Cryolophosaurus

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Como ler uma infocaixa de taxonomiaCryolophosaurus
Ocorrência: Jurássico Inferior
194–188 Ma
Cryolophosaurus ellioti.png
Classificação científica
Reino: Animalia
Filo: Chordata
Clado: Dinosauria
Ordem: Saurischia
Subordem: Theropoda
Clado: Neotheropoda
Clado: Averostra
Clado: Tetanurae
Género: Cryolophosaurus
Hammer & Hickerson, 1994
Espécie-tipo
Cryolophosaurus ellioti
Hammer & Hickerson, 1994

Cryolophosaurus (Cryolophosaurus ellioti, do latim "lagarto de crista congelada") foi uma espécie de dinossauro carnívoro e bípede que viveu durante a primeira metade do período Jurássico. Media em torno de 6 metros de comprimento e pesava cerca de 525 quilogramas.[1]

O Cryolophosaurus viveu na Antártida e foi descoberto recentemente se comparado aos demais dinossauros, seus fósseis foram encontrados em 1991 em um local a 640 quilômetros do Pólo Sul.[2] Foi escavado pela primeira vez em camadas datando do Jurássico Inferior na Formação Hanson, datada dos estágios Sinemuriano e Pliensbachiano, anteriormente a Formação Falla superior, pelo paleontólogo Dr. William Hammer em 1991. Foi o primeiro dinossauro carnívoro a ser descoberto na Antártida e o primeiro dinossauro não-aviano do continente a ser oficialmente nomeado. Os sedimentos nos quais seus fósseis foram encontrados foram datados entre 194 à 188 milhões de anos atrás. Segundo os cientistas deve haver uma grande quantidade de fósseis de animais ainda não identificadas enterrados na Antártida, mas o clima extremamente frio que assola esse continente torna as escavações paleontológicas algo economicamente inviável.[3]

Desde sua descrição original, o consenso é que o Cryolophosaurus é um membro primitivo do clado Tetanurae ou um parente próximo desse grupo; mais recentemente, considerou-se que seria um neoterópode derivado, próximo a Averostra.

Descoberta[editar | editar código-fonte]

O holótipo não restaurado do Cryolophosaurus, FMNH PR1821

O Cryolophosaurus foi originalmente coletado durante o verão austral de 1990-91 no Monte Kirkpatrick, na região da Geleira Beardmore das Montanhas Transantárticas. A descoberta foi feita por Hammer, professor do Augustana College, e sua equipe. Os fósseis foram encontrados no siltito silicioso da Formação Hanson, anteriormente a Formação Falla superior, e datada do estágio Pliensbachiano do Jurássico Inferior. O Cryolophosaurus foi o segundo dinossauro e o primeiro terópode a ser descoberto na Antártida. Foi descoberto após Antarctopelta, mas foi nomeado antes.[2]

Em 1991, Hammer e o geólogo David Elliot da Universidade Estadual de Ohio escavaram afloramentos separados perto da geleira Beardmore, compartilhando despesas logísticas. A equipe de Elliot encontrou pela primeira vez os restos do Cryolophosaurus em uma formação rochosa em torno da altitude de 4.000 metros de altura e cerca de 640 km do Pólo Sul. Quando a descoberta foi feita, eles logo notificaram Hammer. Durante as três semanas seguintes, Hammer escavou 2.300 kg (5.100 lb) de rocha contendo fósseis. A equipe recuperou mais de 100 ossos fósseis, incluindo os do Cryolophosaurus.[2] Os espécimes foram formalmente nomeados e descritos em 1994 por Hammer e Hickerson, na revista Science.[2]

Durante a temporada de 2003, uma equipe de campo retornou e coletou mais material do local original. Uma segunda localidade foi descoberta cerca de 30 metros mais alta na seção do Monte Kirkpatrick.[4]

O nome Cryolophosaurus ellioti é derivado das palavras gregas κρυος (que significa 'frio' ou 'congelado', em referência à sua descoberta na Antártida), λοφος (que significa 'crista') e σαυρος (que significa 'lagarto'), portanto, "lagarto de crista congelada". Hammer e Hickerson batizaram a espécie de C. ellioti, em homenagem a David Elliot, que fez a descoberta inicial dos fósseis.[2]

