima média (°C) 6,6 7,0 9,6 11,0 12,7 14,7 15,4 15,4 15,0 12,8 10,2 7,8 11,5
Temperatura mínima absoluta (°C) -0,1 -3,0 0,4 0,8 7,0 10,2 7,0 5,0 4,0 2,0 2,0 0,0 -3,0
Precipitação (mm) 93,3 61,3 84,3 47,1 44,4 16,9 5,4 9,0 29,4 66,7 81,1 88,5 627,1
Fonte: INMG, Climatologia de 1931-1960 [14]

Cultura[editar | editar código-fonte]

Personalidades Ilustres[editar | editar código-fonte]

Geminações[editar | editar código-fonte]

O concelho da Figueira da Foz é geminado com as seguintes cidades:[15]

Referências

  1. INE (2013). Anuário Estatístico da Região Centro 2012 (Lisboa: Instituto Nacional de Estatística). p. 32. ISBN 978-989-25-0217-5. ISSN 0872-5055. Consultado em 05/05/2014. 
  2. Instituto Geográfico Português (2013). «Áreas das freguesias, municípios e distritos/ilhas da CAOP 2013» (XLS-ZIP). Carta Administrativa Oficial de Portugal (CAOP), versão 2013. Direção-Geral do Território. Consultado em 28/11/2013. 
  3. INE (2012). Censos 2011 Resultados Definitivos – Região Centro (Lisboa: Instituto Nacional de Estatística). p. 98. ISBN 978-989-25-0184-0. ISSN 0872-6493. Consultado em 27/07/2013. 
  4. INE (2012). «Quadros de apuramento por freguesia» (XLSX-ZIP). Censos 2011 (resultados definitivos). Tabelas anexas à publicação oficial; informação no separador "Q101_CENTRO". Instituto Nacional de Estatística. Consultado em 27/07/2013. 
  5. Lei n.º 11-A/2013, de 28 de janeiro: Reorganização administrativa do território das freguesias. Anexo I. Diário da República, 1.ª Série, n.º 19, Suplemento, de 28/01/2013.
  6. «Cabo Mondego quer ser Geoparque da UNESCO em 2010». Jornal O Figueirense. Consultado em 26 de setembro 2012. 
  7. «Cabo Mondego». Figueira digital. Consultado em 25 setembro 2012. 
  8. Isabel Ramos. «História - Como era a costa». Correio da Manhã. Consultado em 2012-06-10. 
  9. SILVA, A. J. M. (2015), The fable of the cod and the promised sea. About portuguese traditions of bacalhau, in BARATA, F. T- and ROCHA, J. M. (eds.), Heritages and Memories from the Sea, Proceedings of the 1st International Conference of the UNESCO Chair in Intangible Heritage and Traditional Know-How: Linking Heritage, 14-16 January 2015. University of Evora, Évora, pp. 130-143. PDF version
  10. a b «Cidadãos Nacionais Agraciados com Ordens Portuguesas». Resultado da busca de "Figueira da Foz". Presidência da República Portuguesa. Consultado em 2013-03-01. 
  11. http://www.ginasiofigueirense.com/media/socios_honorarios2.pdf
  12. Instituto Nacional de Estatística (Recenseamentos Gerais da População) - https://www.ine.pt/xportal/xmain?xpid=INE&xpgid=ine_publicacoes
  13. INE - http://censos.ine.pt/xportal/xmain?xpid=CENSOS&xpgid=censos_quadros
  14. INMG (1970). Anuário Climatológico de Portugal, Fasc. XIII. Normais Climatológicas do Continente, Açores e Madeira correspondentes a 1931-1960 2a ed. [S.l.: s.n.] 
  15. «Cidades geminadas com a Figueira da Foz». Associação Nacional de Munícipios Portugueses. Consultado em 25 de setembro 2012. 

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Figueira da Foz