Carminha Brandão

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Carminha Brandão
Nome completo Maria do Carmo Brandão
Nascimento 21 de julho de 1921
Raul Soares, MG
Morte 22 de fevereiro de 2011 (89 anos)
São Paulo
Ocupação atriz
Atividade 1964 - 1983
Cônjuge Francisco Cuoco

Hilquias de Oliveira

IMDb: (inglês)

Maria do Carmo Brandão mais conhecida nome artístico Carminha Brandão (Raul Soares, 21 de julho de 1921 - São Paulo, 22 de fevereiro de 2011) foi uma atriz brasileira, com atuações no teatro e na televisão.

Biografia[editar | editar código-fonte]

No teatro, Carminha Brandão formou-se pelo Tablado no final dos e atuou em várias montagens das companhias Teatro Brasileiro de Comédia e Teatro dos Sete, fundado pelo diretor Gianni Ratto e os atores com Fernanda Montenegro, Fernando Torres, Ítalo Rossi e Sérgio Brito.

Um destaque em sua carreira foram os prêmios que recebeu por sua atuação na peça "A casa de Bernarda Alba", de García Lorca. Carminha também teve atuações marcantes em montagens como "O Baile dos Ladrões", de Jean Anouih, e "Tom Paine", de Paul Foster.

Carminha Brandão estreou em novelas, em 1963 na TV Rio em A Morta Sem Espelho, escrita por Nelson Rodrigues. A produção tinha um grande elenco, encabeçado por Fernanda Montenegro.

Mudou-se para São Paulo e fez Marcados pelo Amor na TV Record. Foi para a TV Excelsior e lá atuou em grandes sucessos da época como Anjo Marcado, Almas de Pedra, O Terceiro Pecado e Sangue do Meu Sangue, entre outras.

Sua iterpretação em Anjo Marcado lhe rendeu o Troféu Imprensa de Melhor Atriz de 1966. A autora da novela, Ivani Ribeiro, passou a escrever sempre um papel para Carminha em todas as suas novelas seguintes.

Foi também presença marcante em várias novelas da TV Tupi como Camomila e Bem-Me-Quer, Mulheres de Areia, A Barba-Azul, A Viagem e O Profeta, sendo uma das atrizes preferidas da autora Ivani Ribeiro. Seu último trabalho em novelas foi na TV Bandeirantes em Maçã do Amor.

Foi namorada do ator Francisco Cuoco nos anos 60. Depois, casada com o ex-ator e delegado de polícia Hilquias de Oliveira, se afastou da carreira no final da década de 1980, após sofrer um deslocamento de retina, não tendo mais atuado. Nos últimos anos de vida, Carminha sofria do mal de Alzheimer e faleceu de pneumonia em 1989, segundo seu marido, "realizada e sem frustrações". Não teve filho.

Alguns trabalhos no teatro: A História de Tobias e de Sara, O Baile dos Ladrões, Divórcio para Três, Nossa Vida com Papai, Os Interesses Criados, Rua São Luiz, 27 - 8º Andar, A Muito Curiosa História da Virtuosa Matrona de Éfeso, Vestir os Nus, Um Panorama Visto da Ponte, Senhorita Júlia, Romanoff e Julieta, Patate, Quando se Morre de Amor, Cristo Proclamado, O Mambembe, Com a Pulga Atrás da Orelha, O Beijo no Asfalto.

Televisão[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]


Ícone de esboço Este artigo sobre um ator é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.