Descrição[editar | editar código-fonte]

Reconstituição do animal em vida

O holótipo FMNH PR1821 é o único espécime totalmente descrito de Cryolophosaurus. O espécime consiste em um crânio incompleto e mandíbulas sem a maior parte da metade frontal; nove dentes superiores; um sexto centro cervical fragmentário; vértebras cervicais 7-10; várias costelas cervicais posteriores; várias vértebras dorsais anteriores; a maioria das vértebras dorsais média e posterior; várias costelas dorsais; a quinta vértebra sacral; três divisas; muitas vértebras caudais parciais e completas e centros; dois úmeros parciais; um rádio proximal; uma ulna proximal; um ílio parcial; um púbis proximal; ambos os ísquios, mas apenas um distal; dois fêmures incompletos; a extremidade distal de uma tíbia; a extremidade distal de uma fíbula, o astrágalo e o calcâneo.[5] Em 2013, um novo material do Cryolophosaurus foi descoberto na Antártida. A descrição deste material ainda não foi publicada de forma não abstrata.[6]

Tamanho do dinossauro comparado ao human e de um Pinguim-imperador

O Cryolophosaurus era um grande terópode de grande constituição, uma das maiores de seu tempo. O gênero foi descrito por Roger Benson e colegas (2012) como um dos principais predadores da Antártida. Ele tinha proporções delgadas.[7] Seu tamanho inicial proposto foi estimado como tendo 6 a 7 metros de comprimento por William R. Hammer e William J. Hickerson (1999).[3] Um estudo de 2007 por Nathan Smith et al. revisou o comprimento para 6,5 metros com um peso estimado em 465 quilos.[5] Com base nessas estimativas de comprimento e peso, o Cryolophosaurus é considerado atualmente o maior terópode do Jurássico Inferior conhecido.[7][8] Smith et al. (2007b) e Benson et al. (2012) observou que o holótipo individual provavelmente representa um subadulto, então os adultos poderiam ser maiores.[5][7] Em 2016, Molina-Pérez e Larramendi deram uma estimativa maior de 7,7 metros de comprimento e 780 quilos de peso.[9]

Crânio[editar | editar código-fonte]

Reconstrução do crânio

O holótipo do Cryolophosaurus consiste em um crânio alto e estreito, que foi descoberto articulado com o resto do esqueleto.[3] O crânio tem cerca de 65 centímetros de comprimento. Possui uma crista nasal peculiar que passa logo acima dos olhos, onde se eleva perpendicularmente ao crânio e se espalha. É fino e muito enrugado, o que lhe confere uma aparência de "pompadour" único e ganhou o apelido de "Elvisaurus."[10] A crista é uma extensão dos ossos do crânio, perto dos dutos lacrimais, fundidos em ambos os lados aos chifres orbitais que subir das órbitas dos olhos. Embora outros terópodes como o Monolophosaurus tenham cristas, eles geralmente correm ao longo do crânio em vez de atravessá-lo.[11]

Um estudo não publicado conduzido por Vernon Meidlinger-Chin em 2013 sugeriu que os estudos anteriores não tinham foco nos detalhes endocranianos. O estudo descobriu que o fóssil do Cryolophosaurus tem uma cavidade craniana quase completa e não distorcida, que é completa o suficiente para dar uma forma e tamanho aproximados do cérebro vivo. As características do interior craniano do Cryolophosaurus ajudou a esclarecer as diferenças do crânio com os dos alossauróides e dos celurossauros, dando a este uma posição basal em Theropoda.[8] Um exame mais detalhado de como os ossos do crânio se fundiram reviu detalhes no focinho e na testa que são especialmente semelhantes ao Dilophosaurus.[12]

Classificação[editar | editar código-fonte]

