Catedral Nossa Senhora da Luz (Guarabira)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Question book-4.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo, o que compromete a verificabilidade (desde dezembro de 2009). Por favor, insira mais referências no texto. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Catedral Diocesana de Guarabira
Brasão da Catedral
Diocese Diocese de Guarabira
Website http://www.catedralnossasenhoradaluz.com.br
Geografia
País BRA
Cidade Guarabira, Paraíba
Endereço Rua Pe. Sampaio, 45 - Centro

A Catedral de Nossa Senhora da Luz está situada no município de Guarabira, na Paraíba. É o principal templo da Diocese de Guarabira. Com o início de suas obras datadas de 1857 numa arquitetura renascentista, mas que em 1981 passou por uma reforma que a deixou em arquitetura clássica e moderna, retirando-se seu altar-mor. A Paróquia de Nossa Senhora da Luz está localizada no centro da cidade, do alto de suas escadarias, mostrando-se de uma beleza ímpar e sendo considerada o marco zero da cidade.

No seu interior, abriga pequena imagem de Nossa Senhora da Luz, santa padroeira do município e da própria diocese, datada de 1755, quando o Sr. José Rodrigues Gonçalves da Costa resolveu deixar sua terra natal (Beiriz, povoado de Póvoa de Varzim, ao norte de Portugal) e conduziu consigo a pequena imagem para a Rainha do Brejo.

BREVE HISTÓRIA[editar | editar código-fonte]

Toda história da religiosidade do município paraibano surge em meados de 1755, quando o Sr. José Rodrigues Gonçalves da Costa, natural de Beiriz, pequeno povoado do Conselho de Póvoa de Varzim, distrito do Porto, na região norte de Portugal, decide deixar sua terra natal e morar no Brasil. Atormentados pelo grande sismo ocorrido em Portugal no ano de 1755, decidiram mudar para as terras brasileiras, em busca de uma vida nova, longe de grandes tremores. Partindo para o Brasil, chegaram à capitania da Parayba (Paraíba), e posteriormente as terras que hoje seriam a cidade de Guarabira.

Muito devoto de Nossa Senhora da Luz, título bastante venerado em sua província, protestou-a rogo em Beiriz, que ao se mudar de Portugal com a família, conduziria a venerada imagem da Luz, onde edificaria uma ermida numa terra que não sofresse abalos sísmicos. Assim fez, cumprindo sua promessa, a mudança foi bem aceita pelos primeiros grupos que aqui habitavam, tendo em vista que já havia uma pequena capela no local em honra à Nossa Senhora, construída pelo Pe. João Milânes.

Imagem frontal da Paróquia da Catedral Diocesana de Nossa Senhora da Luz

Segundo a Tradição Popular e relatos de vários historiadores, os primeiros ofícios em honra à Nossa Senhora da Luz, nessas terras, teriam sido iniciados em 1760, logo com a chegada da Família Beiriz. Marcado por muita religiosidade e tradição, os fiéis celebraram no ano jubilar de 2010, os 250 anos das festividades religiosas em honra a padroeira do município e da Diocese de Guarabira

Paróquia de Nossa Senhora da Luz foi criada em 27 de abril de 1837 pelo Arcebispo de Olinda, Dom João da Purificação Marques Perdigão, cuja circunscrição eclesiástica fazia parte até o dia 27 de abril de 1892, quando o Papa Leão XIII, pela Bula "Ad Universas Orbis Ecclesias" desmembrou o território que compreendia os estados do Rio Grande do Norte e da Paraíba, constituindo assim uma nova Diocese com sede na então capital paraibana.

Em 6 de fevereiro de 1914, vinte anos depois da criação da Diocese da Paraíba, o Papa São Pio X, pela Bula "Maius Catholicae Religionis Incrementum", cria a Diocese de Cajazeiras, no sertão paraibano e, ao mesmo tempo, eleva a Diocese da Paraíba à condição e dignidade de Arquidiocese e Sede Metropolitana, tendo por sufragâneas as duas Dioceses que haviam sido desmembradas do seu território: Natal e Cajazeiras.

