Apeadeiro de Gondarém

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Gondarém Logos IP.png
IPestacao.jpg
Linha(s) Linha do Minho
(PK 113,358)
Coordenadas 41° 55′ 12,18″ N, 8° 45′ 47,07″ O
Concelho Vila Nova de Cerveira
Serviços Ferroviários Logo CP 2.svg R
Serviços Servicios adaptados.svg


Logos IP.png
BSicon CONTfa grey.svg
BSicon BHF grey.svgV. N. de Cerveira (Sentido Valença)
BSicon HST grey.svgGondarém
BSicon HST grey.svgEsqueiro (Sentido Porto)
BSicon CONTf grey.svg


O Apeadeiro de Gondarém, originalmente denominado de Gondarem, é uma gare ferroviária da Linha do Minho, que serve a localidade de Gondarém, no Concelho de Vila Nova de Cerveira, em Portugal.

Descrição[editar | editar código-fonte]

O Apeadeiro de Gondarém tem acesso pelo Largo da Estação, no concelho de Vila Nova de Cerveira.[1]

Mapa da Linha do Minho. O Apeadeiro de Gondarém aparece junto a Vila Nova de Cerveira.

História[editar | editar código-fonte]

Este apeadeiro encontra-se no troço da Linha do Minho entre Caminha e São Pedro da Torre, que abriu à exploração no dia 15 de Janeiro de 1879.[2]

Em Julho de 1902, a divisão do Minho e Douro dos Caminhos de Ferro do Estado lançou bilhetes a preços especiais desde várias estações, incluindo Gondarem, até São Bento e Campanhã, para uma exposição no Palácio de Cristal.[3]

Em Junho de 1913, esta interface ostentava a categoria de estação, e ainda se denominava de Gondarem.[4]

Em 11 de Maio de 1927, os Caminhos de Ferro do Estado foram integrados na Companhia dos Caminhos de Ferro Portugueses, que passou a explorar as antigas linhas estatais.[5]

Em 1934, já tinha sido desclassificada para apeadeiro, tendo sido aprovado o projecto de ampliação do edifício de passageiros.[6] esta obra foi iniciada pela Companhia dos Caminhos de Ferro Portugueses naquele ano[7], e concluída no ano seguinte.[8]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «Gondarém - Linha do Minho». Infraestruturas de Portugal. Consultado em 27 de Agosto de 2018. 
  2. «Troços de linhas férreas portuguesas abertas à exploração desde 1856, e a sua extensão» (PDF). Gazeta dos Caminhos de Ferro. Ano 69 (1652). 16 de Outubro de 1956. p. 528-530. Consultado em 12 de Dezembro de 2013. 
  3. «Avisos de serviço» (PDF). Gazeta dos Caminhos de Ferro. Ano 15 (350). 16 de Julho de 1902. p. 220. Consultado em 27 de Janeiro de 2017. 
  4. «Minho - Tramways». Guia official dos caminhos de ferro de Portugal. Ano 39 (168). Outubro de 1913. p. 104. Consultado em 12 de Dezembro de 2013. 
  5. REIS et al, 2006:63
  6. «Direcção Geral de Caminhos de Ferro» (PDF). Gazeta dos Caminhos de Ferro. Ano 46 (1118). 16 de Julho de 1934. p. 355. Consultado em 12 de Dezembro de 2013. 
  7. «O que se fez nos Caminhos de Ferro Portugueses, durante o ano de 1934» (PDF). Gazeta dos Caminhos de Ferro. Ano 47 (1130). 16 de Janeiro de 1935. p. 50-51. Consultado em 12 de Dezembro de 2013. 
  8. «Os nossos Caminhos de Ferro em 1935» (PDF). Gazeta dos Caminhos de Ferro. Ano 48 (1154). 16 de Janeiro de 1936. p. 52-55. Consultado em 12 de Dezembro de 2013. 

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • REIS, Francisco; GOMES, Rosa; GOMES, Gilberto; et al. (2006). Os Caminhos de Ferro Portugueses 1856-2006. Lisboa: CP-Comboios de Portugal e Público-Comunicação Social S. A. 238 páginas. ISBN 989-619-078-X 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]



Ícone de esboço Este artigo sobre uma estação, apeadeiro ou paragem ferroviária é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.