A classificação do Cryolophosaurus é difícil porque possui uma mistura de características primitivas e avançadas. O fêmur tem características dos primeiros terópodes, enquanto o crânio se assemelha a espécies muito posteriores do clado Tetanurae, como o Sinraptor e o Yangchuanosaurus da China. Isso levou Paul Sereno et al. (1994) para colocar o Cryolophosaurus no táxon Allosauridae.[13] Originalmente, Hammer e seus colegas suspeitaram que o Cryolophosaurus pudesse ser um ceratossauro ou mesmo um abelissauro precoce, com algumas características convergentes com membros mais avançados dos Tetanurae , mas finalmente concluíram que foi um dos primeiros membro conhecidos do grupo.[2] Enquanto um estudo subsequente de Hammer (junto com Smith e Currie) recuperou novamente o Cryolophosaurus como membro do clado em questão, um estudo posterior (2007) dos mesmos autores considerou que ele estava mais relacionado ao Dilophosaurus e ao Dracovenator.[11][14] Sterling Nesbitt et al. (2009), usando uma comparação com as características do gênero Tawa, considerou que o Cryolophosaurus não era nem um membro de Dilophosauridae nem do clado Neotheropoda ou Averostra, mas sim o grupo irmão de um clado composto de Dilophosauridae e Averostra.[15] No entanto, em 2012, Matthew Carrano considerou que o Cryolophosaurus era um Tetanurae, relacionado ao Sinosaurus, mas não relacionado ao Dilophosaurus.[16] Em 2020, uma monografia deste último, considerou-se que o Cryolophosaurus era um membro de Neotheropoda derivado, próximo a Averostra, em uma posição mais derivada do que o Zupaysaurus, mas menos do que o Dilophosaurus.[17]

O seguinte cladograma ilustra uma síntese das relações dos primeiros grupos de terópodes compilada por Hendrickx et al. em 2015.[18]

Neotheropoda

Coelophysidae Coelophysis size flipped.jpg




Liliensternus




Zupaysaurus




Dilophosauridae Dilophosaurus wetherilli (flipped).PNG


Averostra

Ceratosauria Ceratosaurus nasicornis DB.jpg


Tetanurae

Cryolophosaurus Cryolophosaurus reconstruction (flipped).jpg



Sinosaurus




Monolophosaurus


Orionides

Megalosauroidea Spinosaurus aegyptiacus.png


Avetheropoda

Allosauroidea Allosaurus Revised.jpg



Coelurosauria Utahraptor Restoration (flipped).png











Paleobiologia[editar | editar código-fonte]

Ornamentação do crânio[editar | editar código-fonte]

Restauração da crista da cabeça

Características de exibição craniana, como a que possui o Cryolophosaurus, fazem sentido em animais sociais e gregários, onde outros membros da espécie usam de tais características para produzir impressões de cunho hierárquico no bando ou para atrair parceiros para reprodução.[19] Todavia, Kevin Padian e sua equipe (2004) desafiaram as hipóteses convencionais de que o propósito de estruturas cranianas bizarras e armadura pós-craniana em dinossauros, era para atrair companheiros, intimidar / lutar contra rivais no grupo, ou intimidar predadores potenciais de outras espécies. Estes observaram que, com base em evidências filogenéticas, histológicas e funcionais, essas estruturas bizarras podem ser explicadas pelo fenômeno de reconhecimento intraespecífico, que é apoiado pela evidência fóssil.[20][21] Thomas R. Holtz Jr. (2010) considerou que a crista bizarra do Cryolophosaurus foi principalmente para o reconhecimento intraespecífico, com base em evidências de espécies relacionadas e estudos de textura óssea.[22] De acordo com Thomas Rich e seus colegas, a crista teria sido ineficaz como uma arma e pode ter funcionado como um recurso de exibição durante certos tipos de comportamento social, como o acasalamento.[23] Em 2019, uma função de reconhecimento de espécie foi contestada, mas um modelo de estrutura de exibição social e/ou sexual foi sugerido.[24]

Dieta[editar | editar código-fonte]

Quando o espécime-tipo foi descoberto, várias costelas cervicais longas de um suposto dinossauro prossaurópode foram encontradas na boca do Cryolophosaurus, o que levou Hammer (1998) a concluir que ele se alimentava do mesmo quando morreu. Hammer observou ainda que, como as costelas foram encontradas estendendo-se até a região do pescoço do terópode, esse indivíduo pode ter morrido sufocado com essas costelas.[3] No entanto, Smith et al. concluiu que estes restos pertenciam ao próprio espécime Cryolophosaurus, e não ao "prossaurópode" de Hammer.[14] Hammer também concluiu que um dente pós-canino pertencente a um tritilodonte (um antigo parente dos mamíferos), encontrado com os restos mortais, fazia parte do conteúdo do estômago quando morreu.[25]