Com o passar do tempo foram criadas as dioceses de Campina Grande e Patos. Em 1975, o papa Papa Paulo VI nomeia o padre Marcelo Pinto Carvalheira como Bispo Auxiliar da Arquidiocese da Paraíba, ficando sob sua responsabilidade a organização de uma nova Diocese, desta vez no brejo paraibano, região marcada pela religiosidade, missão e romarias. Em 1980, enfim, foi criada, através da Bula "Cum exoptaret" do Papa João Paulo II, a Diocese de Guarabira,  elevando ao título de Igreja Catedral, a antiga matriz de Nossa Senhora da Luz.

RECONSTRUÇÃO DO ALTAR-MOR[editar | editar código-fonte]

De acordo com antigos registros fotográficos, a Catedral de Nossa Senhora da Luz possuía na década de 40 um altar-mor que abrigava a imagem de Nossa Senhora da Luz. Em algumas das muitas reformas realizadas na segunda metade do século XX neste templo religioso, o altar principal foi demolido.

Em novembro de 2017, com o apoio dos padres Adauto Tavares Gomes e Joanderson Marinho de Lira, que arrecadaram fundos e providenciaram a elaboração do projeto arquitetônico, o então Administrador diocesano Monsenhor José Rodrigues Nicodemos de Souza deu início às obras de reconstrução, tendo em mãos o ofício Nº 1298/2017/GD/IPHAEP, que publicou o deferimento do projeto registrado como “CAE – 25.11.17” e assinado pela Diretora Executiva do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico do Estado da Paraíba, a Professora Cassandra Eliane Figueiredo Dias, em resposta à solicitação apresentada pela Diocese de Guarabira sob o processo Nº 0299/2017/IPHAEP.

Atual Altar-Mor da Catedral

Na obra da reconstrução foram investidos aproximadamente R$60.000,00 (sessenta mil reais) desde a elaboração do projeto arquitetônico até a pintura final. Estiveram envolvidos mais de 15 profissionais de diferentes áreas. Durante as 10 semanas em que duraram as obras, foram utilizados mais de 9.000 tijolos. O artesão responsável pela obra foi o senhor João Numeriano, que contou com a ajuda dos pedreiros Valdemerson Camilo de Moura e Leandro de Barros Pinto e dos auxiliares Marcelo Justino e Nicodemos Mouzinho Alexandre. A pintura foi idealizada e executada pelo Revmo. Pe. Severino dos Santos Melo, padre nascido em Guarabira e incardinado atualmente no clero da Arquidiocese da Paraíba.

No dia 28 de Janeiro de 2018, em uma santa missa solene e com a expressiva presença de centenas de devotos, foram abençoados o novo Altor-mor da Catedral dedicado à Nossa Senhora da Luz e ao Sagrado Coração de Jesus, e a nova mesa do sacrifício (altar), confeccionada em madeira nobre com medidas proporcionais ao porte de novo espaço celebrativo.

PADRES DA PARÓQUIA[editar | editar código-fonte]

Em vários momentos da história, muitos padres se destacaram na Paróquia de Nossa Senhora da Luz, sendo alguns deles,

  • Monsenhor Walfredo dos Santos Leal (1884-1904)
  • Padre Inácio de Almeida (1904-1911)
  • Monsenhor Emiliano de Cristo (1933-1967)
  • Padre Rui Barreira Vieira (1945)
  • Padre José Epimanondas de Araújo (1945-1946)
  • Padre Manuel Palmeira da Rocha (1948-1949)
  • Padre Celestino Grillo (1977-1984)
  • Monsenhor Luís Albert Pescarmona (Atualmente)
  • Padre Cristiano Muffler (1987-1991)
  • Monsenhor José Nicodemos R. de Sousa (1991-2007)
  • Padre Paulo José de Lima (2007 - 2011)
  • Padre Adauto Tavares Gomes (2011 - 2016)
  • Padre Joanderson Marinho de Lira (2016 - 2017)
  • Padre Kleber Rodrigues Oliveira (2017 - Atualmente)

