Giganotossauro

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Question book-4.svg
Esta página cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde janeiro de 2013). Ajude a inserir referências. Conteúdo não verificável poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Como ler uma infocaixa de taxonomiaGiganotosaurus
Giganotosaurus in Helsinki.jpg
Estado de conservação
Extinta (fóssil)
Classificação científica
Reino: Animalia
Filo: Chordata
Classe: Reptilia
Superordem: Dinosauria
Ordem: Saurischia
Subordem: Theropoda
Infraordem: Tetanurae
Micro-ordem: Carnosauria
Família: Carcharodontosauridae
Género: Giganotosaurus
Uma reprodução artística de um gigantossauro.

O Giganotossauro (Giganotosaurus carolinii, do latim "lagarto gigante do sul") foi uma espécie de dinossauro carnívoro gigante que viveu durante o período Cretáceo, há 100 a 94 milhões de anos na América do Sul, mais especificamente na Patagônia, região da Argentina, e foi um dos maiores dinossauros carnívoros que já existiram, atingindo 13 metros de comprimento e podendo pesar mais de 8 toneladas.[1] Acredita-se que caçava em bandos, em ataques coordenados. Por serem muito grandes, acredita-se que um grupo de quatro ou cinco Giganotossauros poderia matar até mesmo um Argentinossauro.

Descoberta[editar | editar código-fonte]

O Giganotossauro foi nomeado por Ruben Carolini, um caçador de fósseis amador que o descobriu em 1995 próximo ao Rio Limay, na Patagônia, Argentina. A descoberta foi anunciada por Rodolfo Coria e Leonardo Salgado na revista Nature em 1995. O esqueleto de um dos espécimes encontrados estava 70% completo e incluía o crânio, a pélvis, os ossos do e a maioria da espinha dorsal do animal. Seu tamanho é estimado em aproximadamente 4 metros de altura e algo entre 12 e 13 metros de comprimento[2][3], com a massa de um dos maiores espécimes calculada em 8,2 toneladas.[1] Um segundo espécime, muito mais fragmentado, foi encontrado, com somente uma parte da arcada dentária que é 8% maior que o primeiro espécime. Estima-se que este segundo espécime possuía um crânio de 1,95 m, sendo 15 cm maior em relação ao primeiro (com 1,80 m de crânio).[4]

Paleobiologia[editar | editar código-fonte]

O crânio do espécime encontrado na Argentina media 1,95 metros, de perfil mais longo que o usual para terópodes de seu tamanho. Através de estudos envolvendo microscopia eletrônica e densitometria óssea , os cientistas calcularam o quanto de peso a estrutura óssea do giganotossauro poderia suportar. Seu cérebro se assemelhava a uma banana em tamanho e em formato. Acredita-se que tinha um bom olfato.

Classificação[editar | editar código-fonte]

O Giganotossauro está classificado na família dos Carcharodontossauros (Carcharodontosauridae), assim como o Mapusaurus, Tyrannotitan e o Carcharodontosaurus.

Com a descoberta do Mapusaurus, este carnívoro e seu parente foram postos na subfamília Giganotosaurinae, por Coria e Currie em 2006.

Cultura popular[editar | editar código-fonte]

Esqueleto de um giganotossauro.

O Giganotossauro apareceu em vários documentários como em Walking With Dinosaurs Special - Chased by Dinosaurs no episódio "Land of Giants" (Terra de Gigantes), um dos especiais da série Walking with Dinosaurs ambos da BBC.

Também apareceu no documentário da IMAX Dinosaurs: Giants of Patagonia, onde o Dr. Rodolfo Coria mostra o local da descoberta do dinossauro na Argentina.

O Giganotossauro também aparece no 4º episódio da 3º Temporada da série britânica de drama/ficção científica Primeval. Na série um Giganotossauro aparece num aeroporto, mata o zoólogo Nigel Marven (por graça o mesmo que viajou no tempo no documentário Chased by Dinosaurs e se encontrou com o dinossauro), e ataca um avião Jumbo.

Outra aparição do Giganotossauro foi no jogo Dino Crisis 2, para Playstation e computador, representando o chefão final do jogo, que por sua vez, luta contra um Tiranossauro e o vence arremessando-o para longe.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. a b Hartman, Scott (7 de Julho de 2013). «Mass estimates: North vs South redux». Consultado em 3 de Março de 2018 
  2. Coria, R. A.; Salgado, L. (1995). "A new giant carnivorous dinosaur from the Cretaceous of Patagonia". Nature. 377 (6546): 224–226. Bibcode:1995Natur.377..224C. doi:10.1038/377224a0.
  3. Holtz, Thomas R. Jr. (2011). «Winter 2010 Appendix - Dinosaurs: The Most Complete, Up-to-Date Encyclopedia for Dinosaur Lovers of All Ages» (PDF). University of Maryland. Consultado em 5 de julho de 2017 
  4. Calvo, J.O. and Coria, R.A. (1998) "New specimen of Giganotosaurus carolinii (Coria & Salgado, 1995), supports it as the largest theropod ever found." Gaia, 15: 117–122. pdf
Ícone de esboço Este artigo sobre dinossauros é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.