Paleopatologia[editar | editar código-fonte]

Dentes de um Cryolophosaurus juvenil

Alguns ossos do Cryolophosaurus apresentam patologias que mostram evidências de necrofagia. Dentes quebrados de um Cryolophosaurus juvenil foram encontrados nas proximidades. Esses dentes não têm raízes e provavelmente se desprendem naturalmente durante a eliminação da carcaça do Cryolophosaurus adulto.[23]

Outra possível patologia é encontrada no astrágalo (osso do tornozelo) do Cryolophosaurus. Este osso foi preservado com uma pequena tala da fíbula localizada logo acima do tornozelo. A tala, entretanto, também pode ser apenas uma característica morfológica única do Cryolophosaurus.[5]

Paleoecologia[editar | editar código-fonte]

Restauração de um Cryolophosaurus em seu ambiente

Todos os espécimes conhecidos de Cryolophosaurus foram recuperados na Formação Hanson, que é uma das duas principais formações rochosas contendo dinossauros encontradas no continente da Antártida. Foi descoberto em siltitos "tufáceos" depositados no estágio Sinemuriano a Pliensbaquiano do Jurássico Inferior,[3] aproximadamente 194 a 188 milhões de anos atrás.[6][26][27] Esta formação geológica é parte do Grupo Victoria das Montanhas Transantárticas, que está a aproximadamente 4.000 metros acima do nível do mar.[3] A alta altitude deste local apoia a ideia de que no início do Jurássico, o continente antártico tinha florestas povoadas por uma ampla gama de espécies, pelo menos ao longo da costa.[27][28] A Formação Hanson foi depositada em um sistema de fenda vulcânica − tectônica ativa formado durante a divisão do antigo continente de Gondwana.[14]

No Jurássico Inferior, a Antártida ficava mais perto da linha do Equador e o mundo era consideravelmente mais quente do que hoje, mas o clima ainda era temperado frio.[29] Modelos de fluxo de ar jurássico indicam que as áreas costeiras provavelmente nunca caíram muito abaixo de zero, embora condições mais extremas existissem no interior.[30] O Cryolophosaurus foi encontrado a cerca de 650 quilômetros do Pólo Sul, mas,[3] na época em que viveu, ficava a cerca de 1.000 km (621 milhas) ou mais ao norte.[27] Esta formação produziu os restos de Glacialisaurus[31] (um grande sauropodomorfo basal), um pterossauro do tamanho de um corvo (um dimorfodontídeo), um sinapsídeo (um tritilodonte, que é um tipo de sinapsídeo do tamanho de um rato), sinapsídeo herbívoro e dois pequenos sauropodomorfos sem nome.[2] Existem também os restos de muitos gêneros de plantas recuperados da Formação Camp Hill datada do período Jurássico Inferior, em torno da mesma idade dos fósseis de Cryolophosaurus, provando que uma densa matéria vegetal já havia crescido na superfície da Antártida antes de seguir para o sul.[32]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Notas