A PADROEIRA[editar | editar código-fonte]

Altar-Mor com a Padroeira e o Sagrado Coração de Jesus

A Padroeira de Guarabira e também de diversas cidades brasileiras, a exemplo de Luz (MG), e Curitiba (PR) a devoção a Nossa Senhora da Luz foi difundida no Brasil pelos portugueses no período Imperial. Nossa Senhora da Luz era tradicionalmente invocada pelos cegos (Como afirma o Padre Antônio Vieira em seu Sermões sobre o nascimento da Mãe de Deus; e tornou-se particularmente cultuada em Portugal a partir do início do século XV; segundo a tradição, deve-se a um português, Pedro Martins, muito devoto de Nossa Senhora, que descobriu uma imagem da Mãe de Deus por entre uma estranha luz, no sítio de Carnide, no termo de Lisboa. Desta aparição se fundou de imediato um convento e Igreja a ela dedicada, que conheceu grande incremento devido à ação mecenática da Infanta D. Maria, filha de D. Manuel I e sua terceira esposa, D. Leonor de Áustria.

Em Guarabira, o culto de devoção a Nossa Senhora da Luz deve-se ao português José Rodrigues da Costa, que, refugiado do grande terremoto de 1755 que devastou algumas cidades portuguesas, chegou ao Brasil e por volta de 1760 junto com seu filho Pe. Cosme começava a celebrar a devoção a Virgem da Luz nas terras de Guarabira. Foi no pontificado do Papa Gregório XVI, que o Bispo de Olinda - PE, Dom João da Purificação Marques Perdigão, criou canonicamente em 27 de abril de 1837 a Paróquia de Nossa Senhora da Luz. Sua Festa Diocesana na Catedral de Nossa Senhora da Luz ocorre no período de 23 de Janeiro a 2 de Fevereiro.

Nesta ocasião de solene festa em honra a padroeira e a inauguração à reconstrução do seu altar-mor, a paróquia da Catedral de Nossa Senhora da Luz recebeu, no dia de sua padroeira, a posse canônica do seu quarto bispo diocesano, dom Aldemiro Sena dos Santos, sendo nomeado no dia 4 de outubro de 2017, sendo sucessor de dom Francisco de Assis Dantas de Lucena, atual bispo de Nazaré da Mata.

A grande festividade Diocesana ocorre durante nove dias, com missas matinais e celebrações de novena vespertina e noturna, com encerramento em grande procissão pelo centro da cidade e missa campal, celebrada pelo bispo diocesano.

HINO DE NOSSA SENHORA DA LUZ[editar | editar código-fonte]

Padroeira da Catedral de Nossa Senhora da Luz

Salve, Salve, Senhora da Luz

Soberana de grande esplendor.

Deus te salve, ó Mãe de Jesus.

Nossa paz, nossa luz e Amor!

Tu bem sabes, ó terna Mãe minha,

Que te amamos e com devoção.

Proclamamos que és a Rainha.

Que se alteia em nossos corações.

O teu vulto atraente que é,

Numa ânsia febril nos conduz.

A pedir-Te entre arroubos de fé.

Nos derrame do céu, graça e luz.

Aqui vimos Senhora da Luz,

Nosso canto fazer-Te sentir,

E com ele pedimos com fé.

Sobre nós suas bênçãos cair.[1]

Referências

  1. Livros de Tombo e Registros; 2. CRISTO, Mons. Emiliano de. Reminiscências de Guarabira. Guarabira: Tipografia Nordeste, 1958; 3. COELHO, Cleodon. Guarabira através dos tempos. Guarabira: Tipografia Nordeste, 1955
Ícone de esboço Este(a) artigo sobre capela, igreja ou catedral é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.