Referências

  1. Vivendo no Mundo dos Dinossauros - Livro 1: Os Períodos Triássico e Jurássico. São Paulo: Escala. pp. 10–13 
  2. a b c d e f g Hammer, W. R.; Hickerson, W. J. (1994). «A Crested Theropod Dinosaur from Antarctica». Science (em inglês). 264 (5160): 828–830. Bibcode:1994Sci...264..828H. PMID 17794724. doi:10.1126/science.264.5160.828 
  3. a b c d e f g Hammer, W.R.; Hickerson, W.J. (1999). Tomida, Y.; Rich, T.H.; Vickers-Rich, Y., eds. «Gondwana Dinosaurs from the Jurassic of Antarctica». Proceedings of the Second Gondwana Dinosaur Symposium National Science Museum Monographs. 15: 211–217 
  4. Leslie, M (2007). «The Strange Lives of Polar Dinosaurs». Smithsonian Magazine. Consultado em 24 de janeiro de 2008. Arquivado do original em 2 de julho de 2012 
  5. a b c d Smith, N.D.; Makovicky, P.J.; Hammer, W.R.; Currie, P.J. (2007). «Osteology of Cryolophosaurus ellioti (Dinosauria: Theropoda) from the Early Jurassic of Antarctica and implications for early theropod evolution» (PDF). Zoological Journal of the Linnean Society (em inglês). 151 (2): 377–421. doi:10.1111/j.1096-3642.2007.00325.x 
  6. a b Smith, N.D.; Hammer, W.R.; Makovicky, P.J. (2013). «New Dinosaurs from the Early Jurassic Hanson Formation of Antarctica, and Patterns of Diversity and Biogeography in Early Jurassic Sauropodomorphs». Geological Society of America Abstracts with Programs: 405–406. Consultado em 20 de dezembro de 2013. Arquivado do original em 22 de dezembro de 2017 
  7. a b c Benson, R.; Brusatte, S.; Hone, D.; Naish, D.; Xu, X.; Anderson, J.; Clack, J.; Duffin, C.; Milner, A.; Parsons, K.; Prothero, D.; Johanson, Z.; Dennis-Bryan, K. (2012) [2009]. Ambrose, Jamie; Gilpin, David; Hirani, Salima; Jackson, Tom; Joyce, Nathan; Maiklem, Lara; Marriott, Emma; Nottage, Claire; van Zyl, Meizan, eds. Prehistoric Life: the Definitive Visual History of Life on Earth. Reino Unido: Dorling Kindersley. pp. 1–512. ISBN 978-0-7566-9910-9. OCLC 444710202 
  8. a b Meidlinger-Chin, V. (2013). «Braincase and Endocranial anatomy of Cryolophosaurus ellioti (Dinosauria: Theropoda) from the Early Jurassic of Antarctica». Geological Society of America Abstracts with Programs. 45 (4): 65 
  9. Molina-Pérez & Larramendi (2016). Récords y curiosidades de los dinosaurios Terópodos y otros dinosauromorfos. Barcelona, Espanha: Larousse. 254 páginas 
  10. swigodner (2 de agosto de 2017). «Antarctic Dinosaurs». Field Museum (em inglês). Consultado em 31 de dezembro de 2018 
  11. a b Smith, N. D.; Hammer, W.R.; Currie, P.J. (2005). «Osteology and phylogenetic relationships of Cryolophosaurus ellioti (Dinosauria: Theropoda): Implications for basal theropod evolution». Journal of Vertebrate Paleontology (em inglês). 25 (3): 116A–117A. doi:10.1080/02724634.2005.10009942 
  12. «VERTEBRAL ANATOMY OF CRYOLOPHOSAURUS ELLIOTI, A THEROPOD DINOSAUR FROM THE EARLY JURASSIC OF ANTARCTICA». gsa.confex.com. Consultado em 31 de dezembro de 2018. Arquivado do original em 1 de janeiro de 2019 
  13. Sereno, P.C.; Wilson, J.A.; Larsson, H.C.E.; Dutheil, D.B.; Sues, H-D. (1994). «Early Cretaceous dinosaurs from the Sahara». Science (em inglês). 266 (5183): 267–270. Bibcode:1994Sci...266..267S. PMID 17771449. doi:10.1126/science.266.5183.267 
  14. a b c Smith, N. D.; Makovicky, P.J.; Pol, D.; Hammer, W.R.; Currie, P.J. (2007). «The Dinosaurs of the Early Jurassic Hanson Formation of the Central Transantarctic Mountains: Phylogenetic Review and Synthesis». US Geological Survey Open-File Report. 2007 (1047srp003). doi:10.3133/of2007-1047.srp003 
  15. Nesbitt, S.J.; Smith, N.D.; Irmis, R.B.; Turner, A.H.; Downs, A.; Norell, M.A. (2009). «A complete skeleton of a Late Triassic saurischian and the early evolution of dinosaurs». Science (em inglês). 326 (5959): 1530–1533. Bibcode:2009Sci...326.1530N. PMID 20007898. doi:10.1126/science.1180350 
  16. Carrano, M. T.; Benson, R. B. J.; Sampson, S. D. (2012). «The phylogeny of Tetanurae (Dinosauria: Theropoda)». Journal of Systematic Palaeontology (em inglês). 10 (2): 211–300. doi:10.1080/14772019.2011.630927 
  17. Marsh, Adam D.; Rowe, Timothy B. (julho de 2020). «A comprehensive anatomical and phylogenetic evaluation of Dilophosaurus wetherilli (Dinosauria, Theropoda) with descriptions of new specimens from the Kayenta Formation of northern Arizona». Journal of Paleontology (em inglês). 94 (S78): 1–103. ISSN 0022-3360. doi:10.1017/jpa.2020.14 
  18. Hendrickx, C.; Hartman, S.A.; Mateus, O. (2015). «An Overview of Non- Avian Theropod Discoveries and Classification». PalArch's Journal of Vertebrate Palaeontology (em inglês). 12 (1): 1–73 
  19. Dodson, P. (1997). «Paleoecology». In: Currie, P.J.; Padian, K. Encyclopedia of Dinosaurs. San Diego, Califórnia: Academic Press. ISBN 978-0-12-226810-6 
  20. Glut, D.F. (2006). Dinosaurs, the Encyclopedia, Supplement 4. Reino Unido: McFarland & Company, Inc. p. 749. ISBN 978-0-7864-2295-1 
  21. Padian, K.; Horner, J.R.; Dhaliwal, J. (2004). «Species recognition as the principal cause of bizarre structures in dinosaurs». Journal of Vertebrate Paleontology (em inglês). 23 (3 Suppl): 100A. doi:10.1080/02724634.2003.10010538 
  22. Holtz, T.R. Jr. (2012). Dinosaurs: The Most Complete, Up-to-Date Encyclopedia for Dinosaur Lovers of All AgesRegisto grátis requerido. Nova Iorque: Random House Books for Young Readers. pp. 90–91. ISBN 978-0-375-82419-7 
  23. a b Rich, T.R.; Gangloff, R.A.; Hammer, W.R. (1997). «Polar dinosaurs». In: Currie, P.J.; Padian, K. Encyclopedia of Dinosaurs. San Diego, Califórnia: Academic Press. pp. 562–573. ISBN 978-0-12-226810-6 
  24. Chan-gyu, Yun. (2019). «An enigmatic theropod Cryolophosaurus: Reviews and Comments on its paleobiology». Volumina Jurassica. 17: 1–8 
  25. Glut, D.F. (1999). Dinosaurs, the Encyclopedia, Supplement 1 (em inglês). Reino Unido: McFarland & Company, Inc. p. 442. ISBN 978-0-7864-0591-6 
  26. Evans, D.C.; Vavrek, M.J. (2012). Ultimate Dinosaurs: Giants from Gondwana (em inglês). Toronto, CN: Royal Ontario Museum. pp. 30–1 
  27. a b c Dodson, P. (1997). «Distribution and Diversity». In: Currie, P.J.; Padian, K. Encyclopedia of Dinosaurs (em inglês). San Diego, Califórnia: Academic Press. pp. 10–13. ISBN 978-0-12-226810-6 
  28. Holtz, T.R. Jr.; Molnar, R.E.; Currie, P.J. (2004). «Basal Tetanurae». In: Weishampel, D.B.; Dodson, P.; Osmólska, H. The Dinosauria (Second ed.). Berkeley, Califórnia: University of California Press. pp. 71–110. ISBN 978-0-520-24209-8 
  29. Pickrell, John (2004). «Two New Dinosaurs Discovered in Antarctica». National Geographic. Consultado em 20 de dezembro de 2013 
  30. Chandler, M. A.; Rind, D.; Ruedy, R. (1992). «Pangaean climate during the Early Jurassic: GCM simulations and the sedimentary record of paleoclimate». Geological Society of America Bulletin. 104 (5). 543 páginas. Bibcode:1992GSAB..104..543C. doi:10.1130/0016-7606(1992)104<0543:PCDTEJ>2.3.CO;2 
  31. Smith, Nathan D.; Pol, Diego (2007). «Anatomy of a basal sauropodomorph dinosaur from the Early Jurassic Hanson Formation of Antarctica» (PDF). Acta Palaeontologica Polonica. 52 (4): 657–674 [ligação inativa] 
  32. Rees, P.M; Cleal, C.J. (2004). «Lower Jurassic floras from Hope Bay and Botany Bay, Antarctica» (PDF). Special Papers in Palaeontology (em inglês). 72: 5–90. Arquivado do original (PDF) em 22 de julho de 2